Depoimento de um Presidiário com AIDS: Raymond Jackson…

Você esta em Início => Direitos Humanos => Depoimento de um Presidiário com AIDS: Raymond Jackson…
Direitos Humanos

Malcolm X, uma vez disse, “não finjo ser um homem divino, mas eu acredito no poder divino, na divina orientação e no cumprimento do divino profetizar. Eu não sou bem educado, nem sou um especialista em qualquer campo em particular — mas eu sou sincero, e minha sinceridade é minha credencial. “

 

Vacuum-packed boyEu era um usuário de drogas injetáveis no início e meados da década de 1980, e acredito que contraí HIV em algum lugar, no tempo, entre 1983 ou 1984. Tenho certeza que sou soropositivo há, pelo menos, 30 anos, mas eu não fui diagnosticado até 1991, e eu estou preso desde então.

Em 1984, eu fui condenado a 10 anos por vários roubos de automóveis. Eu cumpri cinco anos na prisão. Durante esse período, tornei-me uma pessoa muito frustrada com o curso da minha vida e finalmente eu me submeti a Deus. Eu sabia que estava destinado para coisas melhores. No colegial eu fiz o curso honrada e consistentemente, mas eu valorizei as ruas mais do que a educação e, então, eu desisti. Decidi entrar para o exército, mas uma vez lá, eu era jovem demais para me adaptar e realmente eu preferi as ruas, então eu fui dispensado. De alguma forma eu consegui entrar na faculdade, onde fiquei dois semestres e não pude, ou não quis continuar. Na verdade eu nunca completei nada na minha vida e eu estava doente; e cansado de ir para a cadeia de tempos em tempos.

Um dia, enquanto estava na prisão, eu rezei pela graça de conhecer uma mulher.

Conheci uma linda jovem cristã. Ela fez-me sentir completo, e depois da minha saída da prisão, estávamos casados. Tudo parecia bem durante os dois primeiros anos, até que minha esposa ficou grávida, e quando ela estava de oito meses, fiquei doente. Fui ao médico e ele descobriu algumas manchas brancas na minha laringe. Ele então fez um um check up completo e diagnosticou que eu era soropositivo. Minha contagem de células CD4 era muito baixa e disseram-me que eu devia ter contraído o vírus há muito tempo. Me deram um prognóstico de três a cinco anos de vida. Eu fiquei arrasado.

Eu precisava falar sobre isso. Ou seja, como eu lidaria com dificuldades na minha vida. Eu nunca me preocupei muito com opiniões dos outros, não enquanto eu vivi sozinho, então eu acabei suprimindo o meu segredo e isso me deixou louco, e eu comecei a beber e a usar drogas novamente. Eu peguei uma arma pela primeira vez na minha vida com a intenção de usá-la ilegalmente. Eu perdi meu emprego e comecei a roubar. Quando finalmente acordei do meu estupor fui preso novamente.

Na prisão, eu escondi o meu status sorológico. Aí sim eu passei a sentir muita vergonha, e não deixava ninguém entrar na minha “segunda vida em segredo“. Como eu tinha uma “doença gay”?Cure for Discrimination - Blister Pack Tablets. Isso me impediu de tomar a medicação por anos. AZT e DDI eram os únicos no mercado, naquela época, e eram facilmente reconhecíveis. Eu senti que tinha de esconder, mesmo que isso me custasse a vida.

Em 1997, minha contagem de CD4 estava abaixo de 100 e minha carga viral foi parara na casa dos milhões. O que eu pensei que era um arranhão sobre meu olho esquerdo acabou por ser algo muito mais grave, coisa que que eu não sabia até todo o lado direito do meu corpo ter ficado paralisado. Fui levado às pressas para o hospital e disseram-me que eu precisava de tomar os medicamentos imediatamente ou morreria; Estas eram as minhas preocupações a partir de então…

Eu me lembro de ir à igreja em uma manhã na prisão estadual New Jersey (então conhecida como prisão estadual de Trenton) e havia um cara gay, Mike, que deu seu testemunho sobre ser HIVpandemie-virus-monde positivo. Não o conhecia, mas sentia algo por ele. Eu sabia que seu testemunho, era como que um apelo à aceitação; isso o levaria ao ostracismo por grande parte da igreja. Sim, até mesmo as pessoas de Deus iriam estigmatizar as pessoas vivendo com HIV, mesmo que a doença afete todos os segmentos da sociedade. Naquela época, a maioria das igrejas simplesmente ignoraram o HIV e, com estas ideologias, assolavam nossas comunidades.

Éramos dois “gorilas com quem ninguém queria falar”.

Havia, na prisão, um grupo de cerca de 20 homens que estavam em vias de serem batizados, Mike e eu estávamos entre eles. Ainda não tinha revelado meu status para ninguém. Mike sentado ao meu lado, me disse que todos os caras tinham pedido para ser batizados antes deles porque ele era HIV positivo. Eu olhei para ele e disse, “não se preocupe. Você pode ir antes de mim.” Seu rosto iluminou-se naquele momento; eu lhe proporcionei uma aceitação tácita. Eu realmente queria compartilhar meu status com ele e dizer-lhe que o admirava por sua coragem, pela coragem que levou-o a dar esse testemunho, mas eu não fiz isso. Foi alguns meses depois que eu finalmente revelei a Mike que era HIV positivo; agora nós somos amigos íntimos desde então.

Houve uma ocasião em que fui transferido para a prisão a leste Jersey (a prisão então conhecida como prisão estado Rahway), onde eu continuei meu baile de máscaras. Eu parecia ter ficado melhor, embora eu ainda não estivesse tomando meus medicamentos regularmente. Eu estava cantando no coro e assistia a todos os ofícios da igreja; era um cristão do cristianismo.

Cerca de dois anos após a minha transferência para East Jersey, Mike foi transferido para lá, também. Mais uma vez deu seu testemunho e eu abracei-o. Não me esqueci que ele tinha sido meu confidente e encorajador. Embora nós termos ficado em lados opostos da prisão, surgiram boatos sobre quão próximos nós parecíamos que isso começou a circular entre a população cristã. Eles simplesmente não conseguiam entender tal fato; alguém ser “amigo de um soropositivo”.

Eu estava a levantar peso todos dias no pátio e parecia ser o “retrato da saúde”; entretanto, Mike era um cara magro, gay e soropositivo e, mesmo assim ainda éramos bons amigos.

Crosses at Sunset

Os rumores cresceram tanto que eu fui levado a colocar-me a alguma distância entre eu e Mike ou divulgar meu status soropositivo. Foi uma decisão fácil para mim; assustadora, mas fácil. Mike era como meu irmão mais novo e nunca iria virar as costas para ele. Meu capelão, Rev. Rufus McClendon, que era mais que um pai para nós, me deu a liberdade para dar o meu testemunho quanto eu precisasse. Ele não tinha idéia que eu era HIV positivo, mas sentia que eu tinha algo importante a compartilhar.

Eu compartilhei minha história de abuso de drogas, e como acabei sendo diagnosticado com HIV e minha eventual queda, e minha extrema decepção com os rumores, girando ao redor da igreja, especialmente de pessoas que me conheciam há anos.

Nós, como cristãos, não deveríamos ser mais amorosos? Também fiz questão de reconhecer Mike, que tinha sido um pilar de força, um confidente e uma de grande valor para mim. Tenho a certeza que todos sabiam que ele não era só meu amigo, mas meu irmão e que isso nunca iria mudar.

Na época que fui batizado, havia um olho seco na igreja. Como cristãos, todos nós somos chamados por Deus a uma vida de exemplificação superior; entretanto, às vezes nós ficamos aquém do chamado Dele. Mas a igreja parece estar indo muito melhor hoje em dia.

Agradeço Rev. McClendon por ter me permitido ir ao púlpito para compartilhar minha história em 1999. Agradeço também à Congregação em East Jersey por ter me abraçando e me incentivando a ser forte no Senhor e começar a cuidar de mim mesmo. E dou graças em especial a meu irmão Mike, meu amigo para sempre.

Pace sulla terra

Embora eu ainda esteja preso, meu tratamento tem evoluído e minha saúde também. Minhas contagens de CD4 estão acima de 500 e minha carga viral é indetectável desde 2004. Tomar seus medicamentos regularmente e aprender a aceitar seu diagnóstico são as chaves para isso!

Tem pouco a ver com milagres ou dinheiro, embora algumas bênçãos estejam envolvidas. A palavra de Deus diz que ele faz com que o sol a brilhe sobre os justos e os injustos. Não é uma coisa cristã; é chamado de graça, o favor imerecido de Deus.

Em 2003 e 2004, fui treinado pela Fundação Jacinto na Patogênese HIV/AIDS. Também fui treinado como um conselheiro, um conselheiro e facilitador de grupo por várias organizações. Eu amo ser capaz de dar aos mais necessitados um pouco da minha vivência como portador de HIV e, assim, facilitar a absorção do terrível impacto inicial que a pessoa recebe quando obtém o diagnóstico HIV positivo. Ele me deu um propósito à minha vida, algo que nunca tivera antes. A experiência mais gratificante que tive foi para ser treinado como um voluntário de cuidados paliativos. Ser capaz de compartilhar a experiência de vida, honestidade e a aceitação de finitude da vida com indivíduos que sabiam que seu tempo e, como o de todos, limitado tem sido uma grande bênção para mim. Mas meu maior presente foi a salvação.

Mesmo na prisão, em meio a todo o tipo de caos, a educação pode ajudá-lo afastar-se muito do estigma que, infelizmente, ainda está associado ao HIV.  Por outro lado, também posso ajudá-los a se tornarem pessoas que sintam-se confortáveis consigo mesmas. É difícil para as pessoas superarem seu medo de nós, pessoas que vivemos com HIV ou AIDS, especialmente quando estamos com medo de aceitarmos a nós mesmos. Foi difícil para o menino em mim aprender como se tornar um homem e enfrentar a realidade de ser soropositivo.

Mas graças a pessoas corajosas como o Mike e amorosas como Rev. Mc Clendon, posso finalmente dizer que terminei algo em minha vida. Aceitação é positiva.

el-guapoNota do Editor de Soropositivo Web Site: Eu nunca fui um presidiário e, quanto eu posso ver, não cometi nenhum crime perante a Lei dos Homens e, todavia, sou reu confesso diante da Lei de Deus. Destruí a capacidade de sentir afeto de inúmeras mulheres apenas pelo prazer de possuí-las por uma noite e nada mais. A fins disso, eu destrui lares, desmantelei famílias e Deus sabe o quando dói, em mim, ter este conhecimento. Geralmente o conhecimento é uma benção e, no meu caso, não seria diferente, pois é graças a ele que mantenho este site e esta é a única maneira que encontrei de por “mãos à bora” e seguir em frente; não sem uma lástima, não sem um remorso.

Mas, se é verdade que uma pequena virtude cobre uma multidão de pecados, eu quero crer que em mais dez ou quinze anos, se Deus me permitir viver tanto, há uma possibiidade ainda que remota, de que que deixe a Terra em estado de legitima tranquilidade

Comente e Socialize-Se. A vida é melhor com amigos!

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Este Site usa Cookies e você pode recusra este uso. Mas pode saber bem o que está sendo registrado em, conssonãncia com nossa política de privacidade