Blog Soropositivo. Org

Sitagliptin, droga contra diabetes, pode reduzir risco de ataques cardíacos em pacientes com HIV 

Home / Primeiro Semestre de 2015 / Sitagliptin, droga contra diabetes, pode reduzir risco de ataques cardíacos em pacientes com HIV 
Primeiro Semestre de 2015

JanuviaEm pacientes com HIV, Sitaglipin, droga que trata o diabetes, pode ter benefícios para além de reduzir o nível de açúcar no sangue.

Um novo estudo de pesquisadores da Washington University School of Medicine em St Louis sugere que a droga possa evitar problemas cardiovasculares porque ele trabalha para reduzir a inflamação associada à doença cardíaca e acidente vascular cerebral desses pacientes.

wusl

Embora a infecção com o vírus da imunodeficiência humana não seja mais uma sentença de morte, as pessoas com o vírus têm um elevado risco de ataques cardíacos e diabetes, e os problemas com níveis de glicose, insulina e colesterol; em parte isso se deve à inflamação crônica que a infecção pelo Vírus da Imunodeficiência Humana.

No novo estudo, os pesquisadores descobriram que a droga contra o diabetes, sitagliptin (nome da marca Januvia), tanto melhora metabolismo e a redução da inflamação em pacientes HIV-positivos adultos em terapia antirretroviral. Os resultados estão publicados na Revista clínica de Endocrinologia e Metabolismo.

Kevin E. Yarasheski“O objetivo foi o de identificar os tratamentos que não apenas resolvem problemas com o açúcar e lipídios sanguíneos, mas que também possam reduzir a inflamação, que pode desempenhar um papel importante na doença cardíaca e acidente vascular cerebral”, disse pesquisador principal Kevin E. Yarasheski, PhD, professor de medicina.

 “Com sitagliptin, o teor de açúcar caiu, e vários demarcadores de ativação imune e resposta inflamatória foram reduzidos, indicando a droga pode proporcionar benefícios a longo prazo para esses pacientes”, beneficiando coração, ossos e fígado “.

Yarasheski explicou que terapias padrão para diabetes tem sido tentadas em pacientes infectados pelo HIV e têm sido um pouco bem-sucedidos, mas não normalizam por completo o nível de açúcar no sangue, bem como a insulina e os níveis de lipídeos e outros indicadores da saúde cardíaca e metabólica.

 WASHINGTON UNIVERSITY SCHOOL OF MEDICINE

Washington-University-Medical-Center

O novo estudo da sitagliptin, com a duração de oito semanas, foi o segundo estudo do medicamento em pessoas soropositivas. O primeiro, que também foi conduzido pela equipe de Yarasheski, envolveu 20 pacientes e centrou-se na questão de saber se sitagliptin era seguro. Desta vez, os pesquisadores queriam ver se a droga específica trazia benefícios para a saúde.

Eles estudaram 36 pacientes portadores de HIV, de 18 a 65 anos, que estavam em tratamento antirretroviral e cujo estado imunológico manteve-se estável. No início do estudo, os pesquisadoresNurse takes test for sugar in blood of elderly woman at home mediram os níveis de glicose dos sujeitos da pesquisa, a sensibilidade à insulina, os níveis lipídicos, a contagem de células imunológicas (CD4), vários marcadores de inflamação e outros indicadores de saúde. Identificar os tratamentos para esses pacientes, pode ser difícil, principalmente por causa das potenciais interações com medicamentos antirretrovirais, contra o HIV/AIDS, que pacientes tomam para manter a infecção num nível em que não se desenvolva AIDS.

Metade dos participantes do estudo, em seguida, tomou sitagliptin durante oito semanas e os outros receberam um placebo . Entretanto, toda a gente no estudo continuou com a terapia antirretroviral.

“Nós queríamos saber se essa droga pode melhorar a qualidade de vida destes pacientes”, açúcar no sangue problemas e reduzir os marcadores imunes que acreditamos que são indicadores de que algo está ativando o sistema imunológico, causando a resposta inflamatória,” disse Yarasheski. “E foi exatamente isso que nós descobrimos”!

Estudos de longo prazo os são necessários para avaliar se os marcadores de inflamação inferior após oito semanas de tratamento podem levar a um menor risco de ataques cardíacos e problemas metabólicos, mas os sinais iniciais são promissores, disse Yarasheski, também professor de biologia celular, fisiologia e fisioterapia.

Açucar
O truque “deles” sempre foi adoçar sem mostrar a quantidade de açúcar. Agora querem tirar o T dos transgênicos

“Reduzir açúcar no sangue não é suficiente”, disse ele. “Apenas tratar lipídios não é suficiente. Queremos atingir os nexos entre regulação metabólica e imunológica . Se este medicamento reduz inflamação suficiente para realmente reduzir doenças cardiovasculares , ataque cardíaco, acidente vascular cerebral e hipertensão arterial sistêmica (HAS) é uma questão que ainda precisa ser resolvida. Mas estes resultados são um passo na direção certa”.

Esta pesquisa foi apoiada pela Merck Pharmaceuticals e a NIGMS, O NIAID, NIDDK e NCATS dos Institutos Nacionais de Saúde (NIH), números P41 GM103422, MU1 AI069495, P30 e P30 DK020579 DK056341, T32 DK007120, NCATS UL1 TR000448.

Melhor C, Struthers H, Laciny E Royal M, Canas DN Yarasheski KE. Sitagliptin reduz Inflamação e ativação de células imune crônica em pacientes HIV+ adultos com intolerância à glicose  . A Revista de Clínica Endocrinologia e Metabolismo, publicados online 4 de maio de 2015; http://dx.doi.org/10.1210/jc.2015-1531

Claudius el guapissimoTraduzido por Claudio Santos de Souza do original em inglês Diabetes drug may reduce heart attack risk in HIV patients

Uma reportagem de E. HOLLAND DURANDO

This research was supported by Merck Pharmaceuticals and by the NIGMS, NIAID, NIDDK and the NCATS of the National Institutes of Health (NIH), grant numbers P41 GM103422, UM1 AI069495, P30 DK020579, P30 DK056341, T32 DK007120, NCATS UL1 TR000448.

Best C, Struthers H, Laciny E, Royal M, Reeds DN, Yarasheski KE. Sitagliptin reduces inflammation and chronic immune cell activation in HIV+ adults with impaired glucose tolerance. The Journal of Clinical Endocrinology & Metabolism, published online May 4, 2015; http://dx.doi.org/10.1210/jc.2015-1531

Washington University School of Medicine’s 2,100 employed and volunteer faculty physicians also are the medical staff of Barnes-Jewish and St. Louis Children’s hospitals. The School of Medicine is one of the leading medical research, teaching and patient-care institutions in the nation, currently ranked sixth in the nation by U.S. News & World Report. Through its affiliations with Barnes-Jewish and St. Louis Children’s hospitals, the School of Medicine is linked to BJC HealthCare.

Publicações Relacionadas

Tratamento do HIV  – uma vida mais longa e mais saudável

Cláudio Souza

O envelhecimento dos olhos e degeneração macular relacionada com a idade (DMRI)

Cláudio Souza

1 – Doenças Oportunistas Infecções Bacterianas – Diarréia Bacteriana

Cláudio Souza

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Soropositivo.Org, Wordpress.com e Automattic fazem tudo a nosso alcance no que tange à sua privacidade. Você pode saber mais sobre esta política neste link Eu aceito A Política de Privacidade de Soropositivo.Org Ler Tudo em Política de Privacidade

Olá! Sou o Beto Volpe! Quer Conversar? Diga olá! Mas tenha em mente que eu trabalho aqui entre 9:00 da manhã e 20 horas. Você pode deixar a mensagem, mas eu responderei nestes horários. Talvez eu demore, mnas em *SEMPRE RESPONDO*
Olá! Será que você me autorizaria a te avisar quando eu fizesse uma nova publicação ou atualização de um texto? Veja bem, eu não teria a menor ideia a respeito de quem você é! Seria algo anônimo, que me deixaria feliz por sua atenção e interesse. Quando eu fui DJ meu salário era a gritaria! Agora, é seu interesse! E, me perdõem por algum erro ortográfico. Eu sou disléxico e a neuropatia periférica complica ainda mais toda esta coisa. :-(
Dismiss
Allow