Últimas noticias

Mulheres sub-representadas nos ensaios clínicos de HIV

Miss MarylinMenos de um quarto da população a participar de ensaios clínicos de medicamentos antirretrovirais são mulheres, potencialmente limitante da possibilidade de generalização dos achados, de acordo com uma revisão sistemática publicada na edição de 1 de Fevereiro do Jornal de síndromes de imunodeficiência adquirida.

Os autores afirmam que as diferenças de género na prevalência, incidência, sintomas, e progressão da doença bem como os resultados foram anotados em toda uma gama de doenças. Diferenças na farmacocinética (como as drogas são absorvidas e distribuídas no corpo) e farmacodinâmica (o efeito de um medicamento no corpo) pode resultar em diferenças de efeitos colaterais e resposta ao tratamento.

Além disso as diferenças de género no poder, relacionamentos pessoais, as experiências de vida e de aprendizagem sistêmica no domínio da saúde podem influenciar as pessoas sob risco de infecção, comportamento de busca da saúde e utilização de serviços de saúde.

Participação limitada das mulheres é uma preocupação para os ensaios clínicos em toda uma vasta gama de áreas de doença, mas o problema parece ser particularmente agudo em pacientes com HIV.

Os pesquisadores, avaliando os ensaios clínicos de medicamentos antirretrovirais (de qualquer fase) que foram publicados em oito principais revistas médicas. A fim de examinar a evolução ao longo do tempo,  foram selecionados três períodos de tempo: 1994-1997, 2001-2004 e 2008-2011.

Em 387 estudos separados com 95,305 participantes, apenas 23% dos participantes eram do sexo feminino. A proporção média em cada estudo individual foi de 19%. A média melhorou ao longo do tempo – a partir de 9% em meados da década de noventa para 22% mais recentemente.

Pesquisa realizada em países com rendimentos mais elevados tem um número menor de sujeitos do sexo feminino, bem como de gênero feminino, envolvidos nestes estudos.

Estudos financiados por universidades e fundações caritativas recrutaram mais mulheres do que as empresas farmacêuticas e organismos públicos. Embora os Institutos Nacionais de Saúde do EUA tenham sido legalmente obrigados desde 1993 a financiar apenas estudos que permitirão comparações de gênero, em modo significativo, o terceiro dos estudos por eles financiados, em parte, tinham apenas 20% dos participantes do sexo feminino.

Os pesquisadores também examinaram 53 ensaios clínicos de vacinas para a prevenção do HIV. Uma média de 38% dos participantes eram mulheres. No entanto em 104 estudos trabalhar no sentido de uma cura para o VIH, a  taxa média de participação feminina foi de apenas 11%, com mais de um quarto dos estudos não recrutamento de mulheres em todos os apesar de ambos os sexos a ser elegíveis.

“Nosso estudo mostrou uma persistente sub-representação das mulheres em ensaios clínicos de HIV”, comentam os autores. “Somente com conhecimentos suficientes de sexo e gênero, diferenças e semelhanças pode levar um tratamento baseado em evidências, prevenção, cuidados e ser entregues tanto para homens e mulheres que vivem com ou em risco para o HIV de maneira ótima.”

Eles notam barreiras que limitam a participação das mulheres nos estudos – problemas de segurança especialmente em relação às crianças não nascidas, requisitosblack gold para uso de contraceptivos enquanto tomando parte do estudo, necessidade de cuidar da família e cuidar de responsabilidades honrando compromissos de tempo é desafiador, e as desigualdades socioeconômicas, tanto quanto e importantíssimo, a baixa escolaridade e falta de compreensão do que os estudos represantam.

Os autores também apontam para um  Ensaio clínico de fase III nos Estados Unidos que foi definido para abordar estas barreiras,  em que 67% dos participantes eram mulheres (principalmente as mulheres de cor). Clínicas com grande número de pacientes do sexo feminino (principalmente no  sul profundo) foram selecionadas como locais de estudo, mesmo se tivessem menos experiência de execução de ensaios clínicos; locais de estudo tinham quotas exigindo mais indivíduos femininos do que os participantes do sexo masculino; um experiente advogado paciente trabalhou com clínicas sobre estratégias de recrutamento personalizado; atividades de sensibilização foram conduzidas; grupos comunitários foram contratados com o reembolso de  custos de transporte e de acolhimento foi publicitada e critérios de inscrição; foram amplas.

No entanto aqueles que executam este ensaio refletiram que deveriam ter dado tanta atenção para as estratégias de retenção como para o recrutamento inicial –  apoio personalizado para ajudar as mulheres a continuar a colaborar com a saúde pode ter melhor retenção neste  estudo.

Traduzido por Cláudio Souza, do original de Roger Pebody em Women under-represented in HIV clinical trials em 12 de fevereiro de 2016

Anúncios

Precisa conversar

Whats App Soropositivo.Org

Estamos aqui para ajudar a pensar, não para diagnosticar

Top Blog Pessoal Saúde Juri Acadêmico 2013/2014

Top Blog Pessoal Saúde Juri Acadêmico
Sobre Claudio Santos (509 artigos)
Depois de passar quatro décadas tentando estabelecer pelo menos um armistício com meu pai e ver as falhas ocorrerem sistematicamente, tentativa após tentativa, eu desisti do sobrenome “de Souza”. Estava me preparando espiritualmente para isso quando uma amiga locupletou a façanha de descobrir onde está minha mãe... Cláudio Santos. Quem preferir, aluda-se a mim como o Cláudio do Site,ou Cláudio do Soropositivo.Org, ou ainda aquele da promessa não cumprida: Cláudio, o trouxa do livro que acreditou em "palavra emprenhada". Eu mostro meu rosto, embora alguns me censurem, porque, no meu modesto ponto de vista, ser portador de HIV não é crime e, portanto, não há do que me envergonhar. Eu contraí HIV pela via sexual. Eu fui um DJ e, durante cinco anos fui DJ no vagão Plaza e durante uns outros dois fui DJ do Le Masque. Lá, um filho da puta me pediu para fazer minhas férias e puxou meu tapete. Aí fui parar na "Segredos", uma casa gay e, de quebra, morei lá por um tempo. Rua da Amargura, onde R.A. Gomes me colocou. Mas dei a volta por cima e fu trabalhar na SKY. Depois, na Pink Panther, em Santos e, enfim, na XEQUE Mate e, terminei minha carreira, aquele que fora três vezes considerado o Melhor DJ de São Paulo, como um apagado DJ do La Concorde e do Clube de Paris, onde conheci uma das mais belas mulheres com quem convivi e a perdi. Conheci alguém novo, uma mulher, "do dia", que me apresentou esta Entidade, o computador e, por muito tempo vivi de consertá-los. Sei, hoje, que ainda há muita gente que me odeia. Quer saber? Get them the hell and fuck off porque eu não dou a mínima. Simplesmente faço meu trabalho e me reporto a Deus... E pra quem não acredita em resiliência, eis meu histórico médico De acordo com o que preceitua o Código de Ética Médica, nos termos da legislação vigente e de conformidade com o pedido formulado pelo interessado, declaro que o Sr Cláudio Santos de Souza, matrícula no serviço sob registro RG3256664J, está em acompanhamento regular com seguintes diagnósticos/CID-10 até o presente momento: #HIV/Aids diagnóstico em 11/1996 (B24) #Candidíase oral 1996 (B20.4) #lnfecção latente tuberculosa tratada com Isoniazida em 1997 (Z20.1) #Arritmia cardíaca: bloqueio parcial ramo D/bradicardia sinusal por antidepressivos tricíclicos em 2006 (I49.9/R00.1) #Depressão (F32) Dislipidemia (E78.5) Diabetes (E14.) Obesidade (E66.) #PO tardio de gastroplastia redutora (técnica Capella 10/2011) #Embolia Pulmonar (126.) em 2011 + hipertensão pulmonar #HAS (110) controlada após cirurgia bariátrica Catarata (H26.9) #Sífilis (A51.0) gonorréia (A54.0), herpes genital (A60) Litíase vesicular (K80.5) #Trombose venosa profunda/tromboflebite MMII de repetição (182.9): 2008, 2009 e 2010 #lntervenção cirúrgica em 21/01/2013: de herniorrafia incisional abdominal, apendicectomia, colecistectomia #Herpes zoster ramo oftálmico 04/2015 (B02) 2 # Neuropatia periférica em membros superiores e inferiores (G62.9), acarretando fraqueza muscular, parestesias e dor, medicado e em seguimento pela equipe de dor #Angioma cavernoso cerebelar - em seguimento com neurologia Tratamento: TDF+3TC+ATVr, ezetimibe, alopurinol, AAS, atorvastatina, enoxaparina, clomipramina, risperidona, zolpidem, clorpromazina, flunitrazepam, gabapentina, amitriptilina, metadona Últimos exames: CD4=1070 (28%)/CD8=1597 rel=0,67 (08/03/2015) e Carga viral- HIV(PCR)

2 Trackbacks / Pingbacks

  1. Estudo não garante que a rotina de vacinação quadrivalente contra o HPV possa proteger contra o câncer anal em pessoas idosas vivendo com o VIH – Soropositivo.Org. Há vida com HIV
  2. Resultado de pesquisa espanhola cria vacina que induz a controle viral sem TARV em percentual significativo de sujeitos Teste-se para o HIV!Soropositivo. Org - Há Vida com HIV!!!

Seu retorno é importante. Nós atendemos às solicitações de textos, desde que ligados ao tema central de alguma forma. Faça seu comentário, de sua opnião

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: