27.7 C
São Paulo
5, dezembro,2019

O retorno da sífilis, a um dia chamada “doença do Cupido”

O retorno da sífilis é, segundo o meu posicionamento intelectual, uma “coisa” mais do que esperada!

A última coisa que uma pessoa pode pensar a meu respeito é que eu sou um conservador. Cruz credo três vezes! Libertário ao extremo eu já o fui, desde que não envolvesse crianças ou animais pessoas assim me geram asco 😡 desde que fosse consensual. Não é não. PONTO!  Entretanto, perdoem-me os mais sensíveis, eu nunca fui fã de “expressões de grande afeto” na via pública!

É verdade que eu ficava, sim, com Vera, ali no “Belo Ramo”.

Não era bem iluminado e, vez por outra aparecia o padre, enxotando todos os casais que estavam “dando um malho” por ali. Eu já falei de vera e o texto que fala dela está em revisão!

A AIDS como Freio Aerodinâmico

A AIDS serviu como um freio aerodinâmico, de tal forma que, tendo Fátima me resgatado das Ruas em 1981/1982, já em 1985 não se via absolutamente nada semelhante ao que eu vi!

Desta forma, e sei bem que muita gente discorda, discordou e discordará, a AIDS mudou, e mudo “pacas”, o comportamento sexual das pessoas.

Com a “cronificação  da AIDS” e da Infecção por HIV, o grande medo passou e, a bem da verdade, as coisas não são mais como eram e, embora NUNCA é uma palavra extremíssima, eu creio que nunca mais será como foi, um dia… Tudo passa….

Assim, como uma espécie de “liberou geral, voltemos ao carnaval” só podia, como bem pode e pôde, provocar …

…O Retorno Da Sífilis …

… como demostrou o Centro Europeu de Prevenção e Controle de Doenças (ECDC) que publicou, recentemente, seu relatório epidemiológico anual e um relatório técnico, destacando que as notificações de sífilis aumentam 70% em toda a Europa desde 2010. (Isso aqui Io-io é sim, um pouquinho de Brasil Ia-iá…

Conversamos com Andrew Amato-Gauci, chefe do HIV, sexualmente transmissível programa de infecções e hepatites virais no ECDC, sobre esta tendência preocupante e que medidas precisam ser tomadas.

Quais são as principais tendências destacadas no recente relatório do ECDC?

O retorno da sífilis  é, em linhas gerais a tendência é um aumento constante e significativo na taxa de diagnósticos de sífilis relatados em toda a Europa desde 2010. A segunda tendência está na proporção das taxas de diagnóstico masculino e feminino. Em 2000, os diagnósticos de sífilis foram relatados na proporção de 1,4 homens para 1 mulher. 

Com base nos números mais recentes, essa proporção é de 8,5 homens para 1 mulher, por isso é um aumento realmente substancial. 


Um olhar Mais focado

Quando analisamos isso mais de perto na Europa, também usando as informações disponíveis sobre a maneira como a sífilis é transmitida, descobrimos que a epidemia está crescendo principalmente entre homens que fazem sexo com homens.

Também analisamos países fora da Europa, incluindo EUA, Canadá, Austrália e Japão, e descobrimos tendências muito semelhantes de aumento das notificações de sífilis em todos esses países.

Nos EUA, que têm dados muito bons sobre sífilis, também há um aumento entre as mulheres, além do aumento da sífilis congênita.

Não vimos essa tendência apenas na União Européia, e entre homens mas, na verdade, nos últimos dois anos começamos a ver mais casos entre as mulheres; portanto, talvez estejamos apenas atrasados ​​e precisamos ficar de olho em quaisquer desenvolvimentos desse tipo. 

O que levou você a examinar a sífilis em detalhes neste relatório?

No ECDC, trabalhamos para identificar, avaliar e depois estudar possíveis ameaças causadas por doenças transmissíveis. Avaliamos evidências de estudos e projetos científicos, analisamos dados técnicos e coletamos nossos próprios dados dos estados membros europeus.

Em seguida, produzimos pareceres científicos ou relatórios técnicos que podem informar as decisões de políticas de saúde pública nos Estados membros.

Rede de Especialistas em Infecções Sexualmente Transmissíveis (no passado, “doenças venéreas”).

Temos uma rede de especialistas nomeados que trabalham em infecções sexualmente transmissíveis (DSTs) de todos os Estados membros, e o comitê de coordenação da rede se reúne pelo menos uma vez por ano. Em 2018, o comitê levantou preocupações sobre o aumento da sífilis que os médicos estavam observando e nos pediu que analisássemos a epidemiologia da sífilis, avaliássemos o nível de risco e indicássemos opções para responder a esse aumento.

Qual o impacto da sífilis nas pessoas afetadas?

Está pergunta me parece algo gerado por um equino!

A sífilis é uma infecção bacteriana, mas é bastante complicada no sentido de que pode resultar em infecção crônica com consequências para a saúde a longo prazo. Geralmente falamos sobre sífilis primária, secundária e terciária.

A maioria das pessoas com sífilis primária desenvolve uma pequena úlcera chamada câncer, dez dias a três semanas após a exposição. Essa úlcera geralmente é visível em um homem, porque está no pênis, mas em uma mulher, ela pode estar dentro da vagina e desaparecer completamente.

Eu passei por isso! Uma moça com olhos escuríssimos olhou para mim, sorriu, me “amansou” e me abateu! Dias depois a úlcera aqui mencionada apareceu. Ela é feia, tem “as bordas duras” e parece manter em si um líquido sem propriedades percebíveis!

Quando o médico me disse que era sífilis, eu fiquei P da vida e disse, metaforicamente, que “iria matá-la”! O médico me explicou o que acontecia e eu tive de ir até ela com a triste e mal recebida notícia, que resultou em rompimento deste breve affair!

Na língua, ou na garganta”!

No entanto, a úlcera pode aparecer em qualquer lugar que tenha tido contato com a bactéria, que é transmitida nos fluidos sexuais, podendo estar no reto, na língua ou na garganta.

Se você sente não percebe a úlcera ou não a trata, a infecção se torna o que chamamos de sífilis secundária

As bactérias começam a se espalhar por todo o corpo e os sinais habituais de infecção secundária são erupções cutâneas, geralmente iniciando nas palmas das mãos e nas solas dos pés. 

Você também pode ter queda de cabelo e sintomas semelhantes aos da gripe.

Se você novamente não perceber que isso é sífilis, a infecção pode se transformar na sífilis terciária mais perigosa.

Dez Anos!

A sífilis terciária pode levar dez anos para se desenvolver. Nesse ponto, as bactérias estão começando a corroer seu sistema nervoso. 

Pode causar sérios danos ao cérebro e ao coração e, se não for tratado, pode levar à morte!

Em qualquer estágio, é muito simples tratar a sífilis com penicilina. No entanto, se você tratá-lo tarde, o dano que ele já causou não é reversível, por isso é importante tratá-lo cedo.

Outra coisa que é importante entender sobre a sífilis é que, se uma mulher tiver sífilis quando engravida ou fica infectada durante a gravidez, ela também pode transmitir a infecção ao seu filho. 

Chamamos isso de sífilis congênita que pode levar a complicações muito graves durante a gravidez, várias deformidades fetais ou até resultar em natimorto ou que o bebê morre logo após o nascimento.

O que está causando o aumento nas taxas de sífilis que você observou?

O aumento não está apenas na Europa, é um fenômeno do mundo ocidental e provavelmente existem muitos fatores diferentes por trás disso. 

Obviamente, há uma clara relação entre comportamento sexual de risco e sífilis. Quando a epidemia de HIV começou nos anos 80, as pessoas começaram a usar muito mais preservativos. Como efeito colateral disso, as taxas de sífilis e outras doenças sexualmente transmissíveis caíram em todo o mundo ocidental.

 Parece que agora que o HIV é visto como mais uma infecção crônica, mas tratável, as pessoas estão menos interessadas em preservativos e sexo seguro, e esse é provavelmente um dos principais fatores por trás do aumento dos casos de sífilis.

Existem alguns outros fatores específicos. Por exemplo, para homens que fazem sexo com homens, que são o grupo mais afetado, fica claro em muitos estudos que houve um aumento no sexo anal sem preservativo. 

Também houve um aumento geral no número de parceiros sexuais e uma das razões para isso pode ser o aumento da popularidade de aplicativos de redes sociais ou de namoro, que facilitam a localização de parceiros sexuais. 

A profilaxia pré-exposição ao HIV (PrEP) só chegou muito recentemente como uma possibilidade de prevenir a infecção pelo HIV. Com essa opção, as pessoas parecem se preocupar menos com a infecção pelo HIV durante o sexo. 

Mas não usar preservativos, principalmente com parceiros novos ou casuais, também significa que você se abre para a possibilidade de outras infecções sexualmente transmissíveis, como a sífilis. 

Populações heterossexuais em outras partes do mundo, como nos EUA, estão vendo um aumento na sífilis nas mulheres, e estamos começando a ver isso na Europa. 

Isso é um pouco mais complicado. 

Claro, também está relacionado a ter múltiplos parceiros sexuais e sexo sem preservativo. Além disso, sabemos que o uso de álcool ou drogas prejudica o comportamento sexual mais seguro e também há uma associação com o trabalho sexual. As vulnerabilidades sociais, como pobreza e encarceramento, também são conhecidas por estarem associadas à sífilis.

O acesso aos cuidados de saúde é muito importante. Se você sentir falta da sua infecção primária, a única maneira de saber que tem sífilis é se for a um médico e pedir um teste. Se você não fizer um teste, simplesmente não saberá que o possui e o transmitiria sem saber aos seus parceiros sexuais.

O teste é um elemento muito importante do que estamos enfatizando. Pessoas que estão em risco ou podem estar em risco de infecção devem solicitar regularmente um check-up e um exame de sangue – é um exame de sangue muito simples.

Como devemos responder às notícias de que a sífilis está aumentando?

Em primeiro lugar, todos devem ler o relatório! No relatório, sugerimos ações baseadas em evidências.

Em geral, precisamos reconhecer a tendência geral de aumentar as IST e tomar medidas para enfrentá-la. 

A sífilis está subindo rapidamente e os dados também mostram aumentos semelhantes na gonorréia, clamídia e outras infecções. Estamos vendo essa epidemia evoluindo e um pouco ofuscada por outros eventos de saúde, por isso precisamos divulgar.

Gostaríamos de ver mais esforços na promoção de comportamentos sexuais mais seguros, na promoção do uso consistente de preservativos e no incentivo de pessoas que não usam preservativos de forma consistente a se apresentarem para testes frequentes. Por exemplo, as pessoas que tomam PrEP geralmente fazem testes de DST a cada três meses, e isso é excelente, porque você pode diagnosticar uma infecção muito cedo, tratá-la e reduzir a chance de transmissão.

Sugerimos várias outras respostas, como serviços eficazes de gerenciamento de parceiros. Em clínicas especializadas que lidam com sífilis, normalmente haveria um profissional de saúde designado (geralmente uma enfermeira) que perguntaria à pessoa que foi diagnosticada com sífilis se eles sabem quem pode ter passado a doença para ela ou se ela já passou. sobre isso. 

Essa enfermeira, então, ajuda a pessoa a enviar uma mensagem anônima ou confidencial a esses parceiros sexuais para pedir que eles façam o teste, novamente tentando interromper a transmissão.

Também acreditamos na importância da educação para os clínicos e a população sexualmente ativa em geral.

Muitos clínicos acreditam que a sífilis morreu na década de 1980, portanto, eles não estão tão conscientes quanto deveriam estar de que a sífilis está em alta e que deveriam fazer testes com mais frequência, mesmo em pessoas sem sintomas. 

Educação sexual escolar, não deve ser apenas sobre o HIV. Os jovens devem estar cientes da sífilis e de outras DSTs bacterianas que são tão facilmente tratadas, mas tão facilmente perdidas.

Há intervenções que gostaríamos que os Estados membros adotassem, como ter uma estratégia nacional para as IST, como poucos países têm atualmente. Também gostaríamos de ver planos de ação nacionais para controlar a sífilis.

Outro exemplo: há evidências de que os ‘pontos de verificação’ estão funcionando bem. 

São essencialmente clínicas de limiar baixo, que não se parecem com clínicas formais, e foram introduzidas em várias cidades da Europa, incluindo Barcelona, ​​Atenas e Londres. 

As pessoas podem simplesmente aparecer e fazer um teste. 

Esses serviços são muito eficazes, especialmente para certos grupos de homens que fazem sexo com homens que estão em maior risco.

Traduzido por Cláudio Afonso (nome formalmente adotado em honra a meu Pai) em 17 de Novembro de 2019 do teto escrito e publicado por Greta Hughson em 29 de agosto de 2019

Para mais informações, visite o site do ECDC.

Esse recurso apareceu na edição de agosto de 2019 da Eurobulletin

Para Ajudar com R$ 10,00 








 

Para Ajudar com R$ 20,00 








 

Para Ajudar com R$ 50,00 








 

Para Ajudar com R$100.00








Artigos Relacionados que você pode gostar de ler

Oi! Quer fazer alguma consideração a respeito? Não? Ok! Pense em fazer uma resenha deste assunto

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

A Automattic, o Wordpress e Soropositivo.Org, e eu, fazemos tudo a nosso alcance no que tange à sua privacidade. E estamos sempre aprimorando, melhorando, testando e implementando novas tecnologias de proteção de dados. Seus dados estão protegidos e, eu, Cláudio Souza, trabalho neste blog 18 horas or dia para, dentre tantas outras coisas, garantir a segurança de suas informações, posto que sei das implicações e complicações das publicações aqui passadas e trocadas Eu aceito A Política de Privacidade de Soropositivo.Org Conhecer Nossa Política de Privacidade