Anúncios
News Ticker

Sete coisas que as pessoas com HIV precisam saber sobre as estatinas, LDL e a saúde do coração

Pessoal, manter o site nos traz custos, custos estes que estão difíceis para arcarmos sozinhos. Nós queremos continuar trazendo informações e ajudando as pessoas que chegam até aqui, mas para isso também precisamos de ajuda. Qualquer valor é bem vindo e nos ajudará a manter o site de pé, caso contrário não conseguiremos mais ter esse canal de informação e ajuda mútua. Segue a conta para depósito: Banco do Brasil, agência 1521-0, conta corrente 19957-5, em nome de Claudio Souza
colesterol obstruindo artéria parcialmente Placa de colesterol em artéria

Células sanguíneas e coraçãoA maioria das pessoas tiveram um teste sanguíneo chamado de “painel” lipídico feito quando eles passaram em consulta com seu médico. Você já se perguntou por que razão o seu faz estes testes e o que eles procuram? E se você já está tomando uma droga como Lipitor, você sabia que além de reduzir o seu colesterol, pode também ser prevenir o câncer? Vivek Jain, MD, mas, professor assistente de medicina na divisão de HIV/AIDS no Hospital Geral de São Francisco, compartilhou a sua experiência sobre colesterol LDL, estatinas e a pesquisa mais recente sobre a saúde do coração para as pessoas que vivem com HIV em uma recente rodadas de apresentação no Grand Hospital Geral de São Francisco HIV/AIDS. Aqui está o que aprendemos.

 

O que é o colesterol é e por que razão é muito mau

 

O colesterol é uma substância produzida pelas células do nosso organismo que nos ajudar a fazer coisas como digerir alimentos e fabricar hormônios e vitamina D. Também ingerimos colesterol em alguns alimentos que comemos. Geralmente, precisamos de colesterol, mas consumi-lo em demasiado ter altos índices dele no sangue pode ser prejudicial porque pode causar acúmulo de placa dentro de nossas artérias (uma condição chamada aterosclerose), o que pode levar a ataques cardíacos ou acidentes vasculares cerebrais.

 

Sobre drogas estatina e quem deve tomar

 

As pessoas recebem prescrições de medicamentos à base de estatinas para baixar os níveis de colesterol no sangue. (Uma dieta mais saudável e exercícios físicos podem reduzir os níveis de colesterol.) Os mais comumente prescritos as estatinas são Lipitor (atorvastatina), Pravachol (pravastatina e rosuvastatina Crestor ().

Prestadores de serviços tem se utilizado para decidir se querem ou não que uma pessoa deva tomar estatinas baseado o seu nível de colesterol de lipoproteína de baixa densidade (LDL) – partículas que fazem o transporte de moléculas de gordura para as células e que levam à construção de colesterol nas artérias. As diretrizes mais recentes dizem que as estatinas são recomendadas, com base no fato de uma pessoa estar correndo um risco previsível de eventos cardiovasculares (como ataque cardíaco ou derrame cerebral -AVC).

 

avc-remocao-placa-300x240

 

“No final de 2013, a nova Associação Americana do Coração e o Colégio Americano de Cardiologia a nova diretriz saiu. Você obtém um escore de predição do risco “global”, que dá a você um a dez anos de risco de um evento cardiovascular. As estatinas são recomendadas quando o risco de dez anos é mais de 7,5%, e é considerável quando o risco está entre 5% e 7,5%”, disse Jain. “[Médicos] ainda precisam de análise clínica, [para decidir se quer ou não uma pessoa deve tomar uma estatina], mas estamos tentando ficar longe de metas de LDL e avançar em direção a objetivos de risco”.

 

A diferença na forma como bem estatinas trabalho para pessoas com HIV

 

“Estudos mostram que as estatinas funcionam muito bem e que eles são muito potente para HIV-negativos [pessoas]. Eles realmente reduzir os níveis de LDL no plasma de forma confiável na maioria dos pacientes”, disse Jain. Mas eles funcionam bem para as pessoas que vivem com o HIV?

 

Um estudo sobre pesoas tomando estatinas, incluindo 616 pessoas vivendo com HIV e 5.451 pessoas que eram HIV negativos, encontraram uma diferença significativa na porcentagem de redução do LDL entre as pessoas HIV positivas (25,6%) e HIV pessoas negativas (28,3%). As estatinas foram mais eficazes em pessoas que eram HIV negativas e a diferença no presente estudo entre pacientes HIV negativos e HIV positivos foi estatisticamente significante, explicou Jain.

 

Esta lacuna fechada, todavia, para as pessoas com HIV em uso de atorvastatina – a estatina mais freqüentemente e a mais potente, prescrita que sofreram uma queda nos níveis de LDL que não foi significativamente diferente da descida observada pelas pessoas HIV negativas. “A mensagem geral é que nossos pacientes obtém uma queda similar no LDL em comparação com pacientes HIV negativos, assim não há uma questão com que se preocupar”, disse Jain.

 

As estatinas reduzem a probabilidade de morte

 

Há poucos estudos que analisaram a questão de saber se as estatinas são ou não capazes de evitar a mortalidade cardíaca e morbidade. “Esta é toda a razão que temos para começar com a prescrição de estatinas”, disse Jain.A preocupar, disse ele, é que o aumento da inflamação causada pelo HIV-mesmo com sucesso da TARV aumenta o risco de doença cardíaca e morte. Mas mesmo que as estatinas reduzam os lipídios, pesquisadores se perguntam se o excesso de inflamação impede que as estatinas de reduzir efetivamente a mortalidade.

Eu costumo dizer que, "ao longo da vida, morri mil mortes". E, de fato, creio que já ultrapassei esta cifra e não consigo deslindar, em vaticínios, quantas mortes eu viverei (...) até que chegeu, por acréscimo de misericórdia, a morte do carro físico. O fato é que toda a vez que posto um texto que se refere aos danos que o HIV causa ao cérebro e à rede neural, eu milito em causa própria, posto que, desde o início, quando mminha infecção primária por HIv configurou-se numa meningite, ele, o vírus, tem atuado de forma paulatina e silenciosa no meu cérbro (eu vejo minha lucidez esvaindo-se a pouco e pouco) e na minha rede neural (...) e Deus sabe o nível de concentração que é necessário para que eu não cometa erros de digitação, para que eu não perca o fio da meada em meus raciocínios e o quanto eu sofro com s dores, físicas e morais, da Neuroparia Periférica quem me corroi o sistema nervoso. Entretanto, apesar dos pesares, e de ter morrido tantas vezes, eu gosto de pensar que a morte do carro físico venha como esa da ilustração, envidando esforços hercúleos para me alcançar, arrastando-se como uma lesma, travestida de caracol....

Eu costumo dizer que, “ao longo da vida, morri mil mortes”. E, de fato, creio que já ultrapassei esta cifra e não consigo deslindar, em vaticínios, quantas mortes eu viverei (…) até que chegue, por acréscimo de misericórdia, a morte do carro físico. O fato é que toda a vez que posto um texto que se refere aos danos que o HIV causa ao cérebro e à rede neural, eu milito em causa própria, posto que, desde o início, quando mminha infecção primária por HIv configurou-se numa meningite, ele, o vírus, tem atuado de forma paulatina e silenciosa no meu cérbro (eu vejo minha lucidez esvaindo-se a pouco e pouco) e na minha rede neural (…) e Deus sabe o nível de concentração que é necessário para que eu não cometa erros de digitação, para que eu não perca o fio da meada em meus raciocínios e o quanto eu sofro com s dores, físicas e morais, da Neuroparia Periférica quem me corroi o sistema nervoso. Entretanto, apesar dos pesares, e de ter morrido tantas vezes, eu gosto de pensar que a morte do carro físico venha como esa da ilustração, envidando esforços hercúleos para me alcançar, arrastando-se como uma lesma, travestida de caracol….

 

Ele apontou para um estudo por Moore and colleagues que incluiu 1.538 pessoas com HIV que tinham cargas virais suprimidas ao nível de indetectáveis, e e os acompanharam entre 1998 e 2009. Durante esse tempo, houve 85 mortes de 7 pessoas que estavam tomando uma estatina e 78 pessoas que não estavam tendo uma estatina. Os pesquisadores estimaram que a estatina reduziu a chance de morte por 67%.

Em um estudo mais amplo, por Drechsler e colegas, com 25.000 veteranos encontraram uma pequena redução no risco de morte com o uso de estatinas em torno de 5% a 10%. Um terceiro estudo, por Overton e colegas, com mais de 3.500 pacientes, encontraram um risco reduzido de morte, embora o impacto das estatinas sobre a mortalidade não tenha sido estatisticamente significante em sua análise.

“Em geral, gostaria de dizer que os elementos de prova de que as estatinas reduzem a mortalidade não tem sido tão claros para as pessoas que vivem com o HIV do que tem sido para as pessoas HIV-negativas. Mas não parecem ser uma tendência mostrando uma redução na mortalidade com o uso de estatinas”, disse ele.

As estatinas reduzem o risco de câncer

 

“Além de interferir com o metabolismo do colesterol, estatinas também são conhecidos como fazer coisas como “prisão da progressão do ciclo celular e induzir a apoptose celular”, que é morte celular programada. Apoptose, conhecida como “morte celular programada”[1] (a definição correta é “morte celular não seguida de autólise”) é um tipo de “autodestruição celular” que ocorre de forma ordenada e demanda energia para a sua execução (diferentemente da necrose). Está relacionada com a manutenção da homeostase e com a regulação fisiológica do tamanho dos tecidos[2] , mas pode também ser causada por um estímulo patológico (como a lesão ao DNA celular)[2] . O termo é derivado do grego, que se referia à queda das folhas das árvores no outono[3] – um exemplo de morte programada fisiológica e apropriada que também implica renovação. Saiba mais em Apoptose Celular

Estas duas coisas são, na sua essência, o oposto do que acontece no câncer”, disse Jain.

Em outras palavras, estatinas pode evitar a formação de células cancerosas e pode ajudar a eliminar células cancerosas que crescem desmarcadas para a apoptose, o que deveria ter sido feito por uma célular “T-Killer”.

cancer_de_mama-300x238

Jain discutidos os resultados de um estudo realizado pelo Galli and colleagues que incluiu mais de 5 mil pessoas que vivem com o HIV e a um período de seguimento de mais de dez anos. O estudo descobriu que as pessoas sob prescrições de estatinas foram menos propensas a desenvolver câncer: pessoas que faziam uso de estatinas tiberam uma experiência relacionada ao câncerem uma taxa de 5,4 eventos por 1.000 pessoas-ano, e as pessoas não em uso de estatinas câncer experientes a uma taxa de 7,2 eventos por 1.000 pessoas-ano. Em geral, o uso de estatinas foi estimado para reduzir o risco de câncer por 41%.

 

Desvantagens para o potencial de estatinas

 

Como com qualquer medicação, há sempre o risco de efeitos colaterais. Algumas pessoas sobre as estatinas têm experimentado efeitos colaterais na parte cognitiva como a confusão e o esquecimento, embora até agora isso não tenha sido bem documentado ou categorizado.

 

O risco de desenvolvimento de diabetes pode aumentar em uso de estatinas.

O diabetes pode, sim, ser uma conseqüência da infecção pór HIV, especialmente quando a pessoa está em tratamento para o HIV e usa antirretrovirais. Alguns deles podem levar, em pessoas predispostas orgânicamente, a uma resistência periférica à insulina. Eu vivi este quadro quando, Deus sabe o porquê, comecei a comer como um elefante e meu peso subiu como um condor. Felizmente eu fiz uma gastroplastia (redução de estômafo) e com a diminuição da fome, alterações no apetite e nos hábitos alimentares e num padrão de vida mais saudável, minha glicemia baixou e a média dela em exames de sangue é de 73; assim eu pude, inclusive, parar remédios que eu usava para controlar a glicemia. Nada é impossivel. Eu fiz a cirurgia com um peso de 147 Kg e,hoje, três anos depois, meu peso oscila entre 89.5 e 92. Vis pacem para belum

O diabetes pode, sim, ser uma conseqüência da infecção pór HIV, especialmente quando a pessoa está em tratamento para o HIV e usa antirretrovirais. Alguns deles podem levar, em pessoas predispostas orgânicamente, a uma resistência periférica à insulina. Eu vivi este quadro quando, Deus sabe o porquê, comecei a comer como um elefante e meu peso subiu como um condor. Felizmente eu fiz uma gastroplastia (redução de estômafo) e com a diminuição da fome, alterações no apetite e nos hábitos alimentares e num padrão de vida mais saudável, minha glicemia baixou e a média dela em exames de sangue é de 73; assim eu pude, inclusive, parar remédios que eu usava para controlar a glicemia. Nada é impossivel. Eu fiz a cirurgia com um peso de 147 Kg e,hoje, três anos depois, meu peso oscila entre 89.5 e 92. Vis pacem para belum

“Eu acho que não é muito provável um pequeno, 5% a 10% a elevação no risco de diabetes com o uso de estatinas. Não é claro se é específico a uma estatina ou outra – nós não sabemos ainda”, disse Jain. As pessoas não deveriam parar ou descartar as estatinas porquê o de risco de diabetes existe, disse ele, mas os fornecedores precisam estar conscientes deste risco e acompanhar com rigor os níveis de açúcar no sangue em pessoas tomando uma estatina.

 

Novas pesquisas relacionadas ao colesterol e a saúde do coração para as pessoas que vivem com HIV

 

Novos tipos de drogas hipolipemiantes são chamados inibidores PCSK9. “PCSK9 inibidores são uma incrível história de triunfo da ciência básica sobre doença”, disse Jain.

cor

 

Agora, existem duas drogas aprovadas pela FDA: Praluent (alirocumab) e Repatha (evolocumab). Eles têm mostrado para reduzir drasticamente os níveis de LDL em pacientes HIV negativos que as tomam. Estudos com pessoas que vivem com HIV estão em curso. Até agora, um estudo (publicação pendente) examinou seis pessoas com HIV tendo evolocumab e demonstrado que há uma grande redução do LDL com o tratamento. Mas tem de haver mais investigação para descobrir se isso é verdade em estudos com mais pessoas a longo prazo e se há também a redução  do risco de eventos cardiovasculares e óbitos com esses medicamentos.

 

March 31, 2016, Por Emily Newman

Traduzido por Cláudio Souza do Original em Inglês em: 7 things people with HIV need to know about statins, LDL & heart health por

Cláudio Souza

Cláudio Souza - Soropositivo desde 1994

That is the psico-killer face

 

 

 

 

 

 

 

 

Revisão por  Mara Macedo

mara

Anúncios

Olha só pessoal.

No início do post tem uma imagem com um texto falando sobre o trabalho e os custos que a gente tem. Você que está me lendo agora, pode e tem o direito de não acreditar.

No mês de mais, quando mais de quarenta mil visitas foram registradas, houve três cooperações.

Quando nós pedimos cooperação financeira, qualquer valor é bom.

Sabe, o beija-flor pode carregar uma diminuta gota d’água em seu bico, no afã de apagar o incêndio na floresta….

E nunca será insuficiente 😊

Está conta serve para transferências de qualquer banco ou depósitos na boca do caixa de qualquer agência do Santander

Esta conta não permite, senhores abusadores, que seja feito nada a título de débito nela.

Você não poderá, como já pôde, assinar 65 revistas de uma só editora e, muito menos abrir contas de acesso à Internet 🙂

Precisa conversar

Whats App Soropositivo.Org

Estamos aqui para ajudar a pensar, não para diagnosticar. Não somos médicos ou profisionais de saúde. Buscamos ajudar com palavras amigas, conforto espiritual e, na medida do possível, terminar com a neurose gerada por bloqueiros de meia pataca ou homofóbicos sem caráter que não pensam duas vezes antes de espalhar terros entre pessoas que, quer eles, os homofóbicos, queiram ou não, são seres humanos. Tenha em mente que o numero do WhatsApp esta conectado a um CPF

A PEP é um direito de todos! Saiba onde a achar

A PEP é um direito de Todos

A PEP É um DIREITO DEDOS

[EIKYGMrz]

Top Blog Pessoal Saúde Juri Acadêmico 2013/2014

Top Blog Pessoal Saúde Juri Acadêmico
%d blogueiros gostam disto: