Soropositivo.org HIV, AIDS, Sexo Oral, Janela Imunológica, Recém Diagnosticado?

Sou Soropositivo. Amarilis: “A tal hora de conta”

Você esta em Início ** Histórias de Soropositivos ** Sou Soropositivo. Amarilis: “A tal hora de conta”
?>
Image default
Histórias de Soropositivos

 

Minha história é simples e cor­riqueira. Fui con­tam­in­ada pelo meu ex-mar­ido há oito anos. Sou assin­tomática e só descobri o vírus em 1999.

A sep­aração aconte­ceu em 1992.

Sem Vínculos

Amarilis

Desde então, nunca mais o vi, mesmo porque não tive­mos fil­hos.

Soube que ele andou me rodeando nos idos de 1994, mas, creio eu, não teve cor­agem de se aprox­i­m­ar. Acredito que foi quando descobriu sua sor­o­pos­it­ivid­ade.

Mais tarde, re­cebi um re­cad­inho in­direto, at­ravés de uma amiga que o en­con­trou cas­u­al­mente na rua, para que eu fizesse um ex­ame anti-HIV.

Gostar­ia que ele tivesse me con­ta­do antes, porque as­sim, eu po­der­ia es­tar me tratando há mais tempo.

Tra­balho na área de educação e, há uns três anos, resolvi es­cre­ver um liv­ro sobre pre­venção da AIDS, di­ri­gido a cri­anças em fase pré-escol­ar; lin­guagem lúdica, simples e in­fant­il.

Sempre me colocando na posição de porta­dora. de pessoa soropositivo do HIV

Pesqui­sei, li, estudei muito sobre o as­sunto e es­crevi a história sempre pensando sou soropositivo, era só um exercício mental….. Eu já era e não sabia….

Tomei os maiores e to­dos os cuid­a­dos quanto à redação para não deix­ar nen­hum tipo de “má-in­ter­pretação”, idéia de pre­con­ceito ou dis­crim­inação, sempre val­or­iz­ando a solid­ar­iedade e a cid­adania. O liv­ro foi ped­ago­gica­mente rev­isto e aprovado, e por essa épo­ca, fiz uma cirur­gia simples. Foi quando descobri­ram a minha sor­o­lo­gia, por iro­nia do des­tino.

Meu tra­balho havia apare­cido na minha vida para me pre­parar à minha própria real­id­ade como a pessoa que eu sou, soropositito

Parece que aquele meu tra­balho havia apare­cido na minha vida para me pre­parar à minha própria real­id­ade.

De­pois da minha sep­aração, min­has relações sexuais fo­ram sempre se­gur­as.

Mas – puxa! – como é difícil!

Con­heci, há pou­co tempo, um cara neg­at­ivo… e boooom!

Paixão omediata, e eu sabia: Eu sabia quem de um jeito ou de outra chegaria a tal hora de contar que sou soropositivo

Paixão ime­di­ata, uma loucura, uma vont­ade lou­ca de se ver, de es­tar junto, de se to­car, de se ouvir, aquelas coisas to­das.

A relação foi es­quent­ando até que chegou a “tal hora de con­tar”.

Meu mundo de­s­abou nova­mente como quando descobri o vírus. Foi a minha primeira paixão pós-HIV.

Na hora, ele aceit­ou, disse que não havia prob­lema nen­hum, e aquela balela toda, mas com o cor­rer dos di­as, a distância entre nós foi se tor­nando maior, até que nem nos faláva­mos mais.

Droga de sen­ti­mento de re­jeição.

E es­tou aqui, viva, graças a Deus, um ano de­pois da descoberta, vivendo o mel­hor possível. Assin­tomática, mantenho rig­orosamente meu trata­mento e tra­balho muito p/ pôr em prática pro­je­tos que tenho ini­cia­dos, al­guns ped­agógi­cos, out­ros de minha vida pess­oal.

Am­aryl­lis

Tentando me situar no tempo

Por mais que eu me escorce, eu não consigo situar os fatos com exatidão, no tempo e no espaço.

Eu me lembro ue em 2003, talvez 2004 eu estava, num dia útil, em Santos e quis arreliar com ela.

Bem, eu pus uma bermuda, eu estava em Santos, uma cidade bem conhecida no litoral da Cidade de São Paulo.

Eu só queria arreliar com ela 🙁  

A ideia era simples, era só isso:

-“Enquanto você está aí, trabalhando, ouve este mar? Pois é, eu estou na praia”. Só de onda, depois começaria a conversar com ela, como bons amigos que este texto permitiu…

E o irmão dela atendeu, com péssimas notícias.

Voltamos a São Paulo e a Ideia era eu voltar pra vela, mas eu ainda era o monstro do lago e não dava conta de tudo isso e, quando eu tive forças suficientes para ir vê-la, Telefonei para o irmão dela e, infelizmente ela tinha partido.

O Erro Médico e é inaceitável quando sou soropositivo

Enfim, pelo que eu ainda me lembro, talvez eu não gostasse que eu a visse assim.

Oque me assusta é que eu via a saber que ela estava com “visão duplicada há quase um ano e, Deus sabe como, ela viajava, guiando, para falar om um médico, um patzo maldito que diante de um quadro destes, não de lembrou….

Por que ele não pediu uma maldita ressonância magnética?

O que a matou, foi um linfoma não Hodkins

Anúncios

Artigos Relacionados que você pode gostar de ler

13 Parece que está começando a acontecer um debate por aqui! Participe

Quanto tempo uma pessoa infectada pelo HIV leva para começar a transmitir o vírus? · Soropositivo.Org 10/12/2018 at 06:57

[…] que eles querem, na verdade é saber até quando poderão se relacionar sexualmente com seus pares até se tornarem capazes de transmitir o vírus… Isso porque não se consegue explicar o porquê de terem, sem mais aquela, que passar a […]

E aqui temos esta resposta
Minha Mensagem De Natal A Todos Os Usuários De Soropositivo.Org E Nossa Fanpage — Soropositivo.Org 14/12/2018 at 12:20

[…] os porquês de eu ter poucos amigos. e vejam, eu prefiro que seja assim. Eu tenho trabalhado com este blog desde antes de existir este conceito “blog” . Eu tinha um site. E era “Soropositivo Home Page”. A mera pretensão de ter ali minha página […]

E aqui temos esta resposta
1 2 3

Comente e Socialize-Se. A vida é melhor com amigos!

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

A Automattic, o Wordpress e Soropositivo.Org, fazem tudo a nosso alcance no que tange à sua privacidade.E estamos sempre aprimorando, melhorando, testando e implementando novas tecnologias de proteção de dados. Seus dados estão protegidos e, eu, Cláudio Souza, trabalho neste blog 18 horas or dia para, dentre tantas outras coisas, garantir a segurança de suas informações, posto que sei das implicações e complicações das publicações aqui passadas e trocadas Eu aceito A Política de Privacidade de Soropositivo.Org Conhecer Nossa Política de Privacidade

Whatsapp WhatsApp Us
Precisa Conversar? O Beto Volpe (pesquisem este nome no Google) tem muito a oferecer. Eu, Cláudio, não tenho mais como atender a vocês, numa boa, eu não dou conta de digitar apenas com os indicadores e muitas vezes a conversa toma rumos que, pessoas muitas vezes "só de passagem" poderiam sair daqui se perguntando que espécie de louco sou eu!