Soropositivo.Org

A Camisinha e a Informação, juntas, são melhores do que a PrEP, apesar de Haver Vida com HIV

Há tratamentos experimentais para lentificar envelhecimento em pessoas com HIV?

Envelhecer, todo mundo, se não morre antes, envelhece. No caso da pessoa com HIV há um determinado fator de envelhecimento precoce de mais ou menos cinco anosMuitas equipes de pesquisa estão procurando maneiras de abrandar o processo de envelhecimento, tanto em pacientes HIV-positivos como em indivíduos HIV negativos. Até agora não há métodos comprovados para realmente reverter o envelhecimento (apesar do que espertos na TVTL passarem anúncios informativos afirmando na televisão e na Internet afirmando que podem).  Aqui está uma amostra de alguns dos mais promissores exemplos de investigação para lentificação do envelhecimento, e alguns exemplos de pessoas em que estas “táticas” podem ser mais arriscadas e exigem cautela.

Diminuir a inflamação


Como já foi explicado, o sistema imunológico cronicamente ativo é prejudicial em muitos aspectos. Não só ele pode danificar diretamente os nossos vasos sanguíneos e órgãos vitais, mas também pode acelerar o volume de negócios das nossas células imunes, levando a desenvolver imunossenescência relacionada à idade.

Uma grande variedade de compostos atualmente disponíveis para outras condições e outros-experimentais estão sendo testados em pessoas com HIV para acalmar o sistema imunológico. Das drogas em estudo incluem a aspirina, os inibidores da HMG-CoA redutase (comumente chamada de “estatinas” e usada para baixar o colesterol), a entrada inibidor de protease ( Selzentry maraviroc), e drogas que são normalmente usadas para tratar a malária. Drogas experimentais incluem aqueles que foram concebidos para tratar artrite e outras doenças inflamatórias.

Alongamento e reparar Telômeros

Biochemistry research

Em caso de danos ou telômeros encurtados que levam à exaustão imune, então devemos estar lutando para reparar ou alongá-las, certo? A melhor resposta a essa pergunta é sim, mas só se pudermos fazê-lo com segurança. Não há uma boa razão que temos evoluído de tal forma que nossos telômeros diminuem, se uma célula reproduz muito: células que não consiguem parar a replicação tornam-se carcinogênicas. Drogas que estimulam a enzima telomerase, que ajuda a manter telômeros, poderiam hipoteticamente aumentar o risco de certos tipos de câncer. Existem alguns fármacos promissores nos primeiros estudos em animais, mas um grande trabalho de pesquisa será necessário antes que estejam prontos para o primeiro tempo.

Alternativas mais arriscadas


Um dos mais escritos e sobre os métodos de alongamento do ciclo de vida dos animais e (esperamos) o povo é extrema restrição calórica. Estudos têm progredido de insetos a mamíferos de pequeno porte e, até agora, parece que uma dieta contendo cerca de metade da “ideal” quantidade de calorias para um determinado animal pode significativamente aumentar a vida útil do animal e a aumentar a sua saúde e vitalidade durante esses anos adicionais de vida. Estamos muito longe de sermos capazes de estudar este método em humanos, no entanto, e a maioria dos pesquisadores e dos prestadores de cuidados de saúde não recomendam que as pessoas com HIV iniciar dietas super-baixas em calorias.

Outro tratamento comum nas “clínicas  e longevidade” nos Estados Unidos é o uso de hormônios como testosterona, hormônio de crescimento humano e esteróides anabolizantes. Enquanto cada um destes foi aprovado para tratar a perda de gordura e muscular comum em pessoas com doença por HIV avançada (síndrome de wasting), nenhum deles é aprovado para abrandar ou reverter o processo de envelhecimento e todas vêm com efeitos colaterais que pode realmente aumentar algumas relacionadas com a idade, como doença cardiovascular, problemas hepáticos e diabetes.

Algumas considerações finais sobre o HIV/AIDS e envelhecimento

Potente combinação de ARV não é perfeita e todos os tratamentos disponíveis podem causar alguns efeitos colaterais, a droga deve ser tomada com regularidade quase que perfeito para o resto da vida; ou tudo pode parar de funcionar. Dito isto, muitos especialistas concordam que uma pessoa que começa ARV cedo o suficiente tem uma grande chance de viver uma vida quase normal. A grande questão para muitos, então, é se as pessoas com HIV ser capazes de manter-se saudável durante o decorrer da sua velhice?

Pesquisas atuais estão a tentar responder a essa pergunta. Embora as taxas de doenças relacionadas com a idade sejam muito maiores em pessoas com HIV, isso não significa que todos os que são HIV positivos terã múltiplas doenças pelo momento em que chegam os anos 50. Na verdade, as taxas reais de algumas doenças relacionadas com a idade continuam bem abaixo dos 10 por cento de pessoas com HIV. O que não está ainda claro é se vai ser em maior risco de que doenças, como vigilantes temos de estar na triagem de diversas doenças e se o tratamento de eventuais doenças, tem a necessidade de ser diferente em pessoas com HIV.

Os pesquisadores estão trabalhando ativamente sobre estas questões. Entretanto, os melhores métodos disponíveis para a prevenção relacionada com a idade, o declínio físico e mental são os antigos hot standbys: dieta, exercício, mantendo conexões sociais e abster-se de comportamentos prejudiciais.

claudiusTraduzido do Original em Are there experimental treatments to slow aging in people with HIV? por Cláudio Souza em 12  de setembro de 2016

Whatsapp WhatsApp Us
Olá. Você clica aqui e fala comigo, Cláudio Souza. No blog tem tudo o que você precisa saber. Eu já tentei fazer isso contando com a boa vontade de cada um. Isso é um trabalho, e eu passarei a vivenciá-lo assim: Você precisa por a mão na consciencia e me ajudar, pois de uma forma ou e outra, estando aqui, eu ajudo vocês e não vou conseguir ir muito longe om isso