Últimas noticias

SÍNDROME DO SOBREVIVENTE À AIDS-OU SÍNDROME DE LÁZARO)

Quem, ou o qu, somos nós diante da imensidão do Universo. A criação é uma obra fantástica, embora eu não seja criacionista. Já fui interpelado por A alguém a respeito disso e o deixei-o perplexo. TEREI IMENSO PRAZER EM DEIXÁ--LO OU DEIXÁ-LA, SE TAMBÉM VIER ME PERQUIRIR EM FUNÇÃO DISSO
SEGUNDA-FEIRA, 02 DE FEVEREIRO DE 2015/ DAVID PHILLIPS
DAVID PHILLIPS DIZ: “CLINICAMENTE, ESTARÍAMOS SIMPLESMENTE BEM, MAS MENTALMENTE AINDA ESTÁVAMOS SENTINDO O ABALO DE TER RECEBIDO UMA SENTENÇA DE MORTE E RETOMAR A VIDA.”

 

black-holes-opener-615Parece-me que na maior parte da minha vida adulta eu tenho adiado, com firmeza, por longos períodos de tempo, as oportunidades e convites feitos a mim, somente para ser arrastado por uma força irresistível como uma matéria dentro de um buraco negro celestial.

E é justamente como eu me senti ao longo dos últimos quatro anos na lenta e regular perseguição de um degrau na saúde pública. Com certeza sou um “dinossauro do HIV”, mas isso somente faz pesquisar algo que tenha uma relação com o HIV se me sentir “tranquilo” ou “a rigor”, de acordo com a etiqueta. Todavia, evoluções recentes que intensificaram meu próprio interesse e frustração, me levaram a investigar o que está realmente sendo chamado de “Síndrome do Sobrevivente da AIDS.”

Digo “realmente” porque é bastante evidente de centenas de publicações acadêmicas e da minha própria memória que desde a introdução do AZT que temos visto experiências únicas e traumáticas afetando muitas pessoas que vivem com HIV desde essa época ou antes dela. Primeiramente, aprendemos que sofremos uma pesada estigmatização, quase devido a uma doença fatal. Então, disseram para nós que viveremos- de início, por mais alguns meses indefinidos, depois, por anos; e agora é essencialmente um “tempo integral”. Clinicamente, estaríamos simplesmente bem, mas mentalmente ainda sentimos o abalo de ter recebido uma sentença de morte e depois termos retomado a vida.

Quando Jesus disse isso, ele chorou em voz alta, “Lázaro, saia!” O homem morto saiu, suas mãos e pés amarrados com tiras de pano, e sua face envolta em um outro pano. Jesus lhes disse: “Desamarre-o, e deixe-o ir.” (João 11:43-44, Nova Versão Padrão Revisada da Bíblia)

Eu ainda posso ouvir a última leitura do Reverendo Larry Uhrig da Comunidade Eclesial Metropolitana de Washington (EUA), durante sua luta contra o HIV, em uma outra tradução da história que antes incluiu as palavras : “Senhor, ele já está cheirando mal, pois está morto há quatro dias.”

Depois do aparecimento de enzimas que anulam proteínas e peptídeos (fundamentais contra a reprodução do vírus HIV*), este fenômeno se tornou mais evidente, até para a grande mídia elazaro-venha-para-fora sociedade em geral. O termo “Síndrome de Lázaro” – “Lazarussyndromeclique nesse link para mais informaçõesfoi empregado, como se sugerisse ainda outro diagnóstico; contudo, parece que esse pequeno esforço foi feito mais para encontrar um tratamento, e menos para uma cura. Muitos retomaram a vitalidade, retornaram às suas relações e carreiras, enquanto outros lutaram sob desafios físicos, mentais e econômicos de deficiência contínua. Praticamente, todos mudamos psicologicamente, quando não ficamos apavorados. Os recursos para apoio psicossocial começaram a evaporar, embora os relatos de mortes por HIV tenham diminuído, e para muitos a atração pelas metanfetaminas não estavam muito lá atrás.

Hoje, com a sobrevivência de parceiros e tendo sobrevivido aos iniciais regimes bárbaros dos antirretrovirais e à destruição pelo abuso de substâncias, alguns antigos sobreviventes soropositivos estão voltando suas atenções aos ferimentos de um velho e repetido trauma que não teve cura, apesar da eliminação das cargas virais e da incrível recuperação dos índices CD4.

Tez Anderson e seus co-conspiradores na região de São Francisco (EUA) levantaram a bandeira do LetsKickASS (AIDSSurvivorSyndrome) – (algo como “vamos arrebentar (Síndrome do Sobrevivente da AIDS)”, em tradução livre) em uma época de excitantes evoluções, considerando o tratamento e a prevenção ao HIV, para afirmar que nós não estamos completamente curados das perdas e sofrimentos físicos ao longo dessas três décadas, e que continuamos a sofrer com fardos específicos de saúde mental, que pode ser compartilhado com pessoas HIV negativas que presenciaram lá atrás os números de mortos e doentes pelo HIV. Outros como eu estão trazendo a mesma mensagem para nossas comunidades locais, desafiando os antigos sobreviventes soropositivos, particularmente os homens gays e bissexuais, para relatar e organizar suas próprias curas, enquanto convidam organizações de apoio para explorar como podem nos ajudar a “arrebentar”.

Eu também estou explorando esse assunto com uma variedade de pesquisadores, inclundo-se uma psicóloga local que se vê entre pacientes antigos sobreviventes do HIV com desproporcionais casos de depressão que não respondem a medicação, aliados a sintomas de estresse pós traumático. Ela quer pesquisar sobre um tratamento para essas pessoas utilizando vitoriosas terapias adotadas para PTSD (sigla médica inglesa para Distúrbio de Estresse Pós Traumático, em tradução livre). Estou auxiliando-a neste caso através da coleta de narrativas pessoais e de pesquisas mais antigas – é difícil para um estranho às questões de saúde mental imaginar que haveria resistência! – assim como lidar com um diagnóstico atendido pelo esquema do HAART – Terapia Antirretroviral de Alta Eficácia- (e até um diagnóstico dos nossos dias atuais) ou ver dezenas e dezenas de amigos sofrerem e morrerem por infecções do HIV, como um acontecimento traumático inicial.

E mulheres heterossexuais que não vivem com HIV podem “arrebentar”, também!!

Tradução: Márcio Catanho – Bacharel em Letras/ tradutor e revisor.

Contatos: mrcatanho@hotmail.com. 085- 88797627.

Anúncios

Precisa conversar

Whats App Soropositivo.Org

Estamos aqui para ajudar a pensar, não para diagnosticar

Top Blog Pessoal Saúde Juri Acadêmico 2013/2014

Top Blog Pessoal Saúde Juri Acadêmico
Sobre Claudio Santos (508 artigos)
Depois de passar quatro décadas tentando estabelecer pelo menos um armistício com meu pai e ver as falhas ocorrerem sistematicamente, tentativa após tentativa, eu desisti do sobrenome “de Souza”. Estava me preparando espiritualmente para isso quando uma amiga locupletou a façanha de descobrir onde está minha mãe... Cláudio Santos. Quem preferir, aluda-se a mim como o Cláudio do Site,ou Cláudio do Soropositivo.Org, ou ainda aquele da promessa não cumprida: Cláudio, o trouxa do livro que acreditou em "palavra emprenhada". Eu mostro meu rosto, embora alguns me censurem, porque, no meu modesto ponto de vista, ser portador de HIV não é crime e, portanto, não há do que me envergonhar. Eu contraí HIV pela via sexual. Eu fui um DJ e, durante cinco anos fui DJ no vagão Plaza e durante uns outros dois fui DJ do Le Masque. Lá, um filho da puta me pediu para fazer minhas férias e puxou meu tapete. Aí fui parar na "Segredos", uma casa gay e, de quebra, morei lá por um tempo. Rua da Amargura, onde R.A. Gomes me colocou. Mas dei a volta por cima e fu trabalhar na SKY. Depois, na Pink Panther, em Santos e, enfim, na XEQUE Mate e, terminei minha carreira, aquele que fora três vezes considerado o Melhor DJ de São Paulo, como um apagado DJ do La Concorde e do Clube de Paris, onde conheci uma das mais belas mulheres com quem convivi e a perdi. Conheci alguém novo, uma mulher, "do dia", que me apresentou esta Entidade, o computador e, por muito tempo vivi de consertá-los. Sei, hoje, que ainda há muita gente que me odeia. Quer saber? Get them the hell and fuck off porque eu não dou a mínima. Simplesmente faço meu trabalho e me reporto a Deus... E pra quem não acredita em resiliência, eis meu histórico médico De acordo com o que preceitua o Código de Ética Médica, nos termos da legislação vigente e de conformidade com o pedido formulado pelo interessado, declaro que o Sr Cláudio Santos de Souza, matrícula no serviço sob registro RG3256664J, está em acompanhamento regular com seguintes diagnósticos/CID-10 até o presente momento: #HIV/Aids diagnóstico em 11/1996 (B24) #Candidíase oral 1996 (B20.4) #lnfecção latente tuberculosa tratada com Isoniazida em 1997 (Z20.1) #Arritmia cardíaca: bloqueio parcial ramo D/bradicardia sinusal por antidepressivos tricíclicos em 2006 (I49.9/R00.1) #Depressão (F32) Dislipidemia (E78.5) Diabetes (E14.) Obesidade (E66.) #PO tardio de gastroplastia redutora (técnica Capella 10/2011) #Embolia Pulmonar (126.) em 2011 + hipertensão pulmonar #HAS (110) controlada após cirurgia bariátrica Catarata (H26.9) #Sífilis (A51.0) gonorréia (A54.0), herpes genital (A60) Litíase vesicular (K80.5) #Trombose venosa profunda/tromboflebite MMII de repetição (182.9): 2008, 2009 e 2010 #lntervenção cirúrgica em 21/01/2013: de herniorrafia incisional abdominal, apendicectomia, colecistectomia #Herpes zoster ramo oftálmico 04/2015 (B02) 2 # Neuropatia periférica em membros superiores e inferiores (G62.9), acarretando fraqueza muscular, parestesias e dor, medicado e em seguimento pela equipe de dor #Angioma cavernoso cerebelar - em seguimento com neurologia Tratamento: TDF+3TC+ATVr, ezetimibe, alopurinol, AAS, atorvastatina, enoxaparina, clomipramina, risperidona, zolpidem, clorpromazina, flunitrazepam, gabapentina, amitriptilina, metadona Últimos exames: CD4=1070 (28%)/CD8=1597 rel=0,67 (08/03/2015) e Carga viral- HIV(PCR)

Seu retorno é importante. Nós atendemos às solicitações de textos, desde que ligados ao tema central de alguma forma. Faça seu comentário, de sua opnião

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: