web analytics

Pessoas com AIDS relatam o impacto do diagnóstico e falam do futuro

Muitas vezes a dor...Em 2007, Apa­re­ci­da dos San­tos* per­deu 20 dos 67 qui­los que lhe da­vam for­ma e cur­vas, além de gran­de par­te do ca­be­lo com­pri­do que tan­to gos­ta­va e de­se­co­briu ser ma­si uma das pes­so­as com AIDS no mun­do.Após o fim de um ca­sa­men­to de se­te anos e com uma fi­lha pe­que­na pa­ra cui­dar, ti­nha pas­sa­do por três re­la­ci­o­na­men­tos – to­dos sem su­ces­so. Em meio a uma no­va ten­ta­ti­va com o ma­ri­do, des­co­briu que era so­ro­po­si­ti­va.

“Nes­se período, eu já es­ta­va co­meçan­do a ema­gre­cer, com man­chas ro­xas no cor­po e mui­ta gas­tri­te. Acha­va que era por con­ta do tra­ba­lho, da res­pon­sa­bi­li­da­de que eu ti­nha e do stress. Ja­mais po­dia ima­gi­nar que aqui­lo pu­des­se acon­te­cer co­mi­go”, con­ta a pro­fis­si­o­nal de saúde, ho­je com 45 anos.

Apa­re­ci­da ti­nha cer­te­za de que o ma­ri­do ha­via pas­sa­do a do­ença pa­ra ela quan­do ain­da eram ca­sa­dos – já que o re­la­ci­o­na­men­to aca­bou por cau­sa de ou­tra mu­lher. Mas o exa­me fei­to pe­lo com­pa­nhei­ro não acu­sou na­da em seu or­ga­nis­mo. Ele, mes­mo as­sim, de­ci­diu per­ma­ne­cer ao la­do da es­po­sa e dar apoio mo­ral du­ran­te o tra­ta­men­to.

Após períodos de in­ter­nação e uma ro­ti­na já es­ta­be­le­ci­da de me­di­ca­men­tos, a car­ga vi­ral apon­ta­da nos exa­mes é pra­ti­ca­men­te nu­la e

Apa­re­ci­da ga­ran­te que vi­ve em paz com a do­ença. “A ca­da dia, ma­to um leão na mi­nha vi­da”, re­la­ta.

O con­se­lho se re­su­me a uma úni­ca de­cisão – o uso do pre­ser­va­ti­vo. “Tem que ter mais cui­da­do por­que o HIV não está es­cri­to na tes­ta de nin­guém. A aparência é uma coi­sa mui­to su­per­fi­ci­al”.

Rai­mun­do Li­ma, 50 anos, sem­pre fez questão de se pro­te­ger du­ran­te uma re­lação se­xu­al – mes­mo em um re­la­ci­o­na­men­to que já du­ra­va 22 anos. Ain­da as­sim, o apo­sen­ta­do foi in­fec­ta­do pe­lo com­pa­nhei­ro que, in­con­for­ma­do com o di­agnósti­co da aids, fez um fu­ro em um pre­ser­va­ti­vo e pro­vo­cou a trans­missão.

“Des­co­bri por­que ti­ve uma ne­o­pla­sia (câncer) e um coágu­lo no cére­bro que es­ta­va afe­tan­do a visão. De­pois, ti­ve um tu­mor na per­na, um ti­po de câncer cau­sa­do pe­lo HIV”, ex­pli­cou. A con­fir­mação da do­ença veio em 2003.

Oi­to anos de­pois e se­guin­do re­li­gi­o­sa­men­te a te­ra­pia an­tir­re­tro­vi­ral, ele ga­ran­te que nun­ca mais foi atin­gi­do por ne­nhu­ma do­ença opor­tu­nis­ta.

Um dos pi­o­res tre­chos da tra­jetória de quem é so­ro­po­si­ti­vo, se­gun­do Li­ma, é ter de li­dar com o pre­con­cei­to. “A aids ain­da é uma do­ença cheia de es­tig­mas. In­fe­liz­men­te, a so­ci­e­da­de ain­da não en­ten­de. Vi­ve­mos em país cheio de ta­bus se­xu­ais e as pes­so­as não que­rem fa­lar de DST

[Do­enças Se­xu­al­men­te Trans­missíveis]”.

O con­se­lho do re­pre­sen­tan­te da Re­de Na­ci­o­nal de Pes­so­as que Vi­vem com HIV é o mes­mo de Apa­re­ci­da: o uso do pre­ser­va­ti­vo em qual­quer ti­po de re­la­ci­o­na­men­to – du­ra­dou­ro ou não. Ele lem­bra ain­da que fa­zer o tes­te uma úni­ca vez não é razão pa­ra abrir mão da ca­mi­si­nha, já que o HIV só é de­tec­ta­do me­ses após o contágio.

A pro­fes­so­ra Ma­ria Ge­or­gi­na Ma­cha­do, 48 anos, con­vi­ve com o HIV há 11 anos. Em 2000, pas­sou por oi­to con­sultóri­os, fi­cou me­ses in­ter­na­da e che­gou a en­trar em co­ma an­tes de ter o di­agnósti­co con­fir­ma­do. Dos 58 qui­los, so­bra­ram ape­nas 29.

Oi­to anos após a mor­te do ma­ri­do, ela en­ga­tou um no­vo re­la­ci­o­na­men­to. “A aids não tem ca­ra. Ele era bo­ni­to, for­te, saudável e me en­ga­nou por­que já era so­ro­po­si­ti­vo”. Se­gun­do Ma­ria Ge­or­gi­na, o com­pa­nhei­ro já usa­va me­di­ca­men­to an­tir­re­tro­vi­ral, mas ar­ran­ca­va o rótu­lo dos remédio pa­ra que não fos­sem re­co­nhe­ci­dos.

Quan­do co­meçou a fi­car do­en­te, ela foi de­mi­ti­da de uma das es­co­las on­de tra­ba­lha­va por­que a di­reção acre­di­ta­va que a pro­fes­so­ra po­dia es­tar grávi­da. No ou­tro colégio on­de da­va au­la, os ru­mo­res eram de que ela es­ta­va com tu­ber­cu­lo­se. Uma pes­soa da família che­gou a proi­bi-la de fre­quen­tar a rua on­de mo­ra­va por cau­sa da do­ença.

Atu­al­men­te, Ma­ria Ge­or­gi­na é mem­bro da ONG Mo­vi­men­to Na­ci­o­nal das Ci­dadãs Po­sithi­vas. “Se eu não me for­ta­le­ces­se com es­se mo­vi­men­to, acho que já ti­nha pi­ra­do. Ho­je em dia sou ar­tesã, mas ain­da amo mi­nha pro­fissão de pro­fes­so­ra”, afir­ma. A aids re­gis­trou um ou­tro capítu­lo na vi­da da ca­ri­o­ca – em 2005, ela co­nhe­ceu uma mu­lher so­ro­po­si­ti­va em es­ta­do gra­ve que lhe en­tre­gou seu bebê. A cri­ança, ho­je com 5 anos, está saudável e não tem a do­ença.

 

*No­me fictício.

Pau­la La­bois­sière

Repórter da Agência Bra­sil


Edição: Fer­nan­do Fra­ga

read more
O Shopping no Mercado Livre que apoia a luta contra a AIDS