Anticorpos de HIV podem precisar da ajuda de segundo anticorpo

Cientistas apoiados pelo NIAID descobrem cooperação com segundo anticorpo

 

John R. Mascola, Doutor em Medicina, à direita, liderou uma equipe para o estudo no Centro de Pesquisas em Vacinas do NIAID.

Créditos: NIAID

???????????Uma estratégia para o desenvolvimento de uma vacina altamente eficaz contra o HIV é aprender como algumas pessoas infectadas pelo vírus naturalmente desenvolvem determinados anticorpos, os quais são capazes de impedir uma grande parte das cepas de HIV de infectar células humanas em laboratório. Esses chamados anticorpos amplamente neutralizadores (bNAbs) desenvolvem-se tarde demais para ajudar as pessoas infectadas a vencer o vírus, mas se uma vacina pudesse estimular o sistema imunológico de pessoas não infectadas a produzir bNAbs, estes poderiam protegê-las da infecção pelo HIV.

Pesquisadores têm estudado amostras seriadas de sangue doadas por um indivíduo sul-africano portador de HIV durante o seguinte período: da 15ª semana até o 4º ano após o contágio. A intenção é compreender como o sistema imunológico dessa pessoa desenvolveu o poderoso bNAb. Os cientistas já haviam observado como seu bNAb havia mudado de sua forma inicial, imatura, para sua forma final, a mais poderosa no combate ao HIV, por meio de interações com o vírus durante muitos meses. Em uma nova pesquisa, os cientistas descobriram que, no início do processo de infecção, um segundo anticorpo, mais comum, havia influenciado o vírus a desenvolver uma mutação que ajudaria o bNAb a desenvolver sua capacidade amplamente neutralizadora. Assim, o processo de coevolução do anticorpo e do HIV pode envolver mais de um anticorpo, o que consiste em uma descoberta com possíveis implicações para o desenvolvimento de uma vacina anti-HIV.

O novo estudo foi liderado por Barton F. Haynes, Doutor em Medicina, diretor do Instituto de Vacina Humana da Faculdade de Medicina da Universidade Duke e pesquisador do Instituto Nacional de Alergia e Doenças Infecciosas (NIAID, na sigla em inglês), que é parte dos Institutos Nacionais da Saúde (NIH) dos Estados Unidos. Os cientistas do Centro de Pesquisas de Vacinas (VRC) que colaboraram foram liderados por John R. Mascola, Doutor em Medicina e diretor do centro.

ARTIGO:
F Gao et al. Cooperation of B-cell lineages in induction of HIV-1 broadly neutralizing antibodies. Cell DOI: 10.1016/j.cell.2014.06.022 (2014).

QUEM:
Anthony S. Fauci, Doutor em Medicina e diretor do NIAID, e John R. Mascola, Doutor em Medicina e diretor do Centro de Pesquisas de Vacinas do NIAID, estão à disposição para esclarecimentos.

CONTATO:
Para agendar entrevistas, favor entrar em contato com Laura S. Leifman, (301) 402-1663, niaidnews@niaid.nih.gov.

http://www.niaid.nih.gov/news/newsreleases/2014/Pages/HIVAntibodiesCooperation.aspx

Tradução:
Evandro Gomide

evandrobgomide@yahoo.com.br

Copyscape has not detected any matches for the current post. (675 words checked)

SE vc precisa do texto para um trabalho escolhar nos avise pelo formulário de contato e enviaremos um PDF para vc

 

 

Digiproved: 29 October 2014 14:20:30 UTC, certificate P560642

Pessoa Vivendo com HIV.
Um cara como qualquer outro, que vive a vida, que curte, que vai na faculdade, nem que seja para trancar a matrícula; com sonhos, aspirações, meia duzia de medos e a certeza de estar fazendo a coisa certa pois, se assim não o fosse, Deus já teria caçado meu mandado

 

 

 

 

Nota do Editor se Soropositivo Web Site: Este segundo anticorpo pode ser nossa grande esperança de futuro e, quem sabe, de cura ou remissão!

😍😍😍😜💫☮Sim, este da foto sou eu ! Minha sobrinha pediu que eu pusesse esta foto m meu perfil !.... Eu tinha aqui uma descrição a meu respeito que, uma pessoa classificou como “irreverente”. Esta é, realmente, uma forma eufêmica de classificar o que estava aqui. Tudo o que sei é que uma “ONG”, que ocupa um prédio de 10 andares estabeleceu uma parceria comigo, e eu tenho os logs do tempo de parceria, que foi mais um vampirismo pois, para cada 150 pessoas que saiam do meu site, clicando no deles, havia, em média, um que entrava. QUANDO ENTRAVA E SE ENTRAVA

Deixe uma resposta

Your email address will not be published.

*

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.