Maraviroc provê boa supressão viral em tratamento por mais de 96 semanas

Maraviroc oferece bos resultados e supressão viral por mais de 96 semanas

Tratamento com Maraviroc (Celsentri) é associado com a supressão viral do HIV durável e um perfil lipídico favorável, segundo informam pesquisadores da medicina de tratamento contra o HIV. O estudo randomizado de 96 semanas comparando a segurança e a eficácia dos regimes antirretrovirais baseados em Maraviroc para aqueles que contém um inibidor de protease impulsionado por ritonavir.

Maraviroc oferece bos resultados e supressão viraDois anos após a randomização, 90% das pessoas em ambos os braços de tratamento tinham uma carga viral indetectável (supressão viral) e os incrementos da contagem de células CD4 também foram comparáveis. Pessoas tratadas com Maraviroc tiveram reduções significativas no colesterol total e triglicérides.

Excelente supressão viral e ótimo perfil lipidico são alcançados por maraviroc

“Supressão da viremia de plasma (supressão viral) para abaixo do nível de quantificação, ou seja, < 50 cópias/ml, o limite atual para a maioria das diretrizes em configurações de alta renda (notem que no Brasil o limite é <40), foi similar entre ambos os braços do estudo, demonstrando a durabilidade da resposta virologica ao MVC [Maraviroc ] em mais de 96 semanas, “observam os autores”. A mudança para o MVC foi associada com benefícios significativos de lipídios que podem ser importantes na redução a longo prazo de risco cardiovascular”.

Maraviroc pertence a uma classe de antirretrovirais conhecidos como inibidores do CCR5. Ele só funciona para pessoas com vírus R5-tropic e indivíduos devem ser testados para sua presença antes de iniciar a terapia com a droga. Quarenta e oito semanas do estudo internacional de março demonstraram que Maraviroc foi uma substituição segura e eficaz para um inibidor de protease ritonavir-impulsionado quando usado em combinação com dois inibidores de transcriptase reversa nucleosídeos/nucleotídeos (N [ t] ir) em pessoas com vírus R5-Trópico.

No presente estudo, os investigadores estenderam sua análise sobre os efeitos do maraviroc para 96 semanas.

Janela Imunológica e CD4 e Maraviroc supressão viral ou carga viral indetectável

A parte azulada desta foto é a superfície da célula CD4 e estes pontos verdes são “vírions”, ou, como queiram, o HIV. Esta foto é de domínio público e pode ser encontrada na wikipedia

O ponto final primário foi a proporção de pessoas com uma carga viral abaixo de 50 cópias / ml; a não inferioridade de Maraviroc foi definida como uma diferença de 1-2% para o inibidor de protease impulsionado. Os resultados secundários foram alterações em CD4 contagem de células, a função renal, perfil lipídico e também qualidade de vida, aderência e eventos adversos.

Para ser elegível para o recrutamento, os indivíduos foram obrigados a tomar um regime de inibidor-baseado protease impulsionado estável e com supressão viral por pelo menos 24 semanas. O recrutamento para o estudo ocorreu entre janeiro de 2012 e fevereiro de 2014. A última pessoa completou 96-semanas de seguimento em janeiro de 2016.

A população de estudo consistia de 238 indivíduos – 82 randomizados para o grupo de inibidor de protease impulsionado e 156 para o braço de tratamento Maraviroc.

A análise de intenção de tratar, incluindo indivíduos aleatorizados, mostrou que 89% do grupo de inibidor de protease impulsionou e 90,4% do grupo com Maraviroc tinham uma carga viral abaixo de 50 cópias/ml na semana 96, mostrando a não inferioridade de Maraviroc.

Proporções semelhantes de pessoas – 13% e 17% no inibidor de protease impulsionado e no grupo com Maraviroc, respectivamente – mudaram a terapia durante o seguimento.

Adesão foi medida pela recordação de paciente de sete dias e foi igualmente alta em ambos os grupos de tratamento na semana 96, com 91% das pessoas no grupo de inibidor de protease impulsionou e 93% das pessoas no braço Maraviroc relatando a tomar todas as doses.

“Embora tenha havido uma unidade para dosagem de uma vez por dia de terapia antirretroviral, a dosagem de duas vezes por dia de MVC feito não parece ser associada com um custo de adesão,” observe os investigadores.

Aumentos na contagem de células CD4 foram comparáveis para os dois grupos, com um ganho médio na semana 96 de 40 células/mm3.

A função renal – medido pela taxa de filtração glomerular – diminuíu 4,31 ml/min e 6,53 m/min, o inibidor de protease impulsionou e grupos de Maraviroc, respectivamente, a diferença não foi significativa.

Não houve diferença na qualidade de vida entre os regimes.

Terapia com Maraviroc foi associada com um perfil lipídico significativamente melhor, mais de 96 semanas em comparação com um inibidor de protease impulsionou em termos de colesterol total (p = 0.0229) e triglicérides (p < 0,001).

Pelo menos um evento adverso foi relatado por 87% das pessoas que tomam Maraviroc e 79% das pessoas tomando um regime impulsionado por inibidor de protease. A maioria destes eventos foram suaves e cerca de 90% para cada grupo de tratamento não estavam relacionadas com a droga em estudo.

Vírus resistente ao medicamento foi detectado em cinco pessoas no final do seguimento, três dos quais estavam tomando Maraviroc.

Os investigadores concluem que os resultados mostram que a passagem de um inibidor de protease impulsionado para a terapia com Maraviroc está associada a “supressão virologica durável, alterações metabólicas favoráveis e boa tolerabilidade durante 96 semanas.”

Traduzido por Cláudio Souza do original em Maraviroc matches boosted protease inhibitor treatment over 96 weeks, escrito por Michael Carter e revisado Mara T de Macedo

 

[analytify-stats metrics=”ga:users” permission_view=””]