• Há vida com HIV. Sempre é possível seguir um dia de cada vez!

Jovens com HIV-AIDS dizem como vivem e os desafios que enfrentam

By Claudio Souza
In de 2000 a 2013
outubro 31, 2012
Comentários
2188 Views

Este artigo foi lido 1259 vezes desde 21/04/2014, quando foi implantado este sistema de contagens. Procure observar a data da postagem. Se for anterior a data de implantação do sistema a contagem esta subestimada. Se for posterior vc deve considerar a janela de tempo da real publicação da matéria até o presente momento

Jovens e HIV/AIDS

Segundo o UNICEF cerca de 2500 jovens se contaminam com HIV todos os dias na América Latina e Caribe. O Brasil é o maior e mais populoso país dentro deste complexo e não é difícil se concluir, por simples analogia, que a maior parte destas infecções ocorra justamente aqui, onde o Ministério da Saúde diz que, no que tange ao “controle da AIDS no Brasil” eles @@@Dormem Tranquilos@@@. Falta alguma coisa no juízo destas pessoas, mas eu ainda não consegui discernir sobre o que falta…

Quem são os/as jovens com HIV-AIDS na América Latina e no Caribe? Que desafios enfrentam e como vivem na região? Essas são algumas perguntas que devem ser respondidas na Consulta Regional para Jovens Vivendo com HIV. A pesquisa, promovida por Jovens Positiv@s América Latina e Caribe (LAC), é destinada a latino-americanos/as e caribenhos/as de 15 a 29 anos de idade que possuem o vírus HIV.

 

Os/as interessados/as podem responder à pesquisa até o dia 30 de novembro na página eletrônica: http://consulta.jovenespositivos.org. O objetivo é conhecer a população jovem que vive com HIV na região, levando em consideração questões como perfil do/a jovem, seus anseios, dificuldades, necessidades e desafios enfrentados no dia a dia.

 

A ideia é, a partir das informações colhidas na consulta, analisar e planejar estratégias para melhorar as condições de acesso desses/as jovens a serviços de saúde, assim como promover ações que possam atender as necessidades dessa parcela da população e que possam ajudá-la a enfrentar os desafios cotidianos. As informações reveladas na consulta são de caráter confidencial e serão analisadas por jovens que também vivem com HIV.

 

“Acreditamos que desde nossas experiências podemos contribuir com novas ideias e soluções para uma resposta ao HIV mais inclusiva e mais efetiva com estratégias baseadas em uma perspectiva de direitos humanos e, sobretudo, baseada em nossa realidade como jovens que vivemos com HIV”, destaca Jovens Positiv@s LAC.

 

Encontro

 

Entre os dias 11 e 14 dezembro, a Cidade do Panamá, no Panamá, sediará o 1° Encontro Latino-Americano de Jovens Positiv@s. O objetivo é reunir jovens latino-americanos/as que vivem com HIV e que tenham atuação social na área para fortalecer a rede de jovens com HIV na região e discutir ações para atender as necessidades dessa parcela da população.

 

Segundo o Fundo das Nações Unidas para a Infância (Unicef), diariamente, no mundo, cerca de 2.500 jovens entre 15 e 24 anos de idade são infectados pelo vírus HIV. Na América Latina, informações de 2008 revelam que 750 mil jovens vivem com o vírus.

Jovens soropositivos

A vida passa… Muitos disseram que eles, hoje jovens com HIV-AIDS não viveriam tanto… Já podem ,inclusive gerar filhos saudáveis.
Como dizia o Poeta, “Vida Louca, Vida, Vida Breve, já que eu não posso te levar, quero que você me leve”!

 

 

Mais informações em: www.jovenespositivos.org

Ter, 30 de Outubro de 2012

 

Enhanced by Zemanta

Este artigo foi lido 1259 vezes desde 21/04/2014, quando foi implantado este sistema de contagens. Procure observar a data da postagem. Se for anterior a data de implantação do sistema a contagem esta subestimada. Se for posterior vc deve considerar a janela de tempo da real publicação da matéria até o presente momento


About Has 6473 Posts

Quando recebi meu diagnóstico soropositivo, há dezessete ou dezenove anos atrás, recebi, também, um prognóstico. Seis meses de vida. Deus sabe o que senti e o que passei e Deus sabe quantas vezes eu pensei em suicídio apenas para "não sofrer". Mas julguei que deveria, ao menos, suportar com dignidade as conseqüências dos atos que me conduziram até o diagnóstico. Não morri depois de seis meses e enterrei muita gente que, de alguma maneira, regozijou-se com minha tragédia particular. Sim, é fato, na vida, eu consolidei uma bela carteira de inimigos. Como não morri resolvi enfrentar a doença e, para isso, passei a buscar informações sobre a doença (a infecção por HIV), a Síndrome (AIDS) e suas conseqüências, as doenças oportunistas. Tenho usado este conhecimento para manter-me vivo e conduzir este site que, em alguns momentos, parece ser a única coisa boa o bastante para justificar minha presença neste mundo. O site foi idéia de uma ex-amiga que, hoje, é minha esposa e amiga e está no ar com recursos financeiros pessoais meus, que estou desempregado e sem benefício do INSS há três anos. Os recursos são pífios, inseguros,, parcos e inconstantes, mas Deus tem provido, com sua multidão de milagres, o suficiente para que eu possa mantê-lo no ar. Faz tanto tempo que eu vivo com HIV que já não sei se são dezessete ou dezenove anos e, muitas vezes, custa-me a crer que, algum dia, eu vivi sem HIV... Mas vivi, apesar de tudo eu sei que vivi. E tenho os Céus por testemunha do que tenho passado e ao que tenho sobrevivido ao longo deste abismo de tempo. Duas meningites, um enfarto, duas embolias pulmonares, algumas tromboflebites e , pelo menos meia dúzia de pneumonias eu sei que encarei e sobrevivi. Se tem mais alguma coisa, eu já nem lembro e não dou a mínima. That is me. And this is my way.
Optimization WordPress Plugins & Solutions by W3 EDGE
Copyright-protected by Digital Media Rights