Anúncios

Como é a infecção por HIV? Como ela nos conduz à enfermidade?…

Você esta em Início => Carga Viral! É importante monitorar sua carga viral. Quanto mais baixa, melhor => Como é a infecção por HIV? Como ela nos conduz à enfermidade?…
Carga Viral! É importante monitorar sua carga viral. Quanto mais baixa, melhor

Começar mais cedo para o tratamento do HIV

Enquanto muitos pormenores continuam a ser analisados, há um consenso crescente em torno de um ponto-chave: a necessidade de tratamento antirretroviral. Se o curso da infecção pelo HIV apresenta maiores riscos para a saúde no futuro tratamento do HIV ou não – como o SMART e outros estudos sugerem – então o tratamento precoce seria justificado. Grandes comparações de estudos de coorte estão descobrindo que, como tratamento é iniciado em um nível maior de contagens de CD4, o risco de doenças definidora de AIDS ou morte constantemente diminui. A tendência é válida até o início do tratamento em contagens de CD4 de 350 células/mm3, embora os benefícios de se iniciar o tratamento no mesmo contagens mais altas são menos claras.

O caso de tratamento anterior é  suficientemente persuasivo para alterar as decisões de tratamento para pessoas com HIV? Como um exemplo, o tratamento de Richard Carson, diagnosticado em 2005, é incerto. Pela corrente de orientações de tratamento, Richard robusto contagens de CD4 (635 células/mm3 na última contagem) e baixa carga viral (1550 cópias/ml) lhe permitiram olhar antirretrovirais como uma perspectiva distante [originalmente em 2006]. Ele ouviu o que acaba-se de dizer aqui e está com melhores argumentos, mas não está totalmente preparado para dar o salto para o tratamento como resultado. “No final, eu vou fazer tudo o que for melhor para mim”, diz ele. “Eu ouvi muitas razões pelas quais eu não deva iniciar o tratamento ainda – os efeitos colaterais, o risco de resistência. Se houver mais provas sólidas de que eu não deveria esperar, então eu poderia mudar minha posição”.

Um desafio final pode ser simplesmente a tentar acomodar novas provas e novos insights a um modelo pré-existente que já não se encaixa no contexto que a ciência e a medicina habitam, depois de tanta pesquisa. A depleção de células CD4 tem sido muitas vezes entendida por uma simples analogia de “irrigar e drenar”:

 Células CD4 são destruídas quando elas estão infectados pelo HIV (drenagem), mas reabastecidos conforme o corpo produz mais (a torneira). Quando a torneira não pode mais manter o ritmo  par e passo com o dreno, há a queda da contagens de células CD4 e isso é o início da progressão da infecção por HIV para o quadro da Síndrome da Imunodeficiência Adquirida (AIDS seria o acrônimo correto para nós, que falamos português, eu insisto, mas assinalo também como AIDS.

Nota do editor: “Na época do meu início de tratamento eu pulei de “médico em médico” até encontrar uma em quem eu confiasse: Drª Patrícia M. Cip, houve um deles que estabeleceu um ponto bastante importante para minha “educação antirretrovirológica”. Ele me disse assim:

O corpo humano, infectado com HIV sem tratamento perde, em média de setenta a oitenta células CD4 ao ano… blá, blá, blá (o discurso da adesão).

Como sabemos existem muitos fatores que afetam a progressão da doença e será difícil abandonar esta imagem simplista e demonstrar um caminho mais complexo, se mais preciso?

Danny Douek pensa que não: “Eu não penso necessariamente que mais meios precisos mais confusa e complexa. O modelo original de uma torneira de drenagem e é realmente um bom modelo. Penso que temos simplesmente perceberam que podem ser mais torneiras e mais drenos. Penso que o modelo ainda está muito bem, mas está se tornando mais completas e sofisticadas. Em última análise será mais simples porque ele fará mais sentido e deixar menos atendido”.

O sistema imunológico é um complexo conjunto de células diferentes que fazem trabalhos diferentes.

  • Alguns montam reações rápidas, não-específicas, tais como alergias, para livrar-se de substancias estranhas.
  • Alguns, os monócitos, englobam e digerem invasores.
  • Células B secretam anticorpos, proteínas que cercam os invasores específicos e também os bloqueiam fisicamente evitando que infectem outras células ou sinalize-as para destruição.
  • T-células dividem-se em células CD8, que destroem as células já infectadas ou células CD4, que regulam e amplificam outras partes da resposta imune,
  • Ambas as células – B e T- pode ser células de memória, sensibilizadas aos invasores específicos para uma resposta rápida para eles no futuro.
  • Vacinas funciona no sentido de preparar essa memória.
  • B – E as células T também podem estar ativadas ou  inativadas. Ativada, o trabalho das células se dará nos locais de infecção, e eles são de curta duração.
  • Uma teoria de como o HIV lentamente destrói o sistema imunológico é que faz com que as células-T permanessam constantemente em um status de ativação permanentemente, oque é estressante e, portanto, acaba levando o sistema imunológico à  exaustão .

Tipos de células do sistema imunológico

Traduzido Por Cláudio Souza do original em How does HIV make us sick? 

Revisado por Mara T. de Macedo

O trecho do artigo na Wikipedia esta neste link: Linfocitos T

References

  1. Douek D Making sense of HIV pathogenesis. The PRN Notebook 10(8):9-12, 2005.
  2. Estes J et al. Collagen deposition limits immune reconstitution in the gut. J Infect Dis 198:456-464, 2008.
  3. Mehandru S The gastrointestinal tract in HIV-1 infection: questions, answers, and more questions. The PRN Notebook 2007.
  4. Levy JA HIV and the pathogenesis of AIDS. 3rded. ASM Press, 2007.
  5. El-Sadr W HIV and inflammation: a paradigm shift.5th International AIDS Society Conference on HIV Pathogenesis, Treatment, and Prevention. Cape Town, South Africa, abstract MOPL104, 2009.
  6. Ascher MS and Sheppard HW AIDS as immune system activation: a model for pathogenesis. Clin Exp Immunol 73:165-167, 1988.
  7. Lau B et al. C-reactive protein is a marker for human immunodeficiency virus disease progression. Arch Intern Med 166:64-70, 2006.
  8. Douek D HIV disease progression: immune activation, microbes, and a leaky gut. Top HIV Med 15(4):114-117, 2007.
  9. Brenchley JM et al. Microbial translocation is a cause of systemic immune activation in chronic HIV infection. Nat Med 12:1365-1371, 2006.
  10. Sodora DL, Silvestri G Immune activation and AIDS pathogenesis. AIDS 22(4):439-446, 2008.
  11. Forsman A, Weiss RA Why is HIV a pathogen?Trends in Microbiology 16(12):555-560, 2008.

Assine Nossa Newsletter – Ela É Mensal, Com O Melhor Do Melhor Em Meu Blog






E Você? O Que Acha

Muitas Pessoas, os “sorointerrogativos” olham com desdém para as pessoas com HIV.

Um amigo meu (ex-amigo que levou uma chave…), no passado, ciente de minha condição, referiu-se a outra pessoa, supostamente infectada por HIV da seguinte maneira:

-“Este é outro que está bichado”.

Até hoje eu não entendo os porquês de eu não tê-lo socado até fazer dele um pastel de burro, sei lá.

Como o assuto é sério e esclarecimentos cabem, eu coloco, antes, este vídeo:

Durante Décadas Foi Tabú! Pessoalmente sofri por isso. E Você, teria um relacionamento sorodivergente

Você é portador(a) de HIV? Se sim, conseguiu a aposentadoria ou o auxilio doença como manda a ei ou teve de lutar como um cão?

Precisa Conversar, comece pelos comentários, ou por aqui







Ou Custa A Fã Page do Blog!

 

Anúncios

Publicações Relacionadas

1 comentário

Os Comentários estão suspensos

Soropositivo.Org, Wordpress.com e Automattic fazm tudo a nosso alcance Eu aceito A Política de Privacidade de Soropositivo.Org Ler Tudo em Política de Privacidade

Política de cookies e privacidade

Este Site usa Cookies e você pode recusra este uso. Mas pode saber bem o que está sendo registrado em, conssonãncia com nossa política de privacidade

%d blogueiros gostam disto: