Últimas

Má Função renal associada com aumento de risco cardiovascular para pessoas com HIV

Estrutura dos rins, um importnte “filtro” que libera nosso sangue das toxinas que nós geramos ou ingerimos quando bebemos bebidas alcoólicas e outras coisas. Lembrando, sempre, que o mal não é o uso e, sim, o abuso…

Comprometimento renal está associado com um risco aumentado de doença cardiovascular (DCV) em indivíduos HIV positivos, de acordo com dados de um grande estudo de coorte observacional publicado na edição online do Jornal de doenças infecciosas.No prazo de cinco anos de seguimento, mais de um quinto das pessoas com função renal severamente prejudicada desenvolveu doença cardiovascular em comparação com menos de 2% dos indivíduos com função renal normal. Mesmo tendo em conta a idade e os efeitos colaterais dos medicamentos antirretrovirais, a função renal severamente prejudicada permaneceu associada à doença cardiovascular, com aumento das taxas entre 30 e 40%.

“Neste grande e heterogéneo coorte de indivíduos HIV positivos encontramos uma forte associação entre eventos cardiovasculares e centralmente adjudicados níveis avançados de comprometimento renal, escrevem os autores. “As altas taxas de DCV observadas em indivíduos mais velhos com comprometimento renal leve a moderada e realçar a necessidade de intensificar o acompanhamento e a busca de medidas profiláticas eficazes para combater e evitar a piora da função renal e a consequente DCV no envelhecimento da população soropositiva”.

A relação entre a piora da função renal e doença cardiovascular é bem estabelecida na população em geral. No entanto, estudos para analisar a relação entre o RIM e doenças cardiovasculares em pessoas vivendo com HIV têm tendência para ser pequenos e a relação entre a taxa de filtração glomerular estimada (eGFR) – um marcador da função renal – e a doença cardiovascular tem sido pouco explorada.

Para remediar esta lacuna do conhecimento, os investigadores de recolha de dados sobre os eventos adversos de drogas anti-HIV criaram o (D:A:D), um estudo, concebido a partir de um subestudo, para determinar a relação entre a avaliação da função renal pelo eGFR e a doença cardiovascular. O estudo D:A:D envolve onze grandes coortes observacionais na América, Europa e Austrália.

As pessoas que tinham pelo menos duas medições eGFR entre 2004 e 2015 eram elegíveis para inclusão. A doença cardiovascular foi definida como validada se fosse ataque cardíaco, acidente vascular cerebral, procedimentos cardiovasculares invasivos ou morte súbita cardíaca.

A população do estudo foi composta por cerca de 35,357 indivíduos. Eles eram predominantemente brancos (48%), sexo masculino (74%) e a média de idade no momento basal foi de 41 anos.
Houve uma prevalência razoavelmente elevada de fatores de risco cardiovasculares: 42% eram tabagistas, 4% tinham diabetes, 9% hipertensão e um pouco menos de 1% tiveram um evento cardiovascular anterior. A linha média global de cinco anos de risco de doença renal crônica foi de apenas 0,3%, e a mediana do risco de um evento cardiovascular foi de 2%.

Houve uma relação clara na linha de entre a idade e a função renal. Dos participantes com idade inferior a 40 anos, 87% (n = 13,660) tinha normal (eGFR > 90 ml/min/1,73m2) basal de função renal e apenas 0,04% apresentavam comprometimento renal avançado (eGFR < 30/min/1,73 m2). Em contraste, somente 16% dos participantes com idade entre 60 e mais apresentaram função renal normal no momento basal e 0,8% confirmou comprometimento renal avançado. Os indivíduos foram acompanhados por um período médio de oito anos. Durante este tempo, 1357 pessoas experimentaram 1646 eventos cardiovasculares, uma incidência de 5,2 por 1000 pessoas-ano de seguimento.

A média de eGFR antes de um evento de doença cardiovascular foi significativamente menor (eGFR 85ml/min/1,73m2) em pessoas que vivem em um evento em comparação com aqueles que corpermaneceram livres de eventos (eGFR 94ml/min/1,73m2). Houve uma relação clara entre os níveis basais eGFR e incidente de doença cardiovascular eventos. Ao longo de cinco anos de seguimento, 2% das pessoas com eGFR acima de 90 ml/min/1,73m2 apresentou um evento, aumentando para 4% daqueles com eGFR entre 90 ml/min/1,73m2, 11% daqueles com níveis basais de eGFR entre 30-60 ml/min/1,73m2 e 21% dos indivíduos com uma linha de tfge abaixo de 30 ml/min/1,73m2. Na análise inicial houve uma forte relação entre a piora da baseline da eGRF e o risco de doença cardiovascular, a taxa de incidência (IRR) aumentando de 1,00 na tfge > 90 ml/min/1,73m2 para 14.09 no eGFR < 30ml/min/1,73m2. No entanto, o ajuste para idade explicou a maioria das relações entre eGFR e o risco cardiovascular na tfge os níveis acima de 30ml/min/1,73m2.

No entanto, todos os níveis de eGRF abaixo de 80ml/min/1,73m2 foram associados com uma maior incidência de doença cardiovascular de aproximadamente 30 a 40%. Este achado permaneceu essencialmente inalterado após o ajuste para uso de drogas anti-HIV associado com piora da função renal. Ajuste para o escore de risco de Framingham – dez anos para risco de um evento cardiovascular – explicou algumas das relações entre os atuais eGFR e eventos cardiovasculares, mas não na mesma medida em que a idade isoladamente.

Uma análise mais detalhada mostrou que as pessoas com maior pontuação risco de doença renal em cinco anos tinha um mais de aumento de duas vezes mais nos seus cinco anos de risco de doença cardiovascular, comparado-se a indivíduos com um modesto risco de médio prazo da doença renal (IRR, 2,56, 95% IC, 2,22 95). A proporção de pessoas com um evento cardiovascular que experimentaram um evento cardiovascular fatal foi fortemente relacionado com a atual eGFR pontuação, aumentando a partir de 4% para os indivíduos com uma corrente eGFR > 90 ml/min/1,73m2 a 25% para aqueles com uma corrente eGFR < 30ml/min/1,73m2.

“Em um grande coorte contemporâneo de indivíduos infectados pelo HIV, observamos uma forte relação entre a confirmação da piora da função renal e comprometimento da DCV, concluem os autores. “Nossos achados realçam a necessidade de uma intensificação do controlo dos países emergentes, em especial a DCV em indivíduos mais velhos com baixa continuamente eGFR níveis”.

Traduzido em 23/08/2016 por Claudio Souza do original em Poor kidney function associated with increased cardiovascular risk for people with HIV publicado por Michael Carter em: 18 de Agosto de 2016

Revisado por Mara Macedo
Referência
Ryom L et al . Comprometimento renal e doença cardiovascular em indivíduos HIV positivos; o D:A:D estudo. J infectar Dis, edição on-line, 2016.

 

 

Anúncios
Sobre Claudio Souza do Soropositivo.Org (508 artigos)
😍😍😍😜💫☮Sim, este da foto sou eu ! Minha sobrinha pediu que eu pusesse esta foto m meu perfil !.... Eu tinha aqui uma descrição a meu respeito que, uma pessoa classificou como “irreverente”. Esta é, realmente, uma forma eufêmica de classificar o que estava aqui. Tudo o que sei é que uma “ONG”, que ocupa um prédio de 10 andares estabeleceu uma parceria comigo, e eu tenho os logs do tempo de parceria, que foi mais um vampirismo pois, para cada 150 pessoas que saiam do meu site, clicando no deles, havia, em média, um que entrava. QUANDO ENTRAVA E SE ENTRAVA
Whatsapp WhatsApp Us
%d blogueiros gostam disto: