Anúncios
Últimas noticias

Mulheres, HIV, outras DST’s e AIDS

lollipop-1578036O número de mulheres com HIV/AIDS continua a aumentar em todo o mundo. Segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), 17,5 milhões de mulheres em todo o mundo foram infectadas com o HIV até o final de 2005.

De acordo com os Centros de Controle e Prevenção de Doenças (CDC), entre 2000 e 2004, o número estimado de casos de AIDS nos Estados Unidos aumentou de 10% no sexo feminino e de 7 por cento entre os homens.

Em 2004, as mulheres representavam 27% dos 44,615 recentemente relatados casos de AIDS entre adultos e adolescentes. O HIV afeta de forma desproporcionada as mulheres afro-americanos e hispânicas. Juntas, elas representam menos de 25% de todas as mulheres norte-americanas, mas representam mais de 79 por cento dos casos de AIDS em mulheres.

Nos Estados Unidos, a maioria das mulheres são infectadas com o HIV durante o sexo com um homem ou são infectadas pelo HIV durante o uso de seringas contaminadas com HIV para a injeção de drogas como a heroína, cocaína e as anfetaminas. Das novas infecções por HIV diagnosticadas entre as mulheres nos Estados Unidos em 2004, o CDC estimava que 70% foram atribuídas ao contato heterossexual e 28% para o uso de drogas injetáveis.

Encontrar um médico com quem você se sinta confortável e que você confia o suficiente para compartilhar informações pessoais é oestetoscopio-1310973 primeiro e mais importante passo que você deve tomar. Você precisa encontrar um (a) médico (a) com quem você possa construir um bom relacionamento, para que você possa se sentir livre e à vontade para discutir questões que são importantes para você como o  comportamento sexual, preferências de controle da natalidade e preocupações relacionadas à gravidez sem ser julgada de forma alguma. A boa notícia é que existem muitos médicos disponíveis para lhe oferecer cuidados e compreensão no tratamento de mulheres HIV positivas. (O tradutor, que não é mulher, deixou, há alguns anos atrás, “uma terapeuta” no meio de “uma sessão de análise” quando ela disparou, com suas glândulas bucais uma certa dose de veneno que, em bom português, se traduz assim: “Afinal você foi promíscuo e contraiu HIV. Merece viver assim”… em consideração às muitas mulheres que eu atendo neste site decido por impublicáveis as palavras que usei para retorquir à afirmação grosseira e estabanada).

Se você não sabe para onde ir ou a quem pedir conselhos sobre como encontrar um médico com muita experiência para tratar as mulheres com HIV, tente entrar em contato com o seu representante
local de serviço de saúde relacionados à AIDS ou de Organizações não Governamentais, uma vez que eles normalmente têm uma lista de médicos recomendados em sua área. Você pode obter o nome e o número dos seus locais de organização do serviço do Disque AIDS da Secretaria de Saúde de São Paulo (atende todo o Brasil) no telefone 0800 16 25 50

Com que frequência devo ir ao médico?

question-mark-icon-1444378

É importante que todas as pessoas, independentemente de saber se estão ou não infectados pelo HIV, visitem um médico (um clínico geral ou um infectologista) em uma base regular de tempo para um checkup em sua saúde como um todo. Para mulheres HIV positivas, exames regulares são cruciais por duas razões:

objects-of-propaganda-1204835A infecção pelo HIV: a atividade do HIV no corpo, incluindo os seus efeitos sobre o sistema imune e outras funções orgânicas, precisa de ser acompanhado atentamente. De um modo geral, mulheres HIV positivas devem consultar seus médicos a cada seis meses para importantes exames de sangue (por exemplo, a contagem de células CD4 e carga viral) e um checkup geral (por exemplo, verificação da pressão arterial, ouvir o coração e os pulmões, verificando a saúde de seus olhos, ouvidos e boca). Uma vez iniciado o tratamento anti-retroviral, muitos médicos recomendam exames de sangue e um rápido checkup a cada três meses. Se o HIV progride, estes exames, também podem ser necessários para uma análise de seu quadro clínico/laboratorial.

Saúde Ginecológica: mulheres HIV positivas apresentam maior risco de problemas ginecológicos, tais como infecções por fungos vaginais, doença inflamatória pélvica e problemas cervicais. Como resultado, quando uma mulher descobre que se tornou HIV positiva, ela deveria passar, necessariamente por um exame ginecológico na primeira vez que passa por uma consulta. Se tudo estiver normal, o melhor é repetir o teste depois de seis meses. Após estas duas consultas um(1) exame ginecológico anual é suficiente. No entanto, se um exame ginecológico que não se apresente normal ou se seu médico detecta um problema que possa requerer tratamento, exames ginecológicos mais frequentes serão normalmente necessários. Nota: Se você sempre sofre com sangramentos anormais no seu ciclo menstrual ou sangramentos incomuns, dor, inchaço, ou prurido em ou em torno de sua vagina ou abaixo do abdome, você deve entrar em contato com o seu médico imediatamente. Mesmo que não esteja dentro de sua rotina ginecológica, estes problemas precisam ser verificados o mais rapidamente possível caso eles venham a ocorrer.

Como devo me preparar para uma visita com meu médico?

Quando visitar o seu médico que podem incluir um médico (preferencialmente um infectologista), um enfermeiro geral, ou um assistente do médico pela primeira vez, você deve fornecer o máximo de informações possíveis sobre o seu histórico médico. A melhor maneira de fazer isso é anotar o máximo de informações que puder antes de ver o seu médico para a primeira vez. Você deverá estar preparada para discutir os seguintes aspectos com o seu médico:

  • Sua história médica (quaisquer doenças graves, doenças sexualmente transmissíveis, cirurgias, abortos espontâneos, abortos, gestações ou alergias no passado).
  • Problemas de saúde do momento, incluindo a data e o lugar que você se descobriu soropositiva.
  • História sexual (número estimado de parceiros, história da relação anal bem como sexo vaginal).
  • Ciclo menstrual.
  • História da saúde emocional (ansiedade, depressão, instabilidade emocional, etc.).
  • Medicações que você está tomando ou que tomou no passado.
  • Farmacovigilância adequada de ervas, comprimidos ou líquidos que você possa estar tomando por qualquer motivo.
  • Histórico de vacinação.
  • O seu método de controle de natalidade e a frequência de utilização.
  • Quaisquer drogas recreativas que você tenha feito uso ou usa atualmente.
  • Consumo de bebidas alcoólicas e o histórico de tabagismo.
  • Histórico de saúde de sua família (pai, mãe e irmãos).

Não se intimide! É importante que o seu médico saiba tanto sobre a sua história quanto o possível! Por exemplo, a prática sexual e o consumo de drogas recreativas são duas coisas que muitas pessoas têm vergonha de falar a respeito com seus médicos. No entanto, ambos podem ter um grande impacto sobre a saúde física e mental e deveriam ser abertamente discutidos, de modo que o médico possa saber olhar para problemas específicos.

Existem também coisas que você pode fazer para se preparar para um exame físico, antes de realmente ir a primeira consulta com seu médico:

O melhor tempo para a marcação desta consulta – se você sabe que está indo para um exame ginecológico- é uma semana após o período menstrual, enquanto o pior momento é a semana antes de seu ciclo menstrual.

injection-time-syringe-with-1524028Alguns médicos recomendam que os pacientes tenham seu sangue colhido por um flebotomista (uma pessoa certificada para colher o sangue para os testes de laboratório), geralmente em um hospital ou laboratório baseado em uma clínica, de modo a que as células CD4, carga viral e outros valores importantes do sangue possam ser revisadas no momento da consulta. Isso geralmente requer que a coleta de sangue seja de uma (1) a duas (2) semanas antes da consulta.

Não realizar ducha higiênica em pelo menos dois ou três dias antes consulta.

Você também deve se abster de relações sexuais para 24 horas antes do seu exame.

Você vai se sentir mais confortável durante o exame pélvico, se você esvaziar sua bexiga previamente.

O que posso esperar durante o exame?

Existem várias etapas envolvidas no exame físico. Se você deseja saber mais sobre o processo de exame e de compreender o que o seu médico está procurando, faça perguntas.

Um exame geralmente começa com o seu médico ou enfermeiro medindo sua pressão arterial, peso e pulso. Você deve sempre informar o seu médico ou enfermeiro quando o primeiro dia do seu último período menstrual e se você estiver tendo problemas relacionados a isso.

O seu médico irá ouvir o seu coração e pulmões, verificar os seus seios para quaisquer mudanças ou granulações e palpar sua área abdominal para verificar quaisquer irregularidades. Um exame confiável das suas mamas deve levar aproximadamente 30 segundos por mama; esteja atenta quanto a abusos.

Durante o exame de mama o seu médico deve discutir o autoexame da mama mensal (AEM) com você. O seu médico deverá fornecer instruções se você não estiver familiarizado com a forma de executar o AME. Se você tem 35 anos de idade ou mais, o seu médico deve discutir também a mamografia triagem para câncer de mama.

mamografia2_1042

O seu médico pode também deseja realizar um exame pélvico, que envolve o sentimento e a olhar para o interior da vagina. Se o seu médico principal ou ginecologista é um homem e você está nervosos sobre a realização de um exame pélvico, você pode solicitar que uma enfermeira se faça presente na sala – e busque dirimir todas as suas dúvidas.

Para realizar um exame pélvico, você será solicitado a colocar-se sobre a mesa de exame e coloque os pés nas fivelas. Faça, com as pernas seguras em seus joelhos e fivelas se separem, então um espéculo metálico ou plástico será inserido em sua vagina. Este dispositivo permite que o seu médico possa obter uma melhor vista do interior da sua vagina e o colo uterino (localizado na parte de trás da vagina) para realizar um exame e para executar um exame chamado de Papanicolau.

exameUm esfregaço papanicolau é uma raspagem suave das células soltas na abertura do colo uterino. Uma vez coletadas, essas células são examinadas ao microscópio para procurar anormalidades. A realização de um exame de Papanicolau é feita com uma haste de algodão longa, que é inserida e pressionada suavemente contra o seu colo uterino. Embora estes exames não sejam dolorosos, pode ser desconfortável para alguns segundos.

Após o exame de Papanicolau ser concluído, o seu médico irá inserir um dedo enluvado na sua vagina enquanto sente seu abdômen inferior com sua outra mão para analisar o tamanho, a forma e o movimento do seu útero.

O seu médico pode também desejar inserir o seu dedo no seu ânus para verificar a saúde do seu reto. O seu médico pode também querer fazer um Papanicolau anal para examinar as células do reto. Isso é porque as mulheres que têm manchas de pap cervical anormais também podem ter manchas de pap anormais na região anal.

O HIV afeta as mulheres de forma diferente do que os homens?

Eu costumo dizer que, "ao longo da vida, morri mil mortes". E, de fato, creio que já ultrapassei esta cifra e não consigo deslindar, em vaticínios, quantas mortes eu viverei (...) até que chegeu, por acréscimo de misericórdia, a morte do carro físico. O fato é que toda a vez que posto um texto que se refere aos danos que o HIV causa ao cérebro e à rede neural, eu milito em causa própria, posto que, desde o início, quando mminha infecção primária por HIv configurou-se numa meningite, ele, o vírus, tem atuado de forma paulatina e silenciosa no meu cérbro (eu vejo minha lucidez esvaindo-se a pouco e pouco) e na minha rede neural (...) e Deus sabe o nível de concentração que é necessário para que eu não cometa erros de digitação, para que eu não perca o fio da meada em meus raciocínios e o quanto eu sofro com s dores, físicas e morais, da Neuroparia Periférica quem me corroi o sistema nervoso. Entretanto, apesar dos pesares, e de ter morrido tantas vezes, eu gosto de pensar que a morte do carro físico venha como esa da ilustração, envidando esforços hercúleos para me alcançar, arrastando-se como uma lesma, travestida de caracol....

Eu costumo dizer que, “ao longo da vida, morri mil mortes”. E, de fato, creio que já ultrapassei esta cifra e não consigo deslindar, em vaticínios, quantas mortes eu viverei (…) até que chegeu, por acréscimo de misericórdia, a morte do carro físico. O fato é que toda a vez que posto um texto que se refere aos danos que o HIV causa ao cérebro e à rede neural, eu milito em causa própria, posto que, desde o início, quando mminha infecção primária por HIv configurou-se numa meningite, ele, o vírus, tem atuado de forma paulatina e silenciosa no meu cérbro (eu vejo minha lucidez esvaindo-se a pouco e pouco) e na minha rede neural (…) e Deus sabe o nível de concentração que é necessário para que eu não cometa erros de digitação, para que eu não perca o fio da meada em meus raciocínios e o quanto eu sofro com s dores, físicas e morais, da Neuroparia Periférica quem me corroi o sistema nervoso. Entretanto, apesar dos pesares, e de ter morrido tantas vezes, eu gosto de pensar que a morte do carro físico venha como esa da ilustração, envidando esforços hercúleos para me alcançar, arrastando-se como uma lesma, travestida de caracol….

Para a maior parte das pessoas, o HIV afeta homens e mulheres da mesma maneira. Homens e mulheres com HIV podem ter sintomas leves de infecção, mesmo antes de o vírus danificar os seus sistemas imunológicos. Estes sintomas incluem febres de baixo grau, sudorese noturna, fadiga e perda de peso. À medida que a doença progride, tanto os homens como as mulheres estão em risco para um número de Infecções oportunistas, tais como pneumonia por Pneumocystis (PCP) e Mycobacterium avium complex (MAC). No entanto, tal como os homens são mais susceptíveis ao desenvolvimento de determinadas doenças relacionadas com a AIDS (por exemplo, sarcoma de Kaposi, um tipo de câncer de pele) do que as mulheres, as mulheres são mais susceptíveis do que os homens a desenvolver determinadas complicações relacionadas com a AIDS (veja abaixo).

Houve algum debate quanto à questão de saber se mulheres HIV positivas podem progredir  para a AIDS e morrer mais rápido do que homens infectados pelo HIV. Estudos realizados no início da epidemia de HIV/AIDS sugeriram que havia uma diferença, com as  mulheres com menor tempo de sobrevida livre de doença do que os homens. As investigações realizadas nos anos mais recentes confirmam que as mulheres pareciam mais suscetíveis a doença e a morte do que os homens, mas não por causa de diferenças biológicas. Em vez disso, mulheres HIV positivas pareceram progredir mais rapidamente para a AIDS do que os homens por causa de barreiras econômicas/sociais, incluindo a falta de acesso à testagem para o HIV, cuidados e serviços; redução da automotivação; mais atenção às necessidades de saúde de seus filhos do que dos si próprias; e falta de apoio. Com base nesses achados, peritos em saúde pública tem intensificado os seus esforços para aumentar a testagem para o HIV entre as mulheres e a assegurar que as mulheres com diagnóstico positivo estejam ligadas a cuidados de saúde e serviços de apoio adequados.

Existem problemas relacionados com a AIDS que são específicos para as mulheres?

Doenças ginecológicas de infecções e outros problemas do sistema reprodutivo feminino podem ocorrer tanto em pacientes HIV positivo como HIV negativo do sexo feminino. No entanto, mulheres HIV positivas, especialmente se elas têm o sistema imune danificado, são mais susceptíveis do que as mulheres HIV negativo a vivenciar problemas de ordem ginecológica mais freqüentemente ou podem ter maiores dificuldades no tratamento destes problemas. Algumas destas doenças ginecológicas não causam sintomas que podem ser sentidos, portanto, é muito importante que você consulte o seu médico regularmente para manter uma vigilância para estes problemas.

Herpes genital

herpes

O herpes genital é uma infecção muito comum causada por um vírus que resulta em focos de úlceras na região genital. Mulheres HIV positivas podem experimentar estas úlceras com mais frequência e maior gravidade do que as mulheres HIV-negativas. Sintomas de herpes genital incluem: prurido e/ou queimação na área vaginal ou anal; dor nas pernas, nádegas, ou zona vaginal; descarga de muco-como fluido vaginal e pressão no abdômen (intestinos). Os locais mais comuns para o surgimento de úlceras de herpes em mulheres são os lábios vaginais externos (lábia majora) e o interior da vagina lábios (pequenos lábios). Para saber mais sobre herpes genital, click here.

Irregularidades menstruais

tube-flip-calendar-clock-1418548 (1)


2002-calendar-1454641

Muitas mulheres passam por mudanças nos seus ciclos menstruais seus períodos independentemente de saber se estão ou não infectados com o HIV. Algumas mulheres relatam que seus períodos se tornam irregulares após serem infectados com HIV; algumas mulheres HIV positivas vivem experiências de sangramento ou piora dos sintomas de TPM. Uma outra condição é a amenorreia-sem menstruação por mais de três meses em mulheres que não estão grávidas ou não estão a passarem pela menopausa.

Estudos não têm demonstrado de forma consistente que mulheres HIV positivas são mais susceptíveis de sofrer de irregularidades menstruais do que mulheres HIV-negativos. Por sua vez, a maioria dos especialistas não parecem pensar que o diagnóstico e o tratamento de problemas menstruais devem ser tratadas de modo diferente em mulheres HIV positivas.

Você deve continuar a atualizar o seu médico sobre o seu ciclo menstrual e relatar quaisquer irregularidades. Se você tiver amenorreia, é importante que você e o seu médico investiguem a causa em potencial. Para além da possibilidade de gravidez ou menopausa, certas Infecções oportunistas, cistos ovarianos e outros problemas ginecológicos podem causar amenorreia e levar a complicações mais sérias.

O papilomavírus humano (HPV)

i-have-hpv-what-do-i-do-5

O papilomavírus humano é disseminado através de atividade sexual. Em mulheres, pode causar diferentes tipos de doença, principalmente em ou ao redor da área genital. Estas incluem verrugas pequenas, pequenas verrugas que crescem em touceiras em ou ao redor da vagina ou ânus. Há também de displasia de patches ou de células anormais que podem ocorrer no colo uterino e no ânus. Existe também o câncer de colo uterino ou ânus, que podem ser causadas por displasia. Mulheres HIV positivas são mais susceptíveis de serem infectadas com HPV do que as mulheres HIV-negativos. Mulheres HIV positivas também são mais susceptíveis ao desenvolvimento de displasia bronco pulmonar e,  possivelmente câncer cervical ou anal, como resultado de HPV.

Doença inflamatória pélvica

WC for women sign

WC for women sign

Doença inflamatória pélvica (DIP) é uma infecção grave que é frequentemente causada por um número de infecções comuns, incluindo as doenças sexualmente transmissíveis (DST) gonorreia e clamídia. DIP começa após essas infecções deslocarem-se para cima, a partir da vagina, para outros órgãos no corpo, onde eles podem causar graves danos. Os sintomas mais comuns de DIPs são dores abdominais nas partes inferiores, ciclos menstruais irregulares, descarga vaginal é dolorosa ou urinar frequentemente.

A infecção é geralmente tratada no hospital com um número de 4 (pela via endovenosa) antibióticos, e geralmente requer duas semanas de repouso no leito. A cada ano nos Estados Unidos, mais de um milhão de mulheres desenvolver DIPs e muitas têm de gravidez tubária (gestações que ocorrem nos tubos que transportam o esperma até os ovários), resultando em mais de cem mil casos de infertilidade. É por esta razão que é muito importante a comunicação com o seu médico sobre quaisquer problemas que você possa estar enfrentando e manter os exames ginecológicos regulares para procurar por problemas que talvez você não saiba que existem.

Candidíase vaginal

infeccoes-fungicas-vaginais

 

Candidíase vaginal é uma infecção de fungos que é relativamente comum em muitas mulheres. No entanto, é muito mais comum entre as mulheres HIV positivas que têm baixa contagem de células T. Os sinais de candidíase vaginal são sangramento vaginal fora do ciclo menstrual e geralmente espumosa, com odor pútrido nas descargas vaginais. Para saber mais sobre a candidíase vaginal e as formas com que podem ser tratadas, click here.

São as recomendações de tratamento diferente para as mulheres?

866-28-Post-facebook

As recomendações para iniciar o tratamento do HIV são semelhantes em homens e mulheres – imediatamente após o diagnóstico desde 2014, quando o estudo START determinou que o início do tratamento assim que ocorra o diagnóstico é feito diminuem as possibilidades de desenvolvimento de complicações ou do avanço da infeção por HIV em direção à AIDS.
Vale a pena dedicar seu tempo para aprender sobre as drogas utilizadas para o tratamento de HIV antes de tomar uma decisão sobre o início do tratamento.

Fazer os tratamentos que funcionam de forma diferente em mulheres do que em homens?
Ainda não sabemos se medicamentos antirretrovirais funcionam de forma diferente em mulheres e homens. No entanto, há boas razões para crer que todas as drogas usadas para tratar o HIV hoje funcionam tão bem em mulheres quanto em homens. Mulheres HIV positivas tem, agora, uma vida mais longa e mais saudável do que nunca.

{Nota importante do tradutor: Todos os links apresentados doravante abrem nesta aba, em outro site em inglês. Eu poderia matar os link e perder a referência. Todavia, pouco a pouco eu pretendo traduzir cada um destes itens, na medida em que o tempo permite e que minha saúde permite. SE você tem domínio do inglês, pode seguir adiante, se achar cabível, ler e traduzir ipsis literis o que encontrar. Eu me darei ao luxo de tentar adequar a tradução à modesta cara do site. Todos os créditos pertinentes ao seu trabalho, incluindo um perfil no face (se você quiser) ou um e-mail (idem) serão creditados ao seu nome ou de sua empresa quando tratar-se, milagrosamente, de uma empresa de traduções}

Sabemos que os montantes de alguns medicamentos para o HIV são maiores e pode durar mais tempo em corpos de femininos em relação ao organismo masculino. Por exemplo, o montante de transcriptase reversa análogos de nucleosídeos Rescriptor (delavirdine) é muitas vezes mais elevada no sangue de mulheres do que em homens. Há poucos estudos demonstrando que os efeitos colaterais podem ser piores nas mulheres do que nos homens. Por exemplo, um estudo do inibidor de protease Norvir (ritonavir) verificou que as mulheres experimentam mais náuseas, vômitos e fraqueza do que os homens. Também há estudos sugerindo que as mulheres grávidas soropositivas são um risco maior para certos efeitos colaterais do que os pacientes HIV positivos entre homens e mulheres HIV positivas que não estão grávidas

As razões para a existência de maiores níveis de drogas e efeitos colaterais em mulheres HIV positivas ainda não são entendidas. Uma possibilidade tem a ver com o peso corporal e o tamanho do corpo. Porque uma porcentagem muito maior de homens do que mulheres se matricula em ensaios e porque, geralmente, os homens pesam mais e têm frequentemente uma estrutura maior em comparação aos organismos masculinos e as doses das medicações utilizadas para o tratamento de mulheres HIV positivas pode ser precisar de serem maiores do que o necessário para os homens e, como resultado, o aumento do risco de desencadear sequencias de efeitos colaterais. No entanto, isto não significa que mulheres HIV positivas devem tomar doses menores de seus medicamentos. Ensaios clínicos até determinar que as mulheres de fato podem ser tratadas com doses menores de certos medicamentos antirretrovirais, as mulheres devem continuar tendo os seus medicamentos nas doses atualmente recomendados para todos os adultos que vivem com HIV.

Mulheres HIV positivas não precisam ser muito cuidadosas sobre interações medicamentosas. Especificamente, certas drogas ARV podem afetar os níveis de outra prescrição de outros medicamentos no organismo. Por exemplo, é sabido que os diversos agentes antirretrovirais podem interferir com o modo como o corpo processa contraceptivos orais contendo etinil estradiol-uma popular forma hormonal de controle de natalidade entre as pacientes HIV positivo e negativo. Se você estiver tomando Aptivus (tipranavir), Norvir (ritonavir), Kaletra(lopinavir/ritonavir), Prezista (darunavir), Viracept (nelfinavir), ou Viramune (nevirapina), contraceptivos orais podem não funcionar tão bem porque essas drogas minorizam os níveis de etinil estradiol. Se você estiver tomando Crixivan (Indinavir), Sustiva (efavirenz), Reyataz (atazanavir), Lexiva (fosamprenavir) ou Rescriptor (delavirdine), você pode estar tomando mais etinil estradiol do que você precisa.

Traduzido do artigo da Revista Online POZ

Posso engravidar se eu sou HIV positivo?

Embora ter filhos é definitivamente uma opção para pessoas HIV positivas (homens e mulheres), isso exige um planeamento cuidadoso com um médico. Isso inclui “preconceito” planejamento – explorar as opções disponíveis para o ajudar a conceber e a tomada das medidas necessárias durante a gravidez (se planejada ou não planejada) para proteger a sua saúde e do seu bebé.

A boa notícia é que existem muitas formas de planejar uma gravidez saudável e um certo número de estratégias para ajudar você a reduzir o risco de transmissão do vírus para o bebê. Click here Para obter mais informações.

Traduzido por Cláudio Souza do original da Revista online POZ neste endereço: HIV and Women (ambos links abrem em outra aba de seu navegador) com revisão de Mara Macedo em 29/04/2016.

Uma anotação do Editor: Quanto mais este site cresce, mais eu compreendo sobe como é desagradável ter o conteúdo que você criou usado por outra pessoa e o fato de não ter encontrado o nome do autor deste texto me mortifica. Se você sabe o nome do autor, por favor, passe o para mim através de quaisquer uma das vias de feedback deste site e ele será colocado. Obrigado

A note of the Editor: How much more this site grows, the more I understand rises as is unpleasant have the content that you created used by another person and the fact of not having found the name of the author of this text makes me mortifies. If you know the name of the author, please, pass for me through any one of the tracks of feedback on this site and it will be placed here. Thank You

Anúncios

Olha só pessoal.

No início do post tem uma imagem com um texto falando sobre o trabalho e os custos que a gente tem. Você que está me lendo agora, pode e tem o direito de não acreditar.

No mês de mais, quando mais de quarenta mil visitas foram registradas, houve três cooperações.

Quando nós pedimos cooperação financeira, qualquer valor é bom.

Sabe, o beija-flor pode carregar uma diminuta gota d’água em seu bico, no afã de apagar o incêndio na floresta….

E nunca será insuficiente 😊

Está conta serve para transferências de qualquer banco ou depósitos na boca do caixa de qualquer agência do Santander

Esta conta não permite, senhores abusadores, que seja feito nada a título de débito nela.

Você não poderá, como já pôde, assinar 65 revistas de uma só editora e, muito menos abrir contas de acesso à Internet :-)

Precisa conversar

Whats App Soropositivo.Org

Estamos aqui para ajudar a pensar, não para diagnosticar. Não somos médicos ou profisionais de saúde. Buscamos ajudar com palavras amigas, conforto espiritual e, na medida do possível, terminar com a neurose gerada por bloqueiros de meia pataca ou homofóbicos sem caráter que não pensam duas vezes antes de espalhar terros entre pessoas que, quer eles, os homofóbicos, queiram ou não, são seres humanos. Tenha em mente que o numero do WhatsApp esta conectado a um CPF

A PEP é um direito de todos! Saiba onde a achar

A PEP é um direito de Todos

A PEP É um DIREITO DEDOS

[EIKYGMrz]

Top Blog Pessoal Saúde Juri Acadêmico 2013/2014

Top Blog Pessoal Saúde Juri Acadêmico

Seu retorno é importante. Nós atendemos às solicitações de textos, desde que ligados ao tema central de alguma forma. Faça seu comentário, de sua opnião

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: