A expectativa de vida para HIV Positivo pode Surpreender

O tratamento precoce é a chave, para aumentar a expectativa de vida para HIV positivo.

Mas enormes disparidades no tratamento de indivíduos que poderia aumentar expectativa de vida para HIV positivo

 

É muito interessante este aumento de expectativa de vida para HIV positivo, porque ele não é, digamos, para todos.

Parece que os WASP (rsrs) tem uma tendência a reagir melhor à TARV (PQP), rsrs….

Pois observer o que diz este texto, que começa, mesmo, aqui:

Um estudo americano descobriu que alguns grupos de pessoas com HIV, especialmente aqueles tratados antes que sua contagem CD4 caia abaixo de 350 células/mm3, tem agora expectativas de vida iguais ou até mesmo maiores do que a população americana em geral.

Entretanto, o estudo também descobriu que a expectativa de vida da pessoa HIV positivo para alguns outros grupos – mais notadamente mulheres e pessoas de outras etnias que não os brancos – é ainda consideravelmente baixa comparadas aos membros da população geral e que em pessoas que injetam drogas, a expectativa de vida da pessoa HIV positivo na era da terapia antiretroviral (ART) não melhorou de nenhum modo.

Um segundo estudo, que observou as taxas de mortalidade entre ambos os membros HIV-positivo e HIV-negativo de dois grupos de pessoas com ou com risco de contrair HIV descobriu que o limite das taxas de doenças não definidas pela AIDS entre pessoas com HIV que começaram com a TARV (o link é quase comoque chobver no molhado) acima de 350 células/mm3 não eram, e nem nunca foram, maiores do que aquelas entre pessoas HIV-negativo comparáveis.

Em outras palavras, o único contribuinte para aumentar a mortalidade em pessoas que começaram a TARV precoce era a AIDS.

É muito importante  você sacar a diferença.

Isto não era, entretanto, o caso em pessoas que começaram com a TARV mais tarde.

Elas tinham diminuído a mortalidade devido a causas não relacionadas à AIDS, bem como devido à AIDS.

See tratar ´pe muito importante e, como já se diz a torto e a direito. Começar imediatamente.

A expectativa de vida para HIV positivo entre , 2000 – 2007 foi maior para mulheres

 

O primeiro estudo observou as taxas de mortalidade entre, e então computou a expectativa de vida da pessoa HIV positivo para, 22.937 pessoas com HIV nos Estados Unidos e no Canadá que começaram com a TARV esperança entre o começo de 2000 e o final de 2007. O estudo então comparou as expectativas de vida deles aos 20 anos com a da população geral e notou como ela tinha mudado durante os oito anos do estudo.

A expectativa de vida da pessoa HIV positivo aos 20 anos na população americana é de aproximadamente 57 anos nos homens.

Em média, e na ausência de maiores mudanças, cinquenta por cento morrerão por volta dos 77 anos) e 62 anos nas mulheres.

E cinquenta por cento de chance de morte por volta dos 82 anos. (acho que vou trocar de sexo 🙂 )

No Canadá, os homens podem esperar viver aproximadamente três anos mais do que isso e as mulheres apenas mais dois.

Talvez eu apenas mude para o Canadá! 🙂 🙂 🙂

O estudo descobriu que para o grupo como um todo e além dos oito anos totais, a média da expectativa de vida da pessoa HIV positivo em pessoas com HIV estava abaixo de 43 anos, e cinquenta por cento morrerão por volta dos 63 anos – 15 anos mais cedo do que os homens e 19 anos mais cedo que as mulheres da população geral americana.

Há muita disparadidade na expectativa de vida de pessoa HIV positivo

Entretanto, houve diversas disparidades na expectativa de vida da pessoa HIV positivo entre os diferentes grupos.

Enquanto as pessoas que injetavam drogas tinham uma expectativa de vida da pessoa HIV positivo de somente 29 anos a mais aos 20 anos, para pessoas brancas era de 52 anos, para aqueles que começavam o tratamento com a contagem de CD4 acima de 350 células/mm3 era de 55 anos e para os homens gays era de 57 anos – o mesmo (ou um pouco maior) que os homens americanos em geral.

Além disso, a expectativa de vida da pessoa HIV positivo havia melhorado significativamente entre 2000 e 2008 para a maioria dos grupos.

Em pessoas de outras etnias que não os brancos, embora a expectativa de vida da pessoa HIV positivo para aqueles em TARV entre 2005 e 2007 era ainda somente de 48 anos a mais aos 20 anos – i.e nove anos atrás dos homens americanos e 14 anos atrás das mulheres americanas – esta foi uma melhora significativa desde 2000 – 2002. quando as pessoas de outras etnias que não os brancos que estivessem em TARV poderiam esperar, em média, morrer aos 50 – um ganho de 18 anos.

Em certos casos expectativa de vida para HIV positivo é maior do que em “pessoas normais”.

A expectativa de vida para HIV Positivo pode ser surpreendentemente longa :-)
Pessoas normais? O que seria isso?

A expectativa de vida para HIV positivo aos 20 anos tinha subido 17 anos em homens, 10 anos nas mulheres (embora notavelmente, isto não tivesse melhorado desde 2005), por volta de 13

anos em homens gays, por volta de 12,5 anos em pessoas heterossexuais, e por volta de 20 anos naqueles iniciando a TARV em contagem de células CD4 acima de 350 células/mm3.

Isto significa que a média da expectativa de vida da pessoa HIV positivo aos 20 anos era agora igual aos homens americanos da população geral, entre pessoas heterossexuais com HIV e em pessoas brancas.

Era também um memorável 69 anos aos 20 anos em homens gays e em pessoas iniciando a TARV antes de 350 células/mm3 – significando que, se nada mais mudasse estes grupos, contanto que eles permanecessem em TARV, têm uma chance de 50/50 de verem seu 89º aniversário!   

WOW!!!!! – Bia P. Que o diga!!!!!!!!!   🙂   🙂   🙂

SETE ANOS MAIS a mais do que mulheres na população americana geral.

Contranstantemente a expectatica de Pessoa HIV positivo que usa droga injetável, não melhorou.

Em contraste, a expectativa de vida da pessoa HIV positivo aos 20 anos em pessoas que injetam drogas não tinha mudado de nenhum modo e ainda era de 29 anos aos 20 anos em 2007, como era em 2000.

Outra descoberta séria foi que somente 28% do grupo tinham iniciado a TARV antes de sua contagem de células CD4 caír

abaixo de 350 células/mm3 embora esta proporção tenha melhorado com o passar do tempo.

Proporcionalmente a mortalidade em pessoa HIV positivo  por doenças não relacionadas à AIDS é maior do que na população geral 

Um dos problemas com este tipo de estudo é que como não está sendo comparado com gosto.

Pessoa HIV Positivo sempre terá muitas diferenças além de seu status sorológico e sua medicação do que a média de membros do público, então diferenças na taxa de mortalidade poderiam ser atribuídas a todos os tipos de outros fatores.

Um segundo estudo em mortalidade tentou se aproximar disto ao comparar as taxas de mortalidade em pessoas que, isolado seu status HIV, eram proximamente similares.

Ao fazer isto, foi possível conseguir a proporção de mortes devidas à AIDS e assim descobrir se as mortes decorrentes de doenças não relacionadas à AIDS eram maiores em pessoas com HIV ou em TARV do que na população geral.

A mortalidade em decorrência e na não decorrência de doenças relacionadas à AIDS em pessoa HIV positivo

Este estudo observou a mortalidade em decorrência e na não decorrência de doenças relacionadas à AIDS em dois grupos de estudo americanos de longo prazo – o Multicenter AIDS Cohort Study (MACS) e o Women´s Interagency HIV Study (WIHS).

Estes grupos de estudo de longo prazo foram montados em 1985 e 1993 respectivamente. Os MACS recrutaram 6972 homens gays que eram ou HIV-positivo ou em um alto risco de contrair a infecção por HIV (41% dos participantes já eram portadores do HIV no início do estudo).

E o WHIS recrutou 4137 mulheres que ou eram HIV-positivo ou proximamente ligadas às mulheres HIV-positivo em termos de características (38% das participantes já eram portadoras do HIV no início do estudo).

Comparativo de mortalidade em pessoa HIV positivo e HIV Negativo

expectativa de vida HIV positivo
A morte é só uma viagem…

Este estudo comparou as taxas de mortalidade entre os membros do grupo HIV-negativo e de grupo com pessoa com HIV que estavam em combinação de terapia antiretroviral (cART).

Como não havia números grandes de membros do grupo em cART que eram ou muito jovens ou muito velhos, o estudo observou apenas a mortalidade nos “anos medianos”, entre 35 e 70.

Para as pessoas com HIV o estudo observou somente a mortalidade subseqüente a eles iniciando a cART se eles tivessem mais de 35 anos quando iniciaram.

O estudo observou a mortalidade até o fim de 2010, então algumas pessoas poderiam estar em cART de vários tipos por 15 anos ou mais, se eles iniciaram nos meados de 1990 e tivessem de 35 a 55 anos na época.

A faixa média de acompanhamento foi de fato de 10.2 anos: 11.7 anos com as pessoas HIV-negativo e 7.6 e 8.1 anos (dependendo da contagem CD4 na iniciação da cART) e as pessoas HIV-positivo em cART.

Uma proporção alta do grupo – 60% ou 6699 indivíduos – foram inclusos neste estudo. O primeiro e mais óbvio fato é que a mortalidade era muito mais alta nas pessoas com HIV, como você pode esperar: através dos anos, 540 de 2953 pessoas com HIV morreram (18,2%) comparado com 165 de 3854 pessoas HIV-negativo (3.4%). Em termos de taxas anuais de mortalidade, isto é 2.32% por ano em pessoas com HIV e 0.37% por ano em pessoas HIV-negativo.

Comparativo de mortes de pessoa HIV positivo relacionada e não relacionada à AIDS

Janela Imunológica e CD4
A parte azulada desta foto é a superfície da célula CD4 e estes pontos verdes são “vírions”, ou, como queiram, o HIV. Esta foto é de domínio público e pode ser encontrada na wikipedia

Os pesquisadores então dividiram as mortes das pessoas com HIV em relacionadas e não relacionadas às causas da AIDS: 11.5% das pessoas com HIV morreram de AIDS e 6.7% de outras condições.

Em um grupo específico, pessoas com HIV a saber que iniciaram a cART com uma contagem de CD4 superior a 350 células/mm3, a mortalidade devido a doenças não relacionadas à AIDS não foi maior do que foi nas pessoas HIV-negativo.

Entretanto, mesmo neste grupo, as mortes por AIDS predominaram, mais do que dobrando a mortalidade (é estúpida a ideia de arriscar-se a contrair HIV “só , então a taxa de mortalidade geral neste grupo era de aproximadamente 1% por ano comparada com aproximadamente 0.4% em pessoas HIV-negativo. Isto provavelmente reflete o fato de que se as pessoas morressem de doenças relacionadas à AIDS, elas tenderiam a morrer muito mais jovem. Modelos foram feitos que, baseado nas taxas de mortalidade observadas, projetaram o provável futuro da taxa de mortalidade em pessoas acima dos 70 anos. Estes estudos mostraram que em pessoas que começaram a cART com uma contagem CD4 acima de 350 células/mm3 e que morreram de AIDS, houve uma chance de 50 % de morrer por volta dos 54 anos: naqueles que morreram de doenças não relacionadas à AIDS, cinquenta por cento não foi alcançado até a idade de 75 anos, nada diferente das pessoas HIV-negativo. Assim, pessoas começando a TARV precocemente estavam vivendo dentro das faixas de expectativas de vida próximas do normal contanto que elas evitassem uma morte precoce decorrente da AIDS, provavelmente refletindo a melhora generalizada na faixa de expectativa de vida da pessoa HIV positivo e a vasta diminuição da incidência da AIDS naqueles que sobreviveram além do início do ano 2000.

Baixas contagens de CD4 interferem na qualidade de vida e sobrevivência

A mortalidade não relacionada à AIDS em pessoas que iniciaram a TARV nas contagens baixas de CD4, entretanto, era maior do que em pessoas HIV-negativo. Era 66% maior em pessoas iniciando a cART em contagens de CD4 entre 200 e 350 células/mm3 e 115% maior em pessoas iniciando a terapia em contagens CD4 abaixo de 200 células/mm3, reforçando a mensagem que iniciar a TARV precocemente e geralmente melhor para a saúde, não somente porque interrompe as doenças relacionadas à AIDS. Outros fatores que aumentaram a chance de morte para pessoas em cART foi o tabagismo (é cinquenta por cento maior a taxa de mortalidade por AIDS e 120% maior a taxa de mortalidade não relacionada à AIDS em fumantes); depressão (é de 65% maior a mortalidade não relacionada à AIDS e 58% maior a mortalidade por AIDS); e pressão alta (é de 42% maior a mortalidade por AIDS e 30% maior a mortalidade não relacionada à AIDS).

As mulheres no estudo WHIS tiveram uma taxa de mortalidade 40% maior devido à doenças não relacionadas à AIDS do que os homens no estudo MACS, mas não tiveram uma taxa maior em decorrência da AIDS.

A maior influência na mortalidade não relacionada à AIDS foi a co-infecção por Hepatite B ou C. Esta mais do que dobrou a mortalidade não relacionada à AIDS. As pessoas HIV-negativo com Hepatite B ou C morriam em média oito anos mais jovens do que as pessoas sem, e pessoas com co-infecção em cART 15 anos mais jovens do aquelas que eram portadoras somente do HIV.

É necessário mais dados comparativos

a mortalidade em decorrência e na não decorrência de doenças relacionadas à AIDS
Esta é, na minha opinião, a grande merda. A vida e a morte da pessoa hiv positivo é um dado estatístico. Para ilustrar, duas coisas. Na primeira casa de apoio em que vivi, que foi, sim, de grande ajuda, pois ali recuperei minha melhor condição física, não permitia que eu procurasse trabalho. A segunda, o Inferno na Terra, controlada pela Igreja Católica, me rendeu está fala, vida do Padre que a administrava: -“Finalmente alguém bonito para se mostrar”… É o catso né?

Em um editorial em separado no segundo estudo, os pesquisadores Verônica Miller e Sally Hodder comentaram que melhoras na expectativa de vida da pessoa HIV positivo poderiam ser esperadas a continuar no MACS e no WHIS. Elas acrescentam que o segundo estudo adiciona consideravelmente às evidências que o início precoce de terapia antiretroviral; notando que mais de 40% das mortes não relacionadas à AIDS e nem à hepatite eram devidas à doenças cardiovasculares, e que as mortes não relacionadas à AIDS eram maiores em pessoas que iniciaram a TARV mais tardiamente. Elas acrescentaram que o estudo continua a implorar a questão de se os processos inflamatórios em pessoas com HIV que não são tratadas realmente acrescentam o risco de doenças cardiovasculares em contagens CD4 mais baixas.

Ressaltar que a robustez das descobertas do estudo em expectativa de vida da pessoa HIV positivo e causa de morte no estudo é devido à acumulação de 25 ou mais anos de dados, eles fazem um apelo para o apoio contínuo do governo de grupos de estudo maiores, dizendo: “Fundos público contínuos de grupos tais como o MACS, WIHS e outros serão muito mais importantes conforme nós entramos na quarta década de tratamento antiretroviral e procuramos aperfeiçoar as estratégias para melhorar a saúde pública e individual”.

Este estudo também está disponível em Russo.

Bem, minha última observação neste texto, hoje

Uma observação minha: Esta coisa (…) das minorias me cansa. Eu estou, sim, entre as minorias, até porque na minha certidão de nascimento está escrito:

“Cor: Parda”.

Cláudio Souza - Soropositivo desde 1994
Eu, Cláudio Souza, fingindo que não envelheço, de camisa jeans, com óculos “aviador” espelhado, no qual paguei dois dólares. KKKKKKK

E o que eu vejo é que as “minorias”, se não lutam por seus direitos, morrem. Felizmente eu tenho a Mara, pois ela sempre lutou por mim, em momento em que eu não tinha nenhuma força para lutar, dada a debilidade e mesmo o estado inconsciente e “vegetativo”, em uma ocasião, que eu estava, onde até “instalação de marca passo” foi sugerida por médicos, dada a bradcardia que eles diagnosticaram e que, na verdade, nunca existiu.

Esta merda se dá porque alguns médicos veem, na medicina, uma gazua para abrir cofres alheios, são os pulhas da profissão. E tudo o que eles querem é, na verdade, enriquecer com a dor de outras pessoas. Se você se deprar com um destes, mande-lhes minhas saudações, por eu desejo muito é que tomate crú (…), seja sua melhor refeição diária!

Traduzido por Rodrigo S. Pellegrni do Otiginal em

 

😍😍😍😜💫☮Sim, este da foto sou eu ! Minha sobrinha pediu que eu pusesse esta foto m meu perfil !.... Eu tinha aqui uma descrição a meu respeito que, uma pessoa classificou como “irreverente”. Esta é, realmente, uma forma eufêmica de classificar o que estava aqui. Tudo o que sei é que uma “ONG”, que ocupa um prédio de 10 andares estabeleceu uma parceria comigo, e eu tenho os logs do tempo de parceria, que foi mais um vampirismo pois, para cada 150 pessoas que saiam do meu site, clicando no deles, havia, em média, um que entrava. QUANDO ENTRAVA E SE ENTRAVA

Deixe uma resposta

Your email address will not be published.

*

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

As ùltimas desde:

We use cookies to give you the best online experience. By agreeing you accept the use of cookies in accordance with our cookie policy.

Subir Volte Para Topo
%d blogueiros gostam disto: