Últimas noticias

Homens Gays no Reino Unido relatam uma vasta gama de comportamentos e “táticas” para praticar sexo mais seguro

corredor gayHomens Gays no Reino Unido empregam uma vasta gama de táticas e comportamentos de precaução para evitar riscos durante a pratica do sexo – o uso de preservativos é apenas uma das formas em que os homens se protegerem a si próprios e aos seus parceiros.

Evitar sexo com parceiros de diferentes status sorológicos para o HIV, conhecer a sua carga viral atual, usar lubrificantes para as relações sexuais e testes regulares foram todos os comportamentos amplamente citados.

Os dados vêm de 2014 homens homossexuais, publicado ontem (21/06/2016). O relatório destaca igualmente lacunas no conhecimento sobre o HIV para homens e sugere que o álcool desempenha um papel tão grande como o “chemsex” pode levar homens a contrair HIV.

Um total de 15.360 entre homens que fazem sexo com homens, vivem na Inglaterra, concluída a pesquisa online em 2014. A maioria deles foi recrutada através de apps e sites gays (44%) ou contas nas mídias sociais, contas associadas com Terrence Higgins Trust e organizações gays  comunitárias (40%).

Comportamentos de redução de risco

Os homens foram convidados, “Quais das seguintes opções você diria que são parte da sua abordagem para reduzir o potencial para causar danos a si mesmo no exercício de sua vida sexual?” Eles ofereceram uma lista de comportamentos e táticas e poderiam marcar tantas opções quantas desejassem.

Para os homens que não têm o HIV diagnosticados, táticas mais amplamente utilizados foram:

  • Usando lubrificante para relações sexuais (77%)
  • Evitar o sexo com pessoas que têm HIV (63%)
  • Às vezes o declínio do número de parceiros sexuais (56%)
  • O uso de preservativos durante o coito anal insertivo (53%)
  • Evitar o sexo até uma DST ser curada ou ter o tratamento iniciado (53%)
  • Saber seu atual status sorológico para o HIV (53%)
  • O uso de preservativos durante as relações sexuais receptivas (50%)
  • Testar regularmente para DSTs (41%)
  • Falar sobre o HIV e/ou STIs com potenciais parceiros sexuais (39%)
  • Usando PEP (34%)
  • Namorar parceiros sexuais em potencial “até chegar a conhecerem-se melhor uns aos outros” (30%)
  • Evitar usar poppers durante o coito receptivo (21%)
  • Evitar relações sexuais totalmente receptivas (19%)
  • Evitando relações sexuais insertivas completamente (12%).

carga viral

O ranking de homens com diagnóstico de HIV foi globalmente semelhante, mas com um número de diferenças notáveis. “Eu certifiquei-me de minha atual carga viral” foi um dos mais populares comportamentos citados por 72% de homens com HIV.

Enquanto cerca de metade dos homens HIV negativos citaram o uso do preservativo como um comportamento de precaução, apenas cerca de um terço dos homens com HIV o fez.

Testes regulares de DST, evitar sexo até que as DSTs fossem tratadas e falar sobre saúde sexual com parceiros foram todos os comportamentos mais freqüentemente citados pelos homens com HIV.

 Lacunas de conhecimento

A maioria dos homens de preencher a pesquisa tinham bons níveis de conhecimento sobre o HIV. Mas há algumas notáveis lacunas.

Enquanto 96% sabiam que o tratamento do HIV melhora a saúde das pessoas que vivem com o HIV, apenas 74% estavam cientes de que o  tratamento eficaz do VIH também reduz o risco do HIV ser transmitido .

99% sabiam que os testes de HIV existem, mas apenas 88% estavam cientes de que infecções recentes podem não ser detectadas nas primeiras semanas e apenas 50% estavam conscientes de diretrizes recomendando testes anuais de HIV em homens gays.

Mas um dos mais notáveis achados, refletindo a necessidade de prevenção do HIV para continuar a informar sobre a maioria dos factos básicos sobre o HIV, foi a de que apenas 81% estavam confiantes de que o HIV não pode ser transmitido pelo beijo, incluindo o beijo profundo.

O álcool desempenha um papel tão grande como a droga na aquisição de HIV

Os homens que vivem com o  VIH diagnosticados foram convidados, “Quão grande parte você acha que álcool influiu na sua contaminação por HIV?”  Eles foram colocados diante perigos-da-bebida-alcoolica-5de uma formulação semelhante a esta pergunta sobre instalações recreativas e de drogas ilícitas.

Considerando que 31% disse que o álcool desempenhou um papel na sua infecção pelo HIV, 23% pensavam que outras drogas desempenharam um papel decisivo no contágio. Homens diagnosticados mais recentemente, no ano anterior, eram mais susceptíveis de atribuir sua infecção ao uso de drogas, com 31% fazendo-o.

Mas mais de metade dos homens (58%) afirmou que nem drogas nem álcool desempenharam papel no que fato deles se tornarem HIV positivo.

O estudo também confirmou que a busca  da utilização dos fármacos associados com “chemsex” é uma minoria, relatada por um número limitado de homens (nas últimas quatro semanas, 5% tinham usado mephedrone, 3% GHB e 2% Crystal Meth). Estes homens foram muito mais propensos a viver em Londres e ter o HIV diagnosticados do que de os não usuários.

Em contraste, 89% dos entrevistados tinham consumido álcool em  quatro semanas anteriores.

Roger Pebody

Publicado em: 22 de Junho de 2016

Traduzido por Cláudio Souza em 28/06/2016 do Original em  Gay men report a wide range of behaviours to make sex safer

Referência

Hickson F et al . Estado de Play: achados da Inglaterra homens homossexuais do sexo Pesquisa 2014. Sigma Investigação, 2016. (Full report freely available).

Anúncios

Precisa conversar

Whats App Soropositivo.Org

Estamos aqui para ajudar a pensar, não para diagnosticar

Top Blog Pessoal Saúde Juri Acadêmico 2013/2014

Top Blog Pessoal Saúde Juri Acadêmico
Sobre Claudio Santos (509 artigos)
Depois de passar quatro décadas tentando estabelecer pelo menos um armistício com meu pai e ver as falhas ocorrerem sistematicamente, tentativa após tentativa, eu desisti do sobrenome “de Souza”. Estava me preparando espiritualmente para isso quando uma amiga locupletou a façanha de descobrir onde está minha mãe... Cláudio Santos. Quem preferir, aluda-se a mim como o Cláudio do Site,ou Cláudio do Soropositivo.Org, ou ainda aquele da promessa não cumprida: Cláudio, o trouxa do livro que acreditou em "palavra emprenhada". Eu mostro meu rosto, embora alguns me censurem, porque, no meu modesto ponto de vista, ser portador de HIV não é crime e, portanto, não há do que me envergonhar. Eu contraí HIV pela via sexual. Eu fui um DJ e, durante cinco anos fui DJ no vagão Plaza e durante uns outros dois fui DJ do Le Masque. Lá, um filho da puta me pediu para fazer minhas férias e puxou meu tapete. Aí fui parar na "Segredos", uma casa gay e, de quebra, morei lá por um tempo. Rua da Amargura, onde R.A. Gomes me colocou. Mas dei a volta por cima e fu trabalhar na SKY. Depois, na Pink Panther, em Santos e, enfim, na XEQUE Mate e, terminei minha carreira, aquele que fora três vezes considerado o Melhor DJ de São Paulo, como um apagado DJ do La Concorde e do Clube de Paris, onde conheci uma das mais belas mulheres com quem convivi e a perdi. Conheci alguém novo, uma mulher, "do dia", que me apresentou esta Entidade, o computador e, por muito tempo vivi de consertá-los. Sei, hoje, que ainda há muita gente que me odeia. Quer saber? Get them the hell and fuck off porque eu não dou a mínima. Simplesmente faço meu trabalho e me reporto a Deus... E pra quem não acredita em resiliência, eis meu histórico médico De acordo com o que preceitua o Código de Ética Médica, nos termos da legislação vigente e de conformidade com o pedido formulado pelo interessado, declaro que o Sr Cláudio Santos de Souza, matrícula no serviço sob registro RG3256664J, está em acompanhamento regular com seguintes diagnósticos/CID-10 até o presente momento: #HIV/Aids diagnóstico em 11/1996 (B24) #Candidíase oral 1996 (B20.4) #lnfecção latente tuberculosa tratada com Isoniazida em 1997 (Z20.1) #Arritmia cardíaca: bloqueio parcial ramo D/bradicardia sinusal por antidepressivos tricíclicos em 2006 (I49.9/R00.1) #Depressão (F32) Dislipidemia (E78.5) Diabetes (E14.) Obesidade (E66.) #PO tardio de gastroplastia redutora (técnica Capella 10/2011) #Embolia Pulmonar (126.) em 2011 + hipertensão pulmonar #HAS (110) controlada após cirurgia bariátrica Catarata (H26.9) #Sífilis (A51.0) gonorréia (A54.0), herpes genital (A60) Litíase vesicular (K80.5) #Trombose venosa profunda/tromboflebite MMII de repetição (182.9): 2008, 2009 e 2010 #lntervenção cirúrgica em 21/01/2013: de herniorrafia incisional abdominal, apendicectomia, colecistectomia #Herpes zoster ramo oftálmico 04/2015 (B02) 2 # Neuropatia periférica em membros superiores e inferiores (G62.9), acarretando fraqueza muscular, parestesias e dor, medicado e em seguimento pela equipe de dor #Angioma cavernoso cerebelar - em seguimento com neurologia Tratamento: TDF+3TC+ATVr, ezetimibe, alopurinol, AAS, atorvastatina, enoxaparina, clomipramina, risperidona, zolpidem, clorpromazina, flunitrazepam, gabapentina, amitriptilina, metadona Últimos exames: CD4=1070 (28%)/CD8=1597 rel=0,67 (08/03/2015) e Carga viral- HIV(PCR)

Seu retorno é importante. Nós atendemos às solicitações de textos, desde que ligados ao tema central de alguma forma. Faça seu comentário, de sua opnião

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: