Anúncios

O Anticorpo Monoclonal Pgt 121 Pode Levar À Redução Da Carga Viral Sem TARV

Esta é uma célula branca, da série dos leucócitos. Não é a representação de uma célula CD4. O que eu quero estabelecer, com esta imagem é o fato puro e simples que NINGUÉM pode ousar diagnosticar AIDS com base na contagem da série de *****LEUCÓCITOS**** CATSO



Carga Viral, por que é tão importante? Muitas pessoas me buscam, não mais pelo Whats App, é verdade, pois eu não me fechei ao diálodo. A carga viral alta, “acelera o trêm montanha abaixo e a carga viral baixa, desacelera este trem, rumo à ponte caída, no final da montanha”.

Nos temos baixado a carga viral e mantido-a baixa desde o final de 1996, início de 1997 e, desde lá, nada mudou.  Melhores remédios?

Sim!

Efeitos colaterais mais lights? (…).

Mas tudo depende, ou tem dependido de Terapia Antirretroviral e de sua adesão, quando pessoa vivendo  com HIV ou “caso de AIDS”.

De lá para cá, como eu disse em um programa da ESPM, pouco, ou quase nada mudou!

O Vírus Só Pode Ser Controlado Com Terapia Antirretroviral, mas isso pode estar para mudar!

O ANTICORPO MONOCLONAL PGT 121 PODE LEVAR À REDUÇÃO DA CARGA VIRAL SEM TARV

Anticorpo monoclonal
Kathryn_Stephenson O Crédito da Foto é o mesmo da autora da matéria

Um anticorpo monoclonal denominado Anticorpo Monoclonal PGT 121 de caráter experimental, levou à supressão viral que durou até seis meses em pessoas soropositivas iniciados com uma carga viral baixa, de acordo com os resultados de um pequeno estudo apresentado na Conferência sobre Retrovírus e Infecções Oportunistas (CROI 2019) no mês passado em Seattle.

Este é o prazo mais longo que alguém manteve o HIV indetectável após uma única infusão de anticorpos amplamente neutralizantes. E, dados iniciais sugerem que o Anticorpo Monoclonal PGT121, tem o potencial para uso como profilaxia pré-exposição (PrEP), disse a Dra. Kathryn Stephenson do Beth Israel Deaconess Medical Center, em Boston.

O ANTICORPO MONOCLONAL PGT 121 Pode Servir Também na PrEP

Anticorpos amplamente neutralizantes (bNAbs) que atuam contra uma ampla gama de cepas de HIV são uma das muitas abordagens que estão sendo exploradas em um esforço para curar o HIV ou, mais provavelmente, causar remissão a longo prazo que permitirá que pessoas com HIV mantenham a supressão viral terapia antirretroviral diária (ART) ao longo da vida.

Anticorpos Monoclonais sairia à caça desta "entidade", o HIV
Digital illustration of HIV virus in color background

Embora estudos prévios tenham mostrado que os bNAbs têm atividade contra a replicação do HIV, é menos claro que eles podem atacar o vírus em células infectadas de forma latente, conhecidas como reservatórios virais.

A maioria dos especialistas espera que seja necessária uma combinação de diferentes abordagens para alcançar uma remissão duradoura ou uma cura.

O Anticorpo Monoclonal PGT 121 é um anticorpo monoclonal recombinante que tem como alvo o sítio glicano V3 no envelope externo do HIV, SIV (um vírus relacionado que infecta macacos) e SHIV (um vírus híbrido humano-símio) e demonstrou atividade contra 60% ou mais das cepas de HIV encontradas em todo o mundo.

O PGT121 está sendo desenvolvido por uma colaboração que inclui a Iniciativa Internacional de Vacinas contra a AIDS, a Fundação Bill & Melinda Gates, o Instituto Scripps e as Ciências Theraclone.

Estudos anteriores em macacos-rhesus mostraram que o Monoclonal PGT 121 poderia diminuir a carga viral, ajudar a retardar a reação viral e proteger contra a infecção por SHIV, sugerindo que ela poderia ser usada tanto para o tratamento quanto para a prevenção do HIV.

No CROI do ano passado, o Dr. Dan Barouch, também de Beth Israel, relatou que a maioria dos macacos que receberam PGT121 sofreu rebote viral não muito depois de parar os antirretrovirais, mas alguns animais mantiveram a supressão viral por mais tempo do que o esperado. Adicionando GS-9620, um agonista de TLR7 que estimula os receptores do tipo Toll para ativar as células do sistema imunológico, levou a um maior atraso antes do rebote viral. De fato, cinco dos onze macacos tratados com a combinação mantiveram carga viral indetectável durante pelo menos seis meses após a interrupção da TAR.

Na conferência deste ano, Stephenson relatou as descobertas de um ensaio clínico de fase 1 do Anticorpo Monoclonal PGT 121 – o primeiro estudo em seres humanos.

A primeira parte do estudo foi um ensaio de escalonamento de dose que envolveu 20 voluntários HIV-negativos e 15 pessoas HIV-positivas em TARV supressora. Os participantes receberam 3, 10 ou 30 mg / kg de PGT121 administrados como uma infusão intravenosa única ou 3 mg como uma injeção subcutânea. Em cada grupo de cinco pessoas, uma pessoa recebeu um placebo.

 

A segunda parte foi um estudo aberto de PGT121 usando a dose intravenosa de 30 mg / kg em 13 pessoas HIV-positivas que não estavam tomando ART, das quais nove tinham carga viral alta (acima de cerca de 2000 a 100.000 cópias / ml) e quatro tinham carga viral baixa (cerca de 200 a 500 cópias / ml). Os participantes soropositivos eram em sua maioria homens brancos, com idade mediana de 44 anos para aqueles em TAR e 31 anos para os que não faziam TARV.

O TRATAMENTO COM PGT 121 PARECEU SEGURO E BEM TOLERADO. CONTAGEM DE CD4 PERMANECEU ESTÁVEL

 

A meia-vida do Monoclonal PGT 121 (uma medida de quanto tempo dura no corpo) foi de até 23 dias, mas menor em pessoas HIV-positivas que não estão em TARV (13 dias). Os efeitos colaterais mais comuns foram dor, vermelhidão e inchaço no local da injeção, geralmente classificados como leves.

Um participante experimentou um evento adverso moderado que se acredita estar relacionado ao medicamento. Não houve evidência de que o Anticorpo Monoclonal PGT 121 levou à respostas imunes celulares aumentadas e a contagem de células CD4 permaneceu estável.

Olhando para as pessoas soropositivas não em TARV cinco de nove participantes no grupo de alta carga viral mostrou evidência de atividade antiviral no dia 10, com um declínio de carga viral média de 1.7log10 (cerca de 60 cópias / ml); quatro foram considerados não respondedores.

Embora o HIV tenha sido sensível no início do estudo, no dia 21-28 todos os cinco tiveram repercussões virais e foram encontrados vírus resistentes.

No grupo de baixa carga viral HIV-positivo, os níveis virais caíram abaixo do nível de quantificação em dois participantes no dia 7.

Eles mantiveram a supressão viral prolongada livre de TARV, que em um caso durou mais de cinco meses e no outro ainda estava em andamento seis meses. Nesses participantes, a remissão viral continuou após os anticorpos PGT 121 terem caído para um nível baixo ou indetectável, sugerindo atividade de longo prazo. O acompanhamento continua a ver quanto tempo essa remissão durará.

“A supressão virológica de longo prazo provavelmente é devida à excelente potência do Monoclonal PGT 121, mesmo em níveis abaixo do limite de quantificação”, concluíram os pesquisadores.

Stephenson sugeriu que o PGT 121 provavelmente teria que ser combinado com diferentes anticorpos ou outros agentes em pessoas com cargas virais mais altas. Ela também sugeriu que Anticorpo Monoclonal PGT 121 poderia ter potencial como PrEP de longa duração.

Traduzido e republicado em português por Cláudio Souza do origial em Monoclonal antibody may lead to long-term viral load reduction Publicado: 11 de abril de 2019   NO AIDSMAP

Referência

Stephenson KE et al. Atividade terapêutica do anticorpo monoclonal PGT121 em adultos infectados pelo HIV. Conferência sobre Retrovírus e Infecções Oportunistas, Seattle, resumo 145, 2019.

 

Images relacionadas

Anúncios

Publicações Relacionadas

Comente e Socialize-Se. A vida é melhor com amigos!

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Soropositivo.Org, Wordpress.com e Automattic fazm tudo a nosso alcance no que tange à sua privacidade. Você pode saber mais sobre esta polític nste link Eu aceito A Política de Privacidade de Soropositivo.Org Ler Tudo em Política de Privacidade

%d blogueiros gostam disto: