Últimas

Carga viral e Transmissão: Uma ficha informativa para pessoas com HIV.

Igual a Intransmissível? Sei não…

Pontos- chave:

  • O tratamento efetivo do HIV reduz a quantidade Do Vírus em seus fluidos corporais.
  • Ter uma carga viral indetectável reduz muito a sua chance de transmitir o HIV para outra pessoa.
  • O tratamento do HIV é tão eficaz quanto o uso consistente do preservativo na prevenção da transmissão do HIV durante o sexo vaginal.
Carga viral e transmissão do HIV

Na próxima imagem eu colocarei uma foto de minha mão esquerda, mostrando como ela está agora, depois de quase anos vivendo e convivendo com o HIV. Dia 24 de Novembro eu completarei 24 anos de consciência soropositiva. mas, de pensamento em a pensamento eu vi que, para o bem da verdade e em defesa de Flávia, eu contraí HIV no Vagão plaza, pelos idos de 1985 a 1989. quando me cansei de trabalhar “naquele sistema e fui convidado a fazer som numa casa em Mogi das Cruzes, o Kanecão. Observe mek o “Kaneção” e a cidade de Mogi das Cruzes. Que fique bem claro

A quantidade de HIV em seus fluídos corporais é chamada de carga viral. O tratamento efetivo do HIV (terapia antirretroviral ou TARV) suprime a presença do RNA do HIV até o ponto em que não pode mais ser detectado pelos testes usado em clínicas. Uma importante observação minha, o editor do site, é que estes testes têm vários níveis de sensibilidade e há testes capazes de mensurar a partir de cinco cópias de RNA e a razão para usar aquele, capaz de detectar até quarenta cópias e não este, capaz de detectar até um mínimo de cinco cópias me é “incompreensível” fora do contexto “econômico”.

Esta supressão viral (sic) muitas vezes é conhecida como “carga viral indetectável” ou ” estar “indetectável “.

Ter uma carga viral indetectável não significa que você está curado do HIV, tampouco significa que você deve interromper o tratamento. Isto significa que, contanto que a carga viral permaneça indetectável, você reduz significativamente suas chances de transmitir HIV a alguém e há algo por demais importante, ajuda a subir sua contagem de células CD4.

Esta ficha informativa é escrita para pessoas que comvivem com o vírus do HIV. Este tópico também é coberto por   uma ficha informativa escrito para pessoas que não têm HIV ( O link aponta para uma tradução automática do Google. Eu me prontifico a traduzir isso adequadamente e entregar para a revisão e publicar até dez de janeiro de dois mil e dezoito).

Carga viral em diferentes estágios

Durante as primeiras semanas, após contrair o HIV a carga viral geralmente é muito alta – normalmente vários milhões de cópias virais por mililitro de sangue (cópias / ml). Existe um risco considerável de transmitir o HIV neste momento, e muitas pessoas adquirem o HIV de alguém que recentemente contraiu o vírus, e em muitos casos, mas não em todos, não sabem que são portadores.

Após este período precoce de infecção, a carga viral geralmente diminui. Uma carga viral típica em alguém que não está em tratamento pode ser 50.000 cópias / ml. É importante dizer que existe o risco de transmissão do vírus mesmo nesse caso.

“A carga viral no sangue e em outros fluidos corporais geralmente é muito similar – se o HIV em seu sangue for indetectável, é provável que ele seja indetectável noutros locais”.

Quando alguém começa o tratamento do HIV, a carga viral geralmente se torna indetectável dentro de seis meses. O risco de transmissão do HIV é bastante reduzido quando as pessoas têm uma carga viral indetectável.

A evidência

Em 2011, um grande ensaio científico chamado HPTN 052 descobriu que o tratamento contra o HIV reduziu o risco de transmitir o vírus para um parceiro heterossexual

Carga Viral

Bem, é “!só” uma foto de mihas maos arruinadas e a legenda]
O pior esta foto é que a mão direita também parece estar seguindo pelo mesmo caminho e, pior ainda, é estar digitando isso apenas com os dois indicadores. Este é um trabalho secundário (…) do HIV, a neuropata periférica. E o pior deste “desvio” que o HIV encontrou ér que é impactante e importante o percentual de afetados. “Vinte por cento das pessoas desenvolvem “esta bosta”

regular em aproximadamente 96%. A única razão pela qual não era 100% é que uma pessoa no teste adquiriu o HIV, mas isso aconteceu apenas alguns dias antes ou depois de seu parceiro começar o tratamento.

Uma declaração da British HIV Association (BHIVA) e do Grupo Consultivo de Peritos sobre AIDS (EAGA), disse que se o parceiro HIV-positivo estiver em um tratamento bem-sucedido, isso é “tão eficaz quanto o uso consistente do preservativo” na limitação da transmissão.

A declaração enfatizou que o teste de carga viral regular é vital, sendo aconselhável esperar seis meses após o primeiro teste de carga viral indetectável para ter certeza de que o tratamento está funcionando.

A declaração BHIVA / EAGA aplicou-se apenas ao sexo vaginal porque não havia suficientes casais homossexuais em HPTN 052 para mostrar se o tratamento com HIV reduziu o risco na mesma medida em relação ao sexo anal.Em 2014, um estudo chamado PARTNER não encontrou uma única transmissão do HIV em 16.400 ocasiões de sexo entre homens gays e 28.000 entre heterossexuais, onde o parceiro HIV-positivo apresentava uma carga viral inferior a 200 cópias / ml.

Em 2015, um estudo semelhante exclusivamente sobre casais homossexuais, Opposites Attract, também não encontrou transmissões de parceiros com uma carga viral indetectável. Ambos os estudos estão coletando mais dados e terão resultados finais em 2017.

O que isto significa para mim?

Muitas pessoas com HIV vêem a redução da infecciosidade e o alívio da ansiedade sobre a transmissão como benefícios muito importantes do tratamento do HIV. Você pode querer levar sua carga viral e sua possível infectabilidade em consideração quando pensa em sexo seguro. Se você deseja parar de usar preservativos, é importante discutir isso com cuidado com seus parceiros e garantir que eles também estejam confortáveis com a decisão.

Discutir o que uma carga viral indetectável significa com parceiros HIV-negativos pode ajudar a reduzir sua ansiedade sobre a transmissão do HIV. Mas esta informação provavelmente será nova para a maioria das pessoas que não têm HIV. Pode levar tempo até alguém entender e confiar no que você está dizendo.Saber como o tratamento do HIV pode reduzir o risco de transmitir o vírus pode ser especialmente útil para pessoas que desejam ter um filho.

Gerar filhos

Casais sorodiscordantes, podem considerar ter sexo desprotegido nos dias em que a mulher está ovulando e na sua data mais fértil.É importante lembrar que, embora o tratamento contra o HIV proteja seus parceiros do vírus, vocês não estão imunes a outras infecções sexualmente transmissíveis (ISTs).:

  • Candidíase
  • Chato
  • Condiloma Acuminado (Grista de Galo) – HPV
  • Gonorreia
  • Hepatite C
  • Herpes
  • Sífilis

E outras tantas, por exemplo. Além disso, em alguns países, o sexo sem preservativo e sem divulgar seu status sorológico para o HIV, é uma infração criminal, independentemente da probabilidade de transmissão ou não do vírus.

Se eu iniciar o tratamento do HIV, com que rapidez minha carga viral se tornará indetectável?

Pode levar seis meses ou mais e você não deve se basear nestes escritos para determinar que:

“Ah… eu já estou em tratamento há 8 meses e portanto, estou indetectável, posso transar sem camisinha sem *representar perigo*”.NEM QUE A VACA TUSSA! Antes de tudo o resultado do exame. E na seqüência, aconselhamento médico para você e para seus/suas parceiros/parceiras!!!!!!!!!!! (Eu o editor não faria isso jamais e estou indetectável há tanto tempo que nem me lembro direito, mas foi antes do pastel de chuchu fazer a lambança que ele fez com a Cada da AIDS e há anos e aos desta história)

Até então você ainda pode ser considerado infeccioso.

É uma boa ideia para você e seus parceiros aguardar até que sua carga viral tenha sido indetectável por, pelo menos, seis meses antes de tomar decisões sobre a interrupção do uso de preservativos – ou para que eles deixem de usar (!!!!!!!) a PrEP (profilaxia pré-exposição).

O tratamento do HIV sempre funciona?

Cerca de uma em cada seis pessoas em seu primeiro regime de tratamento do HIV já não tem carga viral indetectável ou seu tratamento deixa de funcionar no primeiro ano. Durante o segundo ano de tratamento, a chance da sua terapia deixar de funcionar é cerca de um em cada vinte e isso diminui ainda mais na próxima década para cerca de uma chance de fracasso a cada ano.

Então, quanto mais tempo você esteve em uma terapia de HIV específica, menor será a chance de deixar de funcionar. E quase todos reduzem sua carga viral para um nível indetectável em seu segundo ou terceiro regime. Se o tratamento de alguém não resultar em uma carga viral indetectável, geralmente é porque essa pessoa está tendo problemas para seguir seu tratamento conforme foi prescrito, ou seja, ele não toma o medicamento no momento certo ou abrevia as doses (Isso é ilação e generalização. Tratamentos podem falhar pura e simplesmente porque a pessoa contraiu HIV de alguém cujo vírus, a cepa viral em questão, já seja resistênte àquele tratamento e pode até mesmo ser um caso de resistência cruzada)

.As pessoas com uma carga viral indetectável nunca transmitem o HIV?

É difícil provar que as pessoas com uma carga viral indetectável nunca transmitem o HIV. Um estudo descobriu que a menor carga viral registrada em alguém que transmitia o HIV era de 362 cópias / ml, embora essa pessoa não estivesse fazendo o tratamento.

Existiram três relatórios de transmissões envolvendo homens gays que tinham uma carga viral indetectável perto do momento da transmissão, mas não sabemos se eles tinham uma carga viral indetectável no momento em que o HIV foi transmitido.

E eu, o editor abro uma pausa aqui. Vale o risco? Nós passamos três décadas tentando fazer as pessoas se conscientizarem para usar o preservativo, quase que sem sucesso, e agora, SEM MAIS AQUELA, liberou? Eu publico aqui, é meu dever informar. Mas eu desaconselho veementemente  porque sei o que eu, euzinho, Cláudio Souza, passo e o que eu vi seres humanos, pessoas passarem por conta de serem portadores(as) de HIV mesmo não estando “doente de AIDS” só com a neuropatia periférica por HIV. Pensai, pensai e pensai…A carga viral no sêmen, nos fluidos vaginais ou no reto não são mais importantes do que a carga viral no sangue?

A carga viral no sangue e em outros fluidos corporais geralmente (!!!) é muito similar – se o HIV no seu sangue for indetectável, é [[[[[[[[provável]]]]]]]] que ele seja indetectável em outros lugares.

Ocasionalmente (Ô palavrinha… eu contraí HIV ocasionalmente), as pessoas têm HIV indetectável no sangue e têm baixos níveis de HIV em outros fluidos corporais, mas raramente em níveis infecciosos (… como se sabe?…).

E quanto às infecções sexualmente transmissíveis (ISTs)?

Se você não está no tratamento, algumas DSTs podem torná-lo mais infeccioso: por exemplo, a sífilis pode dobrar sua carga viral. Os parceiros HIV-negativos também são mais propensos a contrair o HIV se tiverem uma DST. No entanto, no estudo PARTNER, não havia uma única transmissão do HIV, embora muitas pessoas tivessem DST.

Gus Cairns, publicado em setembro de 2015

<

p style=”text-align: justify;”>Este documento deverá ser revisado em meados de 2018

 

Anúncios
Sobre Claudio Souza do Soropositivo.Org (508 artigos)
😍😍😍😜💫☮Sim, este da foto sou eu ! Minha sobrinha pediu que eu pusesse esta foto m meu perfil !.... Eu tinha aqui uma descrição a meu respeito que, uma pessoa classificou como “irreverente”. Esta é, realmente, uma forma eufêmica de classificar o que estava aqui. Tudo o que sei é que uma “ONG”, que ocupa um prédio de 10 andares estabeleceu uma parceria comigo, e eu tenho os logs do tempo de parceria, que foi mais um vampirismo pois, para cada 150 pessoas que saiam do meu site, clicando no deles, havia, em média, um que entrava. QUANDO ENTRAVA E SE ENTRAVA

1 Trackback / Pingback

  1. O Impacto de portar HIV no Envelhecimento · Soropositivo.Org

Deixe uma resposta

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.

Whatsapp WhatsApp Us
%d blogueiros gostam disto: