Há Vida Com HIV

Estigma HIV e AIDS

Pergunta: Qual o conceito de estigma social?

Este banner abre uma página em outra aba, não se preocupe Não vai atrapalhar sua leitura ou pesquisa!

0

Se Você preferir, clicando na imagem, abre-se, em outra aba de seu navegador, minha página de consultoria de beleza no site da natura. Você pode continuar com sua leitura, suas pesquisas e, depois, dar uma olhadinha lá!

Estigma, HIV e AIDSEstigma HIV e AIDS tem sido, em minha vida, uma constante. No ano 2000 eu assumi uma posição, tornei-me uma pessoa vivendo com HIV publicamente. Os preços que paguei, e ainda pago por isso, tiveram suas cobranças feitas no campo da vida social

Estava pensando um pouco aqui, eu penso, pouco, para não queimar mais neurônios que o habitual. Pensava neste ponto do texto

Estigma HIV e AIDS ⇿ Como As Pessoas Com HIV O Enfrentam? Enxugando Gelo…

“No estigma, um sistema de crenças é realmente compartilhado pelo estigmatizador e os estigmatizados. O estigmatizador teme tornar-se o tipo de pessoa que odeia, e a pessoa estigmatizada sente [que] [em]vergonha… O estigma tem controle sobre as pessoas: é o que é tão tóxico e injusto em tudo isso”.

Recebo, em meu WhatsApp (+55 11 940 675 078), a pessoas que, por uma razão ou outra, passaram a acreditar que podem ter contraído HIV. Estas pessoas, muitas vezes, fazem dezenas, e até mesmo centenas de testes contra a presença de HIV e nunca conseguem aceitar o resultado não reagente.

Elas acreditam que “merecem ter o vírus”. Para elas, o HIV é castigo.

…É Por Minha Esposa E Minha Filha… Eu mereço (Ter HIV)

 

Estigma HIV e AIDS é uma constante em minha vida. Em algum ponto, no passado, eu assumi uma determinada postura esta fala veio de “um consulente”.

A esposa estava grávida e refratária, como em alguns casos acontece, a relações sexuais com o marido. Creio que isso é quase antropológico e tem, lá no fundo, alguma relação com o instinto reprodutor temporariamente consumado; mas, nestas ilações, reconheço que viajo.

Bem, nosso amigo e personagem (personalidade) não pode conter-se, e eu entendo isso, afinal o casal tinha 27 e 26 anos, e recorreu-se dos serviços de uma profissional que, eu não entendo este ponto, fez o trabalho sem preservativos. Preocupo-me com estas moças e quer dirigir-me brevemente a elas.

Falando para as profissionais do Sexo:

“Moças, por mais que vos possa parecer que – ele não tem AIDS, que não tem cara de quem tem isso”, quem vê cara não vê AIDS!. E veja, por mais que os R$ 100,00, R$ 300,000 ou R$1.000,00 a mais para não ter de usar o preservativo, não compensa absolutamente nada daquilo que você poderá fazer com este “cash”!

 

Sei bem o que digo, após quase trinta anos de vida com HIV! Bem, este moço que disse isso para mim nada diferente do que segue abaixo disse:

“Esta é uma doença de gente má, de caráter ruim, de índole duvidosa que trai a esposa ou o esposo, dentre outras coisas”!

E preciso citar Sílvia Almeida, viúva, mãe de três filhos:

O HIV não muda o caráter das pessoas

E ele não está sozinho nesta linha de pensamento. Quando as pessoas vêm até a mim, ou ficam “lá”, ensimesmadas com seus medos, tudo aquilo que elas dizem, ou pensam, e temem contra si, em geral, é exatamente aquilo que pensam de mim (nós) como pessoa (pessoas) vivendo com HIV ou AIDS.

Somatizando AIDS

Tenho, em minha cabeça, um texto sobre HIV/AIDS e somatizações que, um dia, juro, publicarei, mas vejam, sei de pessoas que “têm TODOS OS SINTOMAS da AIDS”! E estão vivas, sem tratamento, depois de quatro anos!

A ficha não cai?

Entristece-me chegar a estas conclusões, mas eu não estou escrevendo estas coisas com base em um achado! São falas, falas e falas, iguais no contexto, embora diferentes no conteúdo que mostram muitas coisas e, dentre elas, também, um total e completo desconhecimento dos fatos sobre a AIDS e negando somatização, mesmo quando claramente referendada.

NÃO ESTOU LOUCO(A) E somatização não faz isso.

Ignorância em meio à informação

Muitas vezes as pessoas que me procuram mostram-me, claramente, que nada sabem sobre HIV/AIDS e, nos dias de hoje, além do meu blog, com mais de 650 posts, há uma plêiade de sites muito bons em meio a outros tantos muito ruins.

As pessoas passam a acreditar que contraíram HIV há menos de três meses e começam a “manifestar” sinais de doenças oportunistas. Agora há pouco, na manhã de 17 de abril de 2021, ouvimos a BAND fazer uma matéria de quase 30 minutos sobre AIDS. Nunca vimos isso na TV antes!

Matéria bastante elucidativa, mereceria, creio, um horário melhor. Mas eles devem repeti-la, espero.

A AIDS, o Grande Estigmatizador, demora a Surgir

O fato é que ela mostra o que quase ninguém mostra. Entre o momento em que uma pessoa contrai HIV até o momento em que o ciclo de vida do HIV consumiu recursos orgânicos até à deficiência imunológica, AIDS, podem passar-se de dez a vinte anos sem tratamento.

Outro dia falava com uma moça, que me bloqueou (cancelamento?) quando descobriu meu lado humano, e percebi-a estupefata quando lhe disse que poderiam ser necessários, no mínimo, cinco anos para começar a haver complicações. Eu a sondei e, de fato, ela não tinha a menor ideia a respeito.

Estigma HIV e AIDSEsta ignorância, endêmica, multiplica sofrimentos, espalha medos, gera testagens até diárias em algumas pessoas, consumindo preciosos recursos econômicos, enquanto cerca de, no mínimo, 100.000 pessoas portam HIV e não o sabem!

Enfim, o estigma contra HIV/AIDS ajuda a complicar, em muito, as coisas. E esclarecer, esclarecer e esclarecer é dever de todos, todos e todos.

 

Portanto, muitas vezes, sinto-me assim:

Enxugando o gelo.

Cláudio Souza

Se você gostou deste texto, talvez possa gostar deste: Enxugando o Gelo

Ou deste: AIDS e Legalidade Sonegada.

 

O BLOG TEM UM CUSTO E ELE PRECISA DE VOCÊ

VALOR ANUIDADE R$ 996,00 GASTOS OUTROS. - Há outros custos esporádicos
Você pode apoiar com R$ 5,00! 

APOS A RETIRADA DO MEU BENEFÍCIO PELO INSS ME ENCONTRO SE RENDA MINIMA PRA CUSTEIO DO MEU TRABALHO, o BLOG,, e minha vida ficou mais difícil.

Ajude a transformar 21 anos de trabalho em 30

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.