Anúncios
News Ticker

Fumar é o maior fator de risco para cânceres não definidor de AIDS em pessoas vivendo com HIV

Pessoal, manter o site nos traz custos, custos estes que estão difíceis para arcarmos sozinhos. Nós queremos continuar trazendo informações e ajudando as pessoas que chegam até aqui, mas para isso também precisamos de ajuda. Qualquer valor é bem vindo e nos ajudará a manter o site de pé, caso contrário não conseguiremos mais ter esse canal de informação e ajuda mútua. Segue a conta para depósito: Banco do Brasil, agência 1521-0, conta corrente 19957-5, em nome de Claudio Souza

croi2015_w280x100Fumar parece contribuir mais para o ônus de cânceres não definidores de AIDS  diagnosticados em pessoas vivendo com HIV, nos EUA, fora de todos os potenciais fatores de risco modificáveis – incluindo a hepatite B ou C, baixa contagem de células CD4, um diagnóstico de AIDS ou ter uma carga viral não filtradas – de acordo com um estudo relatado na semana passada no Conferëncia sobre Retroviroses e Infecções Oportunistas (CROI 2015) em Seattle, nos EUA.

O estudo, apresentado por Keri Althoff da Escola Johns Hopkins Bloomberg de Saúde Pública, constatou que a Fração Atribuível da População (PAF – sigla em inglês) – ou a proporção de câncer não definidor de AIDS que pode ser evitado por pessoas com HIV se eles tinham o mesmo nível de tabagismo como a população de referência – foi de 37% para todos os cânceres não definidores de AIDS e 29% se câncer de pulmão fosse excluído.

Câncer entre pessoas vivendo com HIV

ceniceroComo observado por outros apresentadores durante a conferência, o risco de cânceres definidora de AIDS é muito elevada em pessoas que vivem com HIV, embora esses cânceres se tornaram menos comuns desde a introdução da terapia antirretroviral (TARV).  No entanto, o risco de alguns outros tipos de câncer também é elevado, e pode estar a aumentar entre as pessoas com HIV – em particularmente agora, que elas chegam a idades mais avançadas com o efetivo tratamento do HIV.

Blood Stream - Red and White Blood Cells FlowingUma série de fatores que contribuem para este aumento da carga de câncer não definidor de AIDS, incluindo uma maior frequência de tabagismo, drogas recreativas ou uso de álcool e maior taxa de co-infecções com outros vírus específicos associados com cânceres, tais como vírus da hepatite B (HBV) e vírus da hepatite C (HCV), que podem causar câncer do fígado, e papilomavírus humano (HPV), que pode causar na verrugas anais, cervicais, genitais e câncer oral. Além disso, a infecção pelo HIV – se a inflamação crônica associada ao HIV em curso da replicação, ou relacionada à imunossupressão do HIV – também podem desempenhar um papel significativo no desenvolvimento do câncer não relacionado à AIDS.

Por exemplo, uma apresentação por Keith Icahn Siegel da Escola de Medicina Monte Sinai analisou especificamente a associação entre o câncer de pulmão relacionado com supressão imunológica por HIV em Estudo de coorte (COV) com mais de dois anos em uma coorte de 26.065 Veteranos de guerra vivendo com HIV com um grupo de controle de veteranos num grupo em “envelhecimento natural”.

Mature married gay couple having wine and showing affection

Este estudo demonstrou que, tendo uma média contagem de células CD4 (ao longo do período de 24 meses) abaixo de 200 células/mm3 foi associado com um risco 70% maior de câncer de pulmão, e tendo uma contagem de células CD4 entre 200 e 500 células/mm3 foi associado com um risco 30% maior em comparação com as pessoas que vivem com HIV e que teve contagem de células CD4 acima de 500 células/mm3. Da mesma forma, tendo um CD4/CD8 relação célula abaixo de 0,4 foi associado a um aumento de 70% no risco de câncer pulmonar em comparação com taxas superiores. O sistema imunológico, no entanto, não parece estar associado a uma maior taxa de câncer de pulmão/mortalidade associada, embora ele foi associado com um global maior que todas as outras causas de mortalidade.

Embora Siegel afirmava que isso permanece não comprovado, é de se esperar que TARV aplicada precocemente e mais eficiente possam vir a reduzir o risco de câncer de pulmão e, eventualmente, de outros canceres não definidores de AIDS em pessoas vivendo com HIV/AIDS. No entanto, uma melhor compreensão do quanto um câncer é devido a vários fatores de risco pode ajudar a identificar as intervenções que poderiam evitar mais casos.

Cânceres não relacionadas com a AIDS de NA-ACCORD

lungs designEsse foi o objetivo do Althoff o estudo, que analisou a incidência do câncer não definidor de AIDS entre 16 participantes das coortes do norte-americano AIDS Cohort Collaboration da investigação e Design (NA-ACCORD) a partir do dia 1 de Janeiro de 2000 e 31 de Dezembro de 2009. O estudo incluiu quase 39.000 adultos, cerca de 600 dos quais receberam novos cânceres não definidores de AIDS. Câncer de Pulmão foi o mais comum não definidor de AIDS segundo os diagnósticos de câncer nesta coorte.

Mais uma vez, o objetivo do estudo foi determinar o quanto câncer não definidor de AIDS pode ser atribuído ao tabagismo em relação a outros pacientes HIV+ relacionados com fatores de risco. Há dois elementos-chave a considerar no cálculo O PAF: a prevalência do fator de risco – e a prevalência de tabagismo foi bastante elevada entre os participantes de AN-ACORDO – e o risco relacionado com esse fator.

No geral, o tabagismo teve um impacto muito maior em comparação com os outros fatores de risco que foram considerados. Na verdade, ter uma baixa contagem de células CD4 era um distante segundo lugar nesta análise.

Em outras palavras, UMA VEZ QUE 37% dos cânceres não definidores de AIDS “poderiam ser evitados entre os indivíduos que vivem com o HIV se fôssemos capazes de movê-las da categoria “nunca parar de fumar’ para a categoria “nunca fumar’ “, disse Althoff, enquanto usando TARV para preservar função imunológica, manter supressão viral, e travar progressão para a AIDS poderiam evitar até 8% de cânceres não definidores de AIDS.

Althoff concluiu que, a fim de reduzir a incidência do câncer não definidor de AIDS em adultos vivendo com HIV, intervenções eficazes para reduzir o consumo de tabaco são necessários, juntamente com um foco contínuo no tratamento do HIV.

“Nós realmente precisamos iniciar visando os indivíduos em risco para o HIV e intervir para programas de prevenção contra o tabagismo para jovens adultos,” ela disse.

alcoolEla observou que uma limitação do estudo foi a de que não havia dados disponíveis sobre o uso de álcool, o índice de massa corporal e infecção por HPV, de modo que não é possível calcular a contribuição dos fatores de risco para o ônus de câncer não relacionado à AIDS.

Além disso, os dados da seguinte forma: NA-ACCORD não caracterizam a história do hábito de fumar – se os participantes foram fumantes atuais, o número de anos-maço, se ou quando eles tiveram de sair do estudo – por isso, o estudo não possibilita determinar o número de cânceres que poderiam ter sido evitados pela cessação do tabagismo. Além disso, enquanto outros estudos estão agora a recolher mais histórias de fumantes, Althoff destacou que muito grandes coortes podem ser necessários para distinguir os efeitos do abandono do tabagismo, especialmente entre as pessoas que anteriormente eram fumantes pesados.

Mesmo assim, pode-se dizer, com segurança, como Eric Engels do Instituto Nacional do Câncer disse no final da décima-primeira sessão da discussão temática sobre o câncer, “temos de fazer melhor para conseguir que as pessoas vivendo com HIV vivam mais por parar de fumar.”

Theo Smart

Produto da colaboração do AIDSMAP e do hivandhepatitis.com

Traduzido por Claudio Souza do original em Smoking is the biggest risk factor for non-AIDS-defining cancers in people living with HIV revisado por Mara Macedo

References

Althoff KN et al. Smoking outweighs HIV-related risk factors for non-AIDS-defining cancers. 2015 Conference on Retroviruses and Opportunistic Infections (CROI), Seattle, abstract 726, 2015.

Assista à webcast desta apresentação.

Sigel K et al. CD4 measures as predictors of lung cancer risk and prognosis. 2015 Conference on Retroviruses and Opportunistic Infections (CROI), Seattle, abstract 728, 2015.

Assista ao WebCast desta apresentação

Clique aqui para doar R$ 10,00

Postagem patrocinada/Sponsored Post

Anúncios

Olha só pessoal.

No início do post tem uma imagem com um texto falando sobre o trabalho e os custos que a gente tem. Você que está me lendo agora, pode e tem o direito de não acreditar.

No mês de mais, quando mais de quarenta mil visitas foram registradas, houve três cooperações.

Quando nós pedimos cooperação financeira, qualquer valor é bom.

Sabe, o beija-flor pode carregar uma diminuta gota d’água em seu bico, no afã de apagar o incêndio na floresta….

E nunca será insuficiente 😊

Está conta serve para transferências de qualquer banco ou depósitos na boca do caixa de qualquer agência do Santander

Esta conta não permite, senhores abusadores, que seja feito nada a título de débito nela.

Você não poderá, como já pôde, assinar 65 revistas de uma só editora e, muito menos abrir contas de acesso à Internet 🙂

Precisa conversar

Whats App Soropositivo.Org

Estamos aqui para ajudar a pensar, não para diagnosticar. Não somos médicos ou profisionais de saúde. Buscamos ajudar com palavras amigas, conforto espiritual e, na medida do possível, terminar com a neurose gerada por bloqueiros de meia pataca ou homofóbicos sem caráter que não pensam duas vezes antes de espalhar terros entre pessoas que, quer eles, os homofóbicos, queiram ou não, são seres humanos. Tenha em mente que o numero do WhatsApp esta conectado a um CPF

A PEP é um direito de todos! Saiba onde a achar

A PEP é um direito de Todos

A PEP É um DIREITO DEDOS

[EIKYGMrz]

Top Blog Pessoal Saúde Juri Acadêmico 2013/2014

Top Blog Pessoal Saúde Juri Acadêmico
%d blogueiros gostam disto: