Anúncios
News Ticker

Terapia com anticorpos abre as portas para o potencial novo tratamento de HIV

Pessoal, manter o site nos traz custos, custos estes que estão difíceis para arcarmos sozinhos. Nós queremos continuar trazendo informações e ajudando as pessoas que chegam até aqui, mas para isso também precisamos de ajuda. Qualquer valor é bem vindo e nos ajudará a manter o site de pé, caso contrário não conseguiremos mais ter esse canal de informação e ajuda mútua. Segue a conta para depósito: Banco do Brasil, agência 1521-0, conta corrente 19957-5, em nome de Claudio Souza

O desenvolvimento da terapia anti-retroviral, uma combinação de drogas que impede a replicação do HIV no corpo, transformou o tratamento dessa  infecção. O que era uma vez uma sentença de morte, agora é uma condição crônica com a qual as pessoas podem viver com durante décadas.

Mas esta terapia tem desvantagens. Existem efeitos colaterais, incluindo problemas renais, diminuição da densidade óssea e problemas gastrintestinais. E se uma pessoa interrompe o seu tratamento, mesmo faltando algumas  doses, o nível do virus no corpo é capaz de retornar rapidamente.

Pesquisadores da Universidade Rockefeller, juntamente com os colaboradores da Universidade de Colónia, estão a desenvolver um novo tipo de tratamento baseado em um anticorpo que pode fornecer uma melhor estratégia de longo prazo para o controle do HIV. Descobertas recentes de um ensaio clínico de fase 1, publicado em 5 de Maio na Science; oferecer novos insights sobre como as funções de anticorpos.

“Este estudo fornece evidências de que uma dose única de um anticorpo estimula uma resposta imune nos pacientes ‘, que lhes permita fazer novos ou melhores anticorpos contra o vírus”, explica até Schoofs, um pós-doutorado e um dos primeiros autores do estudo. Schoofs é um membro do Laboratório de Imunologia Molecular, liderada por Michel Nussenzweig, Zanvil A. Cohn e Ralph M. Steinman Professor, que é o autor sênior do estudo.

“Nós relatamos, no ano passado, que este tratamento pode reduzir significativamente a quantidade de vírus que está presente no sangue de alguém”, Dr Schoofs acrescenta, “mas queríamos seguir os pacientes durante um longo período de tempo para o estudo de como os seus sistemas imunológicos, se comportavam à adaptação para a nova terapia”.

 

A neutralização de um vírus mortal

Anticorpos específicos e amplamente neutralizantes massacrandoas cópias do HIV expilsas de seus esconderijos

Anticorpos específicos e amplamente neutralizantes massacrandoas cópias do HIV expulsas de seus esconderijos

 

A molécula usada na pesquisa, 3BNC117, é chamada como um anticorpo amplamente neutralizante porque tem a capacidade para lutar contra uma vasta gama de cepas do HIV. Johannes Scheid, um aluno no laboratório do Nussenzweig, isolara est molécula há vários anos de um paciente infectado pelo HIV com cujo sistema imunológico tinha uma capacidade excepcional para neutralizar o HIV no sangue impedindo que o vírus infectasse e destruísse um tipo específico de células imunológicas, chamados células CD4, as células que comandam a resposta imunológica em pacientes com HIV. A destruição de células CD4 é uma marca da AIDS.

Os primeiros estudos mostraram que a 3BNC117 pode neutralizar mais de 80 por cento das cepas do HIV que são encontrados em todo o planeta. Os pesquisadores, portanto, hipotetizaram que introduzindo este anticorpo (3BNC117) em pacientes de ajudar a combater o vírus melhor.

O ensaio clínico incluiu 15 pacientes que tinham cargas virais elevadas e outros doze pacientes cujos níveis de vírus está sendo controlada com Terapia Antirretroviral (TARV). A maioria dos participantes nos ensaios foram tratados no Hospital Universitário Rockefeller. Os pacientes receberam uma infusão única com uma dose da molécula 3BNC117 (que é o anticorpo) e acompanham estes pacientes ambulatorialmente por um período de seis meses.

 

Os pesquisadores verificaram que 14 dos 15 pacientes que tinham níveis elevados do vírus no momento em que receberam o anticorpo foram capazes de criarem novos anticorpos iguais aos que foram infundidos no início do estudo e a fazer novos anticorpos que foram capazes de neutralizar um certo número de diferentes cepas do HIV.

“Normalmente leva vários anos para o corpo para começar a fazer bons anticorpos contra o HIV,” diz Schoofs. “Portanto, poderá haver ainda um melhor efeito mais tarde, especialmente se o paciente tiver recebido mais de uma dose de 3BNC117 (o anticorpo)”.

 

Os próximos passos desta pesquisa para testar o anticorpo 3BNC117 em combinação com outros anticorpos que também demonstra especificidade de ataque ao HIV, para determinar se é possível gerar uma resposta antirretroviral ainda mais forte pode ser gerada. Os pesquisadores também a realizarão um estudo fase 2 com pacientes recebendo terapia antirretrovirais que serão comutados para tratamento com os anticorpos.

Explorar a função de um anticorpo

No estudo companion, (eu segui o link e a matéria é paga.Não dá para pagar… Lamento muito)publicado que tratava do mesmo aspecto na revista, os pesquisadores queriam para determinar quais os novos benefícios do tratamento com 3BNC117 podem ter em relação com a terapia a antirretroviral.

Eles examinaram os resultados do ensaio clínico, e utilizaram um modelo matemático de dinâmic do HIV para prever a forma como o paciente reduziriam os níveis de HIV no sangue com o 3BNC117 que não fez nada mais do que neutralizar o HIV no sangue e bloquear novas infecções. A sua análise mostrou que a neutralização do vírus por si só não explica a queda brusca dos vírus níveis observados em pacientes, levando os cientistas a suspeitar de que deve haver outro componente para a eficácia do anticorpo.

Trabalhando em um modelo em ratos, os pesquisadores viram a prova de que 3BNC117 foi capaz de acionar as as células imunológicas e acelerar o combate às células infectadas pelo HIV.

“Isso mostra que o anticorpo não só pode exercer pressão sobre o vírus, mas também pode encurtar a sobrevida de células infectadas”, diz primeiro autor Ching-Lan Lu, em uma visita do aluno ao laboratório do Dr. Nussenzweig. “Nossos resultados explicam por que razão a profilaxia pós-exposição” tratamento de curto prazo após exposição ao HIV para reduzir a infecção” com anticorpos é mais eficaz do que a TARV em nossos modelos com cobaias”.

Concluíram que, além disso, há a potencial propriedade poderiam tornar possível abordar um obstáculo importante para a cura do vírus HIV: deter a capacidade de do HIV estabelecer um reservatório latente logo após a infecção e, assim, ocultar-se no corpo e fugir dos tratamentos. Um estudo clínico de seguimento está em curso na atualidade no Rockefeller para avaliar se a oferta de drogas com anticorpos para pacientes recebendo a terapia antirretroviral pode ajudar a reduzir à saída do HIV de seus reservatórios ou alterar estes reservatórios do HIV.

6 de Maio de 2016

 

Claudio Souza

Thats Me, with this psyco-killer`s face

Traduzido por Cláudio Souza do Original em Terapia com anticorpos abre as portas para o potencial novo tratamento de HIV revisado por Mara Macedo em 13 de maio de 2016

Mais informações: T. Schoofs et al, terapia de HIV-1 com anticorpo monoclonal 3BNC117 suscita  respostas imune do hospedeiro contra o HIV-1, Ciência (2016). DOI: 10.1126/science.aaf0972

C.-L. Lu e col. Enhanced apuramento das células infectadas pelo HIV-1 por amplamente anticorpos neutralizantes contra o HIV-1 in vivo, Ciência (2016). DOI: 10.1126/science.aaf1279

Oficial referência: Science

Fornecido por: Rockefeller University

Anúncios

Olha só pessoal.

No início do post tem uma imagem com um texto falando sobre o trabalho e os custos que a gente tem. Você que está me lendo agora, pode e tem o direito de não acreditar.

No mês de mais, quando mais de quarenta mil visitas foram registradas, houve três cooperações.

Quando nós pedimos cooperação financeira, qualquer valor é bom.

Sabe, o beija-flor pode carregar uma diminuta gota d’água em seu bico, no afã de apagar o incêndio na floresta….

E nunca será insuficiente 😊

Está conta serve para transferências de qualquer banco ou depósitos na boca do caixa de qualquer agência do Santander

Esta conta não permite, senhores abusadores, que seja feito nada a título de débito nela.

Você não poderá, como já pôde, assinar 65 revistas de uma só editora e, muito menos abrir contas de acesso à Internet 🙂

Precisa conversar

Whats App Soropositivo.Org

Estamos aqui para ajudar a pensar, não para diagnosticar. Não somos médicos ou profisionais de saúde. Buscamos ajudar com palavras amigas, conforto espiritual e, na medida do possível, terminar com a neurose gerada por bloqueiros de meia pataca ou homofóbicos sem caráter que não pensam duas vezes antes de espalhar terros entre pessoas que, quer eles, os homofóbicos, queiram ou não, são seres humanos. Tenha em mente que o numero do WhatsApp esta conectado a um CPF

A PEP é um direito de todos! Saiba onde a achar

A PEP é um direito de Todos

A PEP É um DIREITO DEDOS

[EIKYGMrz]

Top Blog Pessoal Saúde Juri Acadêmico 2013/2014

Top Blog Pessoal Saúde Juri Acadêmico
%d blogueiros gostam disto: