Suicídio é a segunda maior causa de morte entre jovens no mundo

Você esta em Início => Destaques => Suicídio é a segunda maior causa de morte entre jovens no mundo
Destaques

Uma série de es­tu­dos pu­bli­ca­da no pe­riódi­co “Lan­cet” cha­ma a atenção pa­ra um as­sun­to ta­bu: o suicídio.

 

Se­gun­do a Or­ga­ni­zação Mun­di­al da Saúde, fal­ta pre­venção

Se­gun­do um dos ar­ti­gos, es­sa é a pri­mei­ra cau­sa de mor­te en­tre me­ni­nas de 15 a 19 anos. En­tre os ho­mens, o suicídio ocu­pa o ter­cei­ro lu­gar, de­pois de aci­den­tes de trânsi­to e da vi­olência.

No Bra­sil, o suicídio é a ter­cei­ra cau­sa de mor­te en­tre jo­vens, fi­can­do atrás de aci­den­tes e ho­micídi­os.

“An­tes as ta­xas eram mai­o­res na ter­cei­ra ida­de. Ho­je a gen­te ob­ser­va que, en­tre os jo­vens, elas so­bem as­sus­ta­do­ra­men­te”, afir­ma Ale­xan­dri­na Me­lei­ro, psi­qui­a­tra do Ins­ti­tu­to de Psi­qui­a­tria do Hos­pi­tal das Clíni­cas da USP.

Suicide concept - blood and knife in a sinkEn­tre os jo­vens, a ta­xa mul­ti­pli­cou-se por dez de 1980 a 2000: de 0,4 pa­ra 4 a ca­da 100 mil pes­so­as.

Se­gun­do o es­tu­do, os ado­les­cen­tes evi­tam pro­cu­rar aju­da por te­me­rem o es­tig­ma e que ru­mo­res so­bre seus pen­sa­men­tos sui­ci­das se es­pa­lhem pe­la es­co­la.

Há ou­tra mu­dança no per­fil dos que co­me­tem suicídio. O ris­co, que sem­pre foi mai­or en­tre ho­mens, tem au­men­ta­do en­tre as me­ni­nas.

Se­gun­do Me­lei­ro, is­so se de­ve a ges­tações pre­co­ces e não de­se­ja­das, Pros­ti­tuição e abu­so de dro­gas.

SILÊNCIO

O pro­ble­ma, porém, é ne­gli­gen­ci­a­do, co­mo mos­tram da­dos da OMS (Or­ga­ni­zação Mun­di­al da Saúde). A en­ti­da­de afir­ma que os ca­sos de suicídio au­men­ta­ram 60% nos últi­mos 45 anos e que 1 mi­lhão de pes­so­as no mun­do mor­rem des­sa for­ma por ano.

No Bra­sil, es­ti­ma-se que ocor­ram 24 suicídi­os por dia. O núme­ro de ten­ta­ti­vas é até 20 ve­zes mai­or que o de mor­tes. “O suicídio é uma epi­de­mia si­len­ci­o­sa”, diz Me­lei­ro.

Se­gun­do a OMS, pou­co tem si­do fei­to em ter­mos de pre­venção. Os pes­qui­sa­do­res, da Uni­ver­si­da­de de Ox­ford e da Uni­ver­si­da­de Stir­ling, na Escócia, di­zem que mais pes­qui­sas são ne­cessári­as pa­ra com­pre­en­der os fa­to­res de ris­co e me­lho­rar a pre­venção.

Uma es­tratégia é li­mi­tar o aces­so a mei­os que fa­ci­li­tem o suicídio, co­mo ar­mas.

“O pre­con­cei­to em tor­no das do­enças men­tais faz com que as pes­so­as não pro­cu­rem aju­da”, diz Me­lei­ro. Cer­ca de 90% dos suicídi­os estão li­ga­dos a trans­tor­nos men­tais.

Ela diz que as pes­so­as cos­tu­mam dar si­nais an­tes de uma ten­ta­ti­va. “Acre­di­ta-se que per­gun­tar se a pes­soa tem pen­sa­men­tos sui­ci­das vai es­ti­mulá-la, mas is­so po­de levá-la a pro­cu­rar aju­da.”

MA­RI­A­NA VER­SO­LA­TO

DE SÃO PAU­LO

FO­LHA DE S. PAU­LO – SP | CIÊNCIA SAÚDE

22/06/2012

Qual é o ris­co de suicídio nos pa­ci­en­tes com in­fecção pe­lo HIV e qual a me­lhor for­ma de abordá-lo?

Anúncios

Este Site usa Cookies e você pode recusra este uso. Mas pode saber bem o que está sendo registrado em, conssonãncia com nossa política de privacidade