Há Vida Com HIV

País paga por córneas cujo destino é o lixo

Este banner abre uma página em outra aba, não se preocupe Não vai atrapalhar sua leitura ou pesquisa!

0

 

ASSESSORIA DE COMUNICAÇÃO

Folha de S. Paulo

Editoria:

Pág.

Dia / Mês/Ano:

Cotidiano

 

18/JUNHO/07

 

País paga por córneas cujo destino é o lixo

 

Brecha na lei permite que córneas inúteis para transplante sejam captadas nos bancos de olhos; cada par custa R$ 1.400 à União

                                                          

Coleta é feita mesmo nos casos em que o transplante é proibido, como Aids e hepatite; 15 mil córneas são captadas por ano no país

 

CLÁUDIA COLLUCCI

DA REPORTAGEM LOCAL

 

                                                          

Uma brecha na legislação faz com que a União pague por córneas sabidamente inviáveis, que vão parar no lixo. Em alguns bancos de olhos do país, o índice de descarte chega a 70%.

                                                          

Estima-se que o governo federal gaste ao menos R$ 6,3 milhões anuais na captação de córneas que não servirão para transplante -já não tinham qualidade na hora da coleta ou a inviabilidade foi descoberta mais tarde, com exames.

                                                          

A situação ocorre porque uma resolução nacional criou regras para o transplante de córneas -proibindo o uso de tecidos de mortos por Aids, hepatite e infecção generalizada, por exemplo- mas “esqueceu” de estabelecer os mesmos critérios para a retirada do olho.

                                                          

Ou seja, toda córnea doada pode ser coletada (e o banco de olhos recebe em média R$ 1.400 pelo par da União), mas nem toda córnea pode ser transplantada.

                                                          

Em fevereiro, o Coren (Conselho Regional de Enfermagem) de São Paulo denunciou ao Ministério Público Estadual a coleta indiscriminada de córneas pelo Banco de Olhos de Sorocaba -o maior do país-, onde o descarte médio é de 37%, segundo a instituição.

        &

nbsp;                                                 

“Profissionais relataram que a orientação [do banco de olhos] era captar toda córnea doada, mesmo quando já se sabia que ela iria para o lixo. A intenção era faturar”, diz Cláudio Alves Porto, coordenador de fiscalização do conselho.

                                                          

Um inquérito civil foi aberto. Para a promotora Anna Trotta, até agora, não se pode falar em ilegalidade, pois a lei não estabelece regras para evitar a coleta indiscriminada. “Mas não há dúvida de que se gastou dinheiro público com córneas inviáveis, sem controle.”

                                                          

Em maio, o governo paulista editou uma resolução que corrige, pelo menos em parte, a distorção. Agora, se o prontuário do paciente indicar que ele tenha morrido de doença que inviabilize o transplante, a córnea não poderá ser retirada.

                                                          

No resto do país, prevalece a resolução anterior. Segundo a Agência Nacional de Vigilância Sanitária, um grupo de trabalho revisará a norma. Até o final do ano, a agência promete colocar o texto em consulta pública.

                                                          

Outro problema apontado – e corrigido na resolução estadual- é o fato de a família do doador não ser avisada de que a córnea pode não servir para transplante e ser descartada.

                                                          

No Ministério da Saúde, nas centrais de transplantes e nos bancos de olhos, o discurso é o mesmo: na maioria dos casos não dá para saber, de antemão, se a córnea servirá para transplante. Tal situação ocorreria porque só depois de feitos os exames sorológicos, que demoram em média dois dias, é possível atestar a sua viabilidade.

                                                          

“Uma excelente córnea, perfeita para usar, depois de dois dias pode sofrer alteração. Falar em descarte em banco de olhos não é um absurdo, é normal”, diz Edil Vidal de Souza, coordenador do Banco de Olhos de Sorocaba (que capta 75% das córneas no Estado).

                                                          

Por esse motivo é que o médico Luiz Augusto Pereira, responsável pela central de transplantes de São Paulo, acredita que, mesmo com a nova legislação paulista, o índice de córneas inviáveis continuará alto.

                                                          

“Só mudou o que estiver explicitamente no prontuário do doador, se ele tem HIV, hepatite, leucemia, por exemplo. Mas se você pegar um jovem de 20 anos, que morreu de acidente, que a família doou [a córnea], não significa que a córnea é boa. Pode estar infiltrada, com edema e outros detalhes que inviabilizam o transplante.”

                                                          

Não há estimativa oficial do percentual de córneas previamente inviáveis e que mesmo assim são coletadas. Especula-se uma taxa acima de 10%.

                                                          

Nos EUA, o índice de descarte é de 50%, diz a Associação de Bancos de Olhos da América. Mas não há dinheiro público envolvido. Os bancos são privados, arcam com a captação, mas podem vender o tecido. No Brasil, o comércio é proibido.

                                                          

Captação

Os R$ 1.400 pagos pelo governo federal por cada par de córneas captada financiam o processo de abordagem da família dos mortos, o processamento e os exames.

                                                          

Os bancos de olhos apenas notificam o descarte à central de transplantes. Não há controle do material inviável.

                                                          

O Ministério da Saúde afirma que a média de descarte no país é de 30%. Em São Paulo, que faz mais da metade das captações e transplantes, o índice seria de 50%. Em alguns bancos, a média chega a 70%.

                                                          

Por ano são captadas no Brasil cerca de 15 mil córneas (custo de R$ 21 milhões). A remuneração para a captação de córneas ocorre desde 2001. Antes, só se pagava pelo transplante.

Este banner abre uma página em outra aba, não se preocupe Não vai atrapalhar sua leitura ou pesquisa!

Ajude a transformar 21 anos de trabalho em 30

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.