Anúncios
Últimas noticias

Melhor morrer de “AIDS” ou de “vontAIDS” ?

Cura da AIDS e da infecção por HIV Começa a surgir luz no fim de longo a aparentemente sem fim tunel. A cura está próxima e será resultante de uma abordagem multidisciplinar e multi-terapêutica

pinoquio-aidsEm novembro de 2015, através de uma mensagem de WhatsApp de uma antiga namorada que acabava de descobrir ser soropositiva, meu chão caiu. Uma segunda-feira feliz, dirigindo meu carro voltando do trabalho, primeira noite que dormi na casa de uma nova namorada após um domingo de uma briga e reconciliação.

Aos 27 anos, recebi um alerta de uma coisa que até então eu tirava sarro com o bordão “melhor morrer de AIDS do que de vontAIDS“.

E daí me coloquei a chorar, passando a vida toda, todos os 27 anos no trajeto de 15 minutos que restavam da Dutra até minha casa, em Guarulhos. Sem saber se eu tinha contraído o virus, mas já pedindo a Deus para me livrar disso e também pedindo que ele olhasse por essa pessoa que teve a CORAGEM de me notificar, alertar, liguei para um amigo de infância e passei na casa dele.

Quando ele entrou no carro, cai em lágrimas de desespero, sem conseguir falar sequer uma palavra durante uns 10 minutos enquanto ele, aflito e preocupado, tentava entender o que ocorria. Quando finalmente consegui dizer o que estava se passando, tentou me dar forças, tentando não mostrar desespero e se prontificando a ir comigo no dia seguinte fazer o teste, que até então eu nunca havia feito.

Foi a noite mais longa da minha vida. Chegar em casa, se trancar no quarto e fingir que tudo estava bem, com aquilo tudo passando pela minha cabeça. Comecei a ler sobre HIV, sintomas e tudo mais, e percebi que o que eu sabia sobre o tema era apenas “a morte do CAZUZA” e que o quanto isso é abominado pela sociedade.

[youtube https://www.youtube.com/watch?v=WVbQ-oro7FQ]

Comecei a ver alguns sintomas da infecção que batiam com o que se passava comigo, por diversas vezes despercebido, por ter a mania de invencível, de não ter medo de nada, naquele dia eu tive! Deus me mostrou que eu deveria sim ter medo. E de lá para cá essa palavra vem tornando-se constante em mim.

Gosto de imaginar a mim e à Mara como nesta foto. Em um determinado momento da vida eu cheguei a me questionar sobre isso e quase precipitei fatos... Alguém com muito bom senso me aadujou a ficar "nostrilho e, hoje, mais do que nunca, tenho mais do que certeza que a Mara é a última mulher de minha vida e, se a passagem dela for anterior à mnha, não haverá mais ninguém, pois eu tenho um nível de relacionamento muit bom e, como em uo, na vida, eu bsco sempre o melhor e não seria na vida afetiva que eu faria por menos... Não eu, not me...

Gosto de imaginar a mim e à Mara como nesta foto. Em um determinado momento da vida eu cheguei a me questionar sobre isso e quase precipitei fatos… Alguém com muito bom senso me aadujou a ficar “nostrilho e, hoje, mais do que nunca, tenho mais do que certeza que a Mara é a última mulher de minha vida e, se a passagem dela for anterior à mnha, não haverá mais ninguém, pois eu tenho um nível de relacionamento muit bom e, como em uo, na vida, eu bsco sempre o melhor e não seria na vida afetiva que eu faria por menos… Não eu, not me…

Mesmo em situações que não deveria, ela persiste em me assombrar. No dia seguinte, fui até um posto de saúde e lá estava a minha “sentença”… Dentro do carro, esse amigo tentava me consolar enquanto minha frase mais dita entre as lágrimas era “eu não quero morrer”. Jovem, feliz, “saudável”, sempre sem temer a nada.

De repente, nada disso fazia mais sentido. Nunca vou me esquecer do rosto daquela enfermeira, “bufando” sem saber como me dizer quando em cinco minutos apareceram dois “risquinhos” no meu teste rápido. Como é duro apenas lembrar deste dia…

"Fada Madrinha"... às vezes precisamos de uma. Uma lástima o fato de aminha ter sido uma fOda madrinha

“Fada Madrinha”… às vezes precisamos de uma. Uma lástima o fato de aminha ter sido uma fOda madrinha

E de lá para cá, as lutas são constantes. Em uma semana, evitei ver minha namorada, não dormi, não me alimentei, perdi 7 kg (gritantes para quem já é magro), contei para algumas pessoas da família que me apoiaram de uma forma fantástica.

Minha madrinha, sempre ao meu lado, me levou ao Posto especializado em uma cidade do interior onde ela reside, cuidou de tudo para mim, que não tinha estrutura para nada.

Eu que me achava tão homem, na primeira “batalha” vi o quanto eu não passava de um moleque, cheio de medos. Mas a vida e Deus quiseram que eu me preparasse para isso.

No fds seguinte, fui até a casa da minha namorada, ela já achando que eu estava “putanhando” pois estava estranho a semana toda.

Com a desculpa de que queria apresentar ela a minha madrinha/tia, a levei para essa cidade do interior e ao chegar na frente não são reais, o que faz isso é o sentimento de culpa e sangue se doa, no mínimo, uma vez a cada seis meses e, sem entrar no mérito da relação, sem acusar ninguém de nada, ha espaço,  na minha consciência, para “outras ilações”…,

E de lá para cá, entre muitas brigas e desentendimentos, ficamos juntos. Me tornei indetectável e ela, com CD4 ainda alto e carga viral considerada “baixa” começou também o tratamento com o 3×1, assim como eu.

Dia 13 de junho, descobrimos que ela está gravida. Uma sensação de felicidade e medo, ao mesmo tempo, decidimos nos casar, e dia XX de mês, próximo sábado vamos nos unir.

Em partes, me sinto feliz. Quero ter uma vida nova. Sei que Deus coloca coisas as vezes para mostrar que estamos caminhando errado, que não é a direção certa. Mas não consigo ser mais o mesmo, sempre alegre, confiante, cheio de vida, hoje nada faz mais tanto sentido…

Houve uma época mais difícil, no começo, suspeitei de uma depressão e aparentemente isso seria normal. Porém tento levar a vida. Algumas vezes o assunto HIV vem em nossas conversas, ela sem me dizer claramente, mesmo assim sinto que não consegue aceitar, como me disse essa noite que anda “revoltada” que não consegue aceitar que tem “isso”.

Também não me conformo as vezes. Mas tento aceitar o que estava traçado na minha história, que talvez poderia ter sido diferente, mas infelizmente não foi.

Eu costumo dizer que, "ao longo da vida, morri mil mortes". E, de fato, creio que já ultrapassei esta cifra e não consigo deslindar, em vaticínios, quantas mortes eu viverei (...) até que chegeu, por acréscimo de misericórdia, a morte do carro físico. O fato é que toda a vez que posto um texto que se refere aos danos que o HIV causa ao cérebro e à rede neural, eu milito em causa própria, posto que, desde o início, quando mminha infecção primária por HIv configurou-se numa meningite, ele, o vírus, tem atuado de forma paulatina e silenciosa no meu cérbro (eu vejo minha lucidez esvaindo-se a pouco e pouco) e na minha rede neural (...) e Deus sabe o nível de concentração que é necessário para que eu não cometa erros de digitação, para que eu não perca o fio da meada em meus raciocínios e o quanto eu sofro com s dores, físicas e morais, da Neuroparia Periférica quem me corroi o sistema nervoso. Entretanto, apesar dos pesares, e de ter morrido tantas vezes, eu gosto de pensar que a morte do carro físico venha como esa da ilustração, envidando esforços hercúleos para me alcançar, arrastando-se como uma lesma, travestida de caracol....

Eu costumo dizer que, “ao longo da vida, morri mil mortes”. E, de fato, creio que já ultrapassei esta cifra e não consigo deslindar, em vaticínios, quantas mortes eu viverei (…) até que chegue, por acréscimo de misericórdia, a morte do “carro físico”. O fato é que toda a vez que posto um texto que se refere aos danos que o HIV causa ao cérebro e à rede neural, eu milito em causa própria, posto que, desde o início, quando minha doença oportunista configurou-se numa meningite, ele, o vírus, tem atuado de forma paulatina e silenciosa no meu cérebro (eu vejo minha lucidez esvaindo-se a pouco e pouco) e na minha rede neural (…) e Deus sabe o nível de concentração que é necessário para que eu não cometa erros de digitação, para que eu não perca o fio da meada em meus raciocínios e o quanto eu sofro com s dores, físicas e morais, da Neuropatia Periférica quem me corroí o sistema nervoso. Entretanto, apesar dos pesares, e de ter morrido tantas vezes, eu gosto de pensar que a morte do carro físico venha como essa da ilustração, envidando esforços hercúleos para me alcançar, arrastando-se como uma lesma, travestida de caracol… rs, rs, rs

Luto tanto para ter uma vida normal, e “normal” não se trata de condição de saúde em si, mas de cabeça boa. De ter o prazer de fazer coisas como eu tinha antes. De ver um jogo de futebol, dar risada com amigos ou ter foco no trabalho. Parece que nada mais é importante, tudo se tornou coadjuvante, faço as coisas no automático para não “parar de viver”.

Espero que isso passe, tem dias que são bem próximos dos “normais”, como antes. Sei que não devemos nos vitimar, tem que ir em busca dos sonhos e tudo mais. Mas confesso que o fato de segurar esse “fardo” da sorologia da minha noiva sozinha, às vezes me destrói.

Ela acha que a família não vai entender e eu serei visto como o “assassino”. Entendo ela, respeito também a posição, por conviver talvez eu até concorde. Mas as vezes não ter com quem dividir ou ao menos desabafar sobre essa cruz não é fácil.

Desculpe o desabafo rs. Espero não ter tomado muito o seu tempo e obrigado por partilhar um pouco de suas experiências com leitores.

Deus o abençoe grandemente. Vida longa!

Anúncios

A PEP é um direito de todos! Saiba onde a achar

A PEP é um direito de Todos

A PEP É um DIREITO DEDOS

Precisa conversar

Whats App Soropositivo.Org

Estamos aqui para ajudar a pensar, não para diagnosticar. Não somos médicos ou profisionais de saúde. Buscamos ajudar com palavras amigas, conforto espiritual e, na medida do possível, terminar com a neurose gerada por bloqueiros de meia pataca ou homofóbicos sem caráter que não pensam duas vezes antes de espalhar terros entre pessoas que, quer eles, os homofóbicos, queiram ou não, são seres humanos. Tenha em mente que o numero do WhatsApp esta conectado a um CPF

[EIKYGMrz]

Top Blog Pessoal Saúde Juri Acadêmico 2013/2014

Top Blog Pessoal Saúde Juri Acadêmico
Sobre Claudio Santos (515 artigos)
Depois de passar quatro décadas tentando estabelecer pelo menos um armistício com meu pai e ver as falhas ocorrerem sistematicamente, tentativa após tentativa, eu desisti do sobrenome “de Souza”. Estava me preparando espiritualmente para isso quando uma amiga locupletou a façanha de descobrir onde está minha mãe... Cláudio Santos. Quem preferir, aluda-se a mim como o Cláudio do Site,ou Cláudio do Soropositivo.Org, ou ainda aquele da promessa não cumprida: Cláudio, o trouxa do livro que acreditou em "palavra emprenhada". Eu mostro meu rosto, embora alguns me censurem, porque, no meu modesto ponto de vista, ser portador de HIV não é crime e, portanto, não há do que me envergonhar. Eu contraí HIV pela via sexual. Eu fui um DJ e, durante cinco anos fui DJ no vagão Plaza e durante uns outros dois fui DJ do Le Masque. Lá, um filho da puta me pediu para fazer minhas férias e puxou meu tapete. Aí fui parar na "Segredos", uma casa gay e, de quebra, morei lá por um tempo. Rua da Amargura, onde R.A. Gomes me colocou. Mas dei a volta por cima e fu trabalhar na SKY. Depois, na Pink Panther, em Santos e, enfim, na XEQUE Mate e, terminei minha carreira, aquele que fora três vezes considerado o Melhor DJ de São Paulo, como um apagado DJ do La Concorde e do Clube de Paris, onde conheci uma das mais belas mulheres com quem convivi e a perdi. Conheci alguém novo, uma mulher, "do dia", que me apresentou esta Entidade, o computador e, por muito tempo vivi de consertá-los. Sei, hoje, que ainda há muita gente que me odeia. Quer saber? Get them the hell and fuck off porque eu não dou a mínima. Simplesmente faço meu trabalho e me reporto a Deus... E pra quem não acredita em resiliência, eis meu histórico médico De acordo com o que preceitua o Código de Ética Médica, nos termos da legislação vigente e de conformidade com o pedido formulado pelo interessado, declaro que o Sr Cláudio Santos de Souza, matrícula no serviço sob registro RG3256664J, está em acompanhamento regular com seguintes diagnósticos/CID-10 até o presente momento: #HIV/Aids diagnóstico em 11/1996 (B24) #Candidíase oral 1996 (B20.4) #lnfecção latente tuberculosa tratada com Isoniazida em 1997 (Z20.1) #Arritmia cardíaca: bloqueio parcial ramo D/bradicardia sinusal por antidepressivos tricíclicos em 2006 (I49.9/R00.1) #Depressão (F32) Dislipidemia (E78.5) Diabetes (E14.) Obesidade (E66.) #PO tardio de gastroplastia redutora (técnica Capella 10/2011) #Embolia Pulmonar (126.) em 2011 + hipertensão pulmonar #HAS (110) controlada após cirurgia bariátrica Catarata (H26.9) #Sífilis (A51.0) gonorréia (A54.0), herpes genital (A60) Litíase vesicular (K80.5) #Trombose venosa profunda/tromboflebite MMII de repetição (182.9): 2008, 2009 e 2010 #lntervenção cirúrgica em 21/01/2013: de herniorrafia incisional abdominal, apendicectomia, colecistectomia #Herpes zoster ramo oftálmico 04/2015 (B02) 2 # Neuropatia periférica em membros superiores e inferiores (G62.9), acarretando fraqueza muscular, parestesias e dor, medicado e em seguimento pela equipe de dor #Angioma cavernoso cerebelar - em seguimento com neurologia Tratamento: TDF+3TC+ATVr, ezetimibe, alopurinol, AAS, atorvastatina, enoxaparina, clomipramina, risperidona, zolpidem, clorpromazina, flunitrazepam, gabapentina, amitriptilina, metadona Últimos exames: CD4=1070 (28%)/CD8=1597 rel=0,67 (08/03/2015) e Carga viral- HIV(PCR)

Seu retorno é importante. Nós atendemos às solicitações de textos, desde que ligados ao tema central de alguma forma. Faça seu comentário, de sua opnião

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: