4.9 C
Nova Iorque
sexta-feira, outubro 30, 2020

Buy now

Aproximadamente 4,2 milhões de pessoas acima de 50 anos vivem com HIV

A prevalência mundial de pessoas que vivem com HIV e tem mais de 50 anos dobrou nos últimos 20 anos

AIDS não tem cura. Preconceito sim. Informe-seNovos e convincentes dados publicados na edição digital da revista AIDS revelam o aumento da idade das pessoas afetadas pela epidemia de HIV. Partindo das taxas de prevalência do Programa Conjunto das Nações Unidas sobre HIV / AIDS (ONUSIDA) estimou que o número de pessoas acima de 50 anos com HIV teria atingido os 4,2 milhões, mais do que o dobro do que em 1995. O dado mostra-se consistente com os apresentados através de outras fontes. De concreto as informações disponíveis por meio de pesquisas nacionais por lares confirmam o aumento das infecções por HIV neste grupo etário.

Existem várias explicações possíveis para este fenômeno, mas parece ser especialmente relevante a eficácia da terapia aantirretroviral de grande atividade (TARGA) estabelecida a meados dos anos noventa e que produziu uma melhora espetacular na esperança de vida nas pessoas portadoras de HIV, e o aumento do número de novas infecções pelo vírus entre as pessoas de mais idade.

Para poder fazer uma planificação coerente dos serviços médicos necessários para atender esta situação é preciso conhecer de forma precisa a extensão da epidemia entre as pessoas com mais idade. Principalmente pela relação que parece existir entre a infecção por HIV e o desenvolvimento de doenças associadas ao envelhecimento (veja este importante estudo holandes de Setembro de 2014)

Os investigadores de ONUSIDA realizaram uma estimativa do número total de pessoas de mais idade com HIV a partir dos seus próprios dados. Também compararam estas cifras com as obtidas a partir das diferentes pesquisas nacionais por lares no sentido de comprovar a fiabilidade da estimativa.

Como resultado se obteve para 2013 um total estimado de pessoas acima de 50 anos com HIV de aproximadamente 4,2 milhões. Desse total a maior parte ficou concentrada na África subsaariana, onde o número de pessoas com mais de 50 anos com HIV foi estimada em 2,5 milhões.
Entre 1995 e 2013 teria se produzido um incremento constante do número de maiores de 50 anos com HIV de tal modo que a prevalência final foi maior do que o dobro da inicial. O crescimento foi constatado em todos os grupos os grupos etários, ainda que em diferente grau: a prevalência dobrou no grupo de 50 a 54 anos, aumentou em um terço no grupo de 55 a 59 anos e aumentou em um quarto no grupo de 60 a 64 anos.

As pesquisas nacionais coincidiram, em linhas gerais, com as estimativas de ONUSIDA. No grupo de homens de 50 a 54 anos, a prevalência estimada foi um 10% menor do que a revelada nas pesquisas, e no grupo etário de 55 a 59 anos a prevalência foi 27% menor. Contudo, um exame posterior revelou que estas comparações não eram suficientemente significativas a causa do tamanho insuficiente da amostra. No caso das mulheres, os resultados das pesquisas nacionais se acharam dentro do grupo situado entre 2 e 10% das estimativas de ONUSIDA. Em quatro países em que se realizaram pesquisas tanto para homens como para mulheres os resultados das mesmas se acharam dentro do grupo situado entre 10 e o 15% dentro das estimativas para o grupo de faixa etária com menos de 60 anos.

Os dados de ambas as fontes confirmaram a crescente prevalência do HIV entre as pessoas de mais idade nos últimos anos.

A equipe de investigação assinalou três importantes implicações que são decorrentes das suas descobertas: em primeiro lugar se faz necessário expandir os serviços para atender as complexas necessidades das pessoas que vivem com o HIV. Em segundo lugar, deve-se prestar mais atenção a prevenção do HIV nas pessoas acima de 50 anos. Por último, a necessidade de se realizarem maiores esforços para se obter dados fiáveis sobre a epidemia de HIV nas pessoas com mais idade, passo necessário para se compreender o alcance do impacto que gera.

Fonte AIDSMAP/ Elaboração própria: (gTt-VIH).

Referência: Mahy M et al. Increasing trends in HIV prevalence among people aged 50 years and older: evidence from estimates and survey data. AIDS 28, online edition. DOI: 10/1097/QAD.0000000000000479, 2014.

 

Jesus Damieta – 17/ 10/2014

Martha Prieto
TRADUTORA-INTÉRPRETE

Related Articles

Sou Soropositivo! Estou Vivendo Com HIV! E Agora? O Que Faço?

De resto, pode seguir estes passos gradualmente. Esta é uma grande mudança e você levará algum tempo para integrá-la à sua autoimagem de uma forma positiva. Não tenha pressa, mas incentive e celebre os pequenos avanços em seu pensamento sobre o HIV. Tenha em mente que você esta vivendo na segunda década do século XXI e, esperançosamente, isso é consideravelmente melhor que esta na [ultima década do Século XX, embora nada tenha de fácil a vida com HIV!

Riscos do Sexo Oral

Riscos do sexo oral se você pega ou passa HIV pelo sexo oral tem todas as respostas que você precisa aqui nesta página sobre riscos da felação, a #¿$?%!¡, que está intrinsecamente ligado ao medo e a “ignorância cultivada” dentro da vida sexual das pessoas, e este “binômio” me traz muitas pessoas. Assim, eu concluí que, para muitas pessoas, está é a uma das “eternas dúvidas” dentro da vida sexual das pessoas, quase sempre tão ignorantes a respeito de sexo oral e HIV! Eu quero estabelecer, neste ponto que a chupeta oferece, para muitos, uma experiência intensamente prazerosa

O que São Antirretrovirais? Eis Uma Visão geral 

O que são antirretrovirais? Os antirretrovirais são os medicamentos que mudaram a face da pandemia HIV/AIDS para algo controlável, que deixou de ser uma ceifadora de vidas. No entanto, eles ainda não removeram a ameaça que a pandemia HIV/AIDS representa e nem mesmo com grande otimismo chegamos à reta final desta pandemia. Pois, apesar de todo o esforço feito por organizações não governamentais e iniciativas individuais, o HIV ainda continuará a ser contraído. E por muito tempo ainda.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Stay Connected

0FansLike
0FollowersFollow
0SubscribersSubscribe
- Advertisement -

Latest Articles

Sou Soropositivo! Estou Vivendo Com HIV! E Agora? O Que Faço?

De resto, pode seguir estes passos gradualmente. Esta é uma grande mudança e você levará algum tempo para integrá-la à sua autoimagem de uma forma positiva. Não tenha pressa, mas incentive e celebre os pequenos avanços em seu pensamento sobre o HIV. Tenha em mente que você esta vivendo na segunda década do século XXI e, esperançosamente, isso é consideravelmente melhor que esta na [ultima década do Século XX, embora nada tenha de fácil a vida com HIV!

Riscos do Sexo Oral

Riscos do sexo oral se você pega ou passa HIV pelo sexo oral tem todas as respostas que você precisa aqui nesta página sobre riscos da felação, a #¿$?%!¡, que está intrinsecamente ligado ao medo e a “ignorância cultivada” dentro da vida sexual das pessoas, e este “binômio” me traz muitas pessoas. Assim, eu concluí que, para muitas pessoas, está é a uma das “eternas dúvidas” dentro da vida sexual das pessoas, quase sempre tão ignorantes a respeito de sexo oral e HIV! Eu quero estabelecer, neste ponto que a chupeta oferece, para muitos, uma experiência intensamente prazerosa

O que São Antirretrovirais? Eis Uma Visão geral 

O que são antirretrovirais? Os antirretrovirais são os medicamentos que mudaram a face da pandemia HIV/AIDS para algo controlável, que deixou de ser uma ceifadora de vidas. No entanto, eles ainda não removeram a ameaça que a pandemia HIV/AIDS representa e nem mesmo com grande otimismo chegamos à reta final desta pandemia. Pois, apesar de todo o esforço feito por organizações não governamentais e iniciativas individuais, o HIV ainda continuará a ser contraído. E por muito tempo ainda.

Sexo Oral Gonorreia e lésbicas

Sexo oral, gonorreia e lésbicas não são temas corriqueiros. E é bem por isso que eles me preocupa,. Se toda hora alguém me perguntasse...

O que é a carga viral?

O objetivo do teste de a carga viral é simples: quanto menos cópias do HIV no sangue, melhor. Ao iniciar o tratamento, os testes de carga viral fornecem as medidas de linha de base pelas quais os testes posteriores são comparados. Cada queda de dez vezes na carga viral é considerada uma queda de um tronco. Por exemplo, se a carga viral cair de 50.000 cópias/mL para 500 cópias/mL, diz-se que o paciente tem uma queda de dois troncos na carga viral
Olá! Sou o Beto Volpe! Quer Conversar? Diga olá! Mas tenha em mente que eu trabalho aqui entre 9:00 da manhã e 20 horas. Você pode deixar a mensagem, mas eu responderei nestes horários. Talvez eu demore, mnas em *SEMPRE RESPONDO*
Olá! Será que você me autorizaria a te avisar quando eu fizesse uma nova publicação ou atualização de um texto? Veja bem, eu não teria a menor ideia a respeito de quem você é! Seria algo anônimo, que me deixaria feliz por sua atenção e interesse. Quando eu fui DJ meu salário era a gritaria! Agora, é seu interesse! E, me perdõem por algum erro ortográfico. Eu sou disléxico e a neuropatia periférica complica ainda mais toda esta coisa. :-(
Dismiss
Allow