Últimas noticias

Pessoas soropositivas em idade mais avançada sofrem com múltiplas morbidades mas não com envelhecimento precoce

 

Elderly woman near lake in summer,blurred background

Elderly woman near lake in summer,blurred background

Cada vez mais os prestadores de cuidados clínicos para as pessoas que vivem com o HIV estão a gastar menos tempo gerenciando a resistência a drogas e toxicidades associadas à TARV de curto prazo e mais tempo gerenciando doenças associadas à idade. Essa mudança no cuidado é sublinhada por relatos de que a maior parte das mortes para essa população são o resultado de doenças não relacionadas com a AIDS. As pessoas estão infectadas com o HIV estão envelhecendo mais rápido? As palavras “envelhecimento acelerado (ou envelhecimento precoce)” são frequentemente usados para descrever a trajetória de envelhecimento dos adultos em idade avançada com HIV. Essa percepção foi reforçada por vários relatórios de investigação que mostram adultos mais velhos estão a desenvolver doenças tipicamente associadas com o envelhecimento e em alguns casos em idade precoce do que como poderiam aparecer.

Em 2010 Martin e Volberding nos recordam que o envelhecimento acelerado na infecção por HIV em pessoas mais velhas é uma “intrigante” hipótese e que não devemos permitir que a TI se torne arraigada na cultura do tratamento HIV antes que ele tenha sido deslindado. No entanto, até 2015 a percepção comum de que existe o envelhecimento acelerado é manifestada em adultos mais velhos com HIV.

Testar a hipótese de “HIV não causa envelhecimento precoce,” exige encontrar grupos de comparação que são adequados para produzir resultados válidos. Os investigadores devem controlar tantas variáveis quanto possíveis com o fito de isolar o efeito do HIV. Mas como um grupo de adultos infectados pelo HIV de prova uma prolífera constelação de características que são únicas, todos que podem exercer um impacto significativo sobre o estado de saúde de uma pessoa. Essas variáveis incluem: história da toxicodependência, tabagismo e uso de álcool, infecção por HCV (vírus da Hepatite C), infecções sexualmente transmissíveis, estigma conduzindo ao isolamento social, depressão crônica não gerenciada ou tratada, transtorno de estresse pós-traumático (TEPT), vida financeira, as questões de moradia e/ou alojamento em albergues (Nota do editor: Muitas vezes preferi dormi na rua a entrar nestas ratoeiras) alojamento e a insegurança alimentar, bem como o cuidado na vida sexual, barreiras de raça/etnia e identidade sexual.

A infecção pelo HIV ocorre com grande incidência dentro de comunidades de minorias desfavorecidas economicamente onde a boa nutrição e a ênfase sobre o exercício regular é praticamente inexistente. Esta panóplia de variáveis bem como o estado em que reside um paciente são alguns exemplos de fatores preditores de disparidades de saúde e resultados. Controlar eficazmente para essas variáveis é um desafio cuja resolução é frequentemente imperceptível.

Em estudos onde essas variáveis estão perfeitamente controladas, incluindo estudos recentes da Dinamarca bem como os grandes estudos de coorte VACS, existem poucas provas para apoiar a hipótese de envelhecimento acelerado (ou precoce). Mas naqueles estudos controlados de forma ideal, juntamente com dados de vários relatórios de investigação, as provas de morbilidade em pessoas adultas infectadas pelo HIV, mais velhas chega a ser a regra e não a exceção. Da mesma forma, em um Carta ao Editor do em JAIDS 2015Amy Caroline Justice, MD, PhD

O autor conclui que “os dados atuais não são consistentes com uma hipótese de envelhecimento acelerado” e que dados cumulativos não apoiam o ponto de vista de que um aumento do risco de comorbidades relacionadas à idade ocorre. Além disso, o Corpo Pro HIV em artigo de revisão de 2015 concluiu que o conceito de envelhecimento precoce não é suportado. Uma pesquisadora sobre o HIV e envelhecimento, Amy Caroline Justice, MD, PhD utilizando os grandes coortes VACS, tem consistentemente aconselhado contra a conclusão de que o envelhecimento acelerado estava ocorrendo. Uma extensa revisão desta questão pelos autores do presente volume de comentário chega à conclusão de que o envelhecimento acelerado não é suportado.

Vários relatórios de investigação confirmam que os adultos mais velhas populações vivendo com HIV (EUA e globalmente) estão expondo uma frequência significativamente maior de multimorbilidade. Multimorbidade é definido como ter duas ou mais doenças crônicas. A necessidade de gerenciar Multimorbidade na população adulta que está envelhecendo infectada pelo HIV está causando mudanças tectónicas inexoráveis na forma como o atendimento é fornecido. É a hipótese de que esse aumento Multimorbidade está relacionada com a cascata inflamatória que ocorre devido à infecção pelo HIV. Mesmo em  pacientes com HIV bem gerida com  cargas virais indetectáveis sustentada, os biomarcadores inflamatórios permaneceram elevados. No entanto, este estado inflamatório elevado também é influenciada pela co-infectadas pelo HVC (vírus da hepatite C) e a presença de outros fatores de risco listados anteriormente. Com este estado atual dos conhecimentos, não há dúvida de que a TARV deve ser iniciada em todos os pacientes HIV positivos precocemente para reduzir os efeitos cumulativos da inflamação crônica. Esta ação agressiva deve ser emparelhada com redução de fatores de risco cardiovasculares, especialmente o fim do hábito do tabagismo, e triagem apropriada para canceres, doença renal e osteoporose.

Gestão deste risco elevado para desenvolvimento de Multimorbidade é a grande questão para os mais velhos adultos com HIV e suas equipes de cuidados de saúde. O sistema médico deve se adaptar de uma forma mais abrangente para responder às necessidades do envelhecimento e a crescente população de adultos mais velhos que vão dominar a epidemia. Por último, a melhoria do atual do sistema de cuidados de saúde é necessária para fornecer um melhor tratamento, prevenção e cuidados abrangentes para adultos infectados pelo HIV. Parte dessa melhoria exige enfática otimização de princípios relativos a cuidados gerontológicos, alterando o extravio de percepção de que o envelhecimento acelerado está ocorrendo.

Traduzido do Original em HIV-Infected Older Adults Challenged by Multimorbidity but Not Accelerated Aging por Cláudio Souza em 13 de fevereiro de 2015

Anúncios

Precisa conversar

Whats App Soropositivo.Org

Estamos aqui para ajudar a pensar, não para diagnosticar

Top Blog Pessoal Saúde Juri Acadêmico 2013/2014

Top Blog Pessoal Saúde Juri Acadêmico
Sobre Claudio Santos (509 artigos)
Depois de passar quatro décadas tentando estabelecer pelo menos um armistício com meu pai e ver as falhas ocorrerem sistematicamente, tentativa após tentativa, eu desisti do sobrenome “de Souza”. Estava me preparando espiritualmente para isso quando uma amiga locupletou a façanha de descobrir onde está minha mãe... Cláudio Santos. Quem preferir, aluda-se a mim como o Cláudio do Site,ou Cláudio do Soropositivo.Org, ou ainda aquele da promessa não cumprida: Cláudio, o trouxa do livro que acreditou em "palavra emprenhada". Eu mostro meu rosto, embora alguns me censurem, porque, no meu modesto ponto de vista, ser portador de HIV não é crime e, portanto, não há do que me envergonhar. Eu contraí HIV pela via sexual. Eu fui um DJ e, durante cinco anos fui DJ no vagão Plaza e durante uns outros dois fui DJ do Le Masque. Lá, um filho da puta me pediu para fazer minhas férias e puxou meu tapete. Aí fui parar na "Segredos", uma casa gay e, de quebra, morei lá por um tempo. Rua da Amargura, onde R.A. Gomes me colocou. Mas dei a volta por cima e fu trabalhar na SKY. Depois, na Pink Panther, em Santos e, enfim, na XEQUE Mate e, terminei minha carreira, aquele que fora três vezes considerado o Melhor DJ de São Paulo, como um apagado DJ do La Concorde e do Clube de Paris, onde conheci uma das mais belas mulheres com quem convivi e a perdi. Conheci alguém novo, uma mulher, "do dia", que me apresentou esta Entidade, o computador e, por muito tempo vivi de consertá-los. Sei, hoje, que ainda há muita gente que me odeia. Quer saber? Get them the hell and fuck off porque eu não dou a mínima. Simplesmente faço meu trabalho e me reporto a Deus... E pra quem não acredita em resiliência, eis meu histórico médico De acordo com o que preceitua o Código de Ética Médica, nos termos da legislação vigente e de conformidade com o pedido formulado pelo interessado, declaro que o Sr Cláudio Santos de Souza, matrícula no serviço sob registro RG3256664J, está em acompanhamento regular com seguintes diagnósticos/CID-10 até o presente momento: #HIV/Aids diagnóstico em 11/1996 (B24) #Candidíase oral 1996 (B20.4) #lnfecção latente tuberculosa tratada com Isoniazida em 1997 (Z20.1) #Arritmia cardíaca: bloqueio parcial ramo D/bradicardia sinusal por antidepressivos tricíclicos em 2006 (I49.9/R00.1) #Depressão (F32) Dislipidemia (E78.5) Diabetes (E14.) Obesidade (E66.) #PO tardio de gastroplastia redutora (técnica Capella 10/2011) #Embolia Pulmonar (126.) em 2011 + hipertensão pulmonar #HAS (110) controlada após cirurgia bariátrica Catarata (H26.9) #Sífilis (A51.0) gonorréia (A54.0), herpes genital (A60) Litíase vesicular (K80.5) #Trombose venosa profunda/tromboflebite MMII de repetição (182.9): 2008, 2009 e 2010 #lntervenção cirúrgica em 21/01/2013: de herniorrafia incisional abdominal, apendicectomia, colecistectomia #Herpes zoster ramo oftálmico 04/2015 (B02) 2 # Neuropatia periférica em membros superiores e inferiores (G62.9), acarretando fraqueza muscular, parestesias e dor, medicado e em seguimento pela equipe de dor #Angioma cavernoso cerebelar - em seguimento com neurologia Tratamento: TDF+3TC+ATVr, ezetimibe, alopurinol, AAS, atorvastatina, enoxaparina, clomipramina, risperidona, zolpidem, clorpromazina, flunitrazepam, gabapentina, amitriptilina, metadona Últimos exames: CD4=1070 (28%)/CD8=1597 rel=0,67 (08/03/2015) e Carga viral- HIV(PCR)

Seu retorno é importante. Nós atendemos às solicitações de textos, desde que ligados ao tema central de alguma forma. Faça seu comentário, de sua opnião

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: