Fazendo mais com menos – Cuba da aulas sobre prevenção e tratamento do HIV

Você esta em Início => Direitos Humanos => Fazendo mais com menos – Cuba da aulas sobre prevenção e tratamento do HIV
?>

Addiction FreedomNo Rose Garden no início deste mês, o Presidente Obama anunciou ao povo americano e ao mundo que os EEUU abririam sua embaixada em Havana pela primeira vez em mais de meio século. “O progresso que temos hoje é a marca de que não temos de ser prisioneiros do passado. Quando alguma coisa não está funcionando, isso pode e vai mudar,” observou o presidente. Em geral, o público americano concorda com o Presidente Barack Obama na avaliação da situação, com 63% da população é a favor do restabelecimento de relações diplomáticas com o nosso vizinho do Sul. Para muitos dos 51% dos Cubano-americanos que são a favor deste restabelecimento, abrir os caminhos da diplomacia e do comércio estão arraigados em seu desejo de reunificação com a família e renovar as relações latentes que foram assoladas durante décadas. Para a americanos não cubanos, a abertura da embaixada dos Estados Unidos em Havana não só significa o fim de 54 anos de política isolacionista, mas também ressuscitar os sinais econômicos e oportunidades de viajar, Cuba já foi, uma vez, a o principal destino turístico do povo americano no Caribe. No entanto, os recursos potenciais de trocas entre as duas nações estendem-se além das ideias, bem como produtos e serviços, e no domínio do capital intelectual, há algumas importações cubanas tão valiosas como política de saúde pública!

Ao mesmo tempo que o Presidente Obama estava anunciando Washington’s aproximação diplomática com Havana, notícias saídas foram relatar que Cuba se tornou o primeiro país do mundo a erradicar a transmissão materno-infantil do HIV. No ponto de fato, os cubanos não erradicaram a transmissão vertical, tanto que duas crianças nasceram soropositivas para HIV em 2013, mas uma vez que as atuais medidas preventivas disponíveis para infecção perinatal não são infalíveis, dois equivale a zero do ponto de vista de saúde pública.

Este é um grande avanço para as práticas de prevenção HIV em todo o mundo, na medida em que oferece outras nações com a esperança que eles também possam vir a eliminar a transmissão materno-infantil do HIV. Por outro lado, o sucesso cubano na prevenção do HIV é old news. Com uma taxa de prevalência do HIV de apenas 0,2% em Adultos, Cuba tem a menor taxa de infecção pelo HIV entre países do Caribe e tem, tradicionalmente, um dos mais completos — caso controverso — programas de prevenção de HIV/AIDS em todo o mundo.

No início da década de 1980, num momento em que o Presidente Ronald Reagan recusou-se a reconhecer publicamente a existência da AIDS seu assessor de imprensa foi abordar a epidemia com desdém e risos, Cuba já havia iniciado os preparativos para parar a propagação do vírus. Em 1983, depois de observar o vírus explodir nas nações em torno dele — mais de dois anos antes do país o primeiro caso documentado do vírus — o governo cubano destruíu todos os produtos derivados de sangue estrangeiros e configurou a Comissão Nacional da AIDS. Tais ações proativas têm sido características da resposta cubana para a epidemia de AIDS, principalmente em seus primeiros anos de vida. Mas Cuba em determinada abordagem também abriu a nação para as alegações de que estava a abusar dos direitos humanos de seus cidadãos, e foi repreendida por parte da comunidade internacional.

Início em 1986, Cuba estabeleceu uma rede de dos hospitais em todo o país para um estado de quarentena obrigatória dos cidadãos HIV-positivos. Durante sete anos, o cuidado com os pacientes HIV-positivos da população de Cuba foi realizado nestes 14 hospitais, onde receberam cuidados médicos e foram mantidos para isolados da população em geral. Ouvindo isso pod-se conjurar imagens de mentalidade opressiva, mal mantidos em hospitais. Mas os hospitais têm sido descritos pela Organização Mundial da Saúde (OMS) como “comunidades suburbanas, em vários hectares de terra com modernos apartamentos de um e de dois andares… rodeado por uma vegetação exuberante e um pequeno jardim.” Embora alojados nestas dos hospitais, os pacientes foram tratados por médicos de família e monitorados por funcionários da saúde pública que procuram saber mais sobre a história natural da epidemia.

O acompanhamento médico dos pacientes foi emparelhado com outras medidas, como seguir a linha de contactantes em risco e estar parceiros sexuais de pessoas infectadas pelo HIV; e o controle obrigatório de certos grupos, incluindo os doadores de sangue, mulheres grávidas e adultos com infecções sexualmente transmissíveis.

Cuba foi também colocada uma grande ênfase na educação, a implementação de um curso obrigatório chamado “vivendo com HIV” de todos os recém-diagnosticados, e ofereceu às crianças educação sexual no início do quinto ano. Desde o final dos anos 1993, quando a residência dos hospitais tornou-se opcional, o governo cubano tem trabalhado para integrar os cidadãos HIV positivos para a comunidade através de uma série de medidas, que vão desde trabalho hospitalar (nota do tradutor: Entenda como poder trabalhar no hospital) formação programas de leis anti-discriminação que não só proibi os empregadores de demitir as pessoas por serem portadoras do vírus HIV, mas também exigir-lhes pagar os salários aos empregados com HIV que participam nos programas educacionais ou que vivem em um sanatório. [nota do tradutor: chama-se Justiça Social]

worker`s rights posterÉ fácil para os norte-americanos que querem que coloque-se os direitos do indivíduo acima do coletivo para analisar a resposta cubana para o HIV e a criticar a falta de autonomia; Cuba tem permitido que os seus pacientes HIV-positivos sejam cidadãos. Mas para se concentrar sobre esta limitação política cubana e ignorar os sucessos é como jogar fora o bebé com a água do banho. O fato de que o programa dois Estados Unidos da América tem quase o mesmo tempo de vida útil e  a mesma posição no ranking de Cuba ele tem uma vantagem de quase oito vezes por um no produto interno bruto (PIB) per capita deve dizer-nos que há aspectos de abordagem da Cuba para o HIV e de saúde pública que devem ser seguidos.

Em 2011 nos Estados Unidos, apenas 37% das pessoas que vivem com HIV tinham recebido prescrição de medicamentos antirretrovirais, enquanto Cuba foi uma das apenas 12 nações a alcançar o acesso universal ao tratamento antirretroviral (definido pela OMS como, pelo menos, 80% das pessoas elegíveis). Eu não sei sobre você, mas eu estou tendo um tempo muito duro enquanto assisto à violação dos direitos humanos de pessoas soropositivas em meu país.

Drew Gibson é um assistente social e escritor freelancer, de Cincinnati, Ohio. Ele faz o seu melhor para dividir seu tempo e esforços entre seu trabalho como gestor de processo para as pessoas que vivem com HIV/AIDS no Norte do Kentucky e a manutenção do seu blog, “Virally Suppressed,” que abrange uma infinidade de questões relacionadas com a desigualdade e justiça social. Você pode seguí-lo no Twitter em  @SuppressThis.

Por Drew Gibson De TheBody.com

9 De Julho de 2015

Traduzido por Cláudio Souza do Original em Doing More With Less: Cuba’s Lessons on HIV Treatment and Prevention

Anúncios

Publicações Relacionadas

Carregando

A Automattic, o Wordpress e Sorositivo.Org, fazem tudo a nosso alcance no que tange à sua privacidade.E estamos sempre aprimorando, melhorando, testando e implementando novas tecnologias de proteção de dados. Seus dados estão protegidos e, eu, Cláudio Souza, trabalho neste blog 18 horas or dia para, dentre tantas outras coisas, garantir a segurança de suas informações, posto que sei das implicações e complicações das publicações aqui passadas e trocadas Eu aceito A Política de Privacidade de Soropositivo.Org Ler Tudo em Política de Privacidade

Sua Opinião é Muito Importante!

Você gostaria de dar sua opinião sobre o Blog Soropositivo.Org?

Se você desejat, por favor forrneça seu e-mail, assim enviaremos a você uma resposta

Obrigado. Nós recebemos sua opinião e daremo o retorno em breve

Whatsapp WhatsApp Us
Precisa conversar? Há três pessoas aqui prestando serviços voluntários dentro de suas possibilidadades
error: Content is protected !!