A Grande Lance do Medo

Medo

O Grande Lance Do Medo é que ele nos leva a crer que estamos, sempre, à beirado abismo...

Medo… The big mess

Medo

Apavorado com nada

Bem, eu conversava com uma amiga e falávamos sobre problemas de saúde chato. Chatos por serem por demais desagradáveis e longamente intermitentes.

E, também, pela pela inconveniência deles.

Aí ela me falou de um pressentimento.

Você diz que o médico te vê de tempos em tempos observou que você mudou e, se entendi bem, para melhor e e, veja, isso é bom!

E eu comecei a responder, mas quabdo vi, a resposta me pareceu candidata à publicação e, vesa só:

“Eis-nos aqui”.
Veja…

Cocê fala da internação de cinco dias e tem um pressentimento que isso não será necessário…

É um pressentimento ou, digamos: O seu medo em si se auto personalizando e dizendo para você que tudo está bem e isso seria “desnecessário”.

Sua resposta para isso será, provavelmente uma evasiva. E se esta resposta veio, bem… É sim o seu medo no controle.

Uma das coisas que eu aprendi na minha vida, porque ela. a minha vida, não me pareceu sempre simpática e, muitas vezes, só deu uma alternativa aceitável, pois a outra seria a morte.

Desta forma eu aprendi que a despeito de meus medos, a única maneira coerente de enfrentar um problema é olhando-o de frente e indo buscar a solução para isso lá, no território dele pois, assim, eu ficava sem outra opção que não fosse vencer, e de fato eu creio que venci na maior parte das oportunidades e, quando eu não venci, pelo menos consegui empatar e depois, na hora da contagem de mortos e feridos, o empate pode, de alguma outra forma, resolvendo o problema até porque ele se tornou insignificante e sucumbiu a si mesmo, dado o fato de não ter poder para se recuperar.

Traduzindo a metáfora, talvez a candidíase de agora seja algo gerenciável, que pode ser destituída de seus poderes enquanto eles são pequenos pois toda arraia miúda acaba, de a deixarmos à vontade, ela se traduz em uma outra arraiá:

Graúda e castelã. E, nestes casos, a luta pode não ser de apenas cinco dias…E, talvez, possa ter se tornado um problema irresolvível para o resto da vida.

medo

O Medo, Medo e medo… O grande inimigo!

Esta linha de raciocínios, eu vejo agora, rendeu uma coisa que pode ter muitos sentidos, e pode ser aplicada a muitas situações da vida e, agora que está escrito, eu creio que vale uma postagem no blog!
Naturalmente que eu terei de contar os porquês de estar dizendo essas coisa e nem mesmo aquela pessoa que nós conhecemo, Laura Almeida, precisa ser declarada a conviva que deu o start up para estes pensamentos, o que me faz feliz e grato, uma vez que, se eu tinha a inquietante pergunta de sempre: “O que postarei hoje”? Parece resolvida, se vc me der sua anuência para publicar isso.
Assim, eu creio que, apesar de eu ter acordado irritado e triste, pois a falta de movimentos em minha mão esquerda que a inutiliza e, porque a maldita, ainda assim, manifesta dor e, creia-me, eu já pensei em amputá-la uma dúzia de vezes, melhorou o meu estado de ânimo, que não exclui, por enquanto, a ideia sombria, susta, temporariamente a decisão.
Assim, mon cher, eu fico grato por isso e me relembro de um interessante ensinamento, ditado por Emmanuel:

-”No serviço de auxílio ao próximo, você acaba encontrando, sim, é verdade (!!!) a solução, mesmo que temporária, para seus próprios problemas.
“That’s nice and amazing”.
Pense a respeito.
Hospitais, e eu frequentei bem mais do que gostaria também são escolas e, sim, você pode apostar tudo o que você eventualmente tem, nisso.

🙂

De quebra, um texto bastante interessante e risonho sobre a neura:

Acho que esse é o padrão da psicose:

  1. 0 dia – Ai ai, Ui Ui!

  2. 1 dia – “Deu merda!”

  3. 2 dias – Exame pra excluir infecção anterior

  4. 30 dias – Exame de 4a geração

  5. 31 dias – Fim da psicose

  6. 32 dias – Volta da psicose

  7. 60 dias – Exame de qualquer geração (caso não tenha feito com 30 dias)

  8. 61 dias – Fim da psicose!!!!

  9. 63 dias – Volta da psicose e começa a pensar ser o 0,0000001% de soroconversão tardia

  10. 90 dias – Exame de qualquer geração (caso queira deixar o MS feliz e/ou o dono do lab. com uma grana pra comer no japonês).

  11. 91 dias – Fim da psicose

  12. 95 dias – Volta da psicose e começa a pensar ser o 0,00000000000001% de soroconversão tardia .

  13. 120 dias Exame de qualquer geração (já está íntimo do povo do cta/laboratório, chamando geral pelo nome).

  14. 121 dias Fim da psicose.

  15. 122 dias A psicose acabou mas… “dane-se o MS, o pessoal daquela comunidade chata e a ciência… e posso ser o 0,0000000000000000000000000000001% e ainda apareceu uma espinha na sola do meu pé!!”

  16. 123 dias A psicose voltou

  17. 180 dias Exame de qualquer geração (o povo chora de alegria ao revê-lo, perguntam da família e ele já se sente em casa)

  18. 181 dias Ahhh agora a psicose acabou mesmo!

  19. 182 dias

  20. Não acabou não… o primo do amigo, do irmão da manicure da minha cunhada, ouviu dizer que em algum lugar citou que o vizinho de um cara super conhecido soroconverteu com 365 dias

  21. 365 dias (e depois de mais uns 4 exames) Exame de qualquer geração MESMO (Já faz agiotagem emprestando dinheiro a juros de 15%/mês – afinal ele vai lá todos mesmo -, foi chamado pra ser padrinho do filho da recepcionista e é incluído no amigo oculto de final de ano da galera)

  22. 366 dias Se acha um idiota pq podia ter parado lá com 60 dias (90 forçando), mas tudo bem.. pelo menos fez novos amigos, e como em time que tá ganhando não se mexe, mês que vem estará lá firme e forte!

[tn_hot_post title=”Textos Que Estão Bombando Na Última Semana” limit=”11″ el_class=”bombing”]