Anúncios
News Ticker

Colesterol implementa a memória do sistema imunológico!

Pessoal, manter o site nos traz custos, custos estes que estão difíceis para arcarmos sozinhos. Nós queremos continuar trazendo informações e ajudando as pessoas que chegam até aqui, mas para isso também precisamos de ajuda. Qualquer valor é bem vindo e nos ajudará a manter o site de pé, caso contrário não conseguiremos mais ter esse canal de informação e ajuda mútua. Segue a conta para depósito: Banco do Brasil, agência 1521-0, conta corrente 19957-5, em nome de Claudio Souza
Na célula de uma ingénua (esquerda), os receptores (azul) na membrana são organizados individualmente. Patógenos (amarelo) deve vincular a muitos receptores para ativar a defesa imune. Em uma célula de memória (direito), os receptores estão unidos por …mais em Na célula de uma ingénua (esquerda), os receptores (azul) na membrana são organizados individualmente. Patógenos (amarelo) deve vincular a muitos receptores para ativar a defesa imune. Em uma célula de memória (direito), os receptores estão unidos por …more

Na célula de uma ingênua (esquerda), os receptores (azul) na membrana são organizados individualmente. Patógenos (amarelo) deve vincular a muitos receptores para ativar a defesa imune. Em uma célula de memória (direito), os receptores estão unidos por …mais em Na célula de uma ingênua (esquerda), os receptores (azul) na membrana são organizados individualmente. Patógenos (amarelo) deve vincular a muitos receptores para ativar a defesa imune. Em uma célula de memória (direito), os receptores estão unidos por …more

Mensagem do autor: Embora eu venha mantendo este site com noticias de todo o tipo, basicamente relacionadas à infecção por HIV, seja no campo da busca pela cura, pelo encontro de soluções de tratamento com administração medicamentosa em intervalos maiores, talvez, um dia, a cada doze meses, eu passei um olhar crítico neste site e encontrei uma falha que eu considerei deplorável: Não há um texto sequer que defina o sistema imunológico ou, como no texto que traduzi abaixo, sistema imune. É com o texto abaixo que eu finalmente introduzo esta definição, que procurei fazer da forma mais clara possível e só não obtive êxito, acredito eu, se tiver obtido algum resultado positivo no que tange ao esclarecimento, eu não pude definir o verbete “eucariotos”. O referido verbete se encontra com o link para o texto que o “define” e quem for até lá entenderá a minha dificuldade em clarear este ponto obscuro, em face à verdade que me declara não capacitado a destramar textos que são dos domínios de homens e mulheres cujo raciocínio está num patamar que, para mim, é inabordável.

Uma vez dito isso, eu entrego o texto à vossa apreciação e faço votos que eu tenha conseguido alcançar meu objetivo que é o de esclarecer, mesmo que parcamente, o que é, e como funciona, em conceitos básicos…

 

 

 …O Sistema imunológico

Um  sistema imune é uma coleção de  processos biológicos dentro de um organismo que protege contra doenças através da identificação e abate dos agentes patogênicos e das células tumorais.

Ele detecta uma grande variedade de agentes como vírus ou a infestação parasitária de vermes, e as necessidades para distinguir os agentes nocivos ao organismo das próprias células saudáveis, bem como tecidos para funcionar corretamente. A detecção é complicada pois agentes patogênicos podem evoluir rapidamente, produzindo adaptações para evitar o sistema imunológico e permitir que os agentes patogênicos possam infectar com sucesso seus hospedeiros.

Para sobreviver a este desafio, múltiplos mecanismos evoluem e reconhecem e estão aptos a neutralizar agentes patogénicos. Mesmo os simples organismos unicelulares como as bactérias possuem sistemas de enzimas que protegem contra infecções virais.

Outros mecanismos imunes de base evoluíram na antiga linha dos eucariotos e permaneceram em seus descendentes modernos como plantas, peixes, répteis e insetos. Esses mecanismos incluem peptídeos antimicrobianos chamados defensins, fagocitose, e o sistema de complemento. Vertebrados como os seres humanos têm mecanismos de defesa ainda mais sofisticados.

O sistema imune de vertebrados consiste de muitos tipos de proteínas, células, órgãos e tecidos que interagem em uma elaborada rede dinâmica. Como parte desta resposta imune mais complexos, o sistema imunitário humano se adapta ao longo do tempo para reconhecer os agentes patogênicos específicos de forma mais eficiente.

Este processo de adaptação é referido como “imunidade adaptativa” ou “imunidade adquirida” e cria memória imunológica. Memória imunológica é criada a partir de uma resposta primária a um agente patogénico específico, e fornece uma resposta melhorada para os encontros secundários com que mesmo agente patogênico específico.

 

Este processo de imunidade adquirida é a base da vacinação.

 

Distúrbios do sistema imune pode resultar em doença. Imunodeficiência ocorre quando o sistema imunológico é menos ativo do que normalmente, resultando em recorrentes e infecções com risco de vida. Imunodeficiência pode ser o resultado de uma doença genética, como imunodeficiência severa combinada ou ser produzidos por farmacêuticos ou uma infecção, tais como a Síndrome da Imunodeficiência adquirida (AIDS) que é causada pelo retrovírus HIV.

 

Em contraste, doenças autoimunes resultam de um sistema imune hiperativo que ataca os tecidos normais, como se fossem organismos estrangeiros. Doenças autoimunes comuns incluem a tireoidite de Hashimoto, artrite reumatoide, diabetes melito tipo 1 e lúpus eritematoso sistêmico.

 

A imunologia abrange o estudo de todos os aspectos do sistema imune que tem grande relevância para a saúde humana na prevenção e contenção de doenças. Mais a investigação neste campo é esperada para desempenhar um papel muito importante na promoção da saúde e tratamento de doenças para toda à humanidade.

Este texto utiliza material de A Wikipedia, Licenciado sob CC BY-SA

A memória do sistema imunológico humano é crítica para o desenvolvimento de vacinas. Apenas se o corpo for capaz de reconhecer um patógeno com o qual já entrou em contato no caso de uma segunda infecção, o sistema imune é capaz de combater de forma mais eficaz do que o fez a primeira vez. O imunobiologista Prof. Dr Wolfgang Schamel do Instituto de Biologia III da Universidade de Freiburg, e seus colegas, conseguiram demonstrar como a memória do sistema imune exerce suas funções. As suas conclusões foram agora publicados nos periódicos imunidade e Oficial de química biológica (JBC).

O sistema imune torna-se familiar com um patógeno durante uma infecção inicial e compreende que ele deve ser combatido. Quando os receptores das células T do sistema imune chegam ao mesmo agente patogénico em uma segunda vez, eles são muito mais sensíveis em relação a eles do que durante o primeiro encontro, e assim demora menos ativar o sistema imune a agentes patogênicos. Havia a necessidade de esclarecer o porquê destes receptores se tornarem mais sensíveis.

Em 2011, do grupo de investigação e Schamel uma equipe liderada pelo Prof. Dr Balbino Alarcon da Universidade Autónoma de Madrid, Espanha, encontrou a resposta a esta pergunta fundamental. Em uma publicação no jornal oficial da imunidade, eles mostraram que o aumento da sensibilidade é causado por um agrupamento de Células T receptoras: Em uma célula ingênua que ainda não se  “encontrou com o patógeno”, os receptores são dispostos individualmente na membrana celular, agentes patogênicos de forma que o sistema imunológico reaja rapidamente. Em uma célula chamada “célula de memória” que lembra o patógeno, os receptores são organizados em grupos sobre a membrana. Quando um agente patogênico se liga a um receptor de um grupo, todos os receptores dentro do grupo são ativados simultaneamente.

Assim, um grande número de receptores precisa ser confrontado com um grande número de agentes patológicos, de forma a torná-lo “bem treinado”. Isto faz com que o  Sistema imunológico fique mais sensível.

Agora, como relatado na revista JBC, uma equipe de pesquisadores em Freiburg sob Schamel e Prof. Dr Rolf Schubert, professor de Tecnologia Farmacêutica e Biofarmácia no Instituto de Ciências Farmacêuticas da Universidade de Freiburg, conseguiram demonstrar como uma célula forma estes grupos de receptores.

Os fatores críticos para o sucesso deste esforço foram resultantes da experiência de investigação em bioquímica em T de Schamel com receptores celulares, e a experiência de Schubert na produção de lipossomos extracelulares.

A colaboração entre as duas equipes tornou-se possível graças a um projeto financiado pelo Centro de Estudos e Sinalização Biológica BIOSS, um grupo de excelência na Universidade de Freiburg.

Dra. Eszter Molnár, uma pesquisadora pós-doutorada da Schamel, e o Doutor Martin Holzer do grupo de investigação da Schubert isolou a receptores e reconstruiu o modelo em uma membrana sintética.

Depois de um ano e meio de trabalho, os cientistas conseguiram um avanço: Descobriram que a composição dos lípides de uma membrana é responsável pela organização por grupos dos receptores.

A composição lipídica da célula de um “ingênuo” (Nota do Tradutor: Ingênuo neste tema representa um sistema imunológico que nunca tenha sido confrontado, por exemplo, com o vírus do sarampo; todo mundo sabe que, em linhas gerais, só se tem sarampo uma vez na vida, quando se perde esta ingenuidade) difere de uma célula de memória. O colesterol é o fator chave neste processo, como ele está presente em altas concentrações em um célula de memória.

Esta maior concentração de colesterol leva à agregação dos receptores, porque o colesterol os une como cola.

Schamel e Schubert são membros do grupo de excelência do Centro de Estudos e Sinalização Biológica de Freiburg BIOSS. Schamel também é membro do Apemann Graduate School da Biologia e da Medicina e do Centro para o do Centro Médico Freiburg de Imunodeficiência Crônica Universitário e diretor da rede da UE SYBILLA, que também apoiaram este projeto.

 

Referência Oficial: Imunidade   Journal of Biological Chemistry

Anúncios

Precisa de algo? Ou quer ajudar?






Precisa conversar

Whats App Soropositivo.Org

A PEP é um direito de todos! Saiba onde a achar! Clique na imagem

A PEP é um direito de Todos

A PEP É um DIREITO DEDOS

Top Blog Pessoal Saúde Juri Acadêmico 2013/2014

Top Blog Pessoal Saúde Juri Acadêmico
%d blogueiros gostam disto: