As manchetes estão erradas. A Praga como sabemos, não é mais uma Praga. Praga Maior é a Desinformação

keiko-lane
Keiko Lane É um psicanalista e educador em Berkeley, Califórnia. Ela escreve e ensina sobre as intersecções de cultura queer e parentesco, resistência a opressão racial e de gênero justiça, HIV criminalização, justiça reprodutiva e libertação psicologia.

Observação do tradutor a respeito da impossibilidade de se traduzir determinados termos: Estabelecendo um ponto: Queer ou genderqueer é uma palavra-ônibus proveniente do inglês usada para designar pessoas que não seguem o padrão da heterossexualidade ou do binarismo de gênero. O termo é usado para representar gayslésbicasbissexuais e, frequentemente, também as pessoas transgênero ou transexuais, de forma análoga à sigla LGBT.[1][2]

Seu significado inicial pode ser compreendido através da história da criação do termo, inicialmente uma gíria inglesa, que literalmente significa “estranho, talvez ridículo, excêntrico, raro, extraordinário” (mais sobre na Wikipedia)

Desta vez pelo menos a notícia da “cura” veio durante o fim-de-semana, assim eu comprei para Compreender a Ciência e antecipar a gama completa das respostas e sentimentos antes da minha semana começar. Na segunda-feira um cliente perguntou durante a psicoterapia: “Você pôde ver as notícias?”

“Sim, eu vi .” Disse, sabendo exatamente a o que ele estava se referindo. “Como foi para você ver o título?”

“Não é real, é?”

Ele me olhou e depois olhou para fora da janela, já adivinhando a resposta. Eu odeio essas conversas. Este cliente* É uma pensão de sobrevivência a longo prazo do HIV. Ele soropositivo, e um dos poucos sobreviventes do seu círculo familiar escolhido desde os primeiros anos do vírus, antes de antirretrovirais e a primeira possibilidade de sobrevivência. Ele compreende as nuances da pesquisa sobre o HIV, compreende como ler entre as linhas de um retrato sensacionalista dos batedores que escrevem algo falando de “cura” numa fase precoce de um ensaio clínico.

Eis ai um cara que, até o momento, tem dado muita sorte...
Eis ai um cara que, até o momento, tem dado muita sorte…

E, ainda, o impacto de ver em uma manchete a palavra “cura”, algo sobre o que temos fantasiado (Nota do editor: Eu não) por um período tão longo, e deixava-o inicialmente esperançoso e, depois, ilhado em suas próprias lágrimas pelo resto do dia.

Este é o problema com notícias e manchetes que são, na melhor das hipóteses prematuramente comemorativos, demasiadamente simplistas e irresponsáveis e devastadoras na pior e mais realista das hipóteses. Os sobreviventes de longo prazo, tem um desencadeamento de esperanças que traz um tipo particular de trauma, feitos de forma complicada, por sua relação com o luto.

lidando-com-morte-e-luto-perda-de-pessoa

Ironicamente, este ensaio clínico faz uso das pesquisas virológicas da estratégia “chutar e matar”, que é uma metáfora para a definição terrível do processo de disparo de memória traumática. No entanto, diferentemente dá a ideia que, em virologia, se desencadeia o “funcionamento” das reservas virais tornando-as acessíveis ao tratamento que pode atingi-los (o HIV) e destruí-los, a memória não funciona dessa forma.

Nossas memórias, sentimentos e dores não são limitados. Eles não são erradicados através de sua detonação. Somos abatidos por elas, de novo e de novo, de novo e de novo indefinidamente. Nossos traumas e memórias falam-nos do que não desapareceu.

Com o complexo aspecto-cultural difundindo traumas, tais como a vida em tempo de “praga” — não existe mais.

Em Pós-traumática Plague Syndrome, a cada vez que há uma promessa de uma cura, temos uma tremulação da possibilidade de um “depois” (NE: por isso eu não penso em cura… não para mim…). Esperança desencadeia memórias de perdas múltiplas: a perda de entes queridos e a perda de esperanças e visões de uma possível vida posta em causa pela experiência viral.

Aqui viria um anúncio se alguém tivesse coragem o suficiente para ligar o nome de sua empresa a algo que demanda responsabilidade social

Devemos aprender a lidar, para criar estratégias que permita receber as nossas recordações com graça e gratidão a partir de nossas perda e angústias, e para dar um sentido a partir de nossas experiências de forma que reformulamos o futuro: que é fruto do trabalho de psicoterapia. Mas a implacável e antiética ativação é desgastante e tempo_antagônica à estabilidade emocional necessária para a resiliência a longo prazoMais tarde na semana passada, um jovem cliente veio em meu escritório. Também ele quer, porém soronegativa e veio chegar à idade sexualidade ativa em um mundo onde o HIV se tinha tornado gerenciável, para aqueles que têm acesso a cuidados adequados, consistentes. Ele esteve na profilaxia pré-exposição (PrEP) durante cerca de um ano. Ele me disse: “Portanto, leia este artigo que diz que há uma cura agora ou será em breve. Assim, isso significa que em breve posso parar de tomar essas drogas?”

Algumas das mais belas edições a respeito do Ensaio Clínico River, não alude sequer à manchete original: “Cientistas britânicos na beira da Cura do HIV , é que este processo envolve pessoas que lidam com  infecção primária, o que significa que eles têm sido recentemente infectadas (dentro de seis meses). Isto significa que mesmo se o estudo fosse considerado “bem-sucedido”, ele só tem o potencial para aumentar o fosso viral um pouco mais distante, como diagnóstico no prazo de seis meses a contar da infecção/exposição requer consistentes e  cuidados médicos adequados, que não estão disponíveis para muitas pessoas na comunidade global, a mais profundamente afetada a pela nova infecção pelo HIV, tanto nos EUA e no estrangeiro.

Anos antes de eu ser psicoterapeuta, eu era um membro do ato PARA CIMA/Los Angeles. Uma das campanhas nacionais de ação que também trabalhou na criação do AIDS Cure Project, no qual definimos as demandas por um processo totalmente financiado e dotados para procurar uma cura da AIDS.

Mas muitos de nós também acreditavam que uma das principais exigências necessárias para qualquer cura ou vacina para erradicar o vírus globalmente seria um sistema de cuidados de saúde universal. Descobertas da medicina são necessárias para os primeiros passos, e assim são os ensaios clínicos com 50 participantes. Mas a realidade é que mesmo com o HIV Isolado remissão e histórias de curas funcionais, não teremos verdadeiramente cura funcional para a epidemia até termos uma cura que é acessível a todos.

“Nota do Editor: Em jargão simples de entender, seria negar a frase que vou grafar agora:

Oba! Temos uma cura. Que se foda a África…”

Caso contrário, uma cura para os poucos apenas executa a probabilidade de aumentar a vigilância de todos aqueles que sejam soropositivos ou em risco de infecção, bem como o aumento de estigma em toda a carga viral, classe e raça. (NE: Aqui eu ainda posso ver, no chat do app dos amigospositivos.com.br a seguinte conversa:

-Oi

-Oi

-Como está sua carga viral?

-Indetectável.

-Mande um print

-Eu não!

-Então adeus

…indetectável sai da sala…

blog_13-09-20131-760x300)

Isto me faz lembrar dos primeiros meses e anos após o sucesso do coquetel ser confirmado em 1996. Quando as manchetes acionassem as notícias da descoberta que poderiam transformar o HIV em uma  doença crônica, gerenciável, três dos meus amigos mais queridos haviam morrido no ano anterior. As pessoas gostam de contar a história desses momentos como momentos de aquilo que “se”. O que fazer “se” o seu amado “fizessem” apenas mais alguns meses à frente? Como todos os que perderam pessoas naqueles primeiros anos, talvez elas pensem, “eu tinha fantasias sexuais que se tivessem sido realizadas apenas um pouco mais tarde, eles , as pessoas que, comigo, realizaram uma fantasia, poderiam ter sobrevivido até agora. Mas a realidade é que a falta de cuidados de saúde a preços acessíveis, a maioria dos meus camaradas ACT para cima e entes queridos não têm acesso às drogas durante um longo período de tempo.

 

A verdade é que apesar de eu ser soronegativa, sou como meu cliente de sobrevivência a longo prazo. Cada vez que o sinal soa com manchetes sobre uma cura, sou visitada por fantasmas. Eu olho em volta da minha família escolhida, na minha prática de psicoterapia e as comunidades em que me instruí, supervisionar e praticar, e lembro-me de todos os meus amigos que já passaram.

Eu, o Editor deste site, toda a vez que vejo uma notícia sobre cura, tenho o grande desejo de ser aquele a primeiro a traduzir um caso de cura comprovadamente feita, mas a prudência me levou a esperar, no caso em questão, mais 12 horas… Desta forma, não gerei expectativas vazias e as frustrações possíveis. Se, e eu digo “SE” um dia, eu anunciar a cura da AIDS, de uma forma acessível a todos, por um preço que qualquer um possa arcar, vocês podem ter certeza que eu terei passado as últimas 96 horas olhando “para isso” até ser convencido que é um fato.

Aqui está o que as manchetes fazem: elas nos mantêm nos combates. Quando nossas memórias são instigadas, choramos, recordamos. Nos bons dias nós cuidamos de cada um dos outros um pouco melhor. Choramos os mortos e lutamos pelos vivos.

  • Desses três queridos amigos meus que morreram no auge do coquetel dois eram “homens de cor”.
  • Dois tinham sido usuários de drogas intravenosas.
  • Dois tinham vivia abaixo da linha de pobreza mais de uma vez.
  • Todos os três estavam em situação financeira precária sem condições de pagar os cuidados de saúde e medicamentos.
  • Dois tinham sido os trabalhadores do sexo como os jovens queers tentando sobreviver.
  • Se eles tivessem vivido até o título anunciado o cocktail e o fim da AIDS como sabíamos que ainda não teria sido verdade para eles.
  • Teria sido necessário o escoar de anos antes que eles tinham acesso à medicação. Alguns dos nossos amigos fizeram muito.
  • Muitos não o fizeram.

As manchetes estão erradas. A praga como sabemos, não é mais um praga.

* Em todos os exemplos da minha prática clínica, identidades dos clientes e detalhes são significativamente alterado para disfarçar a sua especificidade e identidade. As questões levantadas são as questões e problemas reais da minha prática clínica, supervisão ou de ensino.

claudius-el-guapissimo1Eu vivo com HIV há vinte um anos, 11 meses e quarenta e sete dias…

Perdi a conta de quantas vezes, tal e qual o Cazuza, eu vi a cara da Morte… e ela estava viva! O HIV tem sido, para mim, um excelente tutor.

Logo na primeira semana ele me mostrou quantos amigos eu não tinha e, depois, dentro de uma casa de apoio, o quanto esta doença enlouquece as pessoas que a contraem e ficam, sem eira nem beira, pelo mundo.

E eu concordo com Keiko Lane. ´So haverá, realmente, uma cura, se ela for para todos… Mas, eu mesmo, estou mais preocupado com o “como terei vivido até o dia de morrer, do que com quando surgirá esta cura”

Copyright © 2016 Remedy Saúde Media, LLC. Todos os direitos reservados.

Advertisements

Publicações Relacionadas

Comente e Socialize-Se. A vida é melhor com amigos!

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.

Soropositivo.Org, Wordpress.com e Automattic fazm tudo a nosso alcance no que tange à sua privacidade. Você pode saber mais sobre esta polític nste link Eu aceito A Política de Privacidade de Soropositivo.Org Ler Tudo em Política de Privacidade

%d bloggers like this: