web analytics

Este artigo foi lido 309 vezes desde 21/04/2014, quando foi implantado este sistema de contagens. Procure observar a data da postagem. Se for anterior a data de implantação do sistema a contagem esta subestimada. Se for posterior vc deve considerar a janela de tempo da real publicação da matéria at~e o presente momento

Mulheres soropositivos podem engravidar com segurança.

mulheres soropositivosO de­se­jo de ser mãe é um so­nho pa­ra mui­tas mu­lhe­res. Es­se so­nho va­le também pa­ra Mulheres soropositivos já que to­da pes­soa, in­de­pen­den­te­men­te de vi­ver ou não com AIDS, tem di­rei­to de de­ci­dir se quer ter fi­lhos ou não, quan­tos e em que mo­men­to da vi­da.

O aces­so uni­ver­sal ao tra­ta­men­to do HIV pos­si­bi­li­tou um no­vo cenário pa­ra mu­lhe­res soropositivos que de­se­jam tor­narem-se mães. A que­da nas ta­xas de trans­missão ver­ti­cal (de mãe pa­ra fi­lho) do HIV é uma re­a­li­da­de que ani­ma as mu­lhe­res so­ro­po­si­ti­vos.

As tec­no­lo­gi­as atu­al­men­te dis­poníveis e re­co­men­da­das no Bra­sil são ca­pa­zes de re­du­zir o ris­co de trans­missão ver­ti­cal pa­ra me­nos de 1%. En­tre 2008 e 2009, cer­ca de 6 mil mu­lhe­res so­ro­po­si­ti­vos en­gra­vi­da­ram.

Ha­ven­do de­se­jo de pa­ter­ni­da­de ou ma­ter­ni­da­de, é ne­cessário es­ta­be­le­cer um pla­ne­ja­men­to con­jun­to. Pa­ra aque­les ca­sais que de­se­jam ter fi­lhos pe­los méto­dos na­tu­rais, é im­por­tan­te não ter in­fecções ge­ni­tais (co­mo, por ex­em­plo, DST), apre­sen­tar es­ta­bi­li­da­de imu­nológi­ca, boa adesão ao tra­ta­men­to e car­ga vi­ral in­de­tectável. No Bra­sil, apro­xi­ma­da­men­te 80% das pes­so­as com AIDS se en­con­tram na fai­xa etária re­pro­du­ti­va.

Esther Vi­le­la, co­or­de­na­do­ra do de­par­ta­men­to de Saúde da Mu­lher do Mi­nistério da Saúde, ex­pli­ca que as mu­lhe­res so­ro­po­si­ti­vos po­dem con­tar com o Sis­te­ma Úni­co de Saúde (SUS).

“Ho­je, a AIDS não é uma do­ença que ma­ta co­mo an­tes.

Há con­dições de mo­ni­to­rar es­sa gra­vi­dez, ape­sar de ser de al­to ris­co.

A me­di­ci­na li­da com is­so e ten­ta le­var o máxi­mo de se­gu­rança possível a es­sas mu­lhe­res so­ro­po­si­ti­vos. Se fo­rem to­ma­das as me­di­das ne­cessári­as, a trans­missão ver­ti­cal é re­du­zi­da bas­tan­te”, afir­ma.

De acor­do com a co­or­de­na­do­ra, o SUS ho­je con­ta com cer­ca de 200 ma­ter­ni­da­des ha­bi­li­ta­das de al­to ris­co. As mu­lhe­res com HIV e ou­tros pro­ble­mas de saúde mais com­ple­xos são acom­pa­nha­das nes­sas uni­da­des. “No pla­no de ação da Re­de Ce­go­nha es­ta­mos fa­zen­do um de­se­nho da re­de, pa­ra que os médi­cos en­ca­mi­nhem as mães pa­ra as uni­da­des mais próxi­mas. O cor­po de pro­fis­si­o­nais nes­sas uni­da­des é mai­or e tem mais es­pe­ci­a­lis­tas”, apon­ta Esther Vi­le­la.

Mulheres soropositivos: As etapas.

Eta­pas – A pri­mei­ra coi­sa a fa­zer pa­ra de­ci­dir so­bre a gra­vi­dez nes­ses ca­sos é con­ver­sar com o médi­co doSer­viço de As­sistência Es­pe­ci­a­li­za­da em HIV/AIDS (SAE) que re­a­li­za o acom­pa­nha­men­to da mu­lher. Ele vai ava­li­ar a con­dição imu­nológi­ca de­la pa­ra pla­ne­jar o me­lhor mo­men­to clíni­co pa­ra que a gra­vi­dez ocor­ra com me­nos ris­co de trans­missão pa­ra o bebê.

Se as con­dições es­ti­ve­rem fa­voráveis e for com­pro­va­da a ausência de Do­enças Se­xu­al­men­te Trans­missíveis (DST), o médi­co vai con­ver­sar com a mãe e o pai pa­ra de­ci­di­rem a for­ma da con­cepção. De acor­do com An­drea Ros­si, con­sul­to­ra técni­ca do De­par­ta­men­to de DST, AIDS e He­pa­ti­tes Vi­rais do Mi­nistério da Saúde, a ori­en­tação mais fácil e sem ris­cos pa­ra ca­sais so­ro­dis­cor­dan­tes (quan­do um ape­nas é po­si­ti­vo pa­ra HIV) é a au­toin­se­mi­nação. “Com a co­le­ta do sêmen mas­cu­li­no, a mu­lher po­de in­tro­du­zi-lo na va­gi­na por meio de uma se­rin­ga. Is­so não traz ris­cos pa­ra o par­cei­ro”, afir­ma.

Pa­ra os ca­sais so­ro­con­cor­dan­tes, a ori­en­tação é que te­nham re­lação se­xu­al ape­nas em período fértil. Ca­so a mu­lher si­ga to­das as ori­en­tações, faça o acom­pa­nha­men­to pré-na­tal, to­me an­tir­re­tro­vi­rais du­ran­te a ges­tação e na ho­ra do par­to e não ama­men­te o bebê após o nas­ci­men­to, re­du­zirá em até 99% o ris­co de trans­missão do HIV. Is­so de­pen­de da boa adesão às re­co­men­dações.

Per­to do nas­ci­men­to, o médi­co vai ava­li­ar a via de par­to mais acon­se­lhável. A es­co­lha é fei­ta pe­lo médi­co e vai de­pen­der de uma série de fa­to­res co­mo a si­tuação clíni­ca da mu­lher, se ela tem ou­tra do­ença e se está com DST. No en­tan­to, a práti­ca mais se­gu­ra, em to­do ca­so, é a ci­rur­gia ce­sa­ri­a­na. To­dos os pro­ce­di­men­tos, bem co­mo os me­di­ca­men­tos an­tir­re­tro­vi­rais, são ofe­re­ci­dos pe­lo SUS.

Fon­te: Sa­mu­el Bes­sa /Agência Saúde

Ar­ti­gos Re­la­ci­o­na­dos

A voz do Vereador Paulo Frange: Mulheres Soropositivos podem ter …

Mulheres Soropositivos podem ter filhos saudáveis. As mulheres naturalmente sonham em ser mães. Para as soropositivas isso era um pesadelo. O medo e a insegurança, aliados a desinformação transformavam essas 
Sobreviventes do HIV envelhecem e enfrentam pobreza, solidão e …

Décadas depois, milhares de homens e mulheres soropositivos no mundo todo estão chegando a uma idade que nunca esperavam viver para ver. Em 2001, nos EUA, 17% dos soropositivos tinham mais de 50 anos. Agora, a cifra está em 
Sesa – Nota de Esclarecimento | Corrêa Neto

2 – Referente à denúncia feita pela presidente da Associação Amigos de Homens e Mulheres Soropositivos, Márcia Pinheiro, a Sesa informa que não procede a informação de que já ocorreram mais de 50 óbitos, conforme 
Estado de Beleza: Após HIV, piora na vida sexual difere em homens …

Após HIV, piora na vida sexual difere em homens e mulheres: Pesquisa da FSP comparou homens e mulheres soropositivos para HIV quanto à piora na vida sexual. Estudo realizado na Faculdade de Saúde Pública (FSP) 
Prazer, Alexandre. Não sou um IP, tenho nome, rosto e também …

Décadas depois, milhares de homens e mulheres soropositivos no mundo todo estão chegando a uma idade que nunca esperavam viver para ver”. Em 2001, nos EUA, 17% dos soropositivos tinham mais de 50 anos. Agora 
BLOG D@S JOVENS + PARÁ: SIM A VIDA NÃO AOS ESTIGMAS

Portanto, o ideal seria investir na busca por medicamentos menos danosos ou até a tão sonhada cura, ao invés de gastar dinheiro público promovendo a estigmatização de homens e mulheres soropositivos. E por que não 
Secretaria Municipal de Saúde de Parauapebas/PA: Prevenção à …

Essa ação deve-se ao fato de que o Ministério da Saúde fornece leite às mulheres soropositivos, que tem filho, apenas, até os seis primeiros meses de vida da criança. Isso acontece em virtude da possibilidade de 

Este artigo foi lido 309 vezes desde 21/04/2014, quando foi implantado este sistema de contagens. Procure observar a data da postagem. Se for anterior a data de implantação do sistema a contagem esta subestimada. Se for posterior vc deve considerar a janela de tempo da real publicação da matéria at~e o presente momento

Quando recebi meu diagnóstico soropositivo, há dezessete ou dezenove anos atrás, recebi, também, um prognóstico. Seis meses de vida. Deus sabe o que senti e o que passei e Deus sabe quantas vezes eu pensei em suicídio apenas para "não sofrer". Mas julguei que deveria, ao menos, suportar com dignidade as conseqüências dos atos que me conduziram até o diagnóstico. Não morri depois de seis meses e enterrei muita gente que, de alguma maneira, regozijou-se com minha tragédia particular. Sim, é fato, na vida, eu consolidei uma bela carteira de inimigos. Como não morri resolvi enfrentar a doença e, para isso, passei a buscar informações sobre a doença (a infecção por HIV), a Síndrome (AIDS) e suas conseqüências, as doenças oportunistas. Tenho usado este conhecimento para manter-me vivo e conduzir este site que, em alguns momentos, parece ser a única coisa boa o bastante para justificar minha presença neste mundo. O site foi idéia de uma ex-amiga que, hoje, é minha esposa e amiga e está no ar com recursos financeiros pessoais meus, que estou desempregado e sem benefício do INSS há três anos. Os recursos são pífios, inseguros,, parcos e inconstantes, mas Deus tem provido, com sua multidão de milagres, o suficiente para que eu possa mantê-lo no ar. Faz tanto tempo que eu vivo com HIV que já não sei se são dezessete ou dezenove anos e, muitas vezes, custa-me a crer que, algum dia, eu vivi sem HIV... Mas vivi, apesar de tudo eu sei que vivi. E tenho os Céus por testemunha do que tenho passado e ao que tenho sobrevivido ao longo deste abismo de tempo. Duas meningites, um enfarto, duas embolias pulmonares, algumas tromboflebites e , pelo menos meia dúzia de pneumonias eu sei que encarei e sobrevivi. Se tem mais alguma coisa, eu já nem lembro e não dou a mínima. That is me. And this is my way.

Claudio Souza
O Shopping no Mercado Livre que apoia a luta contra a AIDS