Blog Soropositivo. Org

Risco de pegar HIV! Quais São Os Seus Riscos Nestes cenários?

Image default
Gerenciamento de Riscos e AIDS

Chances de pegar HIV? Tenho chances de pegar HIV assim?

Eu não saberia dizer. Mas, há fatores!

Apesar de tudo, sempre é preciso alguma cautela!  Afinal, no cenário que estamos analisando, há pelo menos duas pessoas, com uma delas um pouco mais animada que a outra na hora H.

E… sim, você corre riscos! Nada de mal nisso (!!!), afinal, eu, Cláudio Souza, era assim e estou aqui, trabalhando em um blog sobre HIV e AIDS né?

Nada mais idiota a seguir como raciocínio de relações sexuais! O fato é que eu só pensava nisso e me borrava de medo depois.

E…. Em depois e depois… Eu acabei, sim, contraindo HIV desta forma…

…Contra  todas as probabilidades…

…que era como eu acreditava que poderia ser!

Jogar o jogo dos números do HIV é menos – e mais – arriscado do que você pensa. Para as últimas atualizações relacionadas.

Você pode pegar o HIV por sexo oral? Essa é provavelmente uma das perguntas mais comuns aos médicos e prestadores de serviços de AIDS.

Os americanos realmente querem conhecer o risco de HIV durante a felação – mais ainda do que durante o sexo anal. Claro, você pode pesquisar no Google, mas os resultados podem confundir e assustar ainda mais.

O Folheto do CDC e seus riscos de contrair HIV

Um folheto do Centers for Disease Control and Prevention (CDC) descreve a probabilidade de transmissão do sexo oral como “baixa”.

Mas o que isso significa? O site AIDS.gov (em inglês) coloca desta forma:

Você pode contrair o HIV realizando sexo oral com seu parceiro.

Eu tenho uma história a contar. E vou contar. Mas não hoje (01/08/2020)

Muito embora o risco não seja tão grande quanto com o sexo anal ou vaginal desprotegido”.

Com relação a ir para baixo em uma mulher, o site explica: “O HIV foi encontrado nas secreções vaginais, portanto, existe o risco de contrair o HIV a partir dessa atividade”.

Isso deixa sua mente à vontade? Dificilmente. É por isso que muitos de nós procuramos porcentagens e proporções quando falamos de risco. 

E números parecem menos abstratos, mais específicos. Mas eles nos dão uma melhor compreensão do risco de HIV e saúde sexual?

Vamos Pensar Um pouco

E façamos fazer as contas:

As probabilidades de transmissão do HIV por exposição ao vírus geralmente são expressas em porcentagens ou em probabilidades. 

Por exemplo, o risco médio de contrair o HIV através do compartilhamento de uma agulha uma vez com um usuário de drogas HIV positivo é de 0,67% (nem assim, ilustre, ilustríssimos e ilustríssimas leitoras e leitores, deveis usar drogas!), o que também pode ser declarado como 1 em 149 ou, usando as proporções preferidas pelo CDC, 67 em 10.000 exposições

O risco de contrair HIV fazendo um b*****e em um homem HIV positivo que não está em tratamento é de, no máximo, 1 em 2.500 (ou 0,04% por ato). 

Mas depois, com a coisa feita, vem o medo! Janela imunológica é o portal de sofrimento de incontáveis

O risco de contrair o HIV durante a penetração vaginal, para uma mulher nos Estados Unidos, é de 1 por 1.250 exposições (ou 0,08%); para o homem nesse cenário, é 1 por 2.500 exposições (0,04%, o mesmo que realizar felação).

Quanto ao sexo anal, o ato sexual mais arriscado em termos de transmissão do HIV, se o parceiro ativo e HIV-negativo – o parceiro de inserção – e um fundo HIV-positivo tiverem sexo desprotegido, as chances do topo contrair o vírus a partir de um único encontro são 1 em 909 (ou 0,11 por cento) se ele é circuncidado e 1 em 161 (ou 0,62 por cento) se ele não é circuncidado. 

A Bala com Papel e A Representatividade Percentual

E se uma pessoa soronegativa se envolve com uma pessoa que tem o comportamento de risco como métrica de vivência, ou a que não gosta de chupar bala com papel (eis-me aqui, o idiota propriamente em ação), e ejacula por dentro, as chances de transmissão do HIV são, em média, inferiores a 2%. 

Especificamente, é de 1,43 por cento, ou 1 em 70. Se o sujeito sair antes da ejaculação (o coito interrompido), as chances são de 1 em 154.

E o que isso poderia e pode representar? 

Graças a Deus, HIV é realmente pouco ineficiente em se transmitir por conta seu modus operandi, especialmente à luz das estatísticas alarmantes com as quais somos bombardeados

Embora o planeta Terra tenha mais de trinta milhões de pessoas vivendo com HIV, e nenhum deles é um problema orçamentário, exceto pela visão tacanha e medonha de uns e outros… se a taxa de novas infecções permaneçe estável, houve um aumento de 12% entre 2008 e 2010 entre homens que fazem sexo com homens (HSH) – incluindo um salto de 22% entre jovens HSH entre 13 e 24 anos.

Um relatório do Instituto Black AIDS afirma que homens afro-americanos que preferem fazer amor com pessoas do mesmo sexo têm cerca de vinte e cinco por cento 25% de possibilidades, uma em cada quatro chances, de contrair o HIV naquele momento específico de sua época entre os 25 anos e uma chance de 60% aos 40 anos, pouco mais de uma a cada duas relações

Entretanto…

Sim, entretanto, outros pesquisadores previram que metade de todos os homens gays nos Estados Unidos, com 22 anos hoje, serão HIV positivo aos 50 anos.

Sem Conhecimento sobre Sexo Seguro

Então, como vamos das probabilidades de 1 em 70 de que o HIV será transmitido durante o ato sexual mais arriscado para as chances de mais 1 em 2 de que jovens gays nos Estados Unidos contraiam o HIV antes dos 50 anos? 

E antes que você pense: não, a resposta não é que todo mundo com HIV é um/uma tremendo/tremenda vagabundo/a ordinários e ordinárias que nunca ouviu falar de sexo seguro. NÃO É ISSO!

WE nos deram espelhos!

E nos deram espelhos!

Renato Russo

Para começar, você precisa entender que essas probabilidades de transmissão do HIV por exposição única são médias! São números gerais que não refletem os muitos fatores que podem aumentar OU diminuir o risco.

Um desses fatores é a infecção aguda, o período de seis a 12 semanas após a contração do vírus. Nesse momento, a carga viral dispara, aumentando a infecciosidade de uma pessoa em até 26 vezes. Então, ali mesmo, o risco por ação de transmissão vaginal receptiva salta de 1 em 1.250 exposições para 1 em 50 exposições, e o risco de sexo anal receptivo passa de 1 em 70 para mais que 1 em 3. 

Infecção Aguda, Testes de HIV e Infecciosidade

Também é importante perceber que, durante a infecção aguda, o sistema imunológico ainda não criou os anticorpos que diminuem a carga viral, pelo menos por alguns anos. Os testes de HIV que dependem de anticorpos podem fornecer uma leitura falsa negativa durante uma infecção aguda, também conhecida como “período da janela”.

A presença de outra infecção sexualmente transmissível (DST) – mesmo sem sintomas, como gonorreia na garganta ou no reto – pode aumentar o risco de HIV até 8 vezes, em parte porque as DST aumentam a inflamação, portanto, o número de glóbulos brancos que com tropismo ao HIV. 

Condições vaginais como vaginose bacteriana, secura e menstruação também alteram o risco.

Não há muita certeza nesses números. Mas eles podem ser uma boa ferramenta para entender os riscos. Outros fatores reduzem o risco. A circuncisão faz isso em média 60% para homens heterossexuais (eu fui circuncidado, no entanto, eis-me aqui!). 

Tratamento Como Prevenção?

Pessoas HIV positivas que têm uma carga viral indetectável graças aos remédios podem reduzir o risco de transmissão em 96% (eu não apostaria a saúde de alguém com que fosse para a cama, a parede, ou um camarim do Le Masque, desta forma), um conceito conhecido como “tratamento como prevenção”.

Os primeiros resultados do estudo PARTNER em andamento (concluído em 2017) encontraram zero transmissões entre os casais heterossexuais e sexualmente ativos sorodiscordante heterossexuais, bem como gays também sorodiscordantes em tratamento bem-sucedido, mesmo se as DSTs estivessem presentes –Os laboratórios agradecem aos “partners!”–. Pessoas soronegativas podem tomar uma pílula diária de Truvada (…) como profilaxia pré-exposição, ou PrEP, para reduzir seu risco em 92%; da mesma forma, há profilaxia pós-exposição ou PEP. 

O Insulto – Durante décadas Foi  a Única Possibilidade

O CDC diz que os preservativos reduzem o risco em cerca de 80%. (isso é um insulto à minha inteligência)  Certamente, esses números variarão com base no uso correto e consistente da estratégia de prevenção.

Os pesquisadores também veem o risco através das construções de família, relacionamentos, comunidade e status socioeconômico. 

Um exemplo rápido: 

De acordo com dados do CDC, 84% das mulheres HIV positivas contraem o vírus por meio de contato heterossexual. Como observam pesquisadores como Judith Auerbach, PhD, professora adjunta da Universidade da Califórnia em San Francisco, a frase “contato heterossexual” mascara a prevalência do sexo anal entre casais heterossexuais e o papel da violência sexual – o que pode ser significativo porque a exposição a desigualdade de gênero e a violência por parceiro íntimo triplica o risco de uma mulher ter DST e aumenta sua chance de contrair o HIV 1,5 vezes.

Sexo, Sexualidade e Vida ou Estatísticas?

A cada três relações, uma é de risco total – Estatisticamente falando! Depois, há o conceito de risco cumulativo. Os números frequentemente citados para o risco de transmissão do HIV consideravam uma instância de exposição. Mas este não é um número estático. O risco se acumula através de exposições repetidas, embora você não possa simplesmente adicionar as probabilidades de cada exposição para pontuar seu risco total. 

Os estatísticos, caso você esteja curioso, têm uma fórmula para o risco cumulativo: 1 – ((1 – x) ^ y) em que x é o risco por exposição (como um decimal) e y é o número de exposições.

Mas, convenhamos, muitos de nós não podemos tabular a dica em um restaurante, por isso é improvável que elaboremos a álgebra avançada durante naquela hora, a assim chamada “Hora H”

No entanto, nem mesmo os maiores matemáticos do mundo seriam sábios para avaliar o risco de HIV com base em estatísticas – Seria fazer apostas de vida ou morte usando dados onde o empate é do outro lado. Fazer isso é uma aposta séria, com implicações próximas à loucura. 

Números e probabilidades podem ser mal calculados e mal interpretados e nossas vidas, ou a qualidade delas, não podem ser “protegidas neste contexto!”

Matemática Aplicada, sexo, sexualidade e gerenciamento de riscos

Caso em questão: 

Ter uma chance de 1 em 70 de transmitir o HIV não significa que são necessárias 70 exposições ao vírus para soroconverter.  Significa simplesmente que de 70 exposições, em média, matematicamente pensando, uma delas levaria ao contágio por HIV.

Veja bem, se você usar estes números, fazer sua aposta e colocar a bolinha na roleta, é sempre uma roleta, pode ter o azar (a falta de tosse ou a imprevidência, bem como certas maldades, você poderia, pode e talvez contraia já na primeira exposição.

Ou na segunda! 😉

Outro conceito importante a entender é o risco absoluto (qual é realmente o risco) versus o risco relativo (a variação percentual no risco). 

Riscos Relativos ou Riscos Relativizados

O HIV é um problema sério +  Mas contrair HIV é problema para todos?
Esta pergunta deve ser feita antes da decisão de não usar preservativos!Imagem de Gordon Johnson por Pixabay

Frases como “PrEP podem reduzir seu risco em 92%” nos falam sobre riscos relativos, mas a maioria das pessoas deseja conhecer riscos absolutosNeste exemplo, uma redução de risco de 92% não significa que o risco absoluto final é de 8%.

Em vez disso, é uma redução de 92% no risco inicial. Se o risco absoluto inicial for de 50%, a PrEP reduz o risco para 4%; se o risco inicial for de 20%, a PrEP o reduzirá para 1,6%. 

Você ainda esta em frente à roleta, com a bolinha mão? Eu estava! E…

Armado com dados como esse, é tentador tentar calcular o risco de HIV para cenários específicos e planejar adequadamente. 

Por exemplo, quais são as chances de contrair o HIV de alguém com uma infecção aguda se você estiver em PrEP? 

Tais exercícios podem ser problemáticos, adverte James Wilton, do CATIE (em Francês). O Canadian AIDS Information Exchange, em inglês, especialista em biologia da transmissão do HIV e suas implicações na comunicação de risco de HIV.  Na vida real, devido a todas as variáveis ​​envolvidas – variando da carga viral de uma pessoa à prevalência do HIV na comunidade – são muito difíceis de identificar os riscos iniciais, portanto, também os riscos finais para cada indivíduo. 

“Os números que você apresenta não são definitivos”, observa ele. 

O HIV é um problema sério +  Mas contrair HIV é problema para todos?
A camisinha impede o efeito dominó

Além disso, muitas vezes existem lacunas na pesquisa, diz ele, o que significa que, em muitos casos, os cientistas ainda podem não ter exemplos do mundo real para fazer backup desses números e cálculos, mas eles têm modelagem matemática e lógica biológica para explicar por que certas ideias sobre o HIV o risco é verdadeiro. 

Por exemplo, não temos pesquisas diretas mostrando que o risco de transmissão do HIV na PrEP é maior se um parceiro tiver infecção aguda pelo HIVAlém disso, muitos estudos sobre HIV são realizados entre casais heterossexuais sorodiscordantes na África, e os cientistas não têm 100% de certeza de que os resultados se aplicam a todos.

“Sabemos que não há muita certeza nesses números”, diz Wilton. 

 

Mas ele enfatiza que “elas podem ser uma boa ferramenta para ajudar as pessoas a entender os riscos – elas só precisam ser empacotadas com muita informação”. 

Para uma discussão mais detalhada, consulte os seminários on-line de Wilton no CATIE.ca

E para obter uma excelente cartilha sobre como entender as estatísticas de saúde, pegue uma cópia de Know Your Chances: 

Durante o sexo (nesta hora a palavra é transa com música do Gonzaguinha -Explode…”, nossa percepção de risco é substituída por amor, luxúria, confiança e intimidade.

Gerenciamento de Riscos Em Caso de AIDS?!

Quando você não tem informações ou entende mal os fatos, não consegue entender o seu verdadeiro risco de HIV. Se você subestimar a prevalência do HIV em sua comunidade, subestimará seu risco.

Pesquisas descobriram que mais de um em cada cinco homens gays nas cidades urbanas são HIV positivos, e o vírus é mais prevalente entre HSH de cor e certas comunidades.

As pessoas nessas comunidades têm maior probabilidade de entrar em contato com o vírus, mesmo que tenham menos parceiros e pratiquem sexo seguro com mais frequência. Em outras palavras, o risco de HIV de todos não é o mesmo. Talvez o maior erro de cálculo seja a avaliação incorreta de que você ou seu parceiro são HIV negativos; aquela coisa:

Ahhhhh ela não “tem isso”, linda assim?

Toim…

É por isso que estratégias de redução de risco, como a serosorting (palavra intraduzível que pode ser interpretada como roleta russa sexual… 

De Braços dados

Ou isso: fazer sexo sem preservativos apenas com pessoas que assim suposta e desejadamente possam estar vivendo o mesmo status sorológico, que têm margens de erro desastrosas, deploráveis e  tragicamente maiores! Perry Halkitis, PhD, pesquisador da Universidade de Nova York que acompanhou coortes de jovens HSH e idosos soropositivos, observou que as pessoas supõem como: 

“Ele é mais velho e da cidade, então é bem provável que seja positivo e eu não.

E aquela moça linda, de olhos escuros, corpo torneado por Vênus, uma sereia….! Esta moça “assim, tão linda, tem não”…

E lá vou eu “dormir com ela”. Claro que, dormir, com ela, naquela noite, será tudo o que não se fará!!!

“Pessoas tomam decisões sexuais com base em suas avaliações emocionais, com sua luxúria, seu desejo, o volume de hormônios na corrente sanguínea e, citando Paulo Calabrês, do Neurovox a paixão é um estado temporário de loucura ou demência parcial.

Gente, como eu sei disso! O louco em pessoa perderia para mim!

Vocês conhecem o Tarô?

 

A pessoa, e ela precisa ser muito mais focada no ato“, diz Halkitis, que também acredita que a educação básica em HIV deve entrar nas nuances da transmissão.

Ele se pergunta então sobre quem estaria, bem agora, ensinando os jovens a não usar vaselina com preservativos, por exemplo, ou não fazer um ducto antes do sexo (se necessário, faça isso algumas horas antes) ou, se você estiver usando drogas, não compartilhar a água e fezes, que também podem espalhar o vírus.

 Todos os números no mundo não vão mudar o fato de que as pessoas são péssimas ao avaliar seus riscos de contágio por HIV. 

Muitas vezes, por um bom motivo. Se você está lutando para encontrar um emprego, uma refeição ou um lugar para morar, o HIV não está no topo da sua lista de preocupações, mesmo que a exposição a mais riscos em sua vida diária aumente o risco do vírus. 

Paixão estupidifíca

Se você está se apaixonando ou namorando, não vê o seu parceiro como uma ameaça à sua vida, em especial com relação ao HIV, apesar do fato de que hoje dois terços das infecções  por HIV que acontecem em toda a parte,  estão ocorrendo entre casais, e não importa a natureza destes casais, em todo o planeta! E é bem evidente para mim que isso acontecia em toda a parte!

Amarílis foi uma caso assim”

Jaqueline, a faz zum, zum também contraiu assim! 

Eu persisto; A Drª Vera Paiva, do NEPAIDS, afirmou que o casamento é um situação de risco para a mulher! E concordo em gênero, número e grau! Indo além, citando-a novamente: Não é possível fazer prevenção ao HIV/AIDS.

Mesmo nas conexões, de pessoa a pessoa, provavelmente não se está  tabulando, relacionamento após relacionamento, seu risco pessoal de contrair HIV!

Congelando o Sangue!

 Uma pesquisa pediu que jovens HSH que praticavam sexo online listassem suas principais preocupações. 

As respostas? 

Que se a pessoa que eles conheceram não se parecesse com o que se apresenta em seus perfis, ou que representassem risco de espancamento ou roubo, seriam, sim, rejeitados e a sorologia para HIV não era, e não seria mesmo, a principal preocupação.

No Rala e Rola.

Isso não ocorre porque os jovens desconheciam o vírus, diz Alex Carballo-Diéguez, PhD, um dos autores desse estudo, com inúmeras pesquisas adicionais sobre HSH e HIV. 

Percepção de Risco

“Na sala de entrevistas, sentado à minha frente, a maioria dos homens gays aumenta a percepção de risco e pode recitar com precisão todas as circunstâncias que podem resultar na transmissão do HIV”, diz Carballo-Diéguez. 

“Mas, no momento do encontro sexual, quando os homens buscam a experiência mais satisfatória possível, a percepção de risco retrocede e é substituída por amor, confiança, intimidade, luxúria, excentricidade e muitos outros condimentos que melhoram o sabor do sexo. 

Esta Citação Vem Bem A Calhar:

Le Coeur é ses raisons that la raison ne connait point ”

Blaise Pascal

Pity!

“Nossas experiências sexuais não são sobre ‘Perigo! Perigo! Will Robinson! ‘”, diz Jim Pickett, diretor de advocacia de prevenção e saúde dos homens gays na AIDS Foundation of Chicago. 

Quando davam pouco menos de 1:45 no Le Masque eu já tinha preparado os gravadores de rolo, tinha colocado o mesmo no ponto, engatilhava também uma fita K₇, para eventuais emergências e, assim que Pity passava em direção ao camarim dela eu pensava:

“Aqui vamos nós”. O que nos animava? Bem, o layout de cada um de nós pesava muito! Ela era uma mulher belíssima, que sabia exatamente como me esperar e assim que nos encontrávamos ali, no camarim!

Ninguém faz amor com uma calculadora na mão, ou com um taxímetro ao lado da cama!

Nossa! E, sim…

…sexo é sobre prazer, intimidade e coisas que nos fazem sentir bem. E no mundo real, os que assumem riscos são celebrados. Temos que correr riscos todos os dias.” 

Uma abordagem melhor, ele diz, não é perguntar:

 “Qual é o meu risco para o HIV?” mas, em vez disso, pense: 

Posso pegar HIV aqui?

 

A Banalização da AIDS é um Problema Sério

Len Tooley, um colega de Wilton no CATIE que também faz o teste de HIV, concorda. 

A saúde sexual é frequentemente enquadrada na ideia de risco em vez de recompensas.

Isso pode apresentar o HIV e os que vivem com ele como o pior resultado possível que se possa imaginar, ele observa, o que não é apenas estigmatizante, mas muitas vezes irracional e falso, já que muitas pessoas com HIV estão, de fato, muito bem.

Sim! É verdade. Muito bem, tomando de 5 a 25 comprimidos por dia! 

Legal isso né? Houve um patso. Um que acabou soterrado em seu mar de conveniências que dizia que viver com HIV é bom. Sim! Mas ele era não reagente e, até onde eu vi, ele não queria contrair o HIV. Né não Ledus Enganus!

A Banalização em si: Leia Aqui!

E as lentes Azuis ou Cor-de-rosa

“Quando nos envolvemos em conceitos de risco, é fácil descer pela toca do coelho”, diz Tooley. 

“Quando as pessoas pedem números, geralmente tentam encontrar um equilíbrio entre o que querem fazer sexualmente e as chances de que essas atividades levem à transmissão do HIV”. 

Um simples folículo inflamado, ou trinta mil deles não são sinais coerentes de AIDS

E tenha em mente: O COVID-19 é algo devastador e com sequelas vertiginosas!

As discussões que se seguem, ele diz, levantam questões sobre moral e valores em torno da transmissão do HIV, sobre quanto risco acreditamos que vale a pena correr, como percebemos o HIV como um possível resultado de nossas ações e quando é bom descartar preservativos

Eu Sugiro, mesmo porque eu tive de aprender, que se pratique sexo seguro!

E tenha em mente que é possível ter um bebê. Ser mãe ou pai apesar do HIV. Há precauões a serem adotadas, claro! Mas é possível! Em outras palavras, perguntas que não podem ser respondidas com um número!

Simples assim!  Como também é preciso explicar que “linfonodos reacionais” não é um sintoma claro de se ter AIDS. E, para clarear bem, linfonodos reacionais tem um nome bem mais simples:

Ínguas!

Simples assim! Palavras bonitas não te tornam autoridade em pi**s!…

Traduzido por Cláudio Souza, em 24 de julho de 2020 do original em, Against All Odds: What Are Your Chances of Getting HIV in These Scenarios? Publicado, originalmente em 26 de março de 2014 Por Trenton Straube

 

O Bom Combate

Precisa conversar, comece neste formulário para ter o meu WhatsApp Cláudio

No Entanto, leia abaixo, por favor

A Natura Tem um compromisso com o meio ambiente e com a sociedade em si, trabalhando, em muitas frentes, não apenas com produtos e apoio à preservação de recursos naturais para lá de importantes

Penso que cada consultora e consultor da natura é um destes combatentes em uma luta que, em síntese, é feita pela nossa sobrevivência até mesmo como espécie dentro deste Planeta já bem desgastado irritado e cansado de nossos desmandos.

De alguma forma a Natura se faz minha parceira, em um entendimento que só a mim faria sentido, pois, sem saber praticamente nada a meu respeito, ajuda-me a manter minha dignidade pessoa.

Poucas são as pessoas que podem realmente compreender a minha dor em não ser, DJ depois de tantas conquistas como "DJ" ! Mas a parte mais difícil é a de não ser aceito por uma sociedade que, de fato, nunca tratou-me com elegância ou cuidados.

Bem o Oposto, diriam Maira e Valéria.

Amigas dentro deste mundo de onde, há bem pouco tempo, mais uma de minhas testemunhas partiu!

A cada momento que passa, alguém mais cai.

Levantar-se não deve ser a opção única

A maneira com que luta contra o HIV, A AIDS e o Preconceito é conhecida de poucos.

Só amigos e amigas podem entender melhor o que eu digo, e saber melhor o que eu sinto!

Engraçado... Eu não penso para escrever. Eu vou escrevendo o que estou pensando e, sim, é muito inressante eu notar que Deus tirou uma pessoa de grande importância em minha vida e depois, quase ato contínuo, fem-me vez outra, que me acompanhava em silêncio e me compreende melhor! Melhor, eu temo dizer, mesmo que este amigo que se foi!

Eu disse a esta pessoa que ela é bem vinda em minha vida.

E sim, sei que sou bem pequeno em meio a tudo isso, mas recordo-me, e sempre, de uma amiga que não conseguiu me compreender por inteiro, mas que soube valorizar meu trabalho, que o beija-flor sempre será lembrado, por menor que seja a gotícula d'água em seu pequenino bico, no lancinante esforço, no combate até á morte, contra o incêndio na Floresta.

E voltando ás florestas, eu menciono, uma vez mais, o meu trabalho de consultor de beleza da Natura, que faz este maravilhoso trabalho de proteção, preservação e de cuidado com a Natureza

Eu tenho meus projetos para o Blog e os recursos que eu obtiver neste trabalho serão,m sempre e sempre revertidos para o Blog!

O fato é este: Para que o mal prevaleça basta que os bons não façam nada

Penso que isso explica algumas coisas. Apesar de precisar, eu busco escolher com quem trabalhar

Navegando no site da Natura você paga como melhor for para ti!

Em seguida a Natura embala os produtos e te entrega, em geral, em, usualmente, no máximo 96 horas!

Assim, parte desta venda e passada a mim! Como comissão de vendas, livre de qualquer aparência de ter adquirido o produto aqui, em Soropositivo.Org!

E eu, com toda a certeza, apresentarei a contas do bloig quando desejar, em um prazo de até 72 horas! Você pode encontrar tudo o que precisa aqui, neste link: Produtos Natura

PARA OUTROS ASSUNTOS, PODEMOS COMEÇAR POR AQUI

class="cfwppformfix">


Digite o código de segurança:
O HIV é um problema sério +  Mas contrair HIV é problema para todos?
Código de Segurança:

Enviar mensagem

Há Vida Com HIV

Tem algo a dizer? Diga!!! Este blog é melhor contigo!!!

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Soropositivo.Org, Wordpress.com e Automattic fazm tudo a nosso alcance no que tange à sua privacidade. Você pode saber mais sobre esta polític nste link Eu aceito A Política de Privacidade de Soropositivo.Org Ler Tudo em Política de Privacidade

Whatsapp WhatsApp Us
Quer Conversar? Diga olá!

Este Site usa Cookies e você pode recusra este uso. Mas pode saber bem o que está sendo registrado em, conssonãncia com nossa política de privacidade