Últimas noticias

Micobacteriose: MAC (Mycobacterium Avium Complex)

MAC (Mycobacterium Avium Complex)

O que é MAC ? 

MAC (Mycobacterium avium complex), também chamado micobacteriose, é uma doença grave que ocorre em pessoas com AIDS, causada por uma bactéria (germe).

Os germes do MAC encontram-se no ar, água, terra, alimentos e em muitos animais. é impossível evitar o contato com os germes do MAC. Quando uma pessoa inspira, come ou bebe, pode se infectar. O MAC provavelmente não é transmitido de pessoa para pessoa.

Quais são os sintomas de MAC?

O MAC infecta o corpo inteiro. Os seus sintomas podem ser os mesmos de outras doenças, apresentando: febre alta, diarréia, perda de peso, dor de estômago, cansaço e anemia (baixa taxa de glóbulos vermelhos). O MAC também pode causar infecções no sangue, hepatite, lesões na pele, pneumonia e muitas outras doenças graves.

O MAC ocorre em pessoas com AIDS que possuem um número muito baixo de células CD4. Muitas pessoas que contraem o MAC têm menos de 50 células CD4/mm3. O MAC quase nunca ocorre em pessoas com mais de 100 células CD4/mm3. Quanto mais uma pessoa com AIDS permanecer com um número reduzido de células CD4, maior sua chance de contrair o MAC. Pessoas anêmicas (com pequeno número de glóbulos vermelhos) também têm alto risco de desenvolver o MAC. Usuários de AZT, um medicamento anti-HIV, parecem apresentar o MAC com menos freqüência.

Como o médico sabe que tenho MAC?

O médico geralmente utiliza o teste de sangue para saber se o paciente tem o MAC. O teste de sangue não é perfeito, as vezes outros testes são necessários, como biópsias do fígado ou da medula e pesquisa nas fezes. As biópsias consistem em retirar uma amostra do fígado ou da medula por meio de uma agulha grande. São mais dolorosas, porém mais confiáveis que os testes de fezes.

Como MAC pode ser evitado?

A rifabutina, também chamada micobutina, é uma droga aprovada para a prevenção do MAC. é uma pílula a ser tomada diariamente. A rifabutina causa efeitos colaterais, como erupções, problemas sangüíneos e, em algumas pessoas, náuseas. A rifabutina auxilia alguns pacientes, mas não previne o MAC em todos. Em cada caso, é preciso consultar o médico para saber se a rifabutina pode ser utilizada. Em função dos anêmicos serem mais propensos ao MAC, o médico deve acompanhar regularmente o número de glóbulos vermelhos e iniciar um tratamento, caso ele esteja baixo.
Outras drogas são utilizadas para prevenir o MAC, mas estas ainda não são aprovadas para este fim. Esses medicamentos incluem a claritromicina e a azitromicina. Ambos são comprimidos. Não há informação sobre a possível eficácia da claritromicina e da azitromicina na prevenção do MAC.

MAC pode ser tratado?

O MAC (Mycobacterium avium complex) pode ser tratado, mas devem ser utilizados diferentes medicamentos. O tratamento do MAC pode fazer você se sentir melhor, mas não se sabe se pode prolongar a vida. Ele deve incluir ao menos dois medicamentos, um dos quais deve ser ou a claritromicina ou a azitromicina. O médico prescreve outros medicamentos a serem administrados com a claritromicina ou a azitromicina. Diferentes medicamentos provocam reações individuais diferentes, e cada um deles apresenta seus efeitos colaterais, alguns mais prejudiciais que outros. Os mais sérios destes efeitos raramente ocorrem. Muitas pessoas não sentirão nenhum efeito colateral. Confira, no quadro a seguir, os possíveis efeitos colaterais.

MEDICAMENTO EFEITO COLATERAL

Claritromicina
Dor de cabeça, náusea, vômito, diarréia.

Azitromicina
Dor de cabeça, náusea, vômito, diarréia.

Amicacina
Problemas renais, problemas auditivos.

Ciprofloxacina
Náusea, vômito, diarréia.

Clofazimina
Náusea, vômito, formigamento doloroso nas mãos e pés, a pele pode tornar-se alaranjada.

Etanobutol
Náusea, vômito.

Rifabutina
Erupções, náuseas, problemas sangüíneos.

Mais Informações: “Guia de Condutas Clínicas em DST/AIDS”, do Programa Nacional de DST/AIDS do Ministério da Saúde.
Este material foi editado no Brasil pela Associação Brasileira Interdisciplinar de AIDS (ABIA) a partir da série “TREATMENT ISSUES, FACT SHEET – GMHC”.

Revisão Médica: Dra. Rosana del Bianco, infectologista do I.I. Emílio Ribas de São Paulo e Dr. Dráuzio Varella.

Nota do Editor de Soropositivo Web Site: Conheci uma moça que teve e faleceu de Mycobacterium avium complex… Mas é uma história tão triste que dói só de lembrar…

Anúncios

Precisa conversar

Whats App Soropositivo.Org

Estamos aqui para ajudar a pensar, não para diagnosticar

Top Blog Pessoal Saúde Juri Acadêmico 2013/2014

Top Blog Pessoal Saúde Juri Acadêmico
Sobre Claudio Santos (509 artigos)
Depois de passar quatro décadas tentando estabelecer pelo menos um armistício com meu pai e ver as falhas ocorrerem sistematicamente, tentativa após tentativa, eu desisti do sobrenome “de Souza”. Estava me preparando espiritualmente para isso quando uma amiga locupletou a façanha de descobrir onde está minha mãe... Cláudio Santos. Quem preferir, aluda-se a mim como o Cláudio do Site,ou Cláudio do Soropositivo.Org, ou ainda aquele da promessa não cumprida: Cláudio, o trouxa do livro que acreditou em "palavra emprenhada". Eu mostro meu rosto, embora alguns me censurem, porque, no meu modesto ponto de vista, ser portador de HIV não é crime e, portanto, não há do que me envergonhar. Eu contraí HIV pela via sexual. Eu fui um DJ e, durante cinco anos fui DJ no vagão Plaza e durante uns outros dois fui DJ do Le Masque. Lá, um filho da puta me pediu para fazer minhas férias e puxou meu tapete. Aí fui parar na "Segredos", uma casa gay e, de quebra, morei lá por um tempo. Rua da Amargura, onde R.A. Gomes me colocou. Mas dei a volta por cima e fu trabalhar na SKY. Depois, na Pink Panther, em Santos e, enfim, na XEQUE Mate e, terminei minha carreira, aquele que fora três vezes considerado o Melhor DJ de São Paulo, como um apagado DJ do La Concorde e do Clube de Paris, onde conheci uma das mais belas mulheres com quem convivi e a perdi. Conheci alguém novo, uma mulher, "do dia", que me apresentou esta Entidade, o computador e, por muito tempo vivi de consertá-los. Sei, hoje, que ainda há muita gente que me odeia. Quer saber? Get them the hell and fuck off porque eu não dou a mínima. Simplesmente faço meu trabalho e me reporto a Deus... E pra quem não acredita em resiliência, eis meu histórico médico De acordo com o que preceitua o Código de Ética Médica, nos termos da legislação vigente e de conformidade com o pedido formulado pelo interessado, declaro que o Sr Cláudio Santos de Souza, matrícula no serviço sob registro RG3256664J, está em acompanhamento regular com seguintes diagnósticos/CID-10 até o presente momento: #HIV/Aids diagnóstico em 11/1996 (B24) #Candidíase oral 1996 (B20.4) #lnfecção latente tuberculosa tratada com Isoniazida em 1997 (Z20.1) #Arritmia cardíaca: bloqueio parcial ramo D/bradicardia sinusal por antidepressivos tricíclicos em 2006 (I49.9/R00.1) #Depressão (F32) Dislipidemia (E78.5) Diabetes (E14.) Obesidade (E66.) #PO tardio de gastroplastia redutora (técnica Capella 10/2011) #Embolia Pulmonar (126.) em 2011 + hipertensão pulmonar #HAS (110) controlada após cirurgia bariátrica Catarata (H26.9) #Sífilis (A51.0) gonorréia (A54.0), herpes genital (A60) Litíase vesicular (K80.5) #Trombose venosa profunda/tromboflebite MMII de repetição (182.9): 2008, 2009 e 2010 #lntervenção cirúrgica em 21/01/2013: de herniorrafia incisional abdominal, apendicectomia, colecistectomia #Herpes zoster ramo oftálmico 04/2015 (B02) 2 # Neuropatia periférica em membros superiores e inferiores (G62.9), acarretando fraqueza muscular, parestesias e dor, medicado e em seguimento pela equipe de dor #Angioma cavernoso cerebelar - em seguimento com neurologia Tratamento: TDF+3TC+ATVr, ezetimibe, alopurinol, AAS, atorvastatina, enoxaparina, clomipramina, risperidona, zolpidem, clorpromazina, flunitrazepam, gabapentina, amitriptilina, metadona Últimos exames: CD4=1070 (28%)/CD8=1597 rel=0,67 (08/03/2015) e Carga viral- HIV(PCR)

Seu retorno é importante. Nós atendemos às solicitações de textos, desde que ligados ao tema central de alguma forma. Faça seu comentário, de sua opnião

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: