Viver Com Muitas Condições Clínicas Será Normal Para Os Que Envelhecem Com HIV!

Velha senhora sendo acompanhada por sua prestadora de cuidados, uma profissão que estará muito em voga nos anos 20 e 30. É preciso começar a formar estas pessoas AGORA e ocritério basico de seleção é o de amor ao próximo

Crow Yoga CroneNos próximos quinze anos, as necessidades clínicas dos holandeses vivendo com HIV terá mudado substancialmente, devido a três quartos deles a idade de 50 anos. Em termos globais, 84% terão, pelo menos, uma condição médica, tais como as doenças cardiovasculares ou o câncer na parte superior de seu HIV, 28% vão ter três ou mais condições médicas e 53% terão problemas com interações medicamentosas ou contraindicações.

As previsões são provenientes da análise mais detalhada sobre as prováveis tendências futuras em HIV care para um envelhecimento da população de pessoas que vivem com O HIV ainda não realizado, preparado por Mikaela Smit e seus colegas do Imperial College de Londres e publicados online na semana passada, na revista Lancet doenças infecciosas. Os resultados são susceptíveis de serem relevantes para outros países ocidentais com co-epidemias concentradas em homens homossexuais, os autores dizem.

Devido à eficácia dos tratamentos antirretrovirais, a expectativa de vida de pacientes HIV-positivos estão cada vez mais dilatadas. Os pesquisadores anteriores têm estimado o número crescente de pacientes em seus cinquenta ou sessenta anos. Eles têm mostrado que adultos mais velhos tendem a ter uma melhor aderência e são mais propensos a ter uma carga viral indetectável do que pessoas mais jovens.

Contudo, os pesquisadores não calcularam como o aumento da idade dos pacientes terá impacto na prevalência de condições médicas que são comumente vivenciadas nas faixas etárias mais elevadas. Gerenciar essas comorbidades será, provavelmente, o que muito dificultará a entrega de cuidados clínicos adequados às pessoas com Idade Avançada vivendo com o HIV e suas complicações implícitas .

Modelo matemático baseado sobre os Países Baixos

math on blackboardDados detalhados sobre todos os adultos vivendo com HIV nos Países Baixos são recolhidas no ATHENA coorte. Os pesquisadores examinaram as informações sobre a faixa etária das pessoas que vivem com o HIV, as novas infecções, novos diagnósticos, as mortes, o uso de tratamento do HIV, a experiência de comorbidades (outras condições médicas) e medicação para gerenciar as comorbidades.

Favela
A realidade não é aquela vida dos “eleitos” dos injustificavelmente endinheirados, que ganham, por exemplo, fortunas absurdas, por terem um pouco mais de sorte e alguma habilidade  no uso da bola com os pés” que, embora tenham sido chamados por mim, para olhar este site, assim como determinadas atrizes e apresentadoras de TV que nem o câncer doutrinou e sempre disseram, nada podemos fazer por seu “bonito trabalho”….

Baseado na vida real, os dados foram recolhidos até ao ano 2010, e eles, os pesquisadores, desenvolveram um modelo matemático baseado em projeções futuras que “prevê” acontecimentos até 2030.

O modelo levou em conta, por exemplo, os percursos causais entre diabetes, doença renal, pressão arterial alta, colesterol elevado, ataques cardíacos e acidentes vasculares cerebrais. O modelo também analisou as tendências da osteoporose e câncer (excluindo o câncer definidor de AIDS; Sarkoma de Kaposi, por exemplo).

Outros problemas não foram incluídos devido à falta de dados confiáveis. Na nota, o que se inclui é a depressão, o prejuízo cognitivo, fraturas e incontinências.

Memoirs of a pregnancy

Dados de 10.278 pessoas que vivem com o vírus HIV nos Países Baixos foram incluídos. De nota, 1.005 mulheres que haviam se tornado gestantes e foram excluídas da análise, devido à forma como os medicamentos utilizados durante a gravidez desviam as previsões relativas às interaçõesno sentido de “droga a droga”.

No coorte, 59% são homens que fazem sexo com homens, 16% são mulheres e 66% nasceram na Europa.

As alterações de 2010 a 2030

Vector experience iconA proporção de pacientes HIV-positivos as pessoas com mais de 50 anos irá saltar de 28% em 2010 para 73% em 2030, com as pessoas com mais de 60 anos terá aumentado de 8% para 39 %.  Em 2030, a média de idade de uma pessoa com HIV será de 56 anos.

A maioria dos que necessitam de cuidados médicos para uma condição na parte superior da sua Infecção por HIV. A parte com, pelo menos, uma comorbidade irá aumentar de 29% para 84 %.  A proporção de três ou mais comorbidades que é próxima perto de zero em 2010 saltará para 28% em 2030.

Grande parte do curso destas comorbidades será conduzida por diversas formas de doença cardiovascular (pressão arterial alta, colesterol elevado, ataques cardíacos e derrames cerebrais), com 78 % deles tendo pelo menos um desses problemas até 2030. Além disso, 17% vai ter diabetes e 17% terá um câncer.

A prevalência de comorbidades será um pouco mais elevada do que em pacientes HIV-negativos em pessoas da mesma idade, refletindo as contribuições do próprio HIV e algumas drogas antirretrovirais para o desenvolvimento dessas condições médicas.

Devido às comorbidades, 54% terão de ter, pelo menos, um outro tratamento de “longo-prazo” juntamente com a prescrição mensal de suas drogas antirretrovirais e 20% terão estabelecidos tratamentos três ou mais drogas. (Nota do tradutor: Neste momento, baseado com comorbidades, só pra a neuropatia periférica por HIV eu tomo 3 drogas diferentes: Risperidona, gabapentina e metadona, sendo que a risperidona é tomada somente antes de dormir e as  outras duas são tomadas em doses alternadas a cada 90 minutos. Precisei instalar um APP no meu Smartphone o MEDSAFE, app da qual eu sou um dos “beta-testers”. Observe que eu tenho “apenas, 51 anos e ja tive duas embolias pulmonares, um enfarto, sofri de resist6enica periférica à insulina e tudo isso só parou porque fiz uma gastroplastia e isso cortou o triglicerídios de mais de 3000 para 220, 190…)

donna computerO modelo prevê que isso pode causar um aumento de complicações no tratamento do HIV – ampliando em 53% o risco de interações medicamentosas com os antirretrovirais atualmente recomendados em esquemas de primeira linha ou será aconselhado que se escolha um medicamento alternativo devido a uma comorbidades. Por exemplo, tenofovir não é recomendado para pessoas com doença renal crônica, enquanto o abacavir é contraindicada para pessoas com doença cardiovascular grave.

Os pesquisadores supõem que uma série de fatores demográficos e clínicos que continuarão a ser uma constante no futuro.

No entanto, se o estilo de vida das pessoas (dieta, tabagismo, etc.) melhorar consideravelmente, se os médicos avaliarem e tratarem com eficiência e humanidade as comorbidades anteriormente mencionadas, ou, se melhores antirretrovirais, com menos contraindicações foram desenvolvidos, em seguida, os resultados seriam um pouco diferentes.

Implicações

O sucesso da medicina voltada para o HIV – maior vida útil e qualidade de vida – pode ser compensada por um aumento da carga de doenças relacionadas com a idade, a prescrição de vários medicamentos e um número cada vez maior de pacientes que tenham complicações com o seu tratamento do HIV, os dizem os autores. Isso irá colocar novas demandas de serviços de saúde.

“Gestões de assistência a indivíduos infectados pelo HIV terão, cada vez mais, a necessidade de recorrer a uma ampla gama de disciplinas, incluindo médicos geriatras, clínica médica, cardiologia e oncologia. E baseados em evidências, as alterações à triagem e protocolos de monitorização para doenças não transmissíveis em pacientes infectados pelo HIV será importante para assegurar a manutenção cuidados de alta qualidade,” escrevem eles.

Considerando que os julgamentos têm frequentemente excluído as pessoas com comorbidades de estudos, é necessário proceder a estudos sobre interações medicamentosas, os efeitos secundários e a adesão ao tratamento do HIV é tomado juntamente com outros medicamentos.

Será que a genética entrará no mercado dos fármacos? E, se entrarem, estarão a preços acssíveis?
Será que a genética entrará no mercado dos fármacos? E, se entrarem, estarão a preços acssíveis?

Novos medicamentos podem ser necessários. “Drogas antirretrovirais com nenhuma droga-droga interações com comedicações para as doenças não transmissíveis que irá aumentar a prevalência durante os próximos 20 anos, incluindo medicamentos para osteoporose, doenças cardiovasculares e diabetes, será particularmente importante,” os pesquisadores dizem.

Enquanto o modelo é baseado no Holandês epidemia, eles acreditam que os padrões globais serão repetidos em outros países na Europa, América do Norte e Austrália.

Claudio Souza
Thats Me, with this psyco-killer`s face

Traduzido do original em inglês em Geriatric HIV: living with multiple medical conditions will become the norm as population ages por Cláudio Santos de Souza na tarde do dia 16 de junho de 2015

Você recebeu seu diagnóstico reagente e está com medo? Acha que sua vida acabou? Está tendo pensamentos “do tipo sem noção”?

Você precisa recuperar suas esperanças!

Entenda que a minha resiliência foi construída um dia de cada vez, uma enfermidade após a outra, um SUSTO APÓS O OUTRO!

Resiliência não é algo com que você nasce! Você a CULTIVA! Uma queda após a outra. Pois cada queda segue-se inevitavelmente de um novo reerguer!

Em síntese:

Levante-se

Sacuda a poeira!

E De A Volta Por Cima!

Seu médico, sua médica podem fazer muito por você!

Sua família, se te sobrou alguma, porque a mim não sobrou nenhuma, podem ou não, fazer algo por você.

Deus poderia fazer tudo por você!

Mas está em suas mãos a decisão de ir em frente ou sentar-se à beira da calçada!

Você acha que eu falo demais? Leia, por favor, meu histórico médico desatualizado! 🙂 Pode até demorar um pouquinho!

E quanto à Saúde, ela é um Direito de Todos e Um Dever do Estado

Advertisements

Publicações Relacionadas

2 Comentários

Comente e Socialize-Se. A vida é melhor com amigos!

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.

Soropositivo.Org, Wordpress.com e Automattic fazm tudo a nosso alcance no que tange à sua privacidade. Você pode saber mais sobre esta polític nste link Eu aceito A Política de Privacidade de Soropositivo.Org Ler Tudo em Política de Privacidade

%d bloggers like this: