Para ser acessível, a PPrE precisará de níveis elevados de adesão.

Image default
gays

HSH

Um estudo realizado na cidade de Nova Iorque no qual se apresentou um modelo sobre a aceitação da profilaxia pré-exposição (PPrE) comprovou que, para resultar econômica, esta estratégia deveria estar muito direcionada aos homens que praticam sexo com outros homens (HSH) que se encontrem em situação de maior risco de infecção pelo HIV. Dentro dessa população-alvo, seriam necessários elevados níveis de uso para obter o máximo aproveitamento dessa estratégia preventiva.

Também seria útil uma redução no preço de Truvada (um comprimido que combina tenofovir e emtricitabina e que atualmente é o único fármaco empregado na PPrE). O modelo apresentou vários cenários e revelou que, embora a PPrE poderia ser potencialmente custo-efetiva ao preço atual de Truvada, somente implicaria uma economia se fosse reduzido à metade de seu preço atual nos EUA. Inclusive neste caso, seria necessária uma aceitação quase universal por parte da população de homens gays em situação de maior risco.

O modelo não encontrou nenhum cenário no qual a PPrE resultasse custo-efetiva se fosse oferecida às pessoas heterossexuais em situação mais vulnerável e praticamente nada custo-efetiva se fosse oferecida às pessoas usuárias de drogas injetáveis.

O custo que implicaria oferecer a PPrE para a população geral seria enorme e resultaria completamente antieconômico. Se a PPrE fosse oferecida para toda a população sem HIV, o modelo prevê que seriam evitadas 29% de todas as infeções por HIV a um preço de 52 bilhões de dólares por ano para cada infeção evitada. Se fosse oferecido a todos os homens que praticam sexo com outros homens, 19% de todas as infecciones seriam evitadas e isso implicaria 1,24 milhões de dólares por infeção evitada. No entanto, se fosse focada nos HSH que possuem “vários relacionamentos simultâneos”, custaria cerca de 740.000 dólares por cada infeção evitada em vida e o custo neto anual seria de 467 milhões de dólares.

ombre de prostituée

Ao supor uma eficácia de 75% na PPrE em lugar de 44% (para recolher as maiores taxas de adesão registrada nas sedes dos EUA do estudo iPrEx), poderiam ser evitadas 22% das infeções HIV pelo mesmo preço e implicaria que a PPrE entrasse no âmbito das intervenções custo-efetivas.

Se o preço do fármaco fosse reduzido à metade e a cobertura nos homens gays em situação de alto risco chegasse a 70%, a PPrE poderia realmente começar a economizar dinheiro. O programa de PPrE custaria menos que a terapia antirretroviral em vida para as infeções por HIV que teriam sido produzidas se não fosse pela profilaxia.

Este modelo no foi aplicado no Reino Unido, mas as cifras obtidas pela aidsmap.com revelam que se a PPrE fosse tomada por 30% dos homens gays que acodem às clínicas de saúde sexual diagnosticados com uma infeção de transmissão sexual aguda (muito relacionada a um elevado risco posterior de infeção por HIV), seu custo não superaria as 38.000 libras por cada infeção por HIV evitada e provavelmente menos se forem utilizados os custos reais de Truvada e do atendimento médico no Reino Unido. Esta cifra está muito próxima do limiar de custo-efetividade utilizado geralmente de 30.000 libras.

Comentário: A PPrE pode resultar custo-efetiva e inclusive supor uma economia de dinheiro em países com elevados níveis de internações e preços elevados dos fármacos, segundo sugere este modelo matemático. No entanto, para que isso ocorra, é necessário que seu uso seja restrito às pessoas que mais precisem dela, é preciso manter os níveis de adesão e o preço dos fármacos precisaria ser reduzido, provavelmente de forma considerável, algo que é pouco provável que ocorra até 2017-2018 como muito cedo, quando expirar a patente do Tenofovir.

Tradução

Diana Margarita

www.tradutoradeespanhol.com.br


Se Você pode, apoie








Nós temos muitos projetos a serem realizados, mas não temos recursos.

Por outro Lado, temos nossos custos operacionacionais, que não são poucos.

Se Você gosta deste trabalho, pode ajudar e assim o deseja, faça uma pelo Pay Pal

Se Você quer saber mais sobre nós e a quem e ao que está ajudando, este link mostra algo de tudo e abre em outra aba!

 

 

 

[bws_popular_posts]

Em nenhuma outra entrevista eu fui tão bem tratado e nunca estive em uma entrevista em que não tivesse ocorrido edições, com as exceções da Astrid e do Erotika da MTV

Você pode procurar algumas ONG ue eu conheço em São Paulo

 

Rede Nacional de Pessoas Vivendo com HIV ou AIDS

Grupo De Incentivo à Vida

Pela Vidda

GAPA

CEFRAN

Anúncios

Related posts

Segunda pessoa contrai cepa rara do HIV apesar de estar em PReP

Cláudio Souza 1/4 de Século Vivendo Com HIV

Portadores do HIV não são frequentemente submetidos a testagem para o HCV

Cláudio Souza 1/4 de Século Vivendo Com HIV

Menor nível educacional gera diagnóstico tardio

Cláudio Souza 1/4 de Século Vivendo Com HIV

PrEP INJETÁVEL? ELE PODE ESTAR DISPONÍVEL MAIS CEDO DO QUE VOCÊ IMAGINA!

Cláudio Souza 1/4 de Século Vivendo Com HIV

Vulnerabilidade social entre jovens aumenta os casos de AIDS entre mulheres e gays jovens

Cláudio Souza 1/4 de Século Vivendo Com HIV

E quanto a nós, mulheres… Estamos PrEParadas? Em que termos

Cláudio Souza 1/4 de Século Vivendo Com HIV

1 comment

Leave a Comment

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Nós usamos Cookies Para Te Oferecer Uma Experiência On Line em .soropositivo.org e todos os seus subdomínios de acordo com nossa Política de Privacidade, neste link: Política de Privacidade ( Bellow Portuguese version there is a English version of these Privacy Policies)

%d blogueiros gostam disto: