Soropositivo.Org

A Camisinha e a Informação, juntas, são melhores do que a PrEP, apesar de Haver Vida com HIV

As pessoas que vivem com HIV estão a envelhecer mais rapidamente?

Este ainda é um envelhecimento saudável. O texto em questão trata de um outro tipo de envelhecimento que é, eu diria, decadente, no sentido de saúde decadente, embora eu tenha dois excelentes exemplos de envelhecimento não decadente que São Beatriz Pacheco e Beto Volpe, pessoas acima da média que eu gostaria de, algum dia, poder espelhar
Este ainda é um envelhecimento saudável. O texto em questão trata de um outro tipo de envelhecimento que é, eu diria, decadente, no sentido de saúde decadente, embora eu tenha dois excelentes exemplos de envelhecimento não decadente que São Beatriz Pacheco e Beto Volpe, pessoas acima da média que eu gostaria de, algum dia, poder espelhar

Como foi mencionado acima, qualquer número de fatores pode tornar as pessoas mais susceptíveis de ter doenças relacionadas com a idade e as condições de taxas mais elevadas e idades mais jovens. As pessoas com HIV têm maior probabilidade de apresentar alguns desses fatores de risco do que pessoas HIV negativas – por exemplo, mais fumaça e são mais susceptíveis de serem infectados com outros vírus prejudiciais e, por conseguinte, levando-os a ter piores condições de saúde à medida que envelhecem. Os pesquisadores também se perguntaram como ou se o HIV de todos por si só, é um fator de risco para doenças e condições relacionadas com a idade.

Não há dúvidas de que muitas das doenças associadas com o envelhecimento ocorrem em taxas mais elevadas em pessoas com HIV e em muito mais jovens do que em pessoas não infectadas com o vírus. Aqui estão apenas  algumas das  condições:

  1. Ossos enfraquecidos pela perda de massa muscular e de redistribuição de gordura
  2. doenças cardiovasculares
  3. doença do fígado
  4. doença renal

O que alguns especialistas argumentam, no entanto, é que uma série de fatores para além do HIV pode contribuir de forma significativa para estes problemas. Considere o seguinte :

  • As pessoas com HIV tomam ARVs, algumas das quais podem contribuir para a perda de massa óssea, dano renal, redistribuição de gordura e colesterol e triglicérides elevados.
  • As pessoas que vivem com HIV são muito mais propensas que a população em geral e ser co-infectados com hepatite A hepatite B e hepatite C ou às vezes todos os três e estes aumentam o risco de câncer do fígado, insuficiência hepática, doença renal e diabetes.
  • As pessoas que vivem com HIV são muitas vezes mais propensas a serem cronicamente infectados com vírus papiloma humano (HPV), que provoca câncer cervical e anal, bem como dos canceres da cabeça, do pescoço e da garganta.
  • As pessoas que vivem com HIV são até três vezes mais propensas a fumar o tabaco, que é uma das principais causas de ataque cardíaco, acidente vascular cerebral, câncer de pulmão e enfisema.
  • As pessoas com HIV têm taxas de doença mental e abuso de substâncias que são muitas vezes mais elevadas do que em pessoas que não têm O HIV, e essas doenças aumentam o risco de inúmeras outras doenças.
  • O HIV pode infectar diretamente nos tecidos essenciais no osso, cérebro, sistema circulatório e em outros lugares, e isso pode causar inflamação e danos relacionados ao coração, sistema nervoso, fígado e rins.

claudiusNota do Tradutor: Este que vos fala sofre de uma eterna vasculite que já me rendeu duas embolias pulmonares (quase fui para o espaço duas vezes) e pelo menos meia dúzia de tromboflebites; para evitar riscos maiores submeti-me a uma cirurgia relativamente simples que instalou um filtro na veia cava que não tem outra finalidade que não a de impedir que coágulos formados nas veias dos membros inferiores ganhem acesso ao meu corpo podendo, quando pouco, causar uma “emboliazinha” pulmonar e, quando muito, um AVC de consequências incognoscíveis. Isso porque tenho apenas 51 anos e as embolias começaram em 2005 quando eu tinha 41 anos

Esses fatores provavelmente desempenham papéis importantes no aumento das taxas de doenças relacionadas com o envelhecimento e as condições observadas em pessoas com HIV. O que os peritos ainda não tenham chegado a um acordo é como a própria infecção pelo HIV pode agravar ainda mais fatores de risco subjacentes por meio inflamação e possui imunossenescência relacionada à idade conhecida para contribuir com o processo de envelhecimento e problemas relacionados.

Os investigadores estão a trabalhar arduamente para tentar compreender a rapidez com inflamação e a imunossenescência relacionada à idade ocorre em pessoas com HIV depois de se tornarem infectados. Não há provas de que ela começa a acontecer muito em breve, após uma pessoa contrair o HIV, mas que um bom controle do vírus (ou porque uma pessoa naturalmente controla O HIV bem ou porque ele ou ela fazem TARV) pode fazer com que este processo fique mais lento.

Os especialistas ainda não chegaram a um acordo sobre a melhor maneira de medir inflamação e avaliar a imunossenescência relacionada à idade, e nós ainda não sabemos o quanto eles contribuem independentemente para o envelhecimento e para o surgimento de doenças relacionadas, quer em pacientes HIV-negativos as pessoas ou em pessoas com HIV. Estão em curso trabalhos de investigação , no entanto, para tentar responder a essas perguntas. Entretanto, há muito que a pessoa média vivendo com HIV pode fazer para reduzir  o risco de  muitas doenças relacionadas com a idade e condições .

Traduzido do Original em Inglês em Are people with HIV aging more rapidly? Por Cláudio Souza e Revisado Também por Cláudio Souza devido a intercorrência na vida pessoal de Mara Macedo que geralmente faz as revisões

Whatsapp WhatsApp Us
Olá. Você clica aqui e fala comigo, Cláudio Souza. No blog tem tudo o que você precisa sabere. Eu já tentei fazer isso contando com a boa vontade de cada um. Isso é um trabalho, e eu passarei a vivenciá-lo assim: Você precisa por a mão na consciencia e me ajudar, pois de ma forma ou e outra, estando aqui, eu ajudo vocês