Anúncios
News Ticker

Certas bactérias vaginais podem proteger contra transmissão do HIV durante o sexo, como um preservativo biológico

Pessoal, manter o site nos traz custos, custos estes que estão difíceis para arcarmos sozinhos. Nós queremos continuar trazendo informações e ajudando as pessoas que chegam até aqui, mas para isso também precisamos de ajuda. Qualquer valor é bem vindo e nos ajudará a manter o site de pé, caso contrário não conseguiremos mais ter esse canal de informação e ajuda mútua. Segue a conta para depósito: Banco do Brasil, agência 1521-0, conta corrente 19957-5, em nome de Claudio Souza
concept tissue infection by bacteria 3d rendering

Nota do tradutor de Soropositivo.Org: Dada a necessidade de explicar o termo pois ele é a pauta deste artigo, busquei na wikipedia a definição do termo microbiota. A saber:

Em medicinazootecniaveterinária e agronomia, chama-se microbiota ao conjunto dos micro-organismos que se encontram geralmente associados a tecidos ou órgãos de animais ou plantas (ver, por exemplo, microbiota bucal indígena). Os microrganismos que estabelecem colônias permanentes dentro ou sobre o corpo sem produzir doenças compõe a microbiota normal do corpo. A “microbiota transitória é composta pelos micróbios que estão presentes por períodos variáveis, podendo desaparecer temporariamente. Estes micro-organismos residem nestes lugares de forma mais ou menos permanente e, em alguns casos, realizam funções específicas.

O termo flora (por exemplo, em flora intestinal) deveria ser abandonado, uma vez que se refere às plantas, enquanto que os micro-organismos pertencem aos grupos protista e das bactérias. Isto deve-se a estes organismos terem sido classificados entre as plantas na taxonomia de Lineu.

 

various types of pollenTipos específicos de Lactobacillus (bactérias) na mucosa vaginal poderá reter O HIV e pode ajudar a prevenir transmissão sexual do vírus para as mulheres, de acordo com um relatório no Edição de seis de outubro do Jornal mBio. Por outro lado, os pesquisadores descobriram que outra espécie associada a vaginose bacteriana pode aumentar suscetibilidade à infecção pelo HIV.

Kenetta Nunn da Universidade da Carolina do Norte em Chapel Hill e colegas realizaram um estudo laboratorial das propriedades de barreira de muco cervicovaginal. Esse muco pode fornecer uma barreira que impede o VIH e outras doenças sexualmente transmissíveis  de atingir células-alvo no epitélio vaginal, impedindo ou reduzindo as infecções, notaram como plano de fundo do estudo.

Ao rastrear partículas fluorescentes HIV-1 no muco cervicovaginal das amostras de várias mulheres, verificou-se que nem o  muco pH, ácido lático, ou escores Nugent (um sistema de avaliação bactérias vaginais em amostras teste de Papanicolaou) foram significativamente correlacionados com vírus preso. No entanto, o HIV foi de um modo geral retido no muco com altas concentrações de ácido D-láctico e microbiota dominado por Lactobacillus crispatus. Em contraste, O HIV difundia-se rapidamente pelo muco com baixas concentrações de ácido D-láctico dominado por Lactobacillusiners ou com quantidades substanciais de Gardnerella vaginalis(associado a vaginose bacteriana).

“Nossos resultados demonstram que a microbiota vaginal, incluindo algumas espécies de Lactobacilos, podem alterar as propriedades da barreira difusional [muco cervicovaginal] contra o HIV e provavelmente outros vírus sexualmente transmissíveis microbiotas e que estas mudanças relacionadas podem contar em parte para a riscos elevados de aquisição de relacionada com vaginose bacteriana ou por intermédio da microbiota vaginal”, os autores do estudo concluíram.

Abaixo está um trecho de uma edição American Society for Microbiology press release que descreve o estudo e as suas conclusões com mais detalhes.

Micróbios do Muco Vaginal podem influenciar criação de armadilha para o vírus HIV

Washington, DC — 6 de Outubro de 2015 — As partículas do HIV são efetivamente retidas pela muco cervicovaginal entre mulheres que abrigam uma particular espécie de bactérias vaginais, o Lactobacilluscrispatus. Os resultados, publicados esta semana no mBio, um site de acesso aberto oficial da Sociedade Americana de Microbiologia, poderia levar à criação de novas formas de reduzir ou bloquear a transmissão pela via vaginal do VIH e outras infecções sexualmente transmissíveis (ists).

“Superfícies mucosas, tais como o pulmão, trato gastrointestinal, ou trato reprodutivo feminino, são os locais onde a maioria das infecções ocorrem”, diz Sam Lai, professor assistente de farmácia e engenharia na Universidade da Carolina do Norte em Chapel Hill e autor sênior do estudo. “Nossos corpos secretam mais de seis litros de muco todos os dias como uma primeira linha de defesa”.

Muco Cervicovaginal (CVM) pode atuar como uma barreira para impedir que os patógenos de alcançar a parede vaginal e as células subjacentes, mas as propriedades de barreira variam muito de mulher para mulher, e mesmo em momentos diferentes de uma mesma mulher. O IAF e os seus colaboradores quiseram saber quais contas para essas diferenças.

Eles coletaram amostras de CVM fresco durante 31 dias de mulheres em idade reprodutiva, medindo várias propriedades do muco e usando microscópios de  alta resolução, com intervalos de tempo, com técnicas de  microscopia fluorescente para testar se as partículas pseudovirus HIV tornavam-se presas no muco ou se difundia-se livremente.

Os pesquisadores observaram duas populações distintas de amostras CVM, um que era muito bom em capturar O HIV e um que não foi. Armadilhas do HIV não se correlacionam com o muco”, pH, ácido láctico total, ou Nugent score, uma medida aproximada da “saúde” do  parto vaginal que reflete a forma como muitos Lactobacillus  estão presentes em comparação com outros micróbios.

Uma diferença entre os dois grupos, níveis mais altos de ácido D-láctico no grupo que retinha o HIV, se destacou entre os pesquisadores porque os seres humanos não podem fazer ácido láctico D-. A equipe suspeita que diferentes bactérias vivas dentro da camada de muco foram responsáveis por diferenças na ácido láctico D. Quando eles sequenciaram genes ribossomos para identificar as bactérias dentro de cada amostra, os pesquisadores descobriram que as amostras caiam, novamente, em dois grupos.

As bactérias L. crispatus  dominou a CVM que prende o HIV. Em contraste, a CVM que não retêm o HIV  possuía uma diferente espécie de lactobacilo , L. iners, ou tinha várias espécies bacterianas presentes incluindo Gardnerella vaginalis — ambas as condições que estão frequentemente associados com vaginose bacteriana.

“Fiquei realmente surpreso com a ligeira diferença entre lactobacilos fazem uma grande diferença nas propriedades de barreira de muco”, disse Lai. No cenário clínico, existe uma clara relação entre vaginose bacteriana e  um maior risco de adquirir e transmitir DST’s.

Historicamente, Lai explica, os ginecologistas consideram que a microflora vaginal para ser saudável, deve ser dominada por uma espécie de lactobacilo. “Mas nosso trabalho mostra que, a partir para uma perspectiva de uma barreira mucosa, esta não é uma distinção suficientemente boa”, disse Lai.

Os profissionais de saúde devem estar cientes de que as mulheres que possuem harbour L. iners provavelmente têm um risco substancialmente elevado de adquirir DST. E, inversamente, a L. crispatusmicroflora dominante pode ser mais protetora contra o HIV e DSTS do que o anteriormente apreciado.

O grupo também mostrou que L. crispatus causados À CVM para ser mais “pegajosa” contra partículas do HIV — em vez de fazer um muco com uma “malha” mais apertada. A função de barreira não foi exclusiva para as partículas do HIV ,e provavelmente, iria prender outros vírus também.

O Lai observa que CVM pode ser pensado como um “preservativo biológico” que poderia ser reforçado, alterando a microbiota vaginal da mulher. “Se pudéssemos encontrar uma maneira de inclinar a batalha em favor de L. crispatus nas mulheres, então, estaríamos aumentando a propriedades de barreira da sua instrução CVM, e melhorar a proteção contra DSTS,” diz ele.

Traduzido por Cláudio Souza do original em Certain Vaginal Bacteria May Protect Against HIV Transmission During Sex publicado em 07/10/15. Revisado por Mara Macedo

Referência

KL Nunn, YY Wang, D Harit, SK Lai et al. A captura de HIV-1 por muco Cervicovaginal humano é associado com Lactobacillus crispatus-Microbiota dominante. mbio 6(5):e01084-15. 6 DE OUTUBRO DE 2015.

Outra fonte

Sociedade Americana de microbiologia. Micróbios Vaginais; muco pode influenciar armadilha contra vírus HIV. Press release. 6 DE OUTUBRO DE 2015.

Anúncios

Olha só pessoal.

No início do post tem uma imagem com um texto falando sobre o trabalho e os custos que a gente tem. Você que está me lendo agora, pode e tem o direito de não acreditar.

No mês de mais, quando mais de quarenta mil visitas foram registradas, houve três cooperações.

Quando nós pedimos cooperação financeira, qualquer valor é bom.

Sabe, o beija-flor pode carregar uma diminuta gota d’água em seu bico, no afã de apagar o incêndio na floresta….

E nunca será insuficiente 😊

Está conta serve para transferências de qualquer banco ou depósitos na boca do caixa de qualquer agência do Santander

Esta conta não permite, senhores abusadores, que seja feito nada a título de débito nela.

Você não poderá, como já pôde, assinar 65 revistas de uma só editora e, muito menos abrir contas de acesso à Internet 🙂

Precisa conversar

Whats App Soropositivo.Org

Estamos aqui para ajudar a pensar, não para diagnosticar. Não somos médicos ou profisionais de saúde. Buscamos ajudar com palavras amigas, conforto espiritual e, na medida do possível, terminar com a neurose gerada por bloqueiros de meia pataca ou homofóbicos sem caráter que não pensam duas vezes antes de espalhar terros entre pessoas que, quer eles, os homofóbicos, queiram ou não, são seres humanos. Tenha em mente que o numero do WhatsApp esta conectado a um CPF

A PEP é um direito de todos! Saiba onde a achar

A PEP é um direito de Todos

A PEP É um DIREITO DEDOS

[EIKYGMrz]

Top Blog Pessoal Saúde Juri Acadêmico 2013/2014

Top Blog Pessoal Saúde Juri Acadêmico

1 Trackback / Pingback

  1. Janela Imunológica. Os fatos. Texto Atualizado em 26/01/2016 – Soropositivo.Org. Há vida com HIV
%d blogueiros gostam disto: