HIV

Pandemia HIV/AIDS / Pandemia COVID-19, Mulheres Negras, Pobres VS Pandemia HIV/AIDS

[vc_row][vc_column][bs-heading title=”A pandemia HIV/AIDS não foi apagada pela pandemia COVID-19! Todos ainda sofrem com Ema, mas as mulhres pobres, e as negras… Hummmm!” show_title=”1″ icon=”fa-share-alt-square” title_link=”” heading_color=”” heading_style=”t3-s3″ heading_tag=”h2″ bs-show-desktop=”1″ bs-show-tablet=”1″ bs-show-phone=”1″ bs-text-color-scheme=”light” css=”” custom-css-class=”” custom-id=”share-mulher-pobre-negra”][/vc_column][/vc_row][vc_row][vc_column][vc_column_text el_id=”hiv-endemico”]

Em DC, a taxa de infecção por HIV quase dobra para algumas mulheres negras pobres.

Sabrina Heard, 55, que é HIV positiva e trabalha como agente de saúde comunitária no Coletivo de Mulheres em Washington, passou por um teste de HIV em setembro. (Nikki Kahn / The Washington Post)

Por Lena H. Sun

20 de junho de 2012

A taxa de infecção de HIV para mulheres afro-americanas heterossexuais nos bairros mais pobres do distrito quase dobrou em dois anos, de 6,3 por cento para 12,1 por cento, de acordo com um estudo divulgado na quarta-feira pelo Departamento de Saúde de DC.

O grande aumento reflete testes mais amplos de pessoas que não sabiam de seu estado e, possivelmente, uma taxa ainda crescente de novas infecções neste grupo de alto risco, disseram as autoridades.

Pandemia, endemia ou o que?

[/vc_column_text][/vc_column][/vc_row][vc_row][vc_column][bs-heading title=”Quanto Mais Cedo Se Começa a Terapia Antirretroviral, melhor!” show_title=”1″ icon=”fa-medkit” title_link=”tarv-prematura-melhor” heading_color=”” heading_style=”t3-s3″ heading_tag=”h3″ bs-show-desktop=”1″ bs-show-tablet=”1″ bs-show-phone=”1″ bs-text-color-scheme=”” css=”” custom-css-class=”” custom-id=””][vc_column_text]A doença continua em níveis epidêmicos em Washington. Ao divulgar o estudo, as autoridades distritais de saúde anunciaram novas recomendações para médicos e outros profissionais de saúde para iniciarem o tratamento imediatamente para todas as pessoas recém-diagnosticadas com HIV, em vez de esperar por evidências de que o sistema imunológico de alguém foi gravemente danificado.

Washington está se preparando para sediar a Conferência Internacional de AIDS no próximo mês, a primeira vez que o encontro global retorrna aos Estados Unidos em mais de duas décadas. As autoridades distritais procuram destacar o progresso da cidade no combate à epidemia.

Na quarta-feira, as autoridades também divulgaram a atualização anual do Departamento de Saúde sobre HIV / AIDS, que mostrou uma queda no número geral de novos casos de AIDS ao longo de quatro anos e melhorias no atendimento rápido de pessoas infectadas. Por exemplo, 76,1 por cento das pessoas infectadas estavam conectadas a cuidados dentro de três meses após o diagnóstico em 2010, contra 58 por cento em 2006. [/vc_column_text][/vc_column][/vc_row][vc_row][vc_column][vc_column_text css_animation=”bounceInDown” el_id=”prevalencia-entre-heterossexuais”]O Departamento de Saúde de DC relata um aumento na porcentagem de residentes heterossexuais testando HIV positivo, especialmente entre mulheres. (The Washington Post / Fonte: Departamento de Saúde de DC). O prefeito Vincent C. Gray (D), em um comunicado, citou que uma conexão rápida com o atendimento foi uma das muitas conquistas da cidade.

O instantâneo anual também dá uma imagem mais precisa do que em relatórios anteriores para o número de pessoas que vivem com HIV ou AIDS por causa de um sistema de rastreamento aprimorado que elimina a duplicação. Havia 14.465 pessoas, ou cerca de 2,7 por cento dos residentes do Distrito com mais de 12 anos, que viviam com HIV ou AIDS em 2010, o ano coberto pelo relatório. Essa taxa de prevalência – a porcentagem total de pessoas em uma população com a condição ou doença em um determinado momento – está entre as mais altas de qualquer cidade dos Estados Unidos.[/vc_column_text][/vc_column][/vc_row][vc_row][vc_column][vc_column_text css_animation=”fadeInDownBig”]Mais preocupantes foram os dados sobre as taxas de infecção de heterossexuais que vivem em áreas do Distrito com prevalência de HIV e baixa renda, predominantemente nas alas 7 e 8. O Distrito é uma das 21 cidades em uma pesquisa em andamento financiada pelos Centros de Controle de Doenças dos EUA e Prevenção de comportamento em três populações-alvo: heterossexuais com alto risco de infecção pelo HIV, homens que fazem sexo com homens e usuários de drogas injetáveis.

Em 2008, a pesquisa amostrou 750 heterossexuais em áreas com altas taxas de infecção e pobreza e encontrou uma taxa geral de infecção de 5,2% entre esse grupo e uma taxa de infecção de 6,3% entre as mulheres em risco.

Em 2010, essas taxas subiram para 8% e 12,1%, respectivamente. Os dados demográficos do estudo de 482 participantes foram semelhantes aos de 2008: quase todos negros, 62% ganhando menos de US $ 10.000 e 37% desempregados.

 

A pesquisa entrevistou indivíduos com conexões a redes sociais de alto risco. Nessas redes sociais, a infecção pelo HIV é alta e as chances de infecção são maiores, disseram as autoridades.

Greg Pappas, diretor sênior do Departamento de Saúde de DC, disse que é difícil saber se o aumento representa novas infecções. O tamanho da amostra também é limitado, disse ele.

No entanto, ele disse: “Continuamos a ter uma epidemia heterossexual muito grave”.

Ao contrário de outras cidades onde a população de risco pode estar concentrada entre usuários de drogas intravenosas ou homens que fazem sexo com homens, Washington tem uma “epidemia mista”, com um enorme fardo recaindo sobre afro-americanos heterossexuais.

As autoridades disseram que 90 por cento de todas as mulheres com HIV são negras.

Noventa Por Cento!

Pappas estimou que 20 a 30 por cento da população soropositiva do Distrito “provavelmente anda infectada e não sabe disso”, disse ele.

Outros especialistas disseram que as descobertas do estudo são preocupantes.

[/vc_column_text][/vc_column][/vc_row][vc_row][vc_column][bs-heading title=”Epidemia de HIV entre heterossexuais pode ser mais significativa” show_title=”1″ icon=”fa-venus” title_link=”” heading_color=”” heading_style=”t3-s3″ heading_tag=”h3″ bs-show-desktop=”1″ bs-show-tablet=”1″ bs-show-phone=”1″ bs-text-color-scheme=”” css=”” custom-css-class=”” custom-id=””][/vc_column][/vc_row][vc_row][vc_column][vc_column_text css_animation=”zoomInDown”]

Você já ouviu falar em “pobreza concentrada? Como Massa de tomate em lata?

Porque não é isso? É um local, uma região de uma cidade, como a Zona Leste de sampa, que eles ousam chamar de “dormitório”.

É isso! Um lugar para onde eles direcionam as pessoas pobres, com “moradias populares’, onde eles mesmos não viveriam, para dormir, vegetar e, um dia, morrer, enquanto produzem, ganhando pouco. Isso é pobreza concentrada e, em geral, gente negra vive lá.

Tenho (tive) um amigo que, uma vez, disse-me que eu também era uma pessoa “de direita”, pois pessoas de direita se preocupam com o povo, com os pobres.

Sim, reotrqui: Como manter o pobre vivo pelo maior tempo possível, e devidamente acomodado, para que eles rendam o máximo!

Esta é a principal vossa maior preocupação, seus malditos!

Outros especialistas disseram que as descobertas do estudo são preocupantes.

“Embora reconhecendo as limitações de um estudo baseado em amostra, parece que a epidemia de HIV entre heterossexuais pode ser mais significativa do que o estudo anterior estimou”, disse Michael Rhein, vice-presidente sênior do Institute for Public Health Innovation, um grupo sem fins lucrativos que coordena vários programas regionais de apoio a pessoas com HIV / AIDS.

Ele chamou as novas taxas de alarmantes. No pior cenário, disse ele, eles refletem “um verdadeiro aumento na taxa de HIV entre heterossexuais e mulheres que vivem em áreas de pobreza concentrada”.[/vc_column_text][better-ads type=”banner” banner=”196240″ campaign=”none” count=”2″ columns=”1″ orderby=”rand” order=”ASC” align=”center” show-caption=”1″ lazy-load=””][/vc_column][/vc_row][vc_row][vc_column][vc_single_image image=”196385″ img_size=”big” alignment=”center” onclick=”custom_link” css_animation=”bounceInDown” link=”https://soropositivo.org/oxigenio/”%5D%5B/vc_column%5D%5B/vc_row%5D

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.