Aids: um novo tratamento poderia ser uma “revolução na imunização”

Dr Erwann Loret explica como o seu tratamento experimental oferece esperança para os doentes de AIDS.

o homem do dia

Aids: um tratamento “incentivo” na luta contra o vírus da AIDS

Vai haver cura para a AIDS algum dia? Uma vacina terapêutica de Marselha dá esperança. Três anos após o lançamento dos ensaios clínicos em torno deste tratamento, três dos nove pacientes tratados por esta vacina e infectados pelo HIV, viram as suas células infectadas se tornarem indetectáveis no sangue. Dr Erwann Loret, na origem desta experimentação, confirma que estes resultados são “incentivo” mas é preciso cautela para não tirar conclusões precipitadas. “Na minha intuição eu sinto que seremos capazes de falar sobre a esperança da cura quando esses pacientes fizerem a retro-soroconversão, quando o sistema imune não mais detectará células infectadas e reduzirá a taxa de anticorpos. Este momento não está bem ali à frente, explica o cientista  com cuidado, na terça-feira, 15 de Março.

Este tratamento também parece ser “muito acertadamente uma revolução na vacinação“. Ao contrário das vacinas habituais, esta “usa uma proteína sintética e não há a utilização de adjuvantes”. Em outras palavras, não é uma questão de inocular no corpo partes inofensivas do vírus para acelerar o desaparecimento das células doentes. “É uma  abordagem diferente para a vacinação contra a AIDS”, confirma o Doutor Erwann Loret.

Um milhão de euros

No âmbito deste teste, 46 pacientes sob triterapia tem seguido o protocolo durante o período de doze meses. Para garantir a sua eficácia, os médicos também procederam em seguida a interrupções no tratamento de dois meses. Foi então o momento de verificar que o vírus não reapareceu sob a forma de um “Rebote Viremico” que não ocorreria entre voluntários que estivessem recebendo placebo.
Estes ensaios clínicos terão lugar no Centro de Investigação Clínica do hospital do projeto em Marselha, os médicos foram capazes de contar com o apoio financeiro da start-up Biosantech Francesa e o crowdfunding na Internet. “Os ensaios clínicos são muito caros. A chegada da Biosantech foi uma verdadeira benção desde que estes testes têm um custo de mais de um milhão de euros,” recorda Dr Erwann Loret, que espera, agora que outros centros hospitalares comecem a aplicar este método e aproveitar este tratamento e “verificar o resultado”.

Traduzido do Francês com o precário suporte da tecnologia Babylon do original escrito por MARC-OLIVIER FOGIEL , JULIEN ABSALON publicado em 15/03/2016 às 23:21 por Cláudio Souza e Revisado por Mara Macedo, em 18/03/2016