Riscos de Contágio por HIV – Conhecimento é Poder

By

image
0 Comments jun 3, 2020 HIV e AIDS, Sexo Oral E Os Fatos, Sexo Oral Passa ou Não Passa HIV, Sexo Oral Qual o Risco?, Zika Vírus , , , , , ,

A imagem é clicável e abre em outra aba

Riscos de contágio por HIV é o tema deste texto. É melhor que você saiba quais são os riscos. A questão nem sempre é, eu percebo, a janela imunológica. Quando a pessoa não conhece bem estes riscos, ela entra em uma situação de medo. Um medo que é filho do desconhecimento e, sem medo de dizer o que se pensa, é uma questão de ignorância. De ignorar fatos importantes de algo que todos sabem pouco, mas praticam sempre que podem!

E, neste caso, o conhecimento, o esclarecimento, te dá o poder de não contrair o HIV. Isso se, de alguma forma, você se ame o bastante para, pelo menos usar o preservativo. A camisinha, sendo claro e objetivo.

É preciso saber, para poder de evitar o contágio por HIV discernimento as coisas de uma forma simples o bastante para que você possa dizer não.

Não, não,não e pronto!

… Conheça Melhor Os Riscos de Contágio por HIV! 

Sexo anal e os riscos de contágio por HIV:

Sabe, se você tem dúvidas sobre sexo oral e contágio por HIV! E há um pouco mais sobre isso. Dificilmente o sexo oral se transmite pela via oral.

Apenas um caso, a penas um,  decisivamente documentado e confirmado de transmissão e contágio por HIV em relações com muito sexo oral entre duas mulheres, onde uma era bissexual e sua parceira, decididamente homossexual. Eu não vou grafar tudo, mas era uma fan…..

Mas o sexo oral pode trazer outras DST’s, doenças sexualmente transmissíveis que podem ser contraídas ou passadas através do sexo oral.

Neste outro link, você sabe um pouco mais sobre janela imunológica! E, também, sobre a confiabilidade dos testes do SUS

O risco de contrair o HIV varia muito, dependendo da atividade sexual praticada. O sexo anal (relação sexual), que envolve a inserção do pênis no ânus, acarreta o maior risco de transmissão do HIV se um dos parceiros for HIV positivo. 

Você pode diminuir o risco de contrair e transmitir o HIV por, simplesmente, usar preservativos da maneira certa toda vez que faz sexo; escolha de atividades sexuais de menor risco.

A PrEP, tomar remédio diário para prevenir o contágio por HIV, chamado profilaxia pré-exposição (PrEP); e tomar medicamentos para tratar o se você tiver HIV é chamado terapia antirretroviral (TARV).

Mas, se você é mulher, é bem difícil negociar o uso do preservativo com o parceiro.

E, veja, bem sei, a mulher pode sofrer agressões físicas, morais e emocionais por meramente sugerir o tema! E eu me envergonho de ser homem a cada vez que tomo conhecimento de tais fatos

E o que seria uma troca de carícias, um momento de intimidade acaba se tornando, literalmente um estupro!

Risco de contágio por HIV 

Sexo anal é o comportamento sexual de maior risco para transmissão do HIV e contágio por HIV. O sexo vaginal tem um risco menor, e atividades como sexo oral, toque e beijo têm pouco ou nenhum risco de contrair, ou transmitir o vírus que pode provocar a SIDA. A grande maioria dos homens que contrai o HIV recebe sexo anal. No entanto, o sexo anal também é uma das maneiras pelas quais as mulheres podem contrair o HIV.

Sexo Anal Receptivo & Sexo Anal Insertivo.

Durante o sexo anal, o parceiro inserindo o pênis é chamado parceiro insertivo (em que ocorre penetração, eu desenho aqui) e o parceiro que recebe o pênis é chamado parceiro receptivo (ou inferior).

O sexo anal receptivo é muito mais arriscado para contrair o HIV. O parceiro passivo tem 13 vezes mais possibilidades de ser infectado do que o parceiro ativo.

No entanto, é possível que um dos parceiros contraia HIV através do sexo anal a partir de certos fluidos corporais:

  • sangue,
  • sêmen (esperma),
  • líquido pré-seminal (pré-esperma) ou retal – de uma pessoa que tem HIV.
  • Ser parceiro receptivo durante o sexo anal é a atividade sexual de maior risco para contrair o HIV. O parceiro passivo corre mais riscos de se infectar HIV!

É  um risco muito alto, o mais elevado de todos, porque o revestimento do reto é fino, e sendo facilmente ferido, pode permitir que o HIV entre no corpo durante o sexo anal, mesmo por microfissuras;

  • informando um pouco mais, estas microfissuras, sem preservativo, podem dar livre acesso ao HIV se a pessoa passiva já é soropositiva para HIV.
  • O parceiro de inserção também está em risco de contrair o HIV durante o sexo anal.
  • O HIV pode contaminar o parceiro através da abertura na ponta do pênis, a uretra. 

Outras Infecções – Outras IST’s

Além do HIV, uma pessoa pode contrair outras doenças sexualmente transmissíveis (DST), como clamídia e gonorreia, por sexo anal sem preservativo. Mesmo que um preservativo seja usado, algumas doenças sexualmente transmissíveis ainda podem ser transmitidas através do contato pele a pele (como sífilis ou herpes).

Pode-se também pegar hepatite A, B e C; parasitas como Giardia e amebas intestinais; e bactérias como Shigella, Salmonela, Campylobacter E. coli do sexo anal sem camisinha, porque são transmitidas pelas fezes.

Veja bem. Você chega aqui preocupado com HIV. E a Hepatite C. Ou o zika vírus…

Ser testado e tratado de DST reduz as chances de uma pessoa contrair ou transmitir o HIV pela via do sexo anal.

Redução do risco de rompimento de  preservativos e lubrificação

Os preservativos masculinos de látex ou poliuretano são altamente eficazes na prevenção do HIV e de outras doenças sexualmente transmissíveis quando usados corretamente do início ao fim para cada ato de sexo anal. As pessoas que relatam usar preservativo reduziram consistentemente o risco de contrair HIV através do sexo anal  com um parceiro HIV positivo, em média, em 63%, e sexo anal receptivo com um parceiro soropositivo, em média, 72%.

Também é importante que seja usado lubrificante suficiente à base de água ou silicone durante o sexo anal para evitar o estouro do preservativo e o rompimento de tecido.

Os preservativos femininos de nitrilo também podem prevenir o HIV e outras DSTs.

Como os preservativos não são 100% eficazes, considere associar outros métodos de prevenção, como a PrEP para reduzir ainda mais seu risco.

PrEP – Profilaxia Pré Exposição

As pessoas que são HIV negativas e com risco muito alto para o HIV podem tomar remédios diários para prevenir o VIH, o vírus da SIDA é chamado profilaxia pré-exposição (PrEP).

Se tomada diariamente, a PrEP é altamente eficaz para prevenir o HIV do sexo. Eu, pessoalmente usaria preservativo e PrEP. Exagero?

Seguro morreu de velho!

Além disso, há a questão da adesão! Se seu parceiro é soropositivo e toma PrEP você saberia dizer se ele é uma pessoa com100% de adesão?

Pois, a PrEP,  sem adesão perfeita, é muito menos eficaz quando não é tomada de forma consistente.

Como a PrEP não protege contra outras doenças sexualmente transmissíveis, USE PRESERVATIVOS (A BENDITA CAMISINHA) da maneira certa sempre que fizer sexo.

PEP Profilaxia Pós Exposição

Profilaxia pós-exposição (PEP) significa tomar medicamentos anti-retrovirais – medicamentos usados ​​para tratar o HIV –depois de serem potencialmente expostos ao HIV durante o sexo para evitar serem infectados.

 

A PEP é bem diferente da PrEP!

aA PEP deve ser usado apenas em emergências e deve ser iniciado dentro de 72 horas após uma possível exposição ao HIV, mas quanto antes melhor. E você deve estar pensando: poutz, se eu soubesse disso um mês atrás… Águas passadas, leitora, águas passadas leitor!

A PEP deve ser tomada uma ou duas vezes ao dia por 28 dias. E também como 101% de adesão.

Quando administrada corretamente, a PEP garante, sim o resultado. A Prevenção Pós Exposição é eficaz na prevenção do HIV.

É informado no Disk AIDS em 0800 16 25 50 que a PEP consistente não permite soroconversão Para conseguir a medicação para a PEP, entre em contato com seu médico, seu departamento de saúde local ou estadual, ou vá para um pronto-socorro. Esta sua situação é emergência médica

TARV ou Terapia Antirretroviral

Para pessoas com HIV, os medicamentos para o HIV (chamados terapia anti-retroviral ou TARV) podem reduzir a quantidade de vírus no sangue e nos fluidos corporais para níveis muito baixos, se tomados conforme prescrito. Isso é chamado supressão viral– geralmente definido como tendo menos de 200 cópias do HIV por mililitro de sangue. O medicamento para tratar contra HIV pode até tornar a carga viral tão baixa que um teste não pode detectá-la. Isso é chamado de carga viral indetectável. As pessoas que tomam o medicamento contra o HIV conforme prescrito e conseguem a carga viral indetectável e as mantém suprimidas ou indetectáveis ​​por vírus podem permanecer saudáveis ​​por muitos anos e não têm risco de transmitir o HIV a um parceiro HIV negativo por sexo. Somente os preservativos podem ajudar a proteger contra outras DSTs. 

Outras maneiras de reduzir o risco 

As pessoas que praticam sexo anal podem fazer outras escolhas comportamentais para diminuir o risco de contrair ou transmitir o HIV. Esses indivíduos podem:

  • Escolha comportamentos menos arriscados, como sexo oral, que tem pouco ou nenhum risco de transmissão.
  • Faça o teste e o tratamento de outras doenças sexualmente transmissíveis.

 Nota: Está em inglês e não é aplicável ou adequado á realidade econômico/social do Brasil.

Ligue para o Disque AIDS:

0800 16 25 50 

Traduzido por Cláudio Souza na noite de 3 de junho de 2020 para Soropositivo.Org 

Atualiado em24 de junho de 2020

Revisão Pendente – Se você deseja revistar o texto, por favor, envie-o já revisado no formulário adequado e informe se deseja o crédito ou não da tradução.

Conte com minha gratidão. Sei que é pouco. Mas é o que tenho!

Conforme prometi a pessoas com limitações de visão este é o link para O Ciclo de Vida do HIV

[the_ad_placement id=”conteudo”]

 

 

Recursos adicionais em inglês

Estudo PROUD E SEUS RESULTADOS[/vc_column_text][/vc_column_inner][/vc_row_inner][/vc_column][/vc_row]

A imagem é clicável e abre em outra aba


Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.