Como é a infecção por HIV? Como ela nos conduz à enfermidade?…

A ideia de que a inflamação desempenha um papel importante na doença por HIV foi proposta pela primeira vez no final da década de 806, mas se tornou o centro das atenções apenas recentemente. Uma das primeiras grandes pistas veio a partir do estudo SMART. Neste estudo de grande escala investigou-se se as pessoas que permaneceram na terapia antirretroviral contínua obtiveram resultados melhores ou piores do que aqueles que tomaram seu as interrupções de tratamento estruturado – parando o tratamento quando a sua contagem de CD4 subiu acima de 350 células/mm3 e retomar quando a contagem caiu abaixo de 250 células/mm3. Nota do Editor: Eu custo a crer que alguém possa propor isso a seres humanos. Se já não me bastasse o que se faz com seres “Inumanos”, eis que eu vejo discípulos de Frankenstein no campo da pesquisa… Bem, eu tenho de ir com isso até o fim…

O estudo SMART foi interrompido precocemente após os resultados intercalares mostraram claramente que as pessoas que interrompem seu tratamento foram mais do que o dobro de probabilidade de se tornarem gravemente doente ou morrer (O Editor: Olhar para trás, e ver a história e seu curso, já seria o bastante topa-se tudo por $$$).

É revelador que os fatos de interruptores de tratamento não apresentaram riscos “apenas” para infecções oportunistas “tradicionais”. Eles também apresentaram maiores taxas complicações cardiológicas, hepáticas e doenças renais, bem como problemas metabólicos que são frequentemente associadas com inflamação. Se o HIV foi o fio condutor que chegou aos níveis de ativação imune, que esperaria-se mais inflamação de doenças relacionadas com a replicação do HIV crescendo livremente, sendo-lhe permitido replicar-se descontroladamente – assim como foi visto no SMART.

(Assim como eu vi em dezenas, talvez centenas de pessoas que definhavam inexoravelmente em direção à morte – “Consentimento esclarecido” não me parece a fórmula de uma equação justa, diante daqueles que pouco ou nada tem e se lhes oferecem uma possibilidade de morrer…)

Outros estudos têm confirmado que a ativação imune é realmente uma maneira muito boa para prever o quão rápido a doença HIV está progredindo. As pessoas com níveis mais elevados de pressão arterial de uma substância chamada proteína C reativa (PCR) – conhecido por ser um sinal de ativação imune – indicava progressos rumo à pior fase da AIDS mais rapidamente do que aqueles com níveis baixos. (PCR é de fato um muito melhor preditor de progressão de carga viral do HIV.)7

Então, por que a ativação imune persiste após tratamento, em vez de cair para níveis quase normais quando a replicação de HIV foi controlada pelo tratamento antirretroviral? Até agora, esta é uma das áreas mais especulativa de hipótese e mais hipóteses. Mas muitos pesquisadores estão convencidos de que a resposta está de volta onde começamos – em tecidos infectados do trato digestivo.

De volta para o intestinos

O tecido linfoide nos intestinos faz o papel vigia contra os micróbios no trato digestivo – quer se trate de organismos causadores de doenças a partir de alimentos contaminados ou água ou bactérias ” amigas”  que colonizam o intestino e ajudam na digestão, gerando respostas de fixação que mantêm os micróbios fora da corrente sanguínea. Conforme discutido anteriormente, o forro dos intestinos pode sustentar danos duradouros precocemente durante a infecção pelo HIV, tornando permeáveis ou “gotejantes”.8

Danny Douek explica: “a parede externa da maioria das bactérias no intestino contém o que é conhecido como endotoxinas ou lipopolissacarídeos (LPS). O LPS é um potente estimulador imunológico. Em pessoas com sepse ou choque tóxico, você verá uma esmagadora ativação imune devido a enormes quantidades de LPS em seus sistemas. Em pessoas com infecção pelo HIV, temos encontrado LPS na corrente sanguínea – não nos mesmos montantes como na sepse, mas suficiente para ativar células imunes. Temos também medido níveis elevados de outros produtos bacterianos, todos os quais são ativadores imunológicos na corrente sanguínea das pessoas com infecção por HIV”.

Esta hipótese, conhecida como translocação microbiana  (Nota do tradutor: fui atrás de algo não acadêmico que tratasse disso – não adianta colocar aqui o academez – e não encontrei nada, mas entendi que pode ser um “movimento migratório”, encontrei translocação de aves […] e um artigo em PDF que está aqui e que me parece, em inglês, que é possível traduzi-lo e limar o academez. Assim que possível, três ou quatro dias, eu devo estar a tentar colocá-lo traduzido aqui no site meu amigo gajo), é atualmente uma das principais explicações para a persistente ativação imune vista na infecção pelo HIV.9, no entanto, muitos pesquisadores suspeitam que a ativação imune tem muitas causas.

“Eu não estou convencido de que a translocação microbiana do intestinos é a única resposta a inflamação relacionada ao HIV”, diz Robin Weiss, professor de oncologia viral no University College de Londres. “Vemos também sustentada ativação imune à malária, e ninguém está propondo que micróbios intestinais são a fonte do mesmo fenômeno.”

Outros candidatos para indutores de progressão da infecção por HIV podem incluir a estimulação imunológica causada por outras infecções, e a depleção ou desativação de células T reguladoras, que desempenham um papel chave no resfriamento da ativação imune. Células imunes também produzem uma variedade de produtos químicos ‘mensageiros’ conhecidos como citocinas, que alertam outras células para se ajustarem na resposta imunológica contra o determinado agente etiológico.[Nota: Um vírus ou uma bactéria podem ser agentes etiológicos, desde que tenham a capacidade de levar à criação ou estabelecimento de uma doença como gripe ou disenteria amebiana].

 O HIV pode confundir esta rede de comunicação imune interrompendo a produção de citocinas.10

Bem como desenredar estes processos complexos, os pesquisadores devem investigar também uma das maiores questões remanescentes: por que pacientes HIV positivos humanos não são capazes de corrigir o excesso de ativação imune, como fazem com outras doenças crônicas infecções virais como, por exemplo, a hepatite C, ou como símios (macacos) são capazes de fazer com o vírus da Imunodeficiência Símia (SIV).

Macacos Rhesus. Todas estas imagens demonstram claramente que eles têm "noção" do que é família. Eu considero um absurdo desumano tratar estas criaturas desta forma. Eles inserem, por exemplo, o vírus da AIDS Símia o SIV nestes macacos. Eu sei que pesquisas tem de ser feitas, mas deve haver outros modos. Já vi coelhos sendo usados para testes de cosméticos femininos e masculinos em condições completamente absurdas e, gostem ou não, eu me coloco visceralmente contra estudos em animais. Encontrem outra maneira. Get the hell and fuck offMacacos Rhesus. Todas estas imagens demonstram claramente que eles têm "noção" do que é família. Eu considero um absurdo desumano tratar estas criaturas desta forma. Eles inserem, por exemplo, o vírus da AIDS Símia o SIV nestes macacos. Eu sei que pesquisas tem de ser feitas, mas deve haver outros modos. Já vi coelhos sendo usados para testes de cosméticos femininos e masculinos em condições completamente absurdas e, gostem ou não, eu me coloco visceralmente contra estudos em animais. Encontrem outra maneira. Get the hell and fuck offMacacos Rhesus. Todas estas imagens demonstram claramente que eles têm "noção" do que é família. Eu considero um absurdo desumano tratar estas criaturas desta forma. Eles inserem, por exemplo, o vírus da AIDS Símia o SIV nestes macacos. Eu sei que pesquisas tem de ser feitas, mas deve haver outros modos. Já vi coelhos sendo usados para testes de cosméticos femininos e masculinos em condições completamente absurdas e, gostem ou não, eu me coloco visceralmente contra estudos em animais. Encontrem outra maneira. Get the hell and fuck offMacacos Rhesus. Todas estas imagens demonstram claramente que eles têm "noção" do que é família. Eu considero um absurdo desumano tratar estas criaturas desta forma. Eles inserem, por exemplo, o vírus da AIDS Símia o SIV nestes macacos. Eu sei que pesquisas tem de ser feitas, mas deve haver outros modos. Já vi coelhos sendo usados para testes de cosméticos femininos e masculinos em condições completamente absurdas e, gostem ou não, eu me coloco visceralmente contra estudos em animais. Encontrem outra maneira. Get the hell and fuck offMacacos Rhesus. Esta  imagem a visão muito loquaz que mostra mãe e filho Eu considero um absurdo desumano tratar estas criaturas desta forma. Eles inserem, por exemplo, o vírus da AIDS Símia o SIV nestes macacos, às vezes pela via retal... Eu sei que pesquisas tem de ser feitas, mas deve haver outros modos. Já vi coelhos sendo usados para testes de cosméticos femininos e masculinos em condições completamente absurdas e, gostem ou não, eu me coloco visceralmente contra estudos em animais. Encontrem outra maneira. Get the hell if were neededMacacos Rhesus. Todas estas imagens demonstram claramente que eles têm "noção" do que é família. Eu considero um absurdo desumano tratar estas criaturas desta forma. Eles inserem, por exemplo, o vírus da AIDS Símia o SIV nestes macacos. Eu sei que pesquisas tem de ser feitas, mas deve haver outros modos. Já vi coelhos sendo usados para testes de cosméticos femininos e masculinos em condições completamente absurdas e, gostem ou não, eu me coloco visceralmente contra estudos em animais. Encontrem outra maneira. Get the hell and fuck off

LTNP e controladores de elite: por que razão o HIV não faz progressos em algumas pessoas?

Segue na próxima página

Anúncios

Publicações Relacionadas

1 comentário

Comente e Socialize-Se. A vida é melhor com amigos!

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Soropositivo.Org, Wordpress.com e Automattic fazm tudo a nosso alcance no que tange à sua privacidade. Você pode saber mais sobre esta polític nste link Eu aceito A Política de Privacidade de Soropositivo.Org Ler Tudo em Política de Privacidade

Whatsapp WhatsApp Us
Precisa conversar? Há três pessoas aqui prestando serviços voluntários dentro de suas possibilidadades