Anúncios
News Ticker

O HIV e envelhecimento precoce

Pessoal, manter o site nos traz custos, custos estes que estão difíceis para arcarmos sozinhos. Nós queremos continuar trazendo informações e ajudando as pessoas que chegam até aqui, mas para isso também precisamos de ajuda. Qualquer valor é bem vindo e nos ajudará a manter o site de pé, caso contrário não conseguiremos mais ter esse canal de informação e ajuda mútua. Segue a conta para depósito: Banco do Brasil, agência 1521-0, conta corrente 19957-5, em nome de Claudio Souza

old-couple-1236757Hoje, mais de metade de todas as pessoas que vivem com HIV nos Estados Unidos estão com 50 anos de idade ou mais. Isto é principalmente porque as pessoas estão a viver muito mais tempo com o HIV graças a uma eficaz terapia anti-retroviral (TARV), e que essas são boas notícias!

A má notícia é que a pesquisa cada vez mais demonstra que as doenças que normalmente atacam pessoas com sorologia negativa na faixa dos 60 e 70 anos estão ocorrendo em pessoas com HIV em seu 40s e 50s. Estas preocupações têm trazido a questão do envelhecimento com HIV ao palco central. Uma das maiores questões não respondidas é por que isso está ocorrendo. Quer se trate de ataques cardíacos, fraturas ósseas, doença renal ou certos cânceres, as taxas dessas condições em pessoas HIV positivas são alarmantes. Não está claro quanto o HIV contribui para estas condições e quanto é explicado por outros fatores (como tabagismo, drogas antirretrovirais e infecção por outros vírus).

Mas a maioria das pessoas soropositivas podem fazer muito para abrandar o processo de envelhecimento e a proteção contra o aparecimento de doenças relacionadas com a idade. Antes, é importante entender como funciona o envelhecimento.

O que é o envelhecimento?
Quando pensamos em alguém como “velho”, tendemos a pensar que a pessoa viveu um certo número de anos: 70, 80, 100. Para o Instituto Nacional sobre o Envelhecimento, no entanto, o foco não é sobre quanto tempo alguém foi viva, mas sobre o inevitável declínio na aptidão física e saúde que ocorre quando uma pessoa chega mais tarde a vida.

Houve um tempo em que os investigadores olharam para uma central de causas do envelhecimento, mas eles já perceberam que há uma variedade de fatores – incluindo os nossos genes, o nosso ambiente e as infecções de vírus e bactérias prejudiciais que contribuem para o fenômeno do envelhecimento em sobreposição de formas.

old-photo-1429056

Algumas pessoas simplesmente ganham na “loteria genética”. Eles herdam genes que lhes permitem permanecer saudáveis e bem vitais em seus 80 e 90 anos, enquanto que outros têm genes que os colocam em maior risco de desenvolver câncer ou doença cardiovascular ao atingirem seus 40 anos.

Algumas pessoas são capazes de minimizar os fatores ambientais e comportamentais conhecidos por apressar o processo de envelhecimento. Eles comem bem, praticam exercícios físicos e permanecem socialmente e intelectualmente engajados na vida. Os efeitos de tais fatores ambientais e comportamentais sobre a saúde de uma pessoa são profundos.

Da mesma forma, algumas pessoas são capazes de evitar a infecção com o vírus e bactérias mais prejudiciais ao longo de suas vidas, ou têm sistemas imunes capazes de manter as infecções “sob controle”. Outros poderão ter de lidar com infecções prejudiciais tais como hepatite  (HBV), hepatites (HCV),Vírus do Papiloma Humano (HPV), citomegalovírus (CMV) e HIV de tudo que pode aumentar significativamente o risco de problemas de saúde mais adiante na vida.

Esses fatores genéticos, ambientais e biológicos podem se sobrepor e levar-nos a iniciar o processo de envelhecimento, chamado “senescência”, e senescência vai pôr todo o caminho até o nível celular.

virus-1309840

As células em nossos corpos dependem de uma tesoura curto de DNA, chamados telômeros, para reproduzir. Quando somos jovens, as células do nosso organismo também tendem a ser jovens, em que olhar e agir da mesma forma que a primeira geração de células que começam quando estávamos em desenvolvimento no ventre materno. À medida que envelhecemos, contudo, as células do nosso organismo são muitas centenas ou milhares de gerações removidas a partir das células originais, e vertentes do código no final dos telômeros do DNA são menores. Se os telômeros estão em boa forma, como quando eles são jovens, cada nova geração de células funciona bem. Quando os telômeros ficam demasiado curtos, no entanto, cada nova geração de funções das células se reproduz pior chegando ao ponto onde as células às vezes não conseguem reproduzirem-se todas.

As células com defeito podem levar a problemas reais. Se as nossas células musculares e ósseas não puderem fazer novas células, que funcionam bem porque os telômeros se tornaram demasiadamente curtos, isso torna bem mais provável que nossos músculos e ossos sejam fracos. Músculos e ossos fracos implicam num maior risco de queda e um risco maior de que vamos quebrar um grande osso. As células cerebrais com defeito, ou parcialmente ineficientes, podem levar a problemas de coordenação-motora e problemas de memória. As células imunes com defeito não são capazes de manter as infecções e cânceres sob o controle em que as mantiveram durante, talvez décadas, e estes agressores podem começar a “ganhar territórios”.

É esta última categoria de senescência, chamada imunossenescência relacionada à idade, que tem particular relevância para as pessoas com HIV.

Como é que o HIV afeta o processo de envelhecimento?
Os educadores muitas vezes explicam o que acontece nos corpos das pessoas com HIV como uma batalha: uma guerra entre o vírus e células imunes. O HIV não é único a este respeito, contudo. O sistema imune está constantemente “em guerra” com um host de organismos prejudiciais de vírus e bactérias que se tenha obtido em nossos corpos e também com as nossas próprias células que se tornam defeituosas e iniciam a reprodução muito rapidamente – o que chamamos de câncer.

Onde o HIV difere de muitas outras doenças é que em 99% das pessoas soropositivas, o sistema imune não controla o vírus muito bem. Este estado de constante batalha, onde o vírus se reproduz e o corpo luta contra ele, mantém o sistema imunológico cronicamente em alta alerta, uma síndrome chamada inflamação.

A inflamação não é inerentemente má – precisamos dela para combater infecções como a gripe, para reparar os danos aos tecidos do corpo e a prevenir o crescimento de certos cânceres desmarcada a inflamação poderia causar o caos absoluto sobre o corpo: causando o acúmulo de ataque cardíaco e AVC, causando placas nas nossas artérias, alimentando o crescimento de alguns tipos de câncer e da queima de nossos sistemas imunes.

Temos conhecido desde os primeiros anos da epidemia que o sistema imune de pessoas com HIV foram cronicamente inflamados, mas antes da introdução da combinação da potente terapia anti-retroviral (TARV), no final da década 90, a maioria das pessoas com HIV morreu muito jovem e muito rapidamente para as consequências a longo prazo dessa inflamação serem conhecidas. Uma vez que a TARV ficou disponível e as pessoas começaram a viver muito mais tempo, cientistas foram finalmente capazes de estudar os efeitos a longo prazo da inflamação em pessoas vivendo com HIV.

Na última década, numerosos estudos produziram alguns achados importantes. Sabemos que a inflamação é significativamente reduzida em pessoas que são capazes de obter e manter suas cargas virais indetectáveis usando TARV. Esta é uma das razões que o departamento de saúde e serviços humanos (DHHS) recomendam as diretrizes de tratamento que as pessoas iniciem o tratamento do HIV mais cedo. Infelizmente, temos também aprendido que a carga viral indetectável não significa que a inflamação é completamente bloqueada -ele ainda pode ser detectado e potencialmente causar problemas, em pessoas que estão respondendo bem à TARV.

Enquanto os pesquisadores estão preocupados com a forma como a inflamação afeta diretamente os principais órgãos como o coração, o fígado e os rins, eles também estão interessados em saber como a inflamação crônica afeta o próprio sistema imune. O sistema imunológico da pessoa continua a batalha contra o HIV mesmo se a TARV está sendo usado – o mais provável que a pessoa tenha a experiência de possuir imunossenescência relacionada à idade, por vezes também chamada ” exaustão imune”. Esta condição significa que células imunes não reagem de forma adequada quando confrontadas com um novo desafio. Elas também não se reproduzem facilmente ou com eficiência. De fato, quando os cientistas têm a células imunes das pessoas com HIV, acham que essas células frequentemente têm o mesmo grau de esgotamento imune como as pessoas HIV-negativos que são muitas décadas mais velhos.

Estão as pessoas com HIV sofrendo de envelhecimento mais rapidamente?

Como mencionado acima, qualquer número de fatores pode tornar as pessoas mais susceptíveis de ter doenças relacionadas com a idade e condições em taxas mais elevadas e idades mais jovens. Pessoas com HIV são mais susceptíveis de ter alguns desses fatores de risco do que pessoas HIV negativas, conduzindo assim a terem um quadro de saúde pior quando ficarem mais velhas. Os pesquisadores têm também se perguntado como ou se o HIV por si só é um fator de risco para as doenças relacionadas com a idade e condições.

Não há dúvidas de que muitas das doenças associadas com o envelhecimento ocorrem em taxas muito maior em pessoas com HIV e muito mais jovens do que em pessoas não vivem com o vírus. Aqui estão apenas algumas destas condições:

ankle-x-ray-1430507

Nota do tradutor: todos os links mostrados acima levam a outro site, em inglês e eu os mantenho porque tenho a pia intenção de voltar aqui quando tiver um tempo para traduzi-los e atualizar o link. Obrigado.

Alguns especialistas acreditam que um certo número de fatores para além do HIV pode contribuir significativamente para estes problemas. Considere o seguinte:

  • Pessoas com HIV tomar ARVs, algumas das quais podem contribuir para a perda óssea, dano renal, a redistribuição de gordura e níveis elevados de colesterol e triglicérides.
  • Pessoas com HIV são muito mais susceptíveis do que a população em geral a ser infectados com hep B ou hep C; ou, às vezes, todos os três e estes aumentam o risco de câncer do fígado, insuficiência hepática, doença renal e diabetes.
  • Pessoas com HIV são muitas vezes mais susceptíveis de ser cronicamente infectados com o papilomavírus humano (HPV), o que faz com que o câncer cervical e anal bem como dos cânceres da cabeça, do pescoço e da garganta tornem-se ameaças imanentes.
  • Pessoas com HIV são até três vezes mais susceptíveis à fumaça do tabaco, que é uma das principais causas de ataques cardíacos, acidentes vasculares cerebrais e câncer de pulmão e enfisema.
  • As pessoas com HIV têm taxas de doença mental e abuso de substâncias que são muitas vezes mais elevadas do que em pessoas que não têm o HIV e essas doenças aumentam o risco de numerosas outras doenças.

Nota do tradutor. Confesso que gosto de experiências sensoriais e, às vezes, faço uso inadequado de alguns psicotrópicos. E não me julgue, se vc passar seis meses tomando uma injeção de 5ml de morfina para aplacar uma dor implacável oriunda de uma neuropatia periférica e, depois disso, passar a tomar uma medicação 37 veze mais potente que a própria morfina você concluirá eu 5 comprimidos de diazepam e água com açúcar só tem, de diferente, o adocicado.

  • O HIV pode infectar os tecidos chave diretamente no osso, o cérebro e o sistema circulatório e que a inflamação pode causar danos relacionados ao coração, sistema nervoso, o fígado e os rins.

Esses fatores provavelmente desempenham papéis importantes no aumento das taxas de doenças relacionadas com o envelhecimento da população e condições visto em pessoas com HIV. O que especialistas ainda não descobriram é como a própria infecção pelo HIV poderá exacerbar dos factores de risco subjacentes-através de inflamação e possui imunossenescência relacionada à idade-conhecidos por contribuir para problemas relacionados com o envelhecimento.

Os pesquisadores estão trabalhando para tentar compreender quão rapidamente a inflamação e possui imunossenescência relacionada à idade ocorrem em pessoas com HIV, depois de se tornarem infectados. Há evidências de que ela começa a acontecer muito em breve após uma pessoa ter contraído o HIV, mas que o bom controle do vírus (quer porque uma pessoa naturalmente controla o HIV bem ou porque ele ou ela recebe TARV) pode retardar um pouco este processo.

Especialistas ainda não chegaram a acordo sobre a melhor maneira de medir a inflamação e mensurar a imunossenescência relacionada à idade, e nós ainda não sabemos o quanto eles contribuem independentemente para doenças relacionadas com o envelhecimento em pessoas HIV negativo ou em pessoas com HIV. Estão em curso trabalhos de pesquisa, contudo, para tentar responder a essas perguntas. Entretanto, há muito que a pessoa média vivendo com HIV pode fazer para reduzir o risco de muitas doenças relacionadas com a idade e condições.

É possível retardar o processo de envelhecimento?
Estamos muito longe de descobrir a fonte da juventude, mas um certo número de factores são consistentemente associados com redução do risco de desenvolvimento de doenças relacionadas com a idade e condições

Não fume tabaco. Fumar tabaco é uma das mais prejudiciais coisas que as pessoas podem fazer para seus corpos e suas chances de viver uma vida longa e saudável. A maioria das pessoas sabe que pode causar câncer do pulmão e outras doenças pulmonares. Alguns sequer sabem que podem aumentar o risco de ataques cardíacos e acidentes vasculares cerebrais. Mas ela também está associada a numerosas outras doenças relacionadas com a idade – incluindo a perda mineral óssea, massa muscular, problemas com a memória e a concentração e a idade de cânceres relacionados, tais como anal, mama, do colo do útero e do câncer de próstata. Click here Para obter algumas dicas sobre o hábito de fumar.

Minimizar o consumo de álcool e de drogas. Dados consistentes sugerem que o consumo moderado de álcool pode realmente proteger o coração e baixar a pressão arterial. No entanto, a American Heart Association recomenda que homens que bebem álcool não devem consumir mais de duas bebidas por dia e que as mulheres não devem consumir mais de um. Estudos têm encontrado que as pessoas que bebem regularmente mais, estão em maior risco de acidente vascular cerebral, diabetes, obesidade e acidentes graves. Pessoas com HIV que têm problemas de fígado têm de ter um cuidado especial com álcool.

Os dados são menos claros sobre como várias drogas recreativas afetam o processo de envelhecimento, embora o uso crônico de anfetamina (“cristal”) e o uso de cocaína têm sido implicados na avaliação de possíveis causas de problemas de memória, perda mineral óssea e doença cardíaca. Além disso, uso excessivo da maioria das drogas está associado com menor expectativa de vida e aumento do risco de depressão e de suicídio e outras consequências graves (!!! Mais graves que o suicídio?) para a saúde.

Exercício. Em média, as pessoas que se exercitam regularmente são muito mais saudáveis em numerosos aspectos do que as pessoas que não praticam o exercício físico regularmente. Exercícios físicos são bons para cada parte específica do corpo.

Aqui fala o tradutor. Lembro-me de ter ouvido o Dr. Dráuzio Varella em algum lugar no youtube que o corpo humano é cheio de “dobradiças e alavancas”, mostrando, com clareza, que o corpo humano foi feito para se mover e não para o sedentarismo (eu diria ociosidade abusiva).

heart-1-1566858

Benefícios do exercício regular incluem reduções no risco de:

  • As doenças cardiovasculares, diabetes e síndrome metabólica
  • O declínio cognitivo associado à idade
  • Perda mineral óssea e perda muscular (causando inclusive ganho)

Exercícios físicos (doravante faço um acordo tácito com o leitor e digo apenas exercício) também reduz a inflamação por todo o corpo, com melhora dos sintomas de depressão e ansiedade, e se apressa a recuperação quando a doença atinge. Nem todos são igualmente capazes de exercício e um médico deve assinar em qualquer plano de exercício, mas há uma série de maneiras de se movimentar. Click here Para algumas sugestões.

healthy-food-1328279

Comer bem. Além do exercício, dieta alimentar também ajuda a determinar quem vai viver uma vida longa e saudável. Especialistas estão divididos sobre a dieta ideal. Alguns argumentam contra o consumo de praticamente qualquer gordura. Outros dizem que as gorduras, pelo menos as gorduras saudáveis de por exemplo, de azeite, “frutos” como amêndoas, castanhas do Pará e outras desta mesma linhagem, abacates e peixe são realmente muito boas e não são o problema, mas, e, entretanto, os açúcares em geral são fatores deletérios para a sua saúde. Alguns argumentam para um modo de vida vegetariano, enquanto outros afirmam carnes são apenas excelentes. Dietas da “moda” (sucos “detox”, apenas para citar um vigente na atualidade) que vêm e vão apenas para confundir ainda mais as coisas. Tudo isso pode tornar muito difícil de decidir sobre a melhor dieta.

O que a maioria das dietas de boa reputação têm em comum é ver o consumo calórico, juntamente com uma ênfase em incluir lotes de frutas e produtos hortícolas grãos inteiros e feijão, e depois apreciar tudo com moderação. A maioria também salienta a importância de comer tipos de peixes mais saudáveis e limitar o consumo de carne vermelha e praticar o consumo de carnes mais eficientes, tais como as de frango e peixes, especialmente o salmão, sempre que possível evitando a pele destas criaturas. Quando se trata de “matérias gordas”, há um consenso crescente de que as gorduras “saudáveis” -por exemplo, de azeite, “frutos” como amêndoas, castanhas do Pará e outras desta mesma linhagem, e os abacates são realmente boas para você.

sugar-6-1466970O que a maioria das dietas de boa reputação também estão de acordo é que muito açúcar e muitos alimentos processados (pelo seu bem, evite aqueles “semi-prontos” que precisam apenas serem colocados no micro-ondas por 13 ou 14 minutos… Isso é lixo orgânico e não acrescenta nada de saudável para vc, cozinhe sua comida) e alimentos fritos são o principal fio  condutor de diabetes, doença cardiovasculares e uma série de problemas de saúde nos Estados Unidos (no Brasil também). A comutação de uma dieta “saborosa, porém doentia” para uma forma saudável de comer é difícil para muitas pessoas – é por isso que tantas vezes as dietas falham. Para obter mais informações sobre nutrição e HIV, click here.

Tratamento do HIV. Orientações para o tratamento do HIV atuais recomendam começar terapia ARV pelo menos tão logo que a sua contagem de CD4 cai abaixo de 500 (nota do editor: Este texto tem um determinado tempo de existência onde realmente começava-se a TARV nestes níveis. O Estudo START provou que a melhor coisa a ser feita é iniciar o tratamento imediatamente após o diagnóstico e leva-lo a sério com comportamento draconiano quando se fala em horários para as tomadas. Não estou vivo há 22 anos com HIV porque paro de tomar meus remédios nos finais de SEMANA) … A principal justificativa para esta recomendação vinha de dados mostrando que o HIV e a consequente elevação do nível de inflamação, pode aumentar substancialmente o risco de doença cardiovascular, doença hepática e outras condições. Alguns especialistas agora recomendar o tratamento ainda mais em contagens mais baixas de CD4 para a mesma razão, especialmente naqueles com alto risco subjacente para doença cardiovascular, doença hepática ou outros problemas de saúde.

Nem toda a gente tem os mesmos riscos subjacentes para os tipos de doenças que o painel demonstrou que estavam preocupados, no entanto. Por exemplo, pessoas com ausência de história familiar de doença cardíaca, que nunca fumaram e que não têm o vírus da hepatite C ou B têm um baixo risco de base para adoecer com doenças cardiovasculares, doença hepática ou renal. Para essa pessoa, a decisão sobre quando iniciar o tratamento pode ser diferente do que a de uma pessoa que não têm uma história familiar de doença cardíaca ou que fuma ou tem HCV. Em que conta, as orientações oferecem alguma flexibilidade.

O que é evidente, porém, é que há mais pessoas a aguardar o início da terapia depois da sua contagem de CD4s cair abaixo de 500, e, com toda a certeza o maior o risco de desenvolvimento de doenças ligadas à idade provavelmente crescerá. De fato, um dos mais potentes preditores de maior risco para a maioria das doenças relacionadas com a idade é uma contagem de CD4 abaixo de 200.

Tratar outras infecções. Corrente HBV e HIV diretrizes recomendam que as pessoas com ambas as infecções devem começar a terapia de HIV (com um backbone de tratamentos que combatem também contra o VHB) logo que possível. Isto é porque o tratamento de HBV cedo reduz significativamente o risco de câncer do fígado e outros problemas de fígado, sem aumentar significativamente o risco de efeitos colaterais das medicações.

Há uma série de tratamentos altamente eficazes atualmente aprovado pela Food and Drug Administration (FDA) para tratamento da hepatite C. muitos outros estão sendo estudadas em ensaios clínicos ou estão a aguardar aprovação da FDA. Siga as diretrizes para a triagem da prevenção de doenças e os pesquisadores começaram a questão de saber se certas diretrizes para a triagem das relacionadas com a idade podem precisar para iniciar em uma idade mais jovem em pessoas com HIV. Por exemplo, alguns têm questionado se as ferramentas de triagem mais populares para avaliar o risco de ataque cardíaco, com base nos dados do estudo de Framingham e de longa execução, devem ser modificados para pessoas com HIV.

Os especialistas também fecham questão sobre saber se outras ferramentas tais como a pontuação do “TRAFIC FRIGORÍFICO REFORÇADO FRAX” para avaliar a perda mineral óssea, talvez precise ser ajustado para as pessoas HIV positivas. Na verdade, alguns, agora, recomendam que a infecção pelo HIV e que as baixas contagens por si só, são suficientes como um fator de risco que a triagem da saúde óssea deveria começar em uma idade mais jovem, especialmente para homens infectados pelo HIV do que é normalmente recomendado.

Estudos estão sendo feitos para ajudar a identificar se as diretrizes para a triagem da doença atual para pessoas com mais de 50 são suficientes para as pessoas com HIV. Enquanto aguardamos os resultados desses estudos, no entanto, é importante pedir ao seu médico que tipos de prevenção de doenças e as diretrizes para a triagem estão no lugar certo para uma pessoa da sua idade e se antecedentes médicos poderiam ser considerados e a insistir no questionamento sobre estas orientações no seu próprio cuidado. Para efeito de dirimir suas dúvidas principais, ligue para o disque AIDS em 0800 16 25 50 e mencione que encontro o telenone neste site: Soropositivo.Org

brain-001-1172516Permanentemente permanecerem socialmente e mentalmente conectados. Numerosos estudos têm comprovado que as pessoas que mantêm conexões sociais com a sua família, amigos e colegas e que participem em atividades que eles sentem adicionar um sentido à sua vida não só vivem mais tempo, mas também permanecem mais saudáveis do que as pessoas que são socialmente isoladas e que não se envolvem em atividades significativas. Há uma variedade de maneiras de estar conectado socialmente se você não estiver perto de família e não tem muitos amigos, o Facebook, por exemplo, assim como o Twitter e o Google Plus, assim como o Whats App ajudam-nos a nos manter conectados e, quem sabe, não rola uma coisa mais íntima, como um jantar à luz de velas. Muitos locais e organizações bem como centros de atenção a pessoas vivendo com HIV ou AIDS (composta por grupos) têm suporte para as pessoas com HIV para conectar um com o outro.

Voluntariado com a caridade que funciona sobre causas você acredita, ou com uma campanha política (ARGH), também pode ajudar você a se conectar socialmente. Diagnóstico grupos locais de pessoas a exercer dois objetivos: ligação social e fitness.

Se você não conseguir sair de sua casa facilmente, ou se você vive em uma área rural sem muitas oportunidades para conhecer pessoas, é possível se conectar com outras pessoas online em fóruns. Verificar o POZ Forums para tópicos de seu interesse e começar a conectar com outras pessoas ainda hoje!!!

Existem tratamentos experimentais para lentificar o processo de envelhecimento em pessoas com HIV?

Muitas equipes de pesquisa estão buscando maneiras de retardar o processo de envelhecimento, tanto em pacientes HIV positivo e indivíduos HIV negativos. Até o momento não há métodos comprovados para realmente reverter o envelhecimento. Aqui está uma amostra de alguns dos exemplos mais promissores da pesquisa para lento envelhecimento, e alguns exemplos de aqueles que são mais arriscados e requerem cuidado.

Diminuir a inflamação. Como já foi explicado, A inflamação cronica que ativa o sistema imune constantemente é nociva em muitas formas. Não só ela pode danificar diretamente os nossos vasos sanguíneos e de órgãos vitais, mas também pode acelerar o volume de negócios das nossas células imunes, levando a possuir imunossenescência relacionada à idade.

Imunossenescência

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
 Imunossenescência se refere à deterioração natural do sistema imunológico produzido pelo envelhecimento.[1] [2]

Envolve a perda de capacidade do corpo para responder a infecções e à memória imunológica, especialmente a vacinação.[3]

É considerado um fator de mortalidade entre os idosos.

Uma variedade de compostos de alguns atualmente disponíveis para outras condições e outros fins experimentais estão sendo tentados em pessoas com HIV para acalmar o sistema imunológico. Drogas disponíveis sob estudo incluem a aspirina, inibidores da HMG-CoA redutase (comumente chamados de “estatinas” e utilizado para baixar o colesterol), o inibidor de entrada Selzentry (maraviroc) e drogas que são normalmente utilizados para tratamento da malária. Drogas experimentais incluem aqueles que tenham sido concebidos para o tratamento da artrite reumatoide e outras doenças inflamatórias.

Alongamento e reparação dos telômeros. Se estiverem danificados ou encurtados os telômeros levam ao esgotamento imunológico, então devemos lutar para reparação ou alonga-los, certo? A melhor resposta para essa pergunta é sim, mas apenas se podemos fazê-lo com segurança. Há uma boa razão que evoluímos de tal maneira que os nossos telômeros quebrar se uma célula reproduz demais: células que não conseguem parar de replicar vire malignos. Drogas que estimulam a enzima telomerase, que ajuda a manter telômeros, hipoteticamente poderia aumentar o risco de certos tipos de câncer. Existem algumas drogas promissoras no início de estudos em animais, mas muita pesquisa será necessária antes de estarem prontos para os seres humanos.

Alternativas mais arriscadas. Um dos mais escritos sobre métodos para alongar a vida dos animais e (esperamos) pessoas é extrema restrição calórica. Estudos têm progredido de insetos a pequenos mamíferos e até agora parece que uma dieta contendo cerca de metade do “ideal” em quantidade de calorias para um animal individual pode aumentar significativamente a vida útil do animal e aumentar a sua saúde e vitalidade durante esses anos adicionais de vida. Estamos muito longe de poder estudar este método em humanos, porém, a maioria dos investigadores e dos prestadores de cuidados de saúde não recomendaria que as pessoas com HIV iniciem uma superbaixa ingestão calórica dieta.

Outro tratamento comum em “longevidade” clínicas em torno dos Estados Unidos é o uso de hormônios como testosterona, de hormônio de crescimento humano e esteroides anabolizantes. Embora cada um dos quais foi aprovado para tratar a perda de gordura e músculo comum em pessoas com doença HIV avançada (wasting), nenhum é aprovado para lentificar ou inverter o processo de envelhecimento e todos vêm com efeitos colaterais que podem, realmente, trazer outras complicações aumentar algumas condições relacionadas à idade, tais como as doenças cardiovasculares, problemas e diabetes. E eu, o editor do dite, não faria uso destas “coisas”.

Conclusão
Combinação TARV não é perfeita e todos os tratamentos disponíveis podem causar alguns efeitos colaterais; as drogas devem atualmente ser tomadas com regularidade definidamente para o resto da vida; e todos podem parar de funcionar. Dito isto, muitos especialistas concordam que uma pessoa que começa a TARV cedo dá um tiro muito longo e isso pode fazer com que uma pessoa até bem pouco tempo de ter um prognóstico sombrio pode tornar-se uma pessoa com uma grande possibilidade de viver uma vida normal quase perfeita, com uma expectativa de vida de até setenta anos ou até mesmo de vivermos até os 80 anos! Para mim, que recebi um prognóstico de seis nesses de vida …(…)…

Embora as taxas de doenças relacionadas com a idade são muito mais elevadas em pessoas com HIV, isso não significa que todos os que são soropositivos terão múltiplas doenças pelo tempo ao atingirem seus 50s. Na verdade, as taxas reais de algumas doenças relacionadas com a idade permanecem bem menos de 10% em pessoas com HIV. O que ainda não é claro é que será em maior risco de doenças que, como temos necessidade de ser vigilantes na triagem de diversas doenças e se o tratamento de eventuais doenças terá de ser diferente em pessoas com HIV.

Os pesquisadores estão trabalhando ativamente sobre estas questões. Entretanto, os melhores métodos disponíveis para a prevenção relacionadas com a idade em degradação física e mental do antigo standbys: dieta, exercício, mantendo conexões sociais e a abstenção de comportamentos prejudiciais.

Traduzido por Cláudio Souza em 16 de fevereiro de dois mil e dezesseis do original em Inglês no seguinte em endereço HIV and Aging. Revisado por Mara Macedo

Eu gostaria de fazer um breve manisfesto. Tem havido pessoas que vem até aqui, copiam todo o texto, incluindo as fotos e que postam em seus blogs como se fora conteúdo deles.

Duas pessoas eu avisei e ela fizeram a correção; mas esta coisa de ficar avisando cansa e eu já aviso aqui. Este post, por exemplo, cabia num documento do word de 17 páginas e eu o traduzi em uma noite inteira de trabalho. Depois disso veio a revisão e a ilustração.

Eu bem sei que não está cem por cento o trabalho e esta é mais uma razão.

Se eu encontrar este post em outro blog irei diretamente à WordPress me queixar. Gostou do post? Curta-o! Acha ele importante, reblogue-o de forma que só a introdução do texto apareça em seu blog. Este trabalho é meu e de minha esposa. Nós merecemos a visita!

Obrigado!

Cláudio Santos de Souza

Anúncios

Olha só pessoal.

No início do post tem uma imagem com um texto falando sobre o trabalho e os custos que a gente tem. Você que está me lendo agora, pode e tem o direito de não acreditar.

No mês de mais, quando mais de quarenta mil visitas foram registradas, houve três cooperações.

Quando nós pedimos cooperação financeira, qualquer valor é bom.

Sabe, o beija-flor pode carregar uma diminuta gota d’água em seu bico, no afã de apagar o incêndio na floresta….

E nunca será insuficiente 😊

Está conta serve para transferências de qualquer banco ou depósitos na boca do caixa de qualquer agência do Santander

Esta conta não permite, senhores abusadores, que seja feito nada a título de débito nela.

Você não poderá, como já pôde, assinar 65 revistas de uma só editora e, muito menos abrir contas de acesso à Internet 🙂

Precisa conversar

Whats App Soropositivo.Org

Estamos aqui para ajudar a pensar, não para diagnosticar. Não somos médicos ou profisionais de saúde. Buscamos ajudar com palavras amigas, conforto espiritual e, na medida do possível, terminar com a neurose gerada por bloqueiros de meia pataca ou homofóbicos sem caráter que não pensam duas vezes antes de espalhar terros entre pessoas que, quer eles, os homofóbicos, queiram ou não, são seres humanos. Tenha em mente que o numero do WhatsApp esta conectado a um CPF

A PEP é um direito de todos! Saiba onde a achar

A PEP é um direito de Todos

A PEP É um DIREITO DEDOS

[EIKYGMrz]

Top Blog Pessoal Saúde Juri Acadêmico 2013/2014

Top Blog Pessoal Saúde Juri Acadêmico
%d blogueiros gostam disto: