TARV durante terapia contra TB reduz risco de mortalidade de pessoas soropositivas coinfectadas por tuberculose

Image default
Destaques Fatos sobre a AIDS Tuberculose

, SoropositivoOrgHá uma alta taxa de mortalidade  entre as pessoas que vivem com HIV em tratamento para tuberculose  (TB), de acordo com os resultados de uma meta-análise publicada na PLOS One . A taxa de mortalidade  variou entre 8 e 14 %, mas o risco de óbito foi significativamente menor para as pessoas que receberam tratamento anti-retroviral (TARV) durante a sua terapia para tuberculose.

“Esta é a primeira avaliação sistemática para quantificar o impacto da TARV na  mortalidade por TB no tratamento da TB “, comentam os autores. “Estimamos que a mortalidade durante tratamento de tuberculose em indivíduos com infecção pelo HIV recebendo TARV na rotina condições programáticas se situa entre 8% e 14% e que a TARV reduz a mortalidade durante tratamento da TB em pacientes HIV-positivos casos de TB entre 44% e 71 %”.

Os pesquisadores acreditam que seus achados mostram a importância da colaboração entre a terapia contra a tuberculose e o teste anti-HIV em serviços de tratamento.

TB é uma importante causa de morte entre as pessoas infectadas com o VIH . Apesar de somente 13% de todos os indivíduos com tuberculose em co-infecção com HIV, estes pacientes são responsáveis por cerca de um quarto de todos os óbitos por TB.

A África subsaariana representa 75 % de todos os casos de tuberculose em pessoas com  HIV, e em 2012 cerca de um quarto de milhão de mortes ocorreram entre pessoas com co-infecções HIV e tuberculose nesta região  .

, SoropositivoOrg
Visat Aérea de Dakar

Mais da metade (57%) dos pacientes HIV-positivos coinfectados por TB recebem, agora, TARV. É sabido que a TARV reduz o risco de incidente TB e é também associada a melhores resultados nos doentes soropositivos que recebem tratamento simultâneo para TB.

No entanto, nenhuma revisão sistemática havia, previamente, avaliado os benefícios da TARV em relação à mortalidade por TB .

Uma equipe internacional de pesquisadores, por conseguinte, realizou uma meta-análise de estudos realizados entre os anos de 1996 e 2013 para a estimativa da taxa de mortalidade entre pacientes HIV-positivos as pessoas co-infectadas por TB que foram submetidos à terapia e uso de TARV. Quando for possível, eles também serão avaliados na comparação do risco de mortalidade entre as pessoas que recebem TARV e aqueles que permaneceram TARV.

Um total de  21 estudos foram incluídos na análise . A maioria ( 11, 52%) foram realizados na África subsaariana e no Sudeste Asiático (7 º, 33%).  A maioria  (13, 62%) foram estudos de coorte retrospectivo, sendo sete estudos de coorte prospectivos e foi um ensaio clínico.

O número de pacientes em cada estudo foi variou de 75 a  21.851 (mediana, 191).  Mediana contagem de CD4 estava disponível para os participantes  em quatro estudos e foi entre 48 a  152 células/mm3.

A taxa de mortalidade  variou de 8 a 14  %.  Ela tendeu a ser maior na África  (11-17%) do que  Sudeste Asiático (7-15%).

Onze estudos relataram o risco relativo de mortalidade comparando-se a pacientes que estavam em tratamento contra o HIV.

TARV durante TB terapia reduziu o risco de mortalidade de 68% (RR = 0,64; IC95% 0,29 -0,56).

“Quantificamos o impacto substancial de TARV na redução da mortalidade durante tratamento de tuberculose,” concluem os autores. Eles observam que a TARV atuando colaborativamente programas de tuberculose são componentes-chave da nova estratégia mundial da TB, recentemente aprovada pela Assembleia Mundial da Saúde e que “estas intervenções promessa de reduzir os atrasos ao diagnóstico de infecção pelo HIV, facilitar uma rápida implementação de eficazes TARV e reduzir mortalidade por TB em pacientes HIV-positivos”.

Referência

Odone et al. O impacto da terapia anti-retroviral na mortalidade em pessoas seropositivas durante tratamento da tuberculose: uma revisão sistemática e meta-análise.A PLOS One 9 (11): e112017. DOI:10.1371/oficial.pone.0112017 (2014).

This report is also available in Russian.

Michael Carter

Publicado em: 19 de Dezembro de  2014.

, SoropositivoOrg
Este é o responsável pela tradução e adaptação ao Português do Brasil

 

Nota do editor: Bem após eu receber o diagnóstico fui morar numa casa de apoio, a Brenda Lee. Segundo o médico que cuidava de todos os pacientes da casa de apoio em que eu morei, ela era um foco de tuberculose e eu tive de fazer um longo tratamento profilático; de quebra, a moça que me passara o HIV, tivera sido, também, vítima de tuberculose e não se poderia descartar, com tranquilidade a profilaxia. isso aconteceu há tanto tempo que lembro-me de ter feito o PPD (…) e deu reagente, sim, para a TB e, portanto, o tratamento veio bem a calhar.

Eu não posso, por questões éticas, contar o que eu vi, ouvi e vivi nesta e em mais uma casa de apoio (eu fiquei em duas durante um breve período de seis meses e acabei optando por morar nas ruas e me reerguer de lá mesmo), mas, acreditem-me, eu vi o bastante e disse para minha esposa, e em breve direi a um amigo que, se a única alternativa para mim for uma casa de apoio, que me deem um tiro na cabeça. Vira e mexe alguém me escreve, cheio de dedos, explicando o inexplicável, buscando que eu de alguma orientação sobre como internar (…) alguém num destes lugares. Eu nem respondo. Inútil buscar esta informação comigo e há até a possibilidade de receber uma resposta “atravessada”.

Tradução, revisão, adaptação e edição do original em inglês ART during tuberculosis therapy reduces mortality risk for people with HIV   por Claudio Souza em 15/04/2015

É permitida a reprodução do texto traduzido inteiro ou parcial, desde que todos os créditos, incluindo a fonte original sejam colocados.

Se você usa um blog no sistema  Wordpress queira, por favor, REBLOGAR.

Obrigado

Sugestões de leitura

Uma pessoa já disse algo!!! E você, Vai ficar de fora!?

Tem algo a dizer? Diga!!! Este blog é melhor contigo!!!

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

A Automattic, o Wordpress e Soropositivo.Org, e eu, fazemos tudo a nosso alcance no que tange à sua privacidade. E estamos sempre aprimorando, melhorando, testando e implementando novas tecnologias de proteção de dados. Seus dados estão protegidos e, eu, Cláudio Souza, trabalho neste blog 18 horas or dia para, dentre tantas outras coisas, garantir a segurança de suas informações, posto que sei das implicações e complicações das publicações aqui passadas e trocadas Eu aceito A Política de Privacidade de Soropositivo.Org Conhecer Nossa Política de Privacidade

Whatsapp WhatsApp Us