Anúncios
Últimas noticias

Reduzir o número de visitas ao ambulatório pode melhorar a retenção dos pacientes à clínica de cuidados à infecção por HIV

Swaziland flag butterfly flying, isolated on white background

MSFIntervenções que reduzam a necessidade de as pessoas visitarem clínicas médicas com demasiada frequência estão se provando altamente bem-sucedidas na retenção de pessoas em cuidados e apoio a adesão à terapia antirretroviral (TARV) na África Austral, conforme foi ouvido na 21st International AIDS Conference (AIDS 2016) durante a semana passada.

Medidas destinadas a reduzir o ônus da procura pelos cuidados com a saúde também são cruciais para melhorar a capacidade dos sistemas de saúde em gerir um número crescente de pacientes, numerosos apresentadores da conferência confirmaram esta prática.

A nova onda de intervenções – descritas como “cuidados diferenciados” em orientações – destinados a reduzir o tempo de espera nas consultas clínicas, e requisitos de monitorização.

Os benefícios para os pacientes incluem um tempo menor de espera em clínicas e viagens para as clínicas, menores despesas do próprio bolso com as despesas de viagem e menos tempo de afastamento do trabalho devido à presença clínica e mais suporte na comunidade para adesão à medicação.

Os benefícios para os serviços de saúde vêm sob a forma de um aumento da capacidade de lidar com o crescimento do número de pacientes, de mais tempo para se concentrar em pacientes com necessidades complexas e melhor retenção de pacientes em tratamento devido ao uso de agentes comunitários de saúde e de outros mecanismos a nível comunitário para apoiar o tratamento.

Em novas orientações emitidas à frente do século Conferência Internacional da SIDA, a Organização Mundial da Saúde instou os programas de tratamento nacional para começar a pensar em termos de fornecer tratamento a quatro diferentes grupos de pacientes e serviços de personalização para cada grupo em conformidade.

msf

Os quatro grupos de pacientes são:

  • Pessoas que apresentam quando recém diagnosticadas: novos pacientes que não terão necessidade de adesão e retenção de apoio como iniciar tratamento e acompanhamento durante os primeiros meses de tratamento.
  • Pessoas com doença avançada: novos pacientes que se apresentam com doença sintomática pelo HIV ou contagens de CD4 abaixo de 200, ou que desenvolvem TB, que precisará de fast-track cuidados clínicos e seguimento mais intensivo.
  • Os pacientes estáveis: pessoas em tratamento por pelo menos um ano com carga viral indetectável, não grávidas ou amamentando.
  • Os pacientes instáveis: pessoas em tratamento com carga viral detectável, que precisam de apoio a adesão, possível segunda ou terceira linha de switches de monitoração para HIV Drug Resistência.

As pessoas podem ser esperadas para a transição de um grupo para outro; na maioria dos casos a partir do “Recém diagnosticados” para a categoria dos “estáveis”.

Uma “abordagem de tamanho único para o cuidado não é mais adequada, disse Gottfried Hirnschall, diretor do programa de prevenção de HIV/AIDS que, apresentando a orientação.

Uma nova abordagem diferenciada é necessário cuidado, afirmou Anna Grimsrud da Sociedade Internacional da SIDA. “Nós não estamos fazendo a manutenção dos cuidados que precisamos, de modo algo está errado para os pacientes. Temos de tratar todos, por isso precisamos de tratar mais pessoas, e a fim de se chegar a 90-90-90 objetivos, precisamos de acelerar”, ela disse a uma conferência pré-satélite reunião de cuidado diferenciado.

Cuidado diferenciado envolve não apenas a mudança de tarefas para novos quadros para o sistema de saúde, tais como trabalhadores de saúde da própria comunidade, mas a assunção de responsabilidade para o gerenciamento de elementos do seu próprio cuidado por grupos de pacientes auto organizados. Esses mecanismos incluem a distribuição de medicamentos por grupos de pacientes, o que pode exigir mudanças nas regras em muitos países.

“Um dos maiores obstáculos ao cuidado diferenciado é regulamentação – regras que digam que essa pessoa não pode fazer isso”, disse Carlos del Rio de Emory University.

seis semestres

A conferência ouviu conclusões sobre um determinado número de modelos de cuidados diferenciados incluindo seis nomeações mensais, clubes de adesão e reabastecimento comunitária de TARV para grupos.

Mas Dr Eric Goemaere do MSF advertiu que serviços comunitários como clubes de adesão são um custo extra. “Clínicas ainda são necessárias para estas práticas”, disse ele, apontando que os clubes de adesão precisam ser entendidos como um mecanismo para a expansão do volume de pacientes tratados e não como um mecanismo de economia de custos.

Atendimentos Semestrais

Uma revisão de um switch para seis nomeações mensais para pacientes clinicamente estáveis no Malawi verificou que a mudança para um sistema de atendimento semestral reduziu atrito de cuidados contra o HIV e economizou 30.000 consultas médicas em um único bairro em 2014. Médicos Sem Fronteiras comutaram de a partir de consultas mensais ou trimestrais para nomeações semestrais em face a pacientes clinicamente estáveis no seu programa de tratamento no distrito de Chiradzulu desde 2008. Pacientes obtidos a recarga de droga para a TARV a cada três meses. O programa fornece cuidados para cerca de 35.000 pacientes, 95% dos quais estão agora sob TARV.

A análise incidiu em desfechos entre 24,802 pacientes em tratamento desde 2008 que eram elegíveis para frequências semestrais, das quais 18% não tem a opção de serem menos frequentes às consultas ambulatoriais. Aqueles que não se inscreveram foram significativamente mais propensos a irem a óbito ou perderem seus seguimentos a (odds ratio ajustado 3,09, 95% IC 2.47-3.87) possivelmente uma indicação de que eles foram considerados inadequados para comutação para consultas clínicas menos frequentes, apesar de estarem 250464clinicamente estáveis. Em geral, apenas 3% daqueles que foram posteri25252525ormente arrolados em consultas semestrais perderam suas, comparadas aos 35% de pessoas nunca inscritos.

Como para compromissos salvos, a análise mostrou que um agendamento semestral só começou a ter um impacto substancial sobre o número total de atendimentos médicos em 2014, o primeiro ano em que as visitas ao médico diminuíram substancialmente. Apresentaram os resultados, Alison Wringe da Escola de Higiene e Medicina Tropical de Londres disse que a implantação um sistema semestral havia sido relativamente lento, mas era esperado a aceleração, com a introdução de uma rotina de monitoramento de carga viral. (Wringe)

Visitas clínicas simplificadas

O estudo de pesquisa da comunidade de testes baseados em articulação e acelerados para cuidados e tratamento de todos os verificou que o seu modelo de atendimento ambulatório simplificada resultou em visitas de paciente substancialmente mais curtos – em média, cerca de uma hora a menos e que tanto tempo de espera reduzido e reduzido tempo de consulta clínica explicou essa diferença.

“Ninguém gosta de esperar e nestas comunidades, os pacientes podem esperar até quatro a cinco horas para ver um médico por cinco minutos”, disse Starley B. Shadow da Universidade de San Francisco Califórnia, um membro da equipe de estudo da pesquisa. A antecipação de períodos de espera tão longos pode dissuadir os pacientes de ir à clínica, especialmente quando se trata do risco de uma perda de rendimentos.

A estudo SEARCH utilizou um sistema de cuidados simplificado nas suas intervenções europeias em Uganda e Quênia em que os enfermeiros realizam a triagem dos pacientes na chegada no ambulatório, direcionando os pacientes pela coleta de sangue para exames, compromissos médico e visitas de reabastecimento farmacológico. O estudo incluiu um elemento de movimento e em que os pacientes receberam um formulário para efetuar, durante a sua consulta na clínica, a que horas se dava o início e término de cada encontro com um médico fosse registrado. Os pesquisadores compararam os tempos de espera e toda a visita clínica para a intervenção clínica (353 pacientes) e clínicas governamentais (745 pacientes) fornecendo serviços de nível padrão de cuidados para o braço de controle no estudo. Eles encontraram uma média de visita de 1,08 horas de duração para aqueles com contagens de CD4 acima de 500 e 1,13 horas para aqueles com contagens de CD4 abaixo de 500 em clínicas de intervenção, comparado com uma média de 2,35 horas em clínicas governamentais, das quais mais de duas horas foram gastas em espera, com o maior tempo de espera para o serviço de atendimento clínico e de recepção da medicação. Um quarto dos pacientes em clínicas do governo gastou mais de 3 horas no ambulatório.

A racionalização do modelo de atenção aos agentes de clínica liberados de ver pacientes que não necessitavam de atenção clínica também reduziu o número total de consultas do paciente a cada data devido a um melhor planeamento dos compromissos clínicos.

Fornecimento comunitário da TARV

Na Suazilândia está extremamente alta a prevalência do HIV (31%), mas muitas pessoas que precisam de TARV ainda estão sem tratamento. Expandindo a capacidade do sistema de saúde para fornecer tratamento antirretroviral neste país vivem, em regiões majoritariamente rurais e exigirá uma mudança para os cuidados de saúde em base comunitária. MSF implementou um programa piloto na Suazilândia para avaliar o sucesso de mover os pacientes clinicamente estáveis sob TARV para modelos de cuidados comunitários em 2015-2016. (Lukhele)

A pacientes em diferentes tipos de instalações foram dadas a opção de moverem-se para diferentes tipos de cuidados comunitários, a todos se ofereceu uma quantidade reduzida de visitas clínicas:

  • Instalação de adesão com base em clubes (três meses), onde cerca de trinta pacientes recebiam assistência para pegar medicação pré-embalados. A coleta de sangue para contagem de carga viral e análise clinica era feita no mesmo dia.
  • Os grupos de TARV comunitária tinham em torno de 6 pacientes e eram grupos autoformados pelos pacientes, em instalações rurais em que se revezam para coletar a medicação e participar das sessões de grupo clínico; o dia seguinte envolvia a retirada de medicação, contagem de comprimidos, apoio à adesão e verificação de peso corporal.
  • Serviço de longo alcance para zonas muito remotas, onde a medicação pré-embalada é entregue mensalmente.
HIV, VIH

Ilustração digital tridimensional do HIV

Até ao final do segundo trimestre de 2016, 727 pacientes tinham sido inscritos nos programas de TARV comunitária, 40% em nove clubes de aderência, 46% em 60 grupos de TARV comunitária e 14% em três comunidades de alcance remoto.

Pacientes em cada grupo teve uma contagem de células CD4 acima de 500 e tinha estado sob a TARV por mais de cinco anos. Visitas presenciais de cada modelo de atendimento foi muito alta: 96% de adesão a estes clubes de alcance comunitário e 100% para grupos de TARV comunitária. Quarenta e um pacientes retornaram ao ambulatório principal; houve maior retenção de pacientes a estes cuidados, e foi significativamente maior propensão a retenção nos clubes de adesão do que na TARV comunitária ou em grupos de cuidados de proximidade.

As principais razões para o regresso a cuidados de ambulatoriais foram uma falta de elegibilidade para cuidados comunitários em primeiro lugar, resultados de testes de carga viral que exigiam atenção clínica incisiva e questões de comunicação dentro do grupo de TARV comunitário.

Na avaliação dos MSF (Médicos Sem Fronteiras) concluiu-se que a gestão comunitária de TARV é viável e que a comunidade de profissionais de saúde e os leigos têm um papel importante a desempenhar no estabelecimento e gerenciamento desses serviços. Oferecendo mais do que um modelo através de um mecanismo susceptível a melhorar a aceitação.

Mais informações

Download the presentation slides from the conference website

Anúncios

A PEP é um direito de todos! Saiba onde a achar

A PEP é um direito de Todos

A PEP É um DIREITO DEDOS

Precisa conversar

Whats App Soropositivo.Org

Estamos aqui para ajudar a pensar, não para diagnosticar. Não somos médicos ou profisionais de saúde. Buscamos ajudar com palavras amigas, conforto espiritual e, na medida do possível, terminar com a neurose gerada por bloqueiros de meia pataca ou homofóbicos sem caráter que não pensam duas vezes antes de espalhar terros entre pessoas que, quer eles, os homofóbicos, queiram ou não, são seres humanos. Tenha em mente que o numero do WhatsApp esta conectado a um CPF

[EIKYGMrz]

Top Blog Pessoal Saúde Juri Acadêmico 2013/2014

Top Blog Pessoal Saúde Juri Acadêmico
Sobre Claudio Santos (515 artigos)
Depois de passar quatro décadas tentando estabelecer pelo menos um armistício com meu pai e ver as falhas ocorrerem sistematicamente, tentativa após tentativa, eu desisti do sobrenome “de Souza”. Estava me preparando espiritualmente para isso quando uma amiga locupletou a façanha de descobrir onde está minha mãe... Cláudio Santos. Quem preferir, aluda-se a mim como o Cláudio do Site,ou Cláudio do Soropositivo.Org, ou ainda aquele da promessa não cumprida: Cláudio, o trouxa do livro que acreditou em "palavra emprenhada". Eu mostro meu rosto, embora alguns me censurem, porque, no meu modesto ponto de vista, ser portador de HIV não é crime e, portanto, não há do que me envergonhar. Eu contraí HIV pela via sexual. Eu fui um DJ e, durante cinco anos fui DJ no vagão Plaza e durante uns outros dois fui DJ do Le Masque. Lá, um filho da puta me pediu para fazer minhas férias e puxou meu tapete. Aí fui parar na "Segredos", uma casa gay e, de quebra, morei lá por um tempo. Rua da Amargura, onde R.A. Gomes me colocou. Mas dei a volta por cima e fu trabalhar na SKY. Depois, na Pink Panther, em Santos e, enfim, na XEQUE Mate e, terminei minha carreira, aquele que fora três vezes considerado o Melhor DJ de São Paulo, como um apagado DJ do La Concorde e do Clube de Paris, onde conheci uma das mais belas mulheres com quem convivi e a perdi. Conheci alguém novo, uma mulher, "do dia", que me apresentou esta Entidade, o computador e, por muito tempo vivi de consertá-los. Sei, hoje, que ainda há muita gente que me odeia. Quer saber? Get them the hell and fuck off porque eu não dou a mínima. Simplesmente faço meu trabalho e me reporto a Deus... E pra quem não acredita em resiliência, eis meu histórico médico De acordo com o que preceitua o Código de Ética Médica, nos termos da legislação vigente e de conformidade com o pedido formulado pelo interessado, declaro que o Sr Cláudio Santos de Souza, matrícula no serviço sob registro RG3256664J, está em acompanhamento regular com seguintes diagnósticos/CID-10 até o presente momento: #HIV/Aids diagnóstico em 11/1996 (B24) #Candidíase oral 1996 (B20.4) #lnfecção latente tuberculosa tratada com Isoniazida em 1997 (Z20.1) #Arritmia cardíaca: bloqueio parcial ramo D/bradicardia sinusal por antidepressivos tricíclicos em 2006 (I49.9/R00.1) #Depressão (F32) Dislipidemia (E78.5) Diabetes (E14.) Obesidade (E66.) #PO tardio de gastroplastia redutora (técnica Capella 10/2011) #Embolia Pulmonar (126.) em 2011 + hipertensão pulmonar #HAS (110) controlada após cirurgia bariátrica Catarata (H26.9) #Sífilis (A51.0) gonorréia (A54.0), herpes genital (A60) Litíase vesicular (K80.5) #Trombose venosa profunda/tromboflebite MMII de repetição (182.9): 2008, 2009 e 2010 #lntervenção cirúrgica em 21/01/2013: de herniorrafia incisional abdominal, apendicectomia, colecistectomia #Herpes zoster ramo oftálmico 04/2015 (B02) 2 # Neuropatia periférica em membros superiores e inferiores (G62.9), acarretando fraqueza muscular, parestesias e dor, medicado e em seguimento pela equipe de dor #Angioma cavernoso cerebelar - em seguimento com neurologia Tratamento: TDF+3TC+ATVr, ezetimibe, alopurinol, AAS, atorvastatina, enoxaparina, clomipramina, risperidona, zolpidem, clorpromazina, flunitrazepam, gabapentina, amitriptilina, metadona Últimos exames: CD4=1070 (28%)/CD8=1597 rel=0,67 (08/03/2015) e Carga viral- HIV(PCR)

Seu retorno é importante. Nós atendemos às solicitações de textos, desde que ligados ao tema central de alguma forma. Faça seu comentário, de sua opnião

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: