Anúncios
Últimas noticias

O Tempo coloca tudo em seus devidos lugares

Tempo é vida Tempo que corre é vida que vai... Não se de ao desespero, tudo é como Deus Deseja
O Tempo em suas mãos

O tempo está em suas mãos. dentro de determinados limites, que variam de acordo com nossa capacidade (a de cada um) de discernir. Cabe a nós dilatar ou encurtar este tempo com palavras, pensamentos e ações. No fim das contas tudo terá sido como Deus deseja, desde que você não cometa suicídio! Isso vai contra todas as Leis de Deus. E se você não acredita em um, que lástima…

Eu resolvi compartilhar a minha história. Não é muito diferente do resto, mas, bem, eu acho que é importante dizer para aqueles que não vão ler as outras histórias. Tenho 29 anos de idade e há dois meses e vinte e cinco dias que eu descobri que eu tenho HIV. Eu tinha uma vida sexual um tanto quanto convulsa e eu não me importei em me cuidar com algumas pessoas … acho que estar alcoolizado muitas vezes _ajudou-me_ a chegar à condição em que vivo hoje. Mas, no final, nem o álcool nem ninguém tem culpa, não há nada mais e nem mais ninguém além de você.

Há muitos anos que eu não fazia um teste de HIV por medo… falta de coragem… mas num belo dia eu decidi ir fazer o teste.

Não por estar doente ou ter qualquer sintoma. Eu estava em condições de perfeita saúde.

Eu sabia que poderia ser positivo, mas eu estava bastante confiante de que ele seria negativo, uma vez que tinha um namorado já há mais de um ano, com quem eu nunca usara preservativos e tudo estava bem. Recentemente, ele tinha feito um teste por outros motivos e que tudo tinha corrido tudo muito bem também. Foi isso que me deu muito mais segurança, apesar do fato de eu não estar mais com ele…

O dia em que eu recebi o resultado foi-me dito que eles repetiram o teste porque ele havia testado positivo.

Penso que, como todos, naquele momento, senti que a minha vida veio para baixo. Tudo o que eu havia planejado para mim desabou e, apesar de ter muitos amigos, me senti sozinho. Não, eu não disse uma palavra para qualquer outra pessoa que não a minha mãe, o meu ex-parceiro e um bom amigo.

Para todos aqueles que estão iniciando com este triste problema, só posso dizer que o tempo faz toda a poeira baixar e tudo se acomoda. O Tempo vai ajudando você a entender e assimilar esta condição, o tempo é como a lança de Alexandre Magno: Ele fere, ele cura. Quase três meses depois, posso dizer que estou mais calmo. A minha vida tem mudado muito. Já estou em tratamento.

A Vida deve continuar porque só temos duas opções ou sentamo-nos e esperamos a morte chegar, e neste caso ela pode chegar rápido ou seguimos em frente com a vida, lutando por ela de todas as formas possíveis e imagináveis e ir em frente.

Um abraço do Panamá.

Ron

Do Original em Espanhol El tiempo lo va calmando todo com uso de tecnologia de tradução automatizada e adaptação para o Português por Cláudio Souza.

Revisado por Mara Macedo

GT

SouzaNota da Tradução: Na obra de Machado de Assis, não me recordo em qual dos títulos da famosa Trilogia composta por Memórias Póstumas de Brás Cubas, Quincas Borba e Dom Casmurro, Machado de Assis usa da mesma figura de linguagem que me utilizei, embora ele tenha usado com muito maior eficácia e propriedade…

Na narrativa ele cita uma lenda que conta a história em que Alexandre, o Grande, no calor da batalha, feriu um de seus homens. Contristado, ele desapeou-se de seu cavalo, olhou para a lança e disse: “Você feriu, você há de curar!” E tocou a ferida com a lança e, segundo reza a Lenda, a ferida se fechou. Machado de Assis prossegue dizendo: ” O tempo é como a Lança de Alexandre. Ele fere. Ele cura. Se você não leu, leia os três, vale a pena e ensina um bocado sobre humanidade, Humanismo e, sobre “humanitas”. Ao vencedor, as batatas!

Dei me licença poética (é a primeira vez que faço isso em 12 meses de tradução) porque senti que não feriria o sentido do texto e posto esta explicação para dar total entendimento ao conteúdo.

Cláudio

Anúncios

Top Blog Pessoal Saúde Juri Acadêmico 2013/2014

Top Blog Pessoal Saúde Juri Acadêmico

um Chamado à cooperação

Precisa conversar

Whats App Soropositivo.Org

Estamos aqui para ajudar a pensar, não para diagnosticar

Ajude-nos a continuar a combater o bom combate!

Escolhidas para Você

Sobre Claudio do Soropositivo.Org (502 artigos)
Depois de assar quatro décadas tentando estabelecer pelo menos um armistício com meu pai e ver as falhas ocorrerem sistematicamente, tentativa após tentativa, eu desisti do sobrenome “de Souza”. Estava me preparando espiritualmente para isso quando uma amiga locupletou a façanha de descobrir onde está minha mãe... Sim, aquela que foi embora de casa e abandonou a mim e a meu irmão à nenhum mercê do conjunto truncado de sinapses que poderia muito bem representar meu pai. Assim, abandono os dois nomes na vida pública na rede e passarei a ser conhecido apenas pela minha condição Cláudio Soropositivo. Quem preferir, aluda-se a mim como o Cláudio do Site Sei que, para muitos, esa é uma decisão assustador. Mas foi muito mais assustador dorir no fundo do poço do elevador de um prostíbulo, enrolado num carpete cheirando a mofo, como única maneira de me abrigar do frio e Deus sabe o porquê de eu não ter sido mordido por um rato... É, sim, eu sou este da foto, que muda de vez em quando, mas sempre parece a cara de um gangster de filmes do Scorsese ou do Tarantino e, francamente, eu acho bom que seja assim. Eu mostro meu rosto, embora alguns me censurem, porque, no meu modesto ponto de vista, ser portador de HIV não é crime e, portanto, não há do que me envergonhar. Eu contraí HIV via sexual. Eu fui um DJ e, durante cinco anos fui DJ no vagão Plaza e durante uns outros dois fui DJ do Le masque. Lá, um filho da puta me pediu para fazer minhas férias e puxou meu tapete. Aí fui parar na "Segredos", uma casa gay e, de quebra, morei lá por um tempo. Rua da Amargura, onde R.A. Gomes me colocou. Mas dei a volta por cima e fu trabalhar na SKY. Depois, na Pink Santher, em Santos e, enfim, na XEQUE Mate e, terminei minha carreira, aquele que fora três vezes considerado o Melhor DJ de São Paulo, como um apagado DJ do La Concorde e do Clube de Paris, onde conheci uma das mais belas mulheres com quem convivi e a perdi. Conheci alguém novo, uma mulher "do dia", que me apresentou esta Entidade, o computador e, por muito tempo vivi de consertá-los. Sei, hoje, que ainda há muita gente que me odeia. Quer saber? Get them the hell and fuck off porque eu não dou a mínima. Simplesmente faço meu trabalho e me reporto a Deus...

Seu retorno é importante. Nós atendemos às solicitações de textos, desde que ligados ao tema central de alguma forma. Faça seu comentário, de sua opnião

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: