A vacina contra a AIDS não é como a pedra filosofal, que os alquimistas ambicionaram loucamente, afins de obter o "ouro fácil". A vacina contra o HIV pode ser encontrada se todos os povos e todos os cérebros privilegiados deste mundo se juntem para usar aquilo que Deus lhes emprestou em benefício da Humanidade. Há muitas pessoas que perdem noites de sono tentando encontrar esta vacina, enquanto outros, como os que se vendem para a Gilead, manobram pequenas alterações em medicamentos para relançá-los e evitar a criação de genéricos mais baratos que poderiam beneficiar pessoas em Serra Leoa e Senegal, ou na Palestina, no oriente médio, e na parte pobre do mundo árabe, onde a AIDS campeia como fogo sob a tundra. Fogo sob a tundra é, em última instância, explosão de proporções bíblicas e aí de nós!

Relatório AVAC: Prevenção do HIV no Horizonte

Em: drogas/HIV/ipergay/medicamentos/pacientes/prep/probreza/proud

Vacinas contra a AIDS, a combinação de prevenção, preservativos, Masculino e Feminino, Cure, Geral, contraceptivos hormonais e HIV, microbicidas, Prevenção com tecnologias multidisciplinares, PrEP, tratamento como prevenção, circuncisão voluntária masculina em clínicas médias.

O relatório de campo anual da AVAC, na próxima reunião CROI vai mostrar por que o ano que vem é o melhor e o pior de todos os tempos para a prevenção e combate ao HIV

Na próxima semana, cientistas, advogados e médicos se reunirão em Seattle para a Conferência sobre Retrovírus e Infecções Oportunistas (CROI), uma reunião HIV venerável que muitas vezes desencadeia a cobertura da mídia sobre a epidemia de AIDS e do potencial de reduzi-la e preservar a saúde das pessoas que vivem com HIV.

earth Usa, horizon and moon

Uma série de dados são esperados a partir CROI incluindo resumos “de última hora” que irão mostrar os dados de IPERGAY e PROUD, dois ensaios de PrEP oral, usando TDF / FTC em homens gays e outros homens que fazem sexo com homens na Europa e no Canadá, e outro estudo do microbicida com uma concentração a 1% de tenofovir num gel vaginal em mulheres Sul-Africanas. Haverá também dados de uma PrEP “projeto de demonstração” que forneceu a estratégia em um contexto de vida real para casais kenianos e casais ugandenses, com o importante detalhe de que todos os casais eram sorodiscordantes. Nós não sabemos quais serão as manchetes específicas, mas podemos dizer com confiança que uma espécie de jingle poderá ser este: O futuro da prevenção do HIV está no horizonte.

No nosso último relatório, AVAC Relatório 2014/15: Prevenção no horizonte, nós fornecemos uma agenda clara para o que deve acontecer, o que está faltando, e por que é importante agora mais do que nunca.

Especificamente, nós argumentamos que:

  • Metas de prevenção ambiciosas são importantes. Eles podem galvanizar a novas ações, em parte, pela expansão da nossa noção do que é possível.
  • Mas estes objetivos só funcionarão se eles forem viáveis, bem definidas, mensuráveis, e apoiados por recursos financeiros e de vontade e apoio político. As metas de prevenção emitidas até agora são inspiradoras, mas eles ainda não atendem a esses requisitos.
  • Como A UNAIDS criou uma “via expressa” para definir metas aspiracionais para 2020, metas claras de curto prazo também são urgentemente necessárias. Nós não podemos esperar por cinco anos para ver se o mundo está no caminho certo para acabar com a epidemia de AIDS.
  • A resposta global à AIDS está sendo executada com um grande déficit financeiro e precisamos de novos aportes. Novas metas não serão atingidas e podem até mesmo tornarem-se irrelevantes, se não formos capazes de fechar uma lacuna do financiamento global não-crescente neste momento.

campamento de refugiadosRecentes avanços em pesquisa de HIV têm transformado a capacidade de reduzir novas infecções, tornando-se possível contemplar o fim da epidemia global de AIDS. Mas a prevenção pode ser deixada para trás se a liderança global deixar de fazer disso uma prioridade absoluta.

Recentemente, a UNAIDS emitindo grandes objetivos para o teste de HIV, prestação ART e supressão virológica ao longo dos próximos cinco anos. Segundo a agência, a realização destas metas “90-90-90” colocariam o mundo no caminho para acabar com eficácia com a epidemia de AIDS até, no máximo 2030.

 

Na frente da prevenção, A UNAIDS visa reduzir novas infecções em todo o mundo a partir de 2,1 milhões em 2013 para 500.000 em 2020, e para eliminar o estigma e a discriminação. Essas metas são ambiciosas e vale a pena aspirar por elas. Mas algo importante está ausente das metas delineadas da intervenção com a especificidade, a estratégia e os recursos para corresponder às expectativas. O objetivo é grande. O que está faltando é como chegar lá.

No futuro, daqui a 20 anos, teremos um amplo retrospecto sobre se os alvos da atualidade, do ano 2015, importavam na busca para acabar com a AIDS

A História, se ainda existir alguém para interpretá-la, nos julgará

skyline of the city

 

Mas agora, a previdência e o foco são urgentemente necessários. Nós estamos preocupados em saber se as metas que foram estabelecidas são os corretas, quanto metas se materializarão, particularmente no contexto de uma resposta global que funcione sob um contexto de  financiamento desastroso com um déficit para todas as metas e onde a prevenção não seja aquela focadas em antirretrovirais em indivíduos-HIV-positivos-adequados. Nós também estamos cientes de que estas metas podem transformarem-se de audaciosas a absurdas em um piscar de um olho se o financiamento, a vontade política e comunidade de líderes continuar a faltar.

 

(Nota do tradutor e Editor de Soropositivo Web Site: Impossível não fazer aqui um aparte e citar que o executivo, no Brasil, tem cumprido, mesmo que “mal-e-má”, suas propostas e à exceção de incidentes logísticos [gravíssimos porque em questão de HIV/AIDS falha logística é condição determinadora de vida ou morte] há a temerária “bancada evangélica”, que deveria, antes, estar tomando conta de seu rebanho (financiadores), do que ficar dando pitaco em educação anti-homofóbica enquanto, ao contrário, fazem questão de estimular a homofobia e estigmatizar pessoas com HIV como criaturas indignas, “prevaricadores”{como se eles não prevaricassem como porcos no chiqueiro} – e eu não terminaria de dizer de quantas coisas nós somos indignos segundo estes cães, que eu nomeio os principais, malafaia, marina cintra, feliciano, bolsonaro, e todo o quatrilho (…) todos sem letra capital porque meu intento é torna-los indignos de suas bancadas, posto que são indignos da sessão do site que criei para eles e que batizei de o mal em sua essência, que obstam importantes políticas de prevenção à AIDS entre adolescentes, partindo do princípio ridículo que o ensino, a educação sexual, incluindo a questão do gênero, levariam a uma sodomizacão, no sentido de criar uma sociedade como a de Sodoma, se é que Sodoma existiu; retornando, a educação sexual levaria ao exercício prematuro da sexualidade, numa pais em que há guetos onde meninas de doze anos são casadas e vivem em relação marital (sic) com homens de 50 anos, apenas para que a família que literalmente vendeu a menina possa ter uma _fonte de renda_ – isso é o Diabo com toda as letras –. É preciso, e com urgência, que se restabeleça que o estado é laico e eu considero justo que o pastor, ou o homem ligado e transformado em marionete da Igreja, seja ela qual for, fosse obstado de pleitear cargo eletivo ou comissionado em nome da manutenção da laicidade do Estado, pois temos belos exemplos do que é o estanho não é laico (vide o auto-entitulado eSTADO iSLAMICO, que todos nos dias exibe, em cadeia de satélites o retorno à barbárie… O ESTADO TEM de SER LAICO para não haver tergiversações sobre o que é de interesse público e do que é do interesse Religioso. Não discuto, aqui, religião. Frequentei muitas delas, das manieras mais dramáticas, para conhecer bem o interior delas e sei que nada mais é que uma malta de lobos sarnentos. EU VI!!!!!! COM MEUS OLHOS)

 

A este me submeto e entendo que trabalho para ele há quase 15 anos, depois de uma vida de devaneios e delinquencia no campo afetivo...
A este me submeto e entendo que trabalho para ele há quase 15 anos, depois de uma vida de devaneios e delinquência no campo afetivo…

A AVAC trabalha em coligações em muitos dos países mais atingidos pela epidemia. Metas que são desenvolvidos Genebra, Washington DC e outros corredores do poder podem ter poucas Urban Povertysemelhanças com as realidades de países onde a AIDS é endêmica em suas comunidades. Onde não há nenhuma realidade, não há nenhuma relevância. É essencial que os países que têm os recursos técnicos e financeiros para fazer as metas globais relevantes para o contexto nacional, analisando, inclusive os bolsões de miséria, em seus guetos sistematicamente ignorados. Caso contrário, as metas mais elevadas serão anuladas por apequenamento político e descompromisso com o Planeta e a Civilização. A AIDS é uma ameaça à solução de continuidade da espécie humano no planeta e, quando pouco, ameaça todas as conquistas do século passado e presente.

Como argumentamos neste Relatório, as metas têm desempenhado um papel fundamental na mudança do curso da epidemia. Da mesma forma, uma meta mal pensada pode ter nenhum impacto. Neste momento, é fundamental que as metas e táticas são compatíveis com a meta ambiciosa, mas alcançável que é a de pôr fim à AIDS. É por isso que temos dedicado a primeira parte do relatório a uma pinçada rápida sobre o porquê das metas importantes, que metas estão faltando, e como defensores de uma resposta abrangente precisam trabalhar juntos para garantir metas inteligentes, estratégicas em todo o espectro de opções de prevenção ao HIV e a AIDS em todo o Planeta.

Também nos concentramos em questões que sustentam (e, às vezes, minam) a capacidade de cumprir essas metas. Nós identificamos três áreas específicas para a ação:

  • alinhar as estratégias de alto impacto com os direitos humanos e os avanços da realidade biomédica dos últimos oito anos tornando cientificamente plausível falar sobre o fim da epidemia. Entretanto, “plausível” não significa “possível”. Hoje alguns cientistas e profissionais de saúde pública estão focados no que pode ser alcançado através da intervenção biomédica, sem atenção suficiente aos contextos estruturais e sociais em que a prevenção e tratamento são entregues. Ao mesmo tempo, alguns parceiros de direitos focados em falar de HIV como sendo orientado apenas a pílulas, o que sugere que não há qualquer dinamismo ou ação nas frentes baseadas nos direitos. Ele não precisa ser um permanente combate à verdade médica, não pode ser. Se a ciência não está sincronizada com os direitos humanos, há pouca esperança de levar a epidemia para um final conclusivo.
  • Invista em uma mudança de paradigma PrEP oralmente orientado. O mundo não está a produzir as intervenções mais eficazes com uma estratégia inteligente e em grande escala. PrEP oral diária para a prevenção do HIV é apenas um exemplo. Metas globais para a PrEP podem ser lançadas nos próximos meses, mas não existem quaisquer planos para atingi-los. Os projetos de demonstração são pequenos e desconexos, o financiamento é limitado e os políticos “tomadores de decisão não estão atendendo a demanda crescente de homens e mulheres, incluindo mulheres jovens na África. Agora é a hora de gastar e agir para preencher essas lacunas.
  • Resultados da demanda de curto prazo sobre o caminho para objetivos de longo prazo. “Passar-se-ão anos até que se tenha uma vacina realmente eficiente contra a AIDS, as estratégias de cura, antirretrovirais injetáveis ​​ou tecnologias de prevenção polivalentes que reduzam o risco de contrair HIV e fornecer sistemas de contracepção de longa ação. Mas há muitas atividades em ensaios clínicos e ciência básica para se estabelecer meio de alcançar essas metas de longo prazo. Essas atividades precisam ser alinhadas com os objetivos de curto prazo que podem ser usados ​​para medir o progresso e gerenciar as expectativas.

Como o Relatório AVAC vai para a imprensa esta semana e enquanto nos preparamos para CROI na próxima semana, os Estados Unidos estão a braços com questões profundas sobre os caminhos em que a vida de homens e mulheres negras são valorizadas nos termos da lei (…).

 

namibia e a lei que condena homossexuais a morte
namibia e a lei que condena homossexuais a morte

O mundo está tentando entender como a epidemia de Ebola na África Oriental ficou fora de controle e como fazer que ela acabe. E não é continuada preocupação e vigilância sobre as leis anti-homossexualidade na Nigéria e Gâmbia, e em ambientes de ódio e de legislação que põem em perigo os indivíduos LGBT e muitos outros grupos marginalizados em todo o mundo.

Estes eventos não são separados do trabalho que fazemos para combater a AIDS. Eles incorporam as questões do racismo, a desigualdade, a pobreza e a segurança que impulsionam a epidemia que deve ser abordado para terminá-la. Além do trabalho específico do HIV definidos nestas páginas, é essencial a trabalhar no sentido fundamental, a mudança duradoura e positiva em cada uma dessas áreas. Isso será estar fazendo história, sem dúvidas.

 

 

 

 

Publicado originalmente em AVAC Report  na Quinta-feira, 19 de fevereiro, 2015.

Traduzido, adaptado e Editado por Cláudio S. Souza com apoio tecnológico do Google Translator em 02/03/2015 com publicação agendada para 03/03/2015

Video: Um Mundo sem AIDS é possível? BBC Brasil

 

Digiprove hereby certifies that user hivpositivoorg@gmail.com (Claudio SOuza) was in possession of the content detailed below at 3 March 2015 22:59:38 UTC: 
Certificate Number:  P600575
Digital Fingerprint:  C50E3D71042EC16A4C0D8FBF17473751
589682948166E01CA25762E5829833D0
Notes:  This certificate was issued by Digiprove Ltd., registered in Ireland number 414284. The digital fingerprint was calculated by applying the ‘SHA256’ algorithm to the content. Digiprove keeps a secure provable audit trail of all certificates issued. The attached ‘.p7s’ file contains this certificate in digitally signed form, for you to store safely and/or copy as required.
The certificate has also been included in our secure, provable, audit trail.  Details of this certificate are published athttp://www.digiprove.com/show_certificate.aspx?id=600575&guid=Uh1DafMwR0S_kk3ZxKxBsg.

 

 

 

😍😍😍😜💫☮Sim, este da foto sou eu ! Minha sobrinha pediu que eu pusesse esta foto m meu perfil !.... Eu tinha aqui uma descrição a meu respeito que, uma pessoa classificou como “irreverente”. Esta é, realmente, uma forma eufêmica de classificar o que estava aqui. Tudo o que sei é que uma “ONG”, que ocupa um prédio de 10 andares estabeleceu uma parceria comigo, e eu tenho os logs do tempo de parceria, que foi mais um vampirismo pois, para cada 150 pessoas que saiam do meu site, clicando no deles, havia, em média, um que entrava. QUANDO ENTRAVA E SE ENTRAVA

Deixe uma resposta

Your email address will not be published.

*

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

As ùltimas desde:

We use cookies to give you the best online experience. By agreeing you accept the use of cookies in accordance with our cookie policy.

Subir Volte Para Topo
%d blogueiros gostam disto: