Vaginose Bacteriana – Doença Inflamatória Pélvica

Inicial / DST / Vaginose Bacteriana – Doença Inflamatória Pélvica
Vaginose bacteriana, Vaginose Bacteriana – Doença Inflamatória Pélvica
DST
Vaginose bacteriana, Vaginose Bacteriana – Doença Inflamatória Pélvica
Imagem de Gerd Altmann por Pixabay

Vaginose Bacteriana, também conhecida como Doença Inflamatória Pélvica é uma DST que pode criar muitos problemas para a saúde da mulher, a saúde feminina. No entanto, o mais sério problema é facilitar o contágio por HIV, qualquer mulher pode ter vaginose bacteriana. Ter vaginose bacteriana pode aumentar sua chance de contrair uma DST.

O que é vaginose bacteriana?

A vaginose bacteriana (VB) é uma condição que ocorre quando há uma quantidade excessiva de certas bactérias na vagina. Isso altera o equilíbrio normal das bactérias na vagina.

Quão comum é a vaginose bacteriana?

A vaginose bacteriana é a condição vaginal mais comum em mulheres de 15 a 44 anos.

Como a vaginose bacteriana se espalha?

Os pesquisadores não sabem a causa da VB ou como algumas mulheres a contraem. Sabemos que a condição geralmente ocorre em mulheres sexualmente ativas. A vaginose bacteriana está ligada a um desequilíbrio de bactérias “boas” e “prejudiciais” que normalmente são encontradas na vagina de uma mulher. Ter um novo parceiro sexual ou múltiplos parceiros sexuais, bem como a ducha higiênica, pode perturbar o equilíbrio das bactérias na vagina. Isso coloca a mulher em maior risco de contrair vaginose bacteriana.

Também não sabemos como o sexo contribui para a vaginose bacteriana. Não há pesquisas que demonstrem que o tratamento de um parceiro sexual afeta o fato de uma mulher contrair ou não VB. Ter VB pode aumentar suas chances de contrair outras DSTs.

A vaginose bacteriana raramente afeta mulheres que nunca fizeram sexo.

Você não pode obter vaginose bacteriana a partir de assentos de sanita, roupas de cama ou piscinas.

Como posso evitar a vaginose?

Médicos e cientistas não entendem completamente como a vaginose bacteriana se espalha. Não há melhores maneiras conhecidas de evitá-lo.

Os seguintes passos básicos de prevenção podem ajudar a diminuir o risco de desenvolver VB:

  • Não fazer sexo;
  • Limitando o seu número de parceiros sexuais;
  • Não ducha; e
  • Usar preservativos de látex da maneira certa sempre que fizer sexo.

Estou grávida. Como a vaginose bacteriana afeta meu bebê?

Mulheres grávidas podem contrair vaginose bacteriana. Mulheres grávidas com VB têm maior probabilidade de ter bebês prematuros (precoces) ou com baixo peso ao nascer do que mulheres grávidas sem VB. Baixo peso ao nascer significa ter um bebê que pesa menos de 5,5 libras (2,49 kg) ao nascer.

O tratamento é especialmente importante para mulheres grávidas.

Como posso saber se tenho VB?

Muitas mulheres com VB não apresentam sintomas. Se tiver sintomas, você pode notar:

  • Um corrimento vaginal fino, branco ou cinza;
  • Dor, coceira ou queimação na vagina;
  • Um forte odor de peixe, especialmente depois do sexo;
  • Queimando ao urinar;
  • Comichão na parte externa da vagina.

Como meu médico saberá se eu tenho vaginose bacteriana?

Um profissional de saúde examinará sua vagina em busca de sinais de corrimento vaginal. Seu provedor também pode realizar testes laboratoriais em uma amostra de fluido vaginal para determinar se a VB está presente.

A VB pode ser curada?

A VB às vezes desaparece sem tratamento, mas se você tiver sintomas de VB, você deve ser examinado e tratado. Pois é muito importante que tome todos os medicamentos prescritos, mesmo que os seus sintomas desapareçam. Um profissional de saúde pode tratar a VB com antibióticos, mas a VB pode retornar mesmo após o tratamento. O tratamento também pode reduzir o risco de algumas DSTs.

Parceiros sexuais masculinos de mulheres com diagnóstico de VB geralmente não precisam ser tratados. A vaginose bacteriana pode ser transferida entre parceiros sexuais femininos.

 

O que acontece se eu não for tratada?

A VB pode causar sérios riscos à saúde, incluindo:

  • Aumentar sua chance de contrair o HIV se você fizer sexo com alguém que esteja infectado com o HIV;
  • Se você é HIV positivo, aumenta sua chance de passar o HIV para seu parceiro sexual;
  • Tornando mais viável o parto prematuro de seu bebê se você tiver VB durante a gravidez;
  • Aumentando sua chance de pegar outras DSTs, como clamídia e gonorreia. Às vezes, essas bactérias podem causar doença inflamatória pélvica (DIP), o que pode dificultar ou impossibilitar a gravidez.

Sugestão de leitura:

Certas bactérias vaginais podem proteger contra transmissão do HIV

Fontes

Centros para Controle e Prevenção de Doenças. Diretrizes de tratamento de doenças sexualmente transmissíveis, 2015. MMWR, 64 (RR-3) (2015).

Hillier S e Holmes K. Bacterial vaginose. Em: K. Holmes, P. Sparling, P. Mardh et al. (eds). Doenças sexualmente transmissíveis, 3.ª edição. Nova York: McGraw-Hill, 1999, 563-586.

 

Publicações Relacionadas

Clamídia e alguns fatos que você precisa saber

Cláudio Souza

Gonorreia Uma DST que a PrEP Não Evita

Cláudio Souza

Gonorreia. Uma DST que pode levar à infertilidade

Cláudio Souza

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.

Soropositivo.Org, Wordpress.com e Automattic fazem tudo a nosso alcance no que tange à sua privacidade. Você pode saber mais sobre esta política neste link Eu aceito A Política de Privacidade de Soropositivo.Org Ler Tudo em Política de Privacidade