Anúncios
News Ticker

A infecção por HIV está relacionada à uma maior prevalência de doenças ligadas ao envelhecimento

Pessoal, manter o site nos traz custos, custos estes que estão difíceis para arcarmos sozinhos. Nós queremos continuar trazendo informações e ajudando as pessoas que chegam até aqui, mas para isso também precisamos de ajuda. Qualquer valor é bem vindo e nos ajudará a manter o site de pé, caso contrário não conseguiremos mais ter esse canal de informação e ajuda mútua. Segue a conta para depósito: Banco do Brasil, agência 1521-0, conta corrente 19957-5, em nome de Claudio Souza

Também foi observada uma maior prevalência dos fatores de risco clássicos pelas tais patologias neste grupo populacional.

Envelhecer, todo mundo, se não morre antes, envelhece. No caso da pessoa com HIV há um determinado fator de envelhecimento precoce de mais ou menos cinco anos

De acordo com um estudo holandês, publicado na edição online da revista Clinical Infectious Diseases, parece haver relação entre a infecção pelo HIV e um aumento do risco de várias doenças associadas ao envelhecimento.

A equipe de pesquisa comparou o risco de doença cardiovascular, renal e óssea em idosos infectados pelo HIV e um grupo de controle formado por pessoas HIV-negativos com características semelhantes. A prevalência destas doenças associadas ao envelhecimento foi maior no grupo de pessoas com HIV, em especial no caso de doenças cardiovasculares e renais. Como esperado, foi encontrada uma associação entre a probabilidade de desenvolver estas doenças e a presença de outros fatores de risco mais comumente relatados, mas também está relacionada com a presença de infecção por HIV, com o período de imunossupressão contínua e a presença de inflamação sistêmica.

A prevalência de comorbidades associadas ao envelhecimento foi significativamente maior entre aqueles com HIV que no grupo de controle. Este fenômeno, que também está presente nos casos de carga viral indetectável, é consistente com os resultados de pesquisas anteriores. Então, meses atrás, uma maior prevalência de síndromes geriátricas foi associado à contagens de CD4 baixas (ver La Notícia del Día, 25/03/2014).

Melhorias no tratamento e cuidados fizeram com que a infecção pelo HIV não impeça que, em muitos casos, se alcance uma idade avançada. No entanto, nestes casos, parece que ocorre um início precoce de doenças associadas ao envelhecimento. A razão exata pela qual isto acontece é desconhecida, mas podem ser contados os fatores de risco, incluindo clássica (tabagismo, obesidade, etc.), os efeitos colaterais da terapia anti-retroviral, os efeitos inflamatórios da infecção por HIV e os danos da imunossupressão.

Em 2010, uma equipe de pesquisa com sede em Amsterdã (Holanda) estabeleceu um grupo para estudar a relação entre HIV e doenças associadas ao envelhecimento. Sobre este grupo se desenvolveu o estudo agora apresentado que comparou, por um período de dois anos, a prevalência de doenças associadas ao envelhecimento, entre um grupo de pessoas com infecção pelo HIV e um grupo de controle composto por soronegativos desenvolvido pelo ajuste dos resultados de ambos os grupos por sexo e idade. Os fatores de risco associados ao aumento do risco de comorbidades relacionadas com a idade também foram examinados.

Osteoporosis

A população do estudo incluiu 540 pessoas com HIV em um grupo e 524 pessoas soronegativos no grupo de controle. Os grupos foram ajustados por idade, com a mesma média de idade (52 anos). A maioria dos participantes eram homens que tinham se submetido à prática de sexo com homens.

Cerca de um terço dos participantes com HIV havia sido diagnosticado antes da AIDS, mas em quase todo o estudo estavam sob terapêutica anti-retroviral e a carga viral era indetectável.

A prevalência de fatores de risco cardiovascular para fumantes – pressão arterial elevada, relação cintura-quadril, sedentarismo – foi significativamente maior no grupo HIV-positivo do que no grupo de controle.

A prevalência de comorbidades relacionadas com a idade, também foi significativamente maior entre o grupo de pessoas com o HIV do que no grupo de controle, com uma prevalência média de 1,3 por participante versus 1,0 (p <0,001). Do mesmo modo, no primeiro grupo a probabilidade de várias doenças associadas com o envelhecimento foi significativamente maior (p= 0,009). Esta prevalência mais alta ocorreu em todas as faixas etárias consideradas (50-55, 60-65, mais de 65 anos). Além disso, o tempo de ocorrência de cada uma das doenças associadas ao envelhecimento em pessoas com HIV antecede em cerca de cinco anos a ocorrência observada entre os soronegativos.

Considerando cada comorbidade separadamente, a prevalência no grupo de pessoas com HIV também foi significativamente maior em todos os casos, especialmente no caso de hipertensão (45 vs 31%, P <0,001), infarto do miocárdio (4 vs 2%, p <0,018), doença arterial periférica (3 contra 1%, p <0,008) e disfunção renal (4 vs 2%, P <0,044).

Também foi encontrada relação entre fatores de risco tradicionais (idade, tabagismo, história familiar e relação cintura-quadril) com maior comorbidade.

Infecção pelo HIV como fator de risco atuou de forma independente, aumentando o risco associado com o envelhecimento em mais de 50% (quociente de probabilidade [CP] de doenças: 1,58, intervalo de confiança de 95% [IC 95%]: 1,23-2,03, P <0,001).

Ao observar explicitamente os fatores de risco observados no grupo HIV-positivo pode-se notar, em primeiro lugar, que um longo período de infecção por HIV (p <0,001), um período mais longo de submissão ao tratamento anti-retroviral (p <0,001) e um longo período com uma contagem de CD4 inferior a 200 células / mm 3 (p <0,001) aumentou o risco de doenças relacionadas à idade. No entanto, depois de eliminar potenciais fatores de confusão, foi encontrado somente tempo estatisticamente significativo de imunossupressão.

Também foi encontrada relação entre o risco de comorbidade e marcadores de inflamação. A infecção pelo HIV está associada à inflamação, ativação do sistema imunológico e distúrbios da coagulação comumente considerados por causar maior comorbidade tanto em pessoas com HIV quanto naqueles não infectados com o vírus.

O tempo de tratamento em dose de Ritonavir completo (Norvir®) foi encontrado no limite da significância estatística.

Os autores concluíram que os resultados do estudo suportam a hipótese de que a infecção por HIV está associada ao envelhecimento precoce. Permanece como uma questão a saber se isto é devido ao HIV atuar como um fator de risco adicional frente ao tradicional, aumentando a morbidade, ou o HIV age diretamente sobre a biologia do envelhecimento.

 

Fonte: Aidsmap / Elaboração própria (gTt-VIH).

Referência: Schouten J et al. Cross-sectional comparison of the prevalence of age-associated comorbidities and their risk factors between HIV-infected and uninfected individuals: the AGEh IV cohort study. Clin Infect Dis, online edition, 2014.

Fonte: http://gtt-vih.org/

Original em espanhol: http://gtt-vih.org/actualizate/la_noticia_del_dia/29-09-14

Tradução: Eliane Mendes de Lima

Contato: lilith1stw@gmail.com / elianemlima@correioweb.com

Jesús Damieta – 29/09/2014Copyscape has not detected any matches for the current post. (1041 words checked)

Anúncios

Olha só pessoal.

No início do post tem uma imagem com um texto falando sobre o trabalho e os custos que a gente tem. Você que está me lendo agora, pode e tem o direito de não acreditar.

No mês de mais, quando mais de quarenta mil visitas foram registradas, houve três cooperações.

Quando nós pedimos cooperação financeira, qualquer valor é bom.

Sabe, o beija-flor pode carregar uma diminuta gota d’água em seu bico, no afã de apagar o incêndio na floresta….

E nunca será insuficiente 😊

Está conta serve para transferências de qualquer banco ou depósitos na boca do caixa de qualquer agência do Santander

Esta conta não permite, senhores abusadores, que seja feito nada a título de débito nela.

Você não poderá, como já pôde, assinar 65 revistas de uma só editora e, muito menos abrir contas de acesso à Internet 🙂

Precisa conversar

Whats App Soropositivo.Org

Estamos aqui para ajudar a pensar, não para diagnosticar. Não somos médicos ou profisionais de saúde. Buscamos ajudar com palavras amigas, conforto espiritual e, na medida do possível, terminar com a neurose gerada por bloqueiros de meia pataca ou homofóbicos sem caráter que não pensam duas vezes antes de espalhar terros entre pessoas que, quer eles, os homofóbicos, queiram ou não, são seres humanos. Tenha em mente que o numero do WhatsApp esta conectado a um CPF

A PEP é um direito de todos! Saiba onde a achar

A PEP é um direito de Todos

A PEP É um DIREITO DEDOS

[EIKYGMrz]

Top Blog Pessoal Saúde Juri Acadêmico 2013/2014

Top Blog Pessoal Saúde Juri Acadêmico
%d blogueiros gostam disto: