Anúncios
News Ticker

Os prós  e os contras de PrEP: Voluntários do estudo narram suas experiências no Estudo ADAPT

Pessoal, manter o site nos traz custos, custos estes que estão difíceis para arcarmos sozinhos. Nós queremos continuar trazendo informações e ajudando as pessoas que chegam até aqui, mas para isso também precisamos de ajuda. Qualquer valor é bem vindo e nos ajudará a manter o site de pé, caso contrário não conseguiremos mais ter esse canal de informação e ajuda mútua. Segue a conta para depósito: Banco do Brasil, agência 1521-0, conta corrente 19957-5, em nome de Claudio Souza
Gay couples in civil marriage, love and relationship

TruvadaAs razões que levam as pessoas a levarem adiante a PrEP  ou não, bem como os motivos que fazem com que elas tomem PrEP conforme o prescrito ou tomam-na aleatoriamente ou apenas uma vez são susceptíveis de serem muito misturadas, e depende muito de como as políticas locais e crenças culturais atuam neste sentido, tendo em conta que são mais fatores pessoais, como status do relacionamento, conforme a Oitava Conferência Internacional AIDS Society sobre o HIV patogênese, tratamento e prevenção (IAS 2015) ouviu ontem.

 

 O HPTN 067 (ADAPT) é um estudo fase II aberto de Truvada PrEP com base em três cidades de todo o mundo (Cape Town, Bangkok e Harlem, Nova York).  O objetivo é avaliar a facilidade de uso e a viabilidade de três diferentes esquemas PrEP: a dosagem diária, dosagem temporizada (no sentido duas doses por semana, mais uma dose extra duas horas após relações sexuais, se isso acontecer), e a dosagem orientada a eventos , o que significa uma dose de dois tablets 24 horas antes do esperado sexo e uma, duas horas depois, caso isso aconteça.

 

Para os dados sobre a adesão, uso pílula e infecção pelo HIV, consulte este relatório.

 

Cada um dos três cidade estudos também tiveram os estudos qualitativos ligados a ele para que os participantes pudessem relacionar a experiência de tomar prep.

 

Cape Town

Kapstadt bei NachtNa Cidade do Cabo, 18 dos 179 homens envolvidos deram entrevistas em profundidade para os pesquisadores – seis em cada braço do esquema, três no primeiro semestre de estudo e três perto do fim. Há também outros seis grupos de foco de sete participantes cada. Assim, 60 pessoas, ou cerca de um terço dos participantes do estudo, deram informações qualitativas.

 

Rivet  Amico da Universidade de Michigan, que chefiou o estudo qualitativo, disse que as atitudes dos participantes neste e em outros estudos de prevenção variou ao longo de todo o espectro de total apoio para completar confiança. Aderência (o percentual de comprimidos tomados) e persistência (o comprimento de tempo os participantes permaneceram no estudo como participantes ativos) foram comparados a estas atitudes. Ela disse que as atitudes em relação ao estudo variaram desde a total desconfiança e evasão de pílula à capacitação e pessoas agindo como campeãs da PrEP.

 

Fatores que podem influenciar em especial africanos participantes incluindos o “Ubuntu”, a crença de que o valor de um indivíduo depende da sua contribuição para a sua comunidade de entorno: o julgamento seria pesado contra padrões de comunidade utilidade.

 

O ceticismo acerca do estudo não foi necessariamente ruim: os participantes podem estar bem cientes de que em um estudo científico o resultado era incerto; e pode ter receio de tomar PrEP e desconfiar da integridade e fidedignidade do estudo e seus pesquisadores. Estes podem ser amplificados ou atenuados por influência da comunidade e, em especial, pelos outros campeões em PrEP ou mesmo os anti PrEP, defende.

 

A desconfiança foi mais comum na PrEP deste e outros estudos na África do Sul do que em algumas outras definições porque os participantes eram mais propensos a participar do estudo por outros motivos, tais como os benefícios médicos por ele oferecido, enquanto na verdade não acreditavam no benefício da PrEP. Os participantes poderão ainda atuar como advogados contra PrEP. “Eu nunca mais vou beber [tomar] estes comprimidos porque eu não confio neles”, disse.

 

“Exploração Cuidadosa” foi o termo mais adequado para a próxima categoria, que não era o que eles pensavam sobre PrEP e pode ser influenciada por argumentos a favor ou contra, com adesão irregular resultante. “Eu estava ficando confuso e constrangido porque eu não sei se continuo a tomar comprimidos ou não”, disse um participante.

 

Aceitação provisória caracteriza o próximo grupo, que foi motivado a tentar tomar prep. Sua persistência foi boa, mas eles encontram-se, muitas vezes, lembrando-se de tomar os comprimidos como algo desafiador: eles se caracterizaram por uma determinação a ser bons participantes de uma sensação de poder: “Eu não faria isso [ou seja, não tomar os comprimidos] porque eu quero ver se essas pílulas realmente funcionam”, disse.

 

Propriedade não era a melhor palavra para descrever a atitude do quarto grupo, que não apenas se sente como participantes que se inscreveram, mas como parceiros de uma empresa mista. Eles muitas vezes agiram como os campeões da PrEPe viram como seu trabalho era bom para combater percepções negativas e crenças. Um fator que os participantes Africanos em nos ensaios PrEP, em particular, têm citado como uma barreira para adesão o pressuposto por parte da família e dos amigos que alguém a tomar uma pílula anti-retroviral deve ter o HIV. Um participante descreveu sua luta contra essas afirmações: “E eu disse: ‘olha aqui, pergunte-me. E você não me atreveria a dizer QUE EU tenho HIV, dizendo a todos para essa loja. Estamos fazendo pesquisas aqui’” .

 

Rivet Amico comentou que dependendo de onde eles estavam neste espectro, a habitual adesão e as estratégias de aconselhamento podem ajudar, mas também pode ter efeitos contraproducentes. Se alguém já estava desconfiada do julgamento, em seguida, pedindo-lhes para resolver os entraves à adesão só pode consolidar a desconfiança: as crenças necessárias a serem abordadas em vez de dificuldades. De igual modo, as pessoas que se sentiram como parceiros e advogados possam se sentir desamparadas e sentindo-se “por baixo” para serem constantemente lembradas da importância de adesão: em vez disso, o aconselhamento pode concentrar-se no apoio à sua defesa. “Não assumir; as pessoas entram num estudo intitulado “neutro”, Amico disse.

Bangkok wooden sign with a temple background Bangcoc

Em Bangcoc, 38 dos 180 homens que fazem sexo com homens (HSH) envolvidos tomou parte na avaliação qualitativa do estudo, 32 em seis grupos de foco de cinco homens, e 6 em um-a-um entrevistas. Eles só foram entrevistados no final do estudo.

 

O HSH no Bangkok estudo tendiam a falar mais especificamente sobre os prós  e os contras dos três regimes diferentes em termos de sexo e relacionamentos.

 

Apresentador Tareerat Chemnasiri disse que a PrEP diária era preferida por muitos porque não houve associação com o sexo e ele pode ser transmitido como um outro remédio: “seria difícil de se ter um tablet antes ou após relações sexuais. O meu parceiro que o tablet foi a favor. Mas a dose diária, eu poderia dizer que era suplemento dietético ,” disse um dos participantes.

 

Um certo número de participantes salientaram que nem sempre têm o controle sobre quando eles tinham sexo: “Meu namorado sempre controla quando a ter relações sexuais, mesmo que muitas vezes não é. Por isso, continuo a ter tablet dois dias por semana e apenas esperar que o sexo aconteça “, disse. Com os outros, a falta de oportunidade e de falta de controle foi o problema, e aqui a duas vezes a dose semanal fez mais sentido: “EU não planejo sexo, [mas] os tabletes estão comigo o tempo todo. ”

 

Um participante disse que preferiria PrEP orientada a eventos como ele não têm suficiente sexo para justificar a dosagem diaria. Mas vários outros tiveram dificuldade com o pós-sexo, a dose intermitente de PrEP: “Após voltar do bar, tomei um tablet em 2 da manhã direito antes de ter sexo e eu tive que esperar por 2 horas para tomar dose pós sexo às 4 da manhã Eu já adormeci depois.” (Este, aliás, foi um dos principais problemas citados por um dos poucos outros estudos da PrEP em HSH em um -país de não elevado rendimento, um pequeno estudo feito no Quênia).

 

Um participante, no entanto, disse: Gostei da PrEP intermitente porque ele realmente serviu como um aviso para o sexo, quase um afrodisíaco: “Eu sempre pedir para fazer sexo com o meu namorado. Às vezes, ele diz que sim. Às vezes, ele está cansado. Mas, se eu estou realmente tesudo gostaria de ter um tablet e obter o que quero

Nova York

New York City, financial business buildings in Manhattan on a la No estudo em New York 37 homens participaram de entrevistas qualitativas com seis entrevistas em profundidade e 31 em grupos de foco. Aqui, muitos dos participantes também concentrou-se nos aspectos práticos do cotidiano ou orientadas a eventos a dosagem. Muitos não gostam da ideia de associar de pílulas com sexo, alguns apenas senti-lo “estranho” se o outro parceiro não estiver, também, tomando uma pílula, enquanto alguns encontraram hostilidade declarada: “Os meus parceiros seria como, “Por que você está tomando os comprimidos?” [e] por vezes, nunca iria chegar a relações sexuais. Seria apenas parar a noite. Eles que são loucos e saem.” Até mesmo alguns com parceiros estáveis, no entanto, viram-se obrigados a esconder a sua PrEP:

“Se você tem um parceiro fixo você sabe quando é que vai fazer isso ou não. Você pode ter [a pílula]; “Espera, deixa-me ir ao banheiro” – pop. Porque … algumas pessoas não estão prontas para aceitar as coisas. Eles vivem em … em um mundo de fantasia onde você não acha que isso pode acontecer com você.”

 

No entanto os participantes foram também mais preocupado do que os Tailandeses em estigmatizar homens gay sobre as suas atitudes com outras pessoas, incluindo profissionais de saúde, parentes e amigos: mais uma vez, houve uma generalizada suposição de que o participante deve ter o HIV se eles estavam tomando uma pílula. “A dizer-lhes que você está tomando uma pílula para evitar que ela; eles pensam que você tomar uma pílula para parar isso”, disse.

 

Os participantes tinham encontrado a ‘vergonha da vagabunda” e a hipótese de que eles devem ser promíscuos se eles estavam a tomar PrEP, enquanto os outros desconfiavam que PrEP funcionou e, portanto, pressupõe-se a existência de uma pessoa que tomou PrEP está em maior risco do que o HIV: “Um dos meus parceiros, como, ‘ooo. O que é que isso significa? O que é que você está fazendo? “, indicando que a pílula significa que eu estou tendo relações sexuais sem proteção a torto e a direito.” “alguns deles foram apenas como – “prefiro não ter sexo com você, porque eu não sei se PrEP funciona,’ ou ‘você provavelmente é uma grande prostituta.”

 

No entanto, os participantes também descreveram sentimentos de ansiedade, alívio, protecção e empoderamento com a PrEP. Um disse que chamou o seu “Superman – a pílula” enquanto em outra vez disse: “Eu estava protegido. Gostaria que [pílula] fosse meu irmão mais velho e eu estava ficando batido pelo bully na escola .”

 

Apresentador Julie Franks da Universidade de Columbia afirmou que as intervenções para o Estigma do HIV relacionado com o contexto de uso PrEP foram necessários para os homens negros que tem sexo com homens nos Estados Unidos.

 

No entanto, ela acrescentou que “a nossa amostra qualitativa de sobretudo do Negro HSH valorizaram a PrEP como uma melhora significativa nas estratégias de prevenção HIV existentes.”

Escrito por

Gus Cairns

Publicado: 22º julho de 2015

Painel no simpósio PrEP IAS

Traduzido por Cláudio Souza do original em:  The pros and cons of PrEP: trial volunteers recount their experience of the ADAPT study

Referências

Amico KR et al. PrEP experiences among South African women in the HPTN067 (ADAPT) study: Healthy paranoia (skepticism), Ubuntu, champions and challenges to resolving PrEP dissonance. Symposium presentation, Eighth International AIDS Society Conference on HIV Pathogenesis, Treatment and Prevention. Symposium no MOSY01. 2015.

 

A webcast of this presentation is available on the conference YouTube channel.

 

You can download the slides of this presentation from the conference website.

 

Chemnasiri T et al. Patterns of sex and PrEP in Bangkok MSM (HPTN 067/ADAPT Study). Symposium presentation, Eighth International AIDS Society Conference on HIV Pathogenesis, Treatment and Prevention. Symposium no MOSY01. 2015.

 

A webcast of this presentation is available on the conference YouTube channel.

 

You can download the slides of this presentation from the conference website.

 

Franks J et al. Patterns of Sex and PrEP in Harlem MSM: A qualitative study (HPTN 067). Symposium presentation, Eighth International AIDS Society Conference on HIV Pathogenesis, Treatment and Prevention. Symposium no MOSY01. 2015.

 

A webcast of this presentation is available on the conference YouTube channel.

 

You can download the slides of this presentation from the conference website.

 

Where available, you can view details of sessions, view abstracts, download presentation slides and find webcasts using the conference ‘Programme at a Glance’ tool.

 

You can also download a PDF of the abstract book from the conference website

Anúncios

Precisa de algo? Ou quer ajudar?






Precisa conversar

Whats App Soropositivo.Org

A PEP é um direito de todos! Saiba onde a achar! Clique na imagem

A PEP é um direito de Todos

A PEP É um DIREITO DEDOS

Top Blog Pessoal Saúde Juri Acadêmico 2013/2014

Top Blog Pessoal Saúde Juri Acadêmico
%d blogueiros gostam disto: